ASSIMILADOS VER­SUS BAN­TU

Jornal Cultura - - Primeira Página -

Quan­do que­re­mos­que­re­mos ler o nosso dia-a- dia é ine­vi­tái­ne­vi­tá­vel que quei­ra­mo­sa­mos queir sa­ber quais são as nos­sas ori­gen­so­ri­gens.igens. Es­te con­fli­to do nosso fo­roo ín­ti­moín é re­me­ti­do,, ci­o­sa­men­te,ci­o­sa­men pa­ra os bas­ti­do­re­ses da His­tó­ria. Pa­ra um pal­coo cui­da­do­sa­men­cui­da­do­sa­men­te re­ser-re­ser­va­do­va­do­a­do a ini­ci­a­dos e su­fi­ci­en­te­su­fi­ci­en men­te­men­tee iso­la­do par­pa­ra que o “mun­do re­a­le­al ofi­ci­a­lo­fi­ci­al” não pos­sa ser con­ta­mi­na­do. con­ta­mi­na­do ta­mi­na­do.

A QUES­TÃO

Quan­do que­re­mos ler (com­pre­en­der) o nosso dia-a-dia é ine­vi­tá­vel que quei­ra­mos sa­ber quais são as nos­sas ori­gens. Es­te con li­to do nosso fo­ro ín­ti­mo é re­me­ti­do, ci­o­sa­men­te, pa­ra os bas­ti­do­res da His­tó­ria. Pa­ra um pal­co cui­da­do­sa­men­te re­ser­va­do a ini­ci­a­dos e su ici­en­te­men­te iso­la­do pa­ra que o “mun­do re­al o ici­al” não pos­sa ser con­ta­mi­na­do. Um es­pa­ço que se­man­ti­ze um lim­bo estranho à re­a­li­da­de e dis­tan­te do que im­por­ta à vi­da das pes­so­as, on­de se dis­cu­ta, as­sep­ti­ca­men­te,a nos­sa ma­triz cul­tu­ral.Te­mos mui­to orgulho em ser­mos ilhos de África por­que é “o ber­ço da hu­ma­ni­da­de”. Num tex­to pu­bli­ca­do nes­te jor­nal no nº 154 tra­ze­mos uma fa­la de Ki-Zer­bo, em várias oca­siões ci­ta­da, que nos diz que “a me­nos que op­tás­se­mos pe­la in­cons­ci­ên­cia ou ali­e­na­ção, não po­de­ría­mos vi­ver sem me­mó­ria ou com a me­mó­ria do ou­tro”.So­mos qual­quer coi­sa, lá is­so so­mos por­que das su­as ori­gens nin­guém po­de ser, mes­mo que quei­ra, se­pa­ra­do,mas o que so­mos é as­su­mi­do si­len­ci­o­sa­men­te, en­ver­go­nha­da­men­te.

O PA­TRI­MÓ­NIO MA­TE­RI­AL

Num tex­to, ain­da no pre­lo, res­pi­ga­mos du­as pas­sa­gens que co­lo­cam à apre­ci­a­ção o pa­tri­mó­nio cons­truí­do. No tex­to 1 tro­pe­ça­mos num mo­nu­men­to fu­ne­rá­rio pró­prio das cul­tu­ras me­ga­lí­ti­cas re­gis­ta­das por Re­di­nha na sua car­ta cul­tu­ral edi­ta­da em Et­ni­as e Cul­tu­ras de An­go­la. No tex­to 2 en­con­tra­mos, no co­ra­ção da Qui­len­da, ou me­lhor no ex­tre­mo Su­des­te do seu ter­ri­tó­rio, ruí­nas du­ma cons­tru­ção que te­rá si­do um es­ta­lei­ro que ba­se­ou as pri­mei­ras edi ica­ções que iri­am dar ori­gem à Ga­be­la.

Tex­to 1:

“Es­se chefe que a tradição co­nhe­ce co­mo Kim­bu­ri ou Kin­gu­ri, ( Nga­na Mbu­ri) es­ta­ci­o­nou no al­to do mor­ro do Ca­pi­lo, olhou atrás, olhou em fren­te, olhou à di­rei­ta, olhou à es­quer­da e dis­se:

– “O mu­no mo­pi­lu pi­luy­la­mo uphe­la wa­mi”. “Aqui se vi­ra e vai-se vi­rar o meu so­ba­do. Aqui.”

Nes­se mes­mo sí­tio exis­te um mo­nu- men­tal tú­mu­lo me­ga­lí­ti­co cir­cu­lar, di­vi­di­do em qua­tro sectores cir­cu­la­res, que ain­da há re­la­ti­va­men­te pou­co tem­po era al­vo de pe­re­gri­na­ções e de­vo­ções mas que ho­je se en­con­tra aban­do­na­do e com­ple­ta­men­te imer­gi­do pe­la flo­res­ta cir­cun­dan­te. Per­to, mas na ba­se do mor­ro do Ca­pi­lo es­tá um ou­tro gran­de tú­mu­lo que se­gun­do a tradição se des­ti­nou a Kan­don­du, ir­mão de Nga­na Mbu­ri.”A Qui­len­da. Tex­tos da Es­cri­ta e da Ora­li­da­de; Con­ver­gên­ci­as, p. 20

Tex­to 2:

“No ter­ri­tó­rio da Ka­suswa, na Ki­pe­ta, po­de ver-se ruí­nas de um an­ti­go en­tre­pos­to de con­tra­ta­dos as­si­mi­la­do à fun­da­ção do po­vo­a­do da Ga­be­la.

– Na Ki­pe­ta che­gou um bran­co que pe­dia ao so­ba ilhos pa­ra a ren­da. O so­ba a prin­cí­pio foi man­dan­do jo­vens da Ban­za re­cru­ta­dos nos bair­ros pois a ren­da era um tri­bu­to que se pa­ga­va em tra­ba­lho. As mães co­me­ça­ram a quei­xar-se por­que nem to­dos re­gres­sa­vam e en­tão o so­ba, pres­si­o­na­do pe­las ma­mãs, pa­ra por im a es­se tri­bu­to, em vez de ilhos en­vi­ou uma se­ta em si­nal de pro­tes­to. Es­te si­nal de re­sis­tên­cia le­vou a que hou­ves­se um con­fron­to vi­go­ro­so em Wan­gu­lun­gu que fez com que fos­se aban­do­na­do es­se en­tre­pos­to, que era mais co­mo uma pri­são on­de per­noi­ta­vam os ho­mens da ren­da.”A Qui­len­da. Tex­tos da Es­cri­ta e da Ora­li­da­de; Con­ver­gên­ci­as, p. 19

O tex­to 1 fa­la-nos, pe­la bo­ca de Nga­na Ngwangwa, de uma cons­tru­ção­do séc. XVII,de um pa­tri­mó­nio cons­truí­do que nos re­me­te pa­ra a re­cu­pe­ra­ção da me­mó­ria ban­tu.

O tex­to 2, gui­a­dos pe­lo mes­mo Nga­na Ngwangwa, le­va-nos às ruí­nas de uma cons­tru­ção do iní­cio do séc XX que nos re­cu­pe­ra a me­mó­ria de um tem­po em que o pro­ta­go­nis­mo já não é ban­to mas da pe­ne­tra­ção por­tu­gue­sa no in­ter­land do Am­boim.

O PA­TRI­MÓ­NIO IMA­TE­RI­AL

A igu­ra 1 é uma fo­to­gra ia de 1958 re­ti­ra­da de Re­di­nha, Et­ni­as e Cul­tu­ras de An­go­la, e re­pre-sen­ta um so­ba da re­gião dos Dem­bos com o seu gor­ro dis­tin­ti­vo de chefe e de ma­nu­fac­tu­ra ri­tu­al lo­cal.

A fi­gu­ra 2 é uma fo­to­gra­fia ac­tu­al e re­pre­sen­ta um so­ba da re­gião da Qui­len­da.

A igu­ra 3 re­pre­sen­ta um so­ba cokwe e é uma fo­to­gra ia de 1945 re­ti­ra­da de Re­di­nha, Et­ni­as e Cul­tu­ras de An­go­la. Co­mo sím­bo­los do seu po­der re­co­nhe­ce-se o seu man­to ou mu­kam­bo. Ao om­bro tem o ma­cha­di­nho de pa­ra- da, mun­dam­ba­la e à cin­ta o cin­da­lu ou bainha pre­gue­a­da pa­ra fa­cas, de acor­do com a sua hi­e­rar­quia.

Nga­na Ngwangwa, um so­ba de uma das Ban­zas da Qui­len­da, ou­vi­do por nós, dis­cor­re as­sim sobre a le­gi­ti­ma­ção do Po­der Tra­di­ci­o­nal:

– Anu­al­men­te os so­bas reu­ni­dos nas su­as jim­ban­za fa­zem uma pe­re­gri­na­ção ao ma­lom­be (mu­seu).

O ter­mo ma­lom­be no­meia o sí­tio sa­gra­do on­de re­pou­sam os ar­te­fac­tos to­té­mi­cos que sus­ten- tam a co­e­são clâ­ni­ca da população afec­ta à mban­za. A es­se lo­cal cha­ma- se em por­tu­guês mu­seu. Pro­pus a re­tro­ver­são pa­ra mau­so­léu mas foi- me ex­pli­ca­do que o lo­cal não tem na­da a ver com o re­pou­so dos restos mortais dos so­bas fa­le­ci­dos pe­lo que es­se no­me cri­a­ria am­bi­gui­da­des que en­som­bra­ri­am o seu sig­ni­fi­ca­do.

A pe­re­gri­na­ção anu­al ao mu­seu co­me­ça com o en­vio de um re­ca­do (mu­kan­da), a par­tir da Mban­za, a con­vo­car to­dos os so­bas e ma­ko­ta (mais ve­lhos con­se­lhei­ros) pa­ra o dia apra­za­do.

To­dos os con­vo­ca­dos de­vem apre­sen­tar- se em je­jum. As vi­tu­a­lhas pa­ra a con­fec­ção dos ali- men­tos são reservadas an­te­ci­pa­da­men­te na Mban­za on­de um dos au­xi­li­a­res do So­ba ( Oleyi) se en­car­re­ga de ver res­pei­ta­do todo o pro­ce­di­men­to exi­gi­do pa­ra tal fim.

Es­se au­xi­li­ar do so­ba cha­ma-se Oleyi. Tem de ser ho­mem e de li­nha­gem pró­pria. É ele que recebe a co­mi­da da cozinha pa­ra ser­vir o So­ba que é o an itrião da ce­ri­mó­nia. É tam­bém o Oleyi que di­ri­ge a la­va­gem dos uten­sí­li­os usa­dos na dis­tri­bui­ção da re­fei­ção e ele pró­prio la­va o pra­to do So­ba que é fei­to de ibra de pal­mei­ra (co­mo os ces­tos, as quin­das).

– É ver­da­de, tem o pró­prio que pre­pa­ra a co­mi­da e la­va o pra­to do So­ba, «Oleyi mu­ta­ta ope­ka udya kwa so­ba. O owo wangwa­na o ma­lu­vu, o mapya, o mathu owo su­ku­la ma­lon­ga (pra­tos de ibra de pal­mei­ra)» – ex­pli­cou Ngwangwa.

En­tão, no dia apra­za­do, os so­bas e os seus con­se­lhei­ros di­ri­gem-se pa­ra o Mu­seu, em je­jum e as­sim se man­têm en­quan­to lá es­ti­ve­rem. É fei­ta a cha­ma­da a to­dos os so­bas que um a um vão res­pon­den­do con­fir­man­do a sua pre­sen­ça no ac­to. Ca­da so­ba é cha­ma­do não pe­lo seu no­me ci­vil mas pe­lo no­me do an­ces­tral que deu ori­gem à li­nha­gem.

PE­DRO ÂN­GE­LO

EU­GÉ­NIA KOSSI

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.