Jornal Cultura - - GRAFITOS NA ALMA -

Ami­ga, só ami­ga”, diz-me ela. Sus­sur­ro que lhe sai nu­ma voz bran­da e te­me­ra­ta. E con­ti­nua «foi Deus que cons­pi­rou con­tra a tua pre­ten­sa de­ci­são de me que­re­res. Eu, coi­ta­da de mim, ape­nas anui nes­se sen­ti­do». De ca­be­ça bai­xa, ren­te à go­la de ves­ti­do de cor púr­pu­ra e qui­çá de se­ta já no imo, dis­si­mu­la «sou en­re­da­da e não te pos­so es­pe­ran­çar». Es­bo­ça um ges­to, to­can­do li­gei­ra­men­te o fe­ti­che de me­tal que tem no de­do, com a den­gui­ce du­ma frei­ra, pa­ra mei­ga­men­te me ar­ra­sar «apar­ta­te de mim, oh meu ze­lo­so sa­du­ceu!». En­ce­na is­so num aces­so ful­mi­nan­te de im­pro­vi­so e num ex­ces­so de pu­dor in­vo­lun­tá­rio, tal que me fa­zen­do pas­sar um ras­to de ci­lí­cio pe­la fron­te, dei­xan­do-me a va­ga sen­sa­ção de do­lo­ro­so san­gue fres­co a pe­ne­trar-me as ven­tas do na­riz. Ape­sar dis­so, é uma va­ra que di­an­te de mim bran­de, vi­ren­te e cheia de ibra. Es­tá con­fu­sa e não esconde a nu­an­ce de es­bel­ta ju­ve­nil he­si­ta­ção. Diz a fra­se num mis­to de hon­ra­dez e de em­ba­ra­ço, al­go da zo­na de con­for­to, pu­xan­do mais pe­la vi­gên­cia de uma pre­co­ce pa­la­vra da­da do que pe­lo vi­brar do seu sin­ce­ro chão car­día­co. E co­mo quem se vê a meio de uma es­ca­la­da e en­ro­la­do nu­ma teia de di ícil des­pren­di­men­to sus­pi­ra, em tom de pú­di­ca per ídia, pa­ra se ga­bar de uma su­pos­ta re­ga­la­da si­tu­a­ção, que ela sa­be não ser pi­ta­da da­qui­lo que lhe vai na raiz de al­ma no­vi­ça e re­car­re­ga «sou a bo­ca e li­vre voz da mi­nha ex­cel­sa con­di­ção».

En­tão, co­lo­co a pre­sa sob a mi­ra de ca­bres­tan­te olhar de lin­ce e dis­pa­ro cer­tei­ra­men­te «Ho­sa­na, a tua apos­ta no disfarce não adi­an­ta, o teu in­gi­do pu­lu­lar de im­pa­la a li­ta não en­con­tra pro­vi­men­to. Oh meu cis­ne ala­do, quan­ta an­sia de vo­lú­pia não es­con­des tu de­bai­xo des­ta plu­ma de pa­re­cen­te Pom­peia a er­mo? Não te po­nhas na alhe­ta da­qui­lo que te po­de mu­dar a vi­da, oh meu cá­li­do rai­ar de no­va au­ro­ra! Sa­bes mui­to bem que a praia do teu so­nho não é es­ta. És um vi­vo e le­do fa­vo de aven­tu­ra, es­sên­cia ado­ci­ca­da nu­ma pé­ta­la de mal­va. Uma bre­cha no pa­no de ho­ri­zon­te e um risco ali vin­ca­do no li­vro de destino. Uma ba­la de agu­ça­da sen­su­a­li­da­de na la­pe­la des­te sol pri­ma­ve­ril». Ela es­tre­me­ce e qua­se cai. Fi­ca lá­ci­da de vi­ço e de fa­lá­cia na mão. De se­gui­da, ita-me no ros­to, de mo­do afei­to e ata­ran­ta­do. Abre-se to­da a dar­me afa­go, co­mo uma gra­lha de pe­le em fran­ja, avul­sa e sol­ta por de­bai­xo das asas, na po­si­ção de dis­pli­cen­te guar­da de hon­ra. Mas, de­pois, in­tui­ti­va­men­te se ar­re­pen­de, dá um sal­to ar­re­ba­ta­do e cai em si. Re­to­ma a cal­ma e sen­sa­tez, e num ra­lhar efe­mi­na­do me con­ju­ra «não! É me­lhor não. Afas­ta-te, da­ni­nho!». De­pois, ro­gan­do-me re­ca­to e abs­ti­nên­cia, com re­la­ção à ten­ta­do­ra pre­ten­são, lan­ça-me ve­e­men­te e do­lo­ri­da in­ti­ma­ção «Do­na­to, dei­xa de me co­mer com gu­lo­di­ce da tua po­e­sia!».

E eu, que sou ti­nho­so e des­te­mi­do le­nha­dor, pa­ra le­var se­le­ta bra­sa de acon­che­go à tua la­rei­ra; pa­ra mim, que sou afoi­to co­bi­ço­so das pro­e­zas do uni­ver­so, co­mo o es­plen­dor de be­lo sol no ir­ma­men­to, o con­tor­no de bo­ni­ta lua cheia, a mão da Dic­ti­na no jar­dim, a po­se de patrícia no re­man­so, o re­don­do olhar de pom­ba, a cur­va de la­ran­ja, o acre de ma­çã, o ovo de Co­lom­bo so­bre a me­sa, a li­nha das estrelas e o ten­ro ila­men­to das lu­zes so­bre o cos­mo, po­dia ser enor­me fu­ra­cão le­var com is­to, mas te­nho uma ou­tra in­di­ci­a­ção do va­ti­cí­nio, por­que acre­di­to no de­vir e na cla­rei­ra de uma ní­ti­da ma­nhã. Não há noi­te te­ne­bro­sa que não se­ja pa­ra im­por o seu di­le­ma e que não pos­sa ser di­a­de­ma a vir a ei­to até co- li­na. En­xer­go o dis­pu­ta­do pa­raí­so e di­vi­so que não ica pa­ra lá da mi­nha pre­ce e mi­nha vis­ta. E ade­mais, sin­to a sus­ter­me no fun­do de imo uma en­zi­ma de au­ri­lu­zen­te pro­mis­são, com to­do o seu ar­dor e acu­ti­lân­cia, lo­res­cen­do-me a von­ta­de, aden­tro do meu pei­to. Por is­so, es­tou an­si­o­so de ar­ro­lar o céu in­tei­ro, com to­da a sua cor­te e né­dio ce­tro, pa­ra jun­to dos meus pró­pri­os apo­sen­tos. E apraz­me dar um bra­do: ó mi­nha in­vic­ta ga­lu­la, es­ta rés­tia de es­pe­ran­ça exis­te sem­pre, em­bo­ra té­nue.

E mes­mo não ha­ven­do, na­da me im­pe­di­ria de en­ce­tar uma in­gen­te di­li­gên­cia e pôr-me em cam­po, pa­ra en­to­ar, a par­tir des­te pa­tí­bu­lo de né­voa, um vi­go­ro­so e so­an­te hi­no, lau­da­ti­vo a quem qui­ses­se, mor­men­te a uma so­ber­ba pul­cri­tu­de e re­quin­ta­da gen­ti­li­da­de, im­po­lu­ta e dig­na de vé­nia, até nos cír­cu­los de Olim­po. Uma es­pan­to­sa for­mo­su­ra, que do­mi­na, co­mo­ve e pa­ra­li­sa. Uma re­a­le­za que não precisa de lei e de sol­da­dos pa­ra se im­por, por­que a pre­sen­ça con­ta­gia e to­ni ica, ins­pi­ra uma ge­nuí­na au­to­ri­da­de e res­pi­ra a mais dei ica im­pres­são de li­vi­dez e de har­mo­nia. Por is­so, a sua fo­go­sa au­re­o­la mís­ti­ca res­sum­bra-me na ca­ra, por­que me­te qual­quer man­ce­bo em cha­mas, na car­ne e na al­ma. Co­mo acen­tu­a­va o acla­ma­do ente da pro­sa e da po­e­sia, João Va­re­la, o sa­ge Vá­rio, «A be­le­za é úni­ca ver­da­de re­ve­la­da». En­tão, que se­ja a re­za ima­cu­la­da a sau­dá­la e a dar-lhe gra­ças e lou­vo­res, no al­to do seu di­vi­no pe­des­tal.

A tua en­le­va cur­va­tu­ra é a cin­ta de pro­dí­gio no ei­xo de uma lua. A re­don­dez de mi­o­lo ao cen­tro, a voz de edul­co­ran­te ave ca­no­ra, a ful­gu­rân­cia de an­jo ao al­to, co­mo evo ar­re­ba­nha­do no açu­de de te­lha­do. A im­po­nên­cia es­pi­ri­tu­o­sa vem de ci­ma, ver­ti­gi­no­sa, não obs­tan­te ser hu­mil­de. A ele­gân­cia a re­ful- gir de to­da a par­te mais re­mo­ta e com o imã de va­ran­da a ser o pi­co-gra­vi­da­de. O má­gi­co ras­gar do teu olhar es­ma­ga­me, de ar­dên­cia, de re­lan­ce e de re­ga­lo. O eco de tua voz aman­sa-me o costume, per­cu­te-me o ín­cli­to de­se­jo, de go­zo, de ver­dor e de fres­cu­ra. Acos­sa-me o li­ris­mo de mais ín­ti­mo. Oh! Co­mo me fe­re ima­gi­ná­rio o par de tú­mi­dos ma­mi­los! É uma chis­pa de de­lei­te que amiu­da­do me fus­ti­ga, o tem­po to­do, e mo­le me ma­tan­do; car­co­me e pro­gres­si­va­men­te me con­so­me. Mas co­mo can­ta­va o va­te, Má­rio Fon­se­ca,«é uma mor­te que quan­to mais me ma­ta, mais que­ro mor­rer». Uma es­tre­la com a luz de cin­ti­lan­te pro­fu­são, nos poi­a­res do Além-mi­ra­gem, trin­chan­do pa­ra o or­be o mais po­ten­te e mais di­le­to re ina­men­to.

Fi­co pá­li­do e per­di­do, caí­do no re­dor dos tor­no­ze­los de uma nin­fa, de bra­ços er­gui­dos, im­plo­ran­do o seu al­tar, sin­ge­lo e so­be­ra­no; ico pron­to e der­re­ti­do, pa­ra lhe pôr o tal ta­pe­te de ora­ção, o con­cla­ma­do e ben­que­ren­te. A co­mis­su­ra dos teus bei­ços é uma du­pla de re­bus­ca­da fa­tia de am­bró­sia, no re­bor­do de uma ín­gre­me mon­ta­nha, mas di­fun­de des­de lá seu ta­lis­mã, seu aro­ma ine­bri­an­te e ir­re­sis­tí­vel, es­ton­te­an­te e pe­cu­li­ar, com sua au­ra mag­ní ica de paz e de con­cór­dia, à ima­gem do in­cen­so a pôr no ador­no de dei­da­de, no dia do seu ai­ro­so en­tro­na­men­to. O teu sem­blan­te ins­pi­ra­dor e car­re­ga­do de fei­ti­ço, o bri­lho alu­ci­nan­te dos teus olhos e o mag­ne­tis­mo do teu sor­rir dei­xam-me co­la­do na im­ber­be pis­ta de emo­ção e na pureza de pri­me­vos ar­gu­men­tos. Na­da em ti ex­ce­de ou ica aquém. Na­da em ti cha­teia ou abor­re­ce. Na­da em ti per­tur­ba ou de­sa­ni­ma. Tu­do em ti na jus­ta pro­por­ção das aplau­di­das har­mo­ni­as. De com­plei­ção se­re­na e pro­ba à ri­ca e mui ni­ten­te in­te­li­gên­cia. A au­ra da tua pre­sen­ça ama­cia e pu­ri ica tu­do quan­to em vol­ta gi­ra. E tu­do co­bre com o man­to de dis­cre­to céu pe­re­ne. Emi­te-me o bi­lhe­te de tu­ris­mo pa­ra a ân­co­ra dos deu­ses.

A tua si­lhu­e­ta pur­pu­ri­na se­gue a li­nha de­di­lha­da de ma­es­tro, no âma­go de tro­no, em tor­no da o ici­na de ar­qui­te­to. Eu gos­to de me ver, pa­ra­do e re­la­xa­do, a olhar pa­ra ti, oh mel das mi­nhas len­tes!O re­cor­te emol­du­ra­do do teu cor­po é um te­sou­ro que só vi no Éden re­nas­ci­do. Oh e ígie de uma di­va aqui na po­se de cri­ou­la! Nem ne­rei­de nem se­reia te faz som­bra. Ima­gi­no-me a cur­var, a pe­gar na tua sin­ge­la mão de hu­ri, a bei­já-la exa­to or­va­lho ma­tu­ti­no pas­san­do pe­la cú­tis de uma plan­ta, com pe­le em ar­re­pio e sub­til fei­ção de mo­dos, tal que le­ve per­pas­sar de uma ne­bli­na pe­la ei­ra de uma se­a­ra amo­le­ci­da. Eis en­tão que che­ga a es­tro­sa co­to­via, com o ces­to de ve­lu­do e seu oi­ra­do anel de pom­pa aden­tro de­le. Ha­ve­rá lei­to de plu­mas, Oh Sa­na nas al­tu­ras de di­lú­vio?!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.