MOLDAR AN­GO­LA

Jornal Cultura - - ECO DE ANGOLA - LE­O­NEL COS­ME

No se­gui­men­to de ou­tros meus ar­ti­gos cu­jos tó­pi­cos re­me­tem pa­ra a epí­gra­fe, de­sig­na­da­men­te aque­les em que abor­do os úl­ti­mos li­vros de po­e­mas de Jo­sé Luís Mendonça e Car­los Fer­rei­ra; e res­ga­tan­do o tí­tu­lo de um im­por­tan­te en­saio de Achil­le-Mbem­be - Moldar o fu­tu­ro de Áfri­ca – é pa­ra mim ago­ra es­ti­mu­lan­te adi­tar uma ex­pec­ta­ti­va de co­mo se po­de­rá moldar o fu­tu­ro de An­go­la, par­tin­do de dois vec­to­res que ex­traio da “men­sa­gem” da­que­les dois con­cei­tu­a­dos pen­sa­do­res an­go­la­nos: Es­pe­ran­ça e Con ian­ça.

Sou char­rua sem trac­tor,

Sou ra­zão su ici­en­te.

Re­mo­vo as raí­zes de um tem­po

que es­tá por nas­cer em An­go­la.

Diz Fer­rei­ra:

Po­rém, a ho­ra há-de che­gar!

to­dos os tam­bo­res hão-de eco­ar

to­dos os caminhos se­rão

de no­vo des­bra­va­dos a té­nue mal

ha do res­ga­te se­rá

te­ci­da por mãos se­cas de im­plo­rar

ou­tras ge­ra­ções fa­rão

per­gun­tas o tri­bu­nal da vi­da abri

rá su­as por­tas pa­ra as

con­tas inais des­te ro­sá­rio ma­go­a­do

vol­ta­re­mos en­tão ao prin­cí­pio!

Co­mo em ne­nhum dos ci­ta­dos leio au­to­fla­ge­la­ção ou que­jan­do, o que ne­les so­bre­na­da há- de ser um de­sa­fio, pe­ran­te si pró­pri­os, pe­ran­te An­go­la, pe­ran­te Áfri­ca e até pe­ran­te o Mun­do, já que to­dos são igual­men­te pas­si­vos de uma cons­tru­ção ou re­cons­tru­ção em li­ber­da­de. Avo­can­do Mbem­be: “No tem­po pre­sen­te, quan­do afri­ca­ni­da­de ri­ma com mun­di­a­li­da­de, li­ber­tar Áfri­ca im­pli­ca for­jar no­vas ar­mas pa­ra acom­pa­nhar o con­ti­nen­te nos seus es­for­ços pa­ra se afir­mar no mun­do. Há uma mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma e de­ve­mos ex­plo­rar to­das as su­as con­sequên­ci­as.”

To­da­via, não po­de­mos es­que­cer que “mui­tas são as Áfri­cas”, co­mo ob­ser­va­va o en­tão em­bai­xa­dor bra­si­lei­ro na Ni­gé­ria, Antô­nio Olim­po, na dé­ca­da de 60, con­si­de­ran­do as diferenças dos caminhos es­co­lhi­dos após a sua in­de­pen­dên­cia, a des­pei­to de um pas­sa­do co­lo­ni­al co­mum em mui­tos as­pec­tos, co­mo o da ex­plo­ra­ção e hu­mi­lha­ção, e ou­tros, mais pro­fun­dos, con­cer­nen­tes ao grau de de­sen­vol­vi­men­to só­cio- cul­tu­ral do co­lo­ni­za­dor e do co­lo­ni­za­do.

Ca­da ter­ra e ca­da po­vo, su­jei­tos a es­tes con­di­ci­o­na­lis­mos, fi­ze­ram com que An­go­la ti­ves­se um cer­to pas­sa­do e pro­va­vel­men­te te­rá um cer­to fu­tu­ro, di­fe­ren­te ou igual ao de “ou­tras Áfri­cas”. Mas, fa­tal­men­te, o mol­de não se des­po­ja­rá da “he­ran­ça” de 500 anos de do­mi­na­ção por­tu­gue­sa, com a sua ra­ça, lín­gua, re­li­gião, prá­ti­cas e cos­tu­mes, em con­fron­to per­ma­nen­te com a “he­ran­ça” dos do­mi­na­dos, es­tes di­mi­nuí­dos pe­la di­ver­si­da­de dos seus es­pa­ços ge­o­grá­fi­cos e re­pre­sen­ta­ções ét­ni­cas. An­go­la só se­rá igual à Ni­gé­ria na es­co­lha que fi­ze­rem, ago­ra e de­pois, do mo­de­lo eco­nó­mi­co- so­ci­al de so­bre­vi­vên­cia e re­a­fir­ma­ção.

Re­to­me­mos Mbem­be, quan­do as­se­ve­ra que a his­tó­ria de Áfri­ca se ba­seia em cir­cu­la­ções: “As nos­sas cul­tu­ras fo­ram pro­du­zi­das ao lon­go do tem­po pe­lo mo­vi­men­to, a mul­ti­pli­ci­da­de e a jun­ção de ele­men­tos apa­ren­te­men­te he­te­ro­gé­ne­os e in­com­pa­tí­veis.(…) A iti­ne­rân­cia, a plas­ti­ci­da­de, a tran­su­mân­cia, a ca­pa­ci­da­de de apla­nar fron­tei­ras mol­da­ram as nos­sas ci­vi­li­za­ções e as for­mas pró­pri­as de ser e mes­mo de pen­sar.”

Fac­to é que pe­lo seu pas­sa­do co­lo- ni­al, pe­lo mo­do co­mo co­me­çou e ter­mi­nou, pe­las in­fluên­ci­as ma­lé­fi­cas e be­né­fi­cas que so­freu, pe­la dis­per­são do seu po­vo em diás­po­ras re­cep­to­ras e me­di­a­do­ras de idei­as e in­te­res­ses, An­go­la aca­bou por en­fren­tar um no­vo di­le­ma: con­tra even­tu­al im­pas­se, es­co­lher o me­lhor ca­mi­nho con­se­quen­te com o me­lhor des­ti­no.

Pa­ra Jo­sé Luís Mendonça, é pre­ci­so “re­e­en­con­trar o pas­sa­do da Áfri­ca, con­tra a te­se glo­ba­li­zan­te de que os eu­ro­peus são en­ten­di­dos co­mo os ‘ fa­ze­do­res da his­tó­ria’ e que o mun­do tem um cen­tro ge­o­grá­fi­co que li­de­ra e ino­va e uma pe­ri­fe­ria sem­pre em es­ta­do de atra­so que ape­nas sa­be imi­tar.”

Pa­ra Eu­gé­nia Kos­si, “O sis­te­ma po­lí­ti­co e a so­ci­e­da­de, em ge­ral, têm de co­me­çar a olhar pa­ra o mun­do tra­di­ci­o­nal com a sua sa­be­do­ria an­ces­tral co­mo par­te do con­tex­to só­cio- cul­tu­ral das na­ções afri­ca­nas. (…) As­sim sen­do, o re­co­nhe­ci­men­to do pro­ces­so di­a­ló­gi­co das co­mu­ni­da­des tra­di­ci­o­nais per­mi­te que to­dos os mem­bros da ma­cro-so­ci­e­da­de te­nham ex­pres­são ten­do co­mo ba­se a sua pró­pria vi­são do mun­do.”

Pa­ra Nok No­guei­ra, ”A eli­te in­te­lec­tu­al afri­ca­na, res­pon­sá­vel pe­la eman­ci­pa­ção do ju­go co­lo­ni­al, foi nos úl­ti­mos anos subs­ti­tuí­da por ou­tra: a eli­te do po­der. Que se des­piu dos fun­da­men­tos que man­ti­ve­ram ace­sa a cha­ma das li­ber­da­des afri­ca­nas. Es­ta eli­te não só sub­ver­teu a di­nâ­mi­ca cul­tu­ral das na­ções, co­mo ins­tau­rou uma inér­cia nas re­la­ções cul­tu­rais en­tre os po­vos.”

Pa­ra Bo­a­ven­tu­ra Sou­sa San­tos, “O que ter­mi­nou com os pro­ces­sos de in­de­pen­dên­cia do sé­cu­lo XX foi uma for­ma es­pe­cí­fi­ca de co­lo­ni­a­lis­mo, e não o co­lo­ni­a­lis­mo co­mo mo­do de do­mi­na­ção. A for­ma que ter­mi­nou foi o que se po­de de­sig­nar por co­lo­ni­a­lis­mo his­tó­ri­co ca­rac­te­ri­za­do pe­la ocu­pa­ção ter­ri­to­ri­al es­tran­gei­ra. Mas o mo­do de do­mi­na­ção co­lo­ni­al con­ti­nu­ou sob ou­tras for­mas.

O co­lo­ni­a­lis­mo co­mo mo­do de do­mi­na­ção as­sen­te na de­gra­da­ção on­to­ló­gi­ca das po­pu­la­ções do­mi­na­das por ra­zões et­no- ra­ci­ais es­tá ho­je tão vi­gen­te e vi­o­len­to co­mo no pas­sa­do.”

No que to­ca a Por­tu­gal, diz ain­da Nok No­guei­ra: “An­go­la e Por­tu­gal es­tão, fe­liz­men­te, que­ren­do ou não, con­de­na­dos a man­ter uma par­ce­ria es­tra­té­gi­ca sau­dá­vel de­vi­do à po­si­ção que am­bas as na­ções ocu­pam no pla­no in­ter­na­ci­o­nal.

Re­co­men­da­mos, por is­so, vi­va­men­te que nos li­vrem a nós, an­go­la­nos e por­tu­gue­ses de bem, des­ses des­va­ri­os e des­se sen­ti­men­to de ódio, de re­jei­ção do Ou­tro, des­sa von­ta­de ex­pres­sa de mal­di­zer os nos­sos paí­ses, quan­do as coi­sas cor­rem mal pa­ra os cír­cu­los de in­te­res­ses de par­te a par­te.”

E Achil­le-Mbem­be: “Tal co­mo a au­to­fla­ge­la­ção, que pre­ten­de com­pen­sar, a au­to- exal­ta­ção não tem o me­nor in­te­res­se. Áfri­ca não é o rei­no da vir­tu­de nem o rei­no do ví­cio. O que im­por­ta re­al­men­te é não nos en­ga­nar­mos a nós pró­pri­os e não per­der de vis­ta as nos­sas po­ten­ci­a­li­da­des. O nos­so fu­tu­ro es­tá nas nos­sas mãos, po­de­mos mol­dá- lo e ori­en­tá- lo no sen­ti­do que de­se­ja­mos.”

Don­de, co­mo já dis­se Jú­lio Cé­sar na tra­ves­sia do Ru­bi­cão: Ala jac­ta est!-os da­dos es­tão lan­ça­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.