AN­TI­GA­MEN­TE NO RANGEL...

Jornal Cultura - - BARRA DO KWANZA -

O tam­bor, uma lata de lei­te de qual­quer mar­ca, agre­di­do por um ferro ou uma pe­dra, gri­ta­va ao má­xi­mo de sua for­ça. Pá-pá-pá-pá.

Atrás do som, uma, du­as ou três se­nho­ras, lá­bi­os se­cos e pés em­po­ei­ra­dos de tan­to gri­tar e ca­mi­nhar, sol­ta­vam um co­ro, alegre pa­ra a nos­sa ino­cên­cia de tun­den­ge e pre­o­cu­pan­te pa­ra as ma­mães que po­di­am es­tar na­que­la si­tu­a­ção um dia, a con­tar com as nos­sas tra­ves­su­ras e o se­gui­dis­mo ao Mam- Brás, ao ca­va­lo- ti­ca- ti­ca, e, so­bre­tu­do no tem­po de car­na­val. Es­sas as ma­mães con­fir­ma­vam an­tes a pre­sen­ça dos seus tum­bon­ga é pres­ta­vam- se em pas­sar in­for­ma­ção e pe­dir de­ta­lhes so­bre o ga­ro­to ou ga­ro­ta de­sa­pa­re­ci­da.

- Pá-pá-pá... O gri­tar in­tré­pi­do da lata já am­pli­a­da ia, dei­xan­do ras­to na rua var­ri­da ma­nhã ce­do pe­las ma­mães. Ca­da uma ata­ca­va o seu la­do. Li­xo ti­nha lu­gar, o bal­de, no quin­tal, e de­pois o de­pó­si­to com ou sem con­ten­tor.

Atrás do ba­ru­lho da lata, ou qua­se em si­mul­tâ­neo, a ma­nhã a li­ta e su­as com­pa­nhei­ras gri­ta­vam, qua­se já sem for­ça. Ape­nas es­pe­ran­ça em re­en­con­trar o ilho ama­do.

- Nanyi wa ngi bon­ge­la kam­bon­ga Ka dya­léééé? É a lata tam­bor con­ti­nu­a­va Ba­tu­can­do. É es­se o Rangel do meu tem­po, sé­cu­lo pas­sa­do, qua­ren­ta anos. E o som, as tram­bi­qui­ces, as ma­go­e­las na car­ro­ça do car­ro do vi­zi­nho ou dum vi­si­tan­te qual­quer, as pes­ca­ri­as de "ba­gu­das" na va­la Se­na­do da Câ­ma­ra, jun­to ao Ca­te­tão, as cer­ca­ni­as da DTA pa­ra apa­nhar loi­ça des­car­tá­vel já des­car­ta­da, os pi­nos na Chi­ca­la e ou na praia do Mbun­gu, as cas­ta­nhas de ca­ju que só o com­boio per­mi­tia che­gar ao qui­ló­me­tro trin­ta de Vi­a­na, tu­do is­so ain­da no ou­vi­do e na me­mó­ria.

- Vo­cês, es­tão a ou­vir n'é? É me­lhor to­ma­rem cui­da­do. Se ca­lhar quem se per­deu é vos­so ami­go da bo­la ou de brin­ca­dei­ras. Quan­do mamã fa­la não sai é mes­mo pa­ra não sair.

Qual­quer vi­zi­nha era tia. Era mamã no acon­se­lhar, re­pre­en­der se ne­ces­sá­rio e aca­ri­nhar quan­do in­ju­ri­a­do.

- Fi­lho 'lheio tem 'mbo­ra ra­zão de­le. Pra quê só fa­zer no ilho da ou­tra quan­do vo­cê tam­bém tem kam­bon­ga? - Acu­di­am.

Ho­je, com es­co­las do po­vo, co­lé­gi­os pri­va­dos, ATL e cre­ches pa­ra to­dos os bol­sos, me­dia e re­des so­ci­ais pa­ra to­dos, nem o pre­gão que pro­cu­ra o ilho de­sa­pa­re­ci­do, nem as brin­ca­dei­ras são as mes­mas. Tu­do mu­dou. Até às ra­zões das de­sa­pro­pri­a­ções dos me­ni­nos. Ho­je a aten­ção re­do­bra­da é com rap­to­res de me­no­res. Por­que a TV os jo­gos, as es­co­las e os quin­tais mu­ra­dos fei­tos pri­sões já não as le­va tan­to a ca­çar ga­fas, apa­nhar pei­xi­nhos pa­ra guar­dar em aquá­rio de gar­ra­fão cor­ta­do, na­dar ino­cen­te no pe­ri­go da Chi­ca­la e Mbun­gu ou pen­du­rar-se ao com­boio pa­ra che­gar à fon­te de cas­ta­nhas de ca­ju. São ou­tros os ma­les e os re­mé­di­os tam­bém.

En­tre Ki­sa­ma, Nda­la Ka­xi­bo e Tum­ba Gran­de (Mu­nen­ga) ica a re­gião de Ku­te­ka, uma re­ge­do­ria que aten­de as al­dei­as de Mban­go, Hom­bo, Kiphe­la, Hom­bo e Mban­ze (ca­pi­tal). Ca­da po­vo­a­do tem um so­ba (au­to­ri­da­de tra­di­ci­o­nal lo­cal), sen­do o "nga­na ou kaña­ne" o tí­tu­lo do so­be­ra­no. Os po­vos do Ku­te­ka, oriun­dos de Mu­kon­go (re­gião do Li­bo­lo) num tem­po que não icou re­gis­ta­do, sem­pre se con­si­de­ra­ram súb­di­tos de ngo­la, mo­nar­quia de Ndon­go e Ma­tam­ba.

En­tre os pú­be­res ku­te­ka e não só, o ter­mo "kibhá", cor­rup­te­la do por­tu­guês "epá", é o de­sig­na­ti­vo de ho­mó­lo­gos, co­e­tâ­ne­os ou da "igua­lha­gem". E ser Kibhá não é ape­nas ques­tão de de­sem­pe­nhar pa­pel so­ci­al se­me­lhan­te ou nas­cer ao mes­mo tem­po. Há "ou­tros con­di­men­tos pa­ra ser-se kibhá".

Fre­quen­tar jun­tos a ini­ci­a­ção mas­cu­li­na (on­zo ime­ma), ter nas­ci­do no mes­mo pe­río­do, en­fren­tar jun­tos e com ga­lhar­dia um de­sa io ou um pe­ri­go, fre­quen­tar jun­to as ca­ser­nas, ter em­pa­ta­do uma dis­pu­ta, (in­de­pen­den­te da ida­de), etc., são atri­bu­tos pa­ra que dois ou mais in­di­ví­du­os se sin­tam e se tra­tem co­mo ho­mó­lo­gos. Is­so le­va a que al­guns de ida­de su­pe­ri­or se­jam con­si­de­ra­dos "kibhá" de in­di­ví­du­os mais no­vos e vi­ce-ver­sa, de­pen­den­do do re­tar­da­men­to ou pre­co­ci­da­de em ter­mos de de­sen­vol­vi­men­to psi­co-so­ci­al e ísi­co. Mas, en­tre os po­vos ri­bei­ri­nhos de Ku­te­ka, nem tu­do se re­sol­ve en­tre os "kibhá". Um mais ve­lho o é em to­das as cir­cuns­tân­ci­as. Os mais no­vos, por exem­plo, não de­vem pro­nun­ci­ar dis­la­tes pe­ran­te os mais ve­lhos e se de­vem au­sen­tar se es­ses es­ti­ve­rem em con­ver­sa que ape­nas di­ga res­pei­to aos pa­res da­que­le gru­po­e­tá­rio/so­ci­al. Os mais no­vos (ain­da) são (con­si­de­ra­dos) "ser­ven­tes" dos mais ve­lhos ao pas­so que es­tes, os ma­ko­ta, são defensores au­to­má­ti­cos dos mais no­vos, sem­pre que ne­ces­sá­rio. O so­ba é ain­da a au­to­ri­da­de má­xi­ma (sen­do que ra­ras são ve­zes em que as que­re­las vão à po­lí­cia ou au­to­ri­da­des ju­di­ci­ais. Ao kaña­ne (nga­na que go­ver­na a par­tir de Mban­ze-yo Te­ka) são re­me­ti­dos as­sun­tos cu­ja so­lu­ção trans­cen­da as com­pe­tên­ci­as dos so­bas. Que­re­las que vão des­de in­jú­ri­as, ate­a­men­to de fo­go em cou­ta­da co­lec­ti­va, pa­ga­men­to de dí­vi­das, ofen­sas cor­po­rais e até ho­mi­cí­di­os são, ge­ral­men­te, re­por­ta­das ao so­ba que os jul­ga­men­tos se­gun­do a tra­di­ção e o di­rei­to con­su­e­tu­di­ná­rio, re­sul­tan­do em pa­ga­men­to de in­dem­ni­za­ções por par­te do ofen­sor ao le­sa­do.

Os po­vos de Ku­te­ka, co­mu­na de Mu­nen­ga, mu­ni­cí­pio do Li­bo­lo, são pes­ca­do­res, agri­cul­to­res, pe­que­nos cri­a­do­res de ga­do de mé­dio por­te (ca­bras, ove­lhas, por­cos), pe­que­nos avi­cul­to­res (ga­li­nhas, pa­tos) e ain­da pra­ti­cam a re­co­lec­ção em es­ca­la re­si­du­al. A pes­ca é fei­ta no rio Lon­ga, o prin­ci­pal da re­gião, e em ou­tras ri­bei­ras on­de os car­du­mes abun­dam. Têm la­ços de pa­ren­tes­co com os Ki­pa­la (Ki­ba­la), com quem con­ser­vam pro­xi­mi­da­de ge­o­grá ica e a ini­da­des lin­guís­ti­cas, sen­do mui­tas ve­zes con­fun­di­dos mais com es­ses do que com os ka­lu­len­ses. Têm igual­men­te la­ços com os Ki­sa­ma, Kin­don­go, Ki­len­da e Karyan­gu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.