O VA­LOR DO GA­DO

NA CUL­TU­RA DOS AMBÓS E NYANEKA-HUMBI

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - DO­MIN­GOS CALUCIPA | Ond­ji­va

Que o Cu­ne­ne é uma pro­vín­cia com gran­de tra­di­ção na cri­a­ção de ga­do bo­vi­no, om­bre­an­do com as vi­zi­nhas Hui­la e Na­mi­be, mui­tos sa­bem. Mas que o usu­fru­to des­se mes­mo po­ten­ci­al ga­na­dei­ro pa­ra o au­to-sus­ten­to dos seus do­nos de­ve obe­de­cer a de­ter­mi­na­das re­gras cul­tu­rais, pou­cos sa­bem. A fa­ma de que a pro­vín­cia é ri­ca em ga­do cor­re pe­lo país, pois são mais de um mi­lhão de ca­be­ças, que che­gam a su­pe­rar nu­me­ri­ca­men­te a po­pu­la­ção hu­ma­na lo­cal, que ron­da nos 950 mil ha­bi­tan­tes, con­for­me da­dos do úl­ti­mo sen­so.

Pa­ra os po­vos ovam­bo ( kwa­nha­mas, mum­bad­jas e mu­va­les) e nyaneka- humbi o ga­do re­pre­sen­ta tu­do nas su­as vi­das. O boi cons­ti­tui a sua prin­ci­pal ri­que­za, um sím­bo­lo cul­tu­ral, e ao mes­mo tem­po um si­nó­ni­mo de os­ten­ta­ção e de hon­ra.

Mas há uma per­gun­ta que sur­ge com bas­tan­te frequên­cia qua­se por to­do o país: sen­do o po­vo do Cu­ne­ne de­ten­tor de mui­to ga­do, por que ra­zão tem pas­sa­do por ca­rên­ci­as de vá­ria ordem?

A res­pos­ta é da­da por João Haim­bo­di, de 65 anos, um cri­a­dor tra­di­ci­o­nal nato de bo­vi­nos e ca­pri­nos. O cri­a­dor sus­ten­ta que na cul­tu­ra dos po­vos lo­cais, o ga­do bo­vi­no é um re­cur­so bas­tan­te va­li­o­so e sa­gra­do. É con­si­de­ra­do uma re­ser­va, um ban­co, que só se de­ve to­car em si­tu­a­ções de ex­tre­ma a li­ção, co­mo a mor­te de um fa­mi­li­ar, ou em fes­tas tra­di­ci­o­nais.

Na cul­tu­ra dos ambó, par­ti­cu­lar­men­te, to­do o ho­mem que faz par­te da tri­bo de­ve pos­suir ga­do bo­vi­no e um eum­bo (kim­bo) pa­ra ser con­si­de­ra­do e res­pei­ta­do, se­ja qual for a sua ocu­pa­ção na so­ci­e­da­de, am­po­nês, ope­rá­rio, fun­ci­o­ná­rio do Es­ta­do, em­pre­sá­rio ou in­te­lec­tu­al.

Por nor­ma, um cri­a­dor tra­di­ci­o­nal nun­ca diz o nú­me­ro de ca­be­ças de ga­do que pos­sui, pa­ra evi­tar ser in­ve­ja­do. É ain­da uma prá­ti­ca to­do o cri­a­dor es­pa­lhar si­gi­lo­sa­men­te par­te do seu ga­do em cur­rais de ami­gos, co­mo re­ser­vas, is­to pa­ra evi­tar que, em ca­so de sua mor­te, os so­bri­nhos, ilhos da ir­mã, que são os her­dei­ros, não iquem com tu­do, em pre­juí­zo dos ilhos.

Em si­tu­a­ção de óbi­to de um mem­bro da fa­mí­lia, é sa­cri ica­da uma ou mais ca­be­ças pa­ra ali­men­tar os par­ti­ci­pan­tes, in­de­pen­den­te­men­te da ida­de ou da im­por­tân­cia da igu­ra per­di­da. Num acon­te­ci­men­to des­ta na­tu­re­za em que não se aba­te ca­be­ça, o che­fe da fa­mí­lia ou a pes­soa que aco­lhe o in­faus­to é des­pre­za­da pe­la co­mu­ni­da­de, e do mes­mo pou­cos par­ti­ci­pam.

O aba­te de uma ou mais ca­be­ças no óbi­to, on­de a car­ne de­ve ser con­su­mi­da na to­ta­li­da­de, é si­no­ni­mo de or­gu­lho da fa­mí­lia que per­deu o mem­bro. É uma prá­ti­ca sa­gra­da, pois pa­ra além de ali­men­tar as pes­so­as pre­sen­tes é um sím­bo­lo de no­bre­za.

Mas é mes­mo o efun­du­la (fes­ta de pu­ber­da­de fe­mi­ni­na) e no ca­sa­men­to tra­di­ci­o­nal, que ar­ras­tam mul­ti­dões nas al­dei­as, on­de o boi dei­xa de ser uma me­ra ri­que­za guar­da­da. Nes­tas ce­ri­mó­ni­as che­ga-se mes­mo a aba­ter dez ou mais ca­be­ças. São os mo­men­tos de mui­ta far­tu­ra de car­ne.

No ca­so do efun­du­la, a quan­ti­da­de de ca­be­ças a aba­ter de­pen­de do nú­me­ro das me­ni­nas en­vol­vi­das na pu­ber­da­de. Em mui­tos ca­sos, ca­da uma de­las che­ga a be­ne ici­ar de dois bo­vi­nos ma­chos, que de­vem es­tar sem­pre bem nu­tri­dos, ofe­re­ci­dos pe­lo pai.

Na do­en­ça

Pa­ra os ambó e os nha­ne­ka-humbi em ca­so de do­en­ça de um mem­bro da fa­mí­lia, se­ja qual for a gra­vi­da­de, di icil­men­te o ga­do ser­ve de re­cur­so pa­ra sal­var a vi­da. Ou se­ja, ra­ras são aque­las fa­mí­li­as que pe­gam nu­ma ou du­as ca­be­ças pa­ra ven­der e com o dinheiro tra­ta­rem da saú­de do seu en­te.

Nes­tas si­tu­a­ções, mui­tos são ei­va­dos pe­la ga­nân­cia dos bois, se se re­ti­ra um ani­mal, o nú­me­ro no cur­ral vai re­du­zir, já que a ten­dên­cia é ver a ma­na­da a cres­cer ca­da vez mais. Ou­tros agem da mes­ma for­ma por pen­sa­rem que, se o in­di­vi­duo do­en­te mor­re, eles têm a chan­ce de her­da­rem os bens, so­bre­tu­do o ga­do.

“Quan­do al­guém es­tá do­en­te, a fa­mí­lia não me­xe nos ani­mais pa­ra ven­der e sal­var a vi­da, le­vam-no só ao hos­pi­tal, aguar­dan­do por um mi­la­gre. Di­zem sem­pre que não têm na­da, e os bois que se en­con­tram nos cur­rais de­les não lhes per­ten­cem”, dis­se João Haim­bon­di.

O mes­mo acon­te­ce em si­tu­a­ções de fo­me. Mui­tos pre­fe­rem so­frer com a cri­se ali­men­tar den­tro das su­as ca­sas a aba­te­rem ou ven­der uma ca­be­ça pa­ra o sus­ten­to da fa­mí­lia. O que se diz é que “is­so vai pas­sar já”.

Há quem che­ga a per­der vá­ri­as uni­da­des da sua ma­na­da por cau­sa da es­ti­a­gem, sem se­quer co­mer­ci­a­li­zar uma.

As mul­tas

Na cul­tu­ra lo­cal, o boi é tam­bém uma mer­ca­do­ria que ser­ve pa­ra pa­gar de­ter­mi­na­das mul­tas pe­la vi­o­la­ção de cer­tas nor­mas tra­di­ci­o­nais ou por de-

ter­mi­na­dos cri­mes co­me­ti­dos.

Por exem­plo, quem ti­ra a vi­da de ou­tra pes­soa de­ve pa­gar a fa­mí­lia da ví­ti­ma en­tre seis a do­ze ca­be­ças. Quem ti­ra uma vis­ta a ou­trem lhe são co­bra­das du­as a três ca­be­ças.

Já quem ti­ra o den­te de al­guém as­su­jei­ta-se a pa­gar igual­men­te dois a três bo­vi­nos, não im­por­tan­do o ta­ma­nho do ani­mal. O pa­ga­men­to é de cum­pri­men­to obri­ga­tó­rio, ain­da que pas­sem al­guns anos.

Quan­do se tra­ta de adul­té­rio co­me­ti­do por uma mu­lher, o ho­mem com quem es­ta se en­vol­veu é sub­me­ti­do a uma mul­ta que vai de uma a du­as ca­be­ças. En­gra­vi­dar uma jo­vem que ain­da não fez pu­ber­da­de dá tam­bém bo­as mul­tas, mas so­men­te na ho­ra de ir efec­tu­ar o pe­di­do do ca­sa­men­to, pois con­si­de­ra-se que o ho­mem vi­o­lou a tra­di­ção. Nes­tas con­di­ções, o “in­frac­tor” é obri­ga­do a pa­gar a ca­be­ça que ser­vi­ria pa­ra o efun­du­la da mo­ça e ar­car com to­das as des­pe­sas da fes­ta, pa­ra além de pa­gar os ar­ti­gos pe­di­dos na car­ta.

A fes­ta do ga­do

En­tre os di­fe­ren­tes ri­tu­ais dos ambó es­tá tam­bém o eda­no le­en­go­be (fes­ta do ga­do), uma fes­ta tra­di­ci­o­nal, que tal co­mo ou­tras não dei­xa de ar­ras­tar gen­te, que con­sis­te nu­ma com­pe­ti­ção do ga­do bo­vi­no vin­do de di­fe­ren­tes lo­ca­li­da­des, on­de é clas­si ica­do o me­lhor ani­mal qu­an­to a qua­li­da­de e ao pe­so. Es­ta ce­ri­mó­nia, nor­mal­men­te re­a­li­za­da en­tre os me­ses de Ju­nho e Agos­to de ca­da ano, tem co­mo gran­de ina­li­da­de a de­mons­tra­ção de os­ten­ta­ção por par­te dos cri­a­do­res. Nor­mal­men­te par­ti­ci­pam aque­les cri­a­do­res com um ver­da­dei­ro po­ten­ci­al ga­na­dei­ro, e du­ran­te o even­to são aba­ti­das vá­ri­as ca­be­ças pa­ra o con­su­mo dos par­ti­ci­pan­tes.

O ven­ce­dor da com­pe­ti­ção, se­gun­do João Haim­bo­di, não re­ce­be qual­quer pré­mio ma­te­ri­al, pe­lo con­trá­rio ele tem a obri­ga­ção de re­com­pen­sar o pas­tor do seu ga­do com al­gum bem, por ter si­do o res­pon­sá­vel pe­la qua­li­da­de apre­sen­ta­da pe­los ani­mais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.