EX­PO­SI­ÇÃO ITI­NE­RAN­TE

“A LÍN­GUA POR­TU­GUE­SA EM NÓS” CO­NHE­CER O IDI­O­MA PE­LA VI­SÃO DOS FA­LAN­TES

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - ADRI­A­NO DE ME­LO

Uma das prin­ci­pais per­gun­tas que o ser hu­ma­no pro­cu­ra res­pon­der há sé­cu­los é “quem so­mos nós?”. A res­pos­ta já foi ob­jec­to de mui­tos debates ilo­só icos e ci­en­tí icos. O pri­mei­ro pas­so pa­ra des­co­brir a res­pos­ta é co­nhe­cer me­lhor a nos­sa ori­gem. E es­te é o con­vi­te que o Cen­tro Cul­tu­ral Bra­sil An­go­la (CCBA) faz a to­dos os ci­ta­di­nos da ca­pi­tal, fa­lan­tes do por­tu­guês, com a aber­tu­ra da ex­po­si­ção “A lín­gua por­tu­gue­sa em nós”.

Atra­vés da evo­ca­ção da be­le­za e mul­ti­pli­ci­da­de dos fa­lan­tes da lín­gua por­tu­gue­sa, a ex­po­si­ção pro­cu­ra fa­zer um en­fo­que so­bre di­ver­sos as­pec­tos cul­tu­rais e so­ci­ais, que tor­nam es­ta lín­gua úni­ca no mun­do. Nu­ma for­te apos­ta na sim­pli­ci­da­de, pa­ra ex­pli­car quem so­mos, a ex­po­si­ção faz um per­cur­so so­bre a his­tó­ria dos paí­ses da lu­so­fo­nia.

Nes­ta vi­a­gem pe­la nar­ra­ti­va e co­nhe­ci­men­to so­bre di­ver­sos po­vos uni­dos pe­la mes­ma lín­gua, a in­for­ma­ção faz a di­fe­ren­ça, prin­ci­pal­men­te pa­ra quem visita a ex­po­si­ção e co­nhe­ce pou­co so­bre o por­tu­guês. Po­rém, a men­te aberta pa­ra des­co­brir no­vas pers­pec­ti­vas é fun­da­men­tal, por­que co­mo dis­se o psi­ca­na­lis­ta Sig­mund Freud: “Não so­mos ape­nas o que pen­sa­mos ser. So­mos mais: so­mos tam­bém o que lem­bra­mos e aqui­lo de que nos es­que­ce­mos; so­mos pa­la­vras que tro­ca­mos, os en­ga­nos que co­me­te­mos, os im­pul­sos a que ce­de­mos ‘sem que­rer”.

Por meio de des­cri­ções so­bre a his­tó­ria dos paí­ses fa­lan­tes de lín­gua por­tu­gue­sa, nú­me­ro de fa­lan­tes, ro­tas ma­rí­ti­mas, re­fe­rên­ci­as li­te­rá­ri­as, al­guns dos seus prin­ci­pais as­pec­tos cul­tu­rais, ví­de­os e jo­gos, os vi­si­tan­tes têm a opor­tu­ni­da­de de co­nhe­cer um pou­co mais so­bre os paí­ses lu­só­fo­nos e quem so­mos.

En­tre os as­pec­tos que cha­mam aten­ção so­bre a his­tó­ria da lín­gua por­tu­gue­sa em An­go­la es­tá a exi­bi­ção de um ex­trac­to da car­ta en­vi­a­da pe­lo rei Mbemba-a-Nzin­ga ao Pa­pa Jú­lio II, de­pois do seu bap­tis­mo e da mu­dan­ça de no­me pa­ra Dom Afon­so.

Ou­tro as­pec­to de re­al­ce é a ex­po­si­ção de uma re­se­nha so­bre a li­te­ra­tu­ra an­go­la­na e al­guns li­vros que se tor­na­ram de­ci­si­vos pa­ra o seu de­sen­vol­vi­men­to, co­mo “Lu­u­an­da”, de Lu­an­di­no Vi­ei­ra, que mar­cou uma era e te­ve gran­de re­per­cus­são por mos­trar o mo­do de vi­da na era sa­la­za­ris­ta, e “Un­den­gue”, de Ja­cin­to de Le­mos, por mu­dar to­do um pa­ra­dig­ma, na for­ma de es­cre­ver, ao apre­sen­tar uma lin­gua­gem mais pró­xi­ma das co­mu­ni­da­des su­bur­ba­nas.

As va­ri­an­tes da lín­gua por­tu­gue- sa tam­bém fo­ram ana­li­sa­das nes­ta ex­po­si­ção, que tem uma sec­ção pa­ra mos­trar al­gu­mas va­ri­a­ções des­ta em di­ver­sos paí­ses. Pa­ra apro­xi­mar mais os vi­si­tan­tes de al­gu­mas das obras men­ci­o­na­das na ex­po­si­ção, o CCBA de­ci­diu co­lo­car es­tas à dis­po­si­ção de to­dos. Quem for vi­si­tar a mos­tra po­de sen­tar-se e ler par­te das obras men­ci­o­na­das. As­sim co­mo jo­gar um pou­co pa­ra ava­li­ar o seu ní­vel de co­nhe­ci­men­tos so­bre o por­tu­guês. No inal, os vi­si­tan­tes po­dem dei­xar o seu de­poi­men­to gra­va­do pa­ra a pos­te­ri­da­de, com a sua opi­nião so­bre a lín­gua por­tu­gue­sa. Os de­poi­men­tos pas­sam a fa­zer tam­bém par­te do acervo do Mu­seu da Lín­gua Por­tu­gue­sa.

Aberta ao pú­bli­co até o dia 3 de Agos­to, de ter­ça a do­min­go, das 10h00 às 20h00, na se­de do CCBA ( no es­pa­ço on­de foi o Gran­de Ho­tel de Lu­an­da, pró­xi­mo ao Mu­seu de An­tro­po­lo­gia), na bai­xa de Lu­an­da, a mos­tra iti­ne­ran­te se­gue de­pois pa­ra Mo­çam­bi­que.

A MOS­TRA

A ex­po­si­ção, que re­tra­ta a his­tó­ria e a di­ver­si­da­de do idi­o­ma, é uma ini­ci­a­ti­va do Mu­seu da Lín­gua Por­tu­gue­sa, e já es­te­ve em car­taz em Ca­bo Ver­de.

Ac­tu­al­men­te em re­cons­tru­ção, o mu­seu bra­si­lei­ro cri­ou a ex­po­si­ção “A Lín­gua Por­tu­gue­sa em Nós”, co­mo uma for­ma de pro­por diá­lo­gos e tro­cas com os fa­lan­tes do idi­o­ma. O con­teú­do da mos­tra foi or­ga­ni­za­do a par­tir de qua­tro ei­xos te­má­ti­cos: Nós da Lín­gua Por­tu­gue­sa no Mun­do, His­tó­ria da Lín­gua Por­tu­gue­sa no Bra­sil, Po­e­sia e Pro­sa e Diá­lo­gos.

Com con­sul­to­ria de con­teú­do do com­po­si­tor, es­cri­tor e pro­fes­sor de Li­te­ra­tu­ra bra­si­lei­ro Jo­sé Mi­guel Wis­nik, a ex­po­si­ção faz um pas­seio pe­la pre­sen­ça da lín­gua por­tu­gue­sa no mun­do, o con­tac­to com ou­tros idi­o­mas, sua par­ti­ci­pa­ção na for­ma­ção cul­tu­ral bra­si­lei­ra e sua pre­sen­ça na mú­si­ca, nas ex­pres­sões cu­li­ná­ri­as e na li­te­ra­tu­ra. O per­cur­so pe­la ex­po­si­ção in­clui cu­ri­o­si­da­des so­bre os paí­ses que com­põem a Co­mu­ni­da­de de Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (An­go­la, Bra­sil, Ca­bo Ver­de, Gui­né-Bis­sau, Gui­né Equa­to­ri­al, Mo­çam­bi­que, Por­tu­gal, São To­mé e Prín­ci­pe e Ti­mor-Les­te), as­sim co­mo pro­cu­ra des­co­brir as su­as origens e co­mo os idi­o­mas vi­vem em cons­tan­te mo­vi­men­to, nas­cem, se cru­zam e se trans­for­mam.

Pa­ra aju­dar a ori­en­tar os vi­si­tan­tes fo­ram se­lec­ci­o­na­dos 30 jo­vens es­tu­dan­tes de Le­tras, Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al, Ar­tes Vi­su­ais, Pro­du­ção Cul­tu­ral e áre­as afins, que ao lon­go da per­ma­nên­cia da mos­tra no país vão ac­tu­ar co­mo me­di­a­do­res das vi­si­tas edu­ca­ti­vas e au­xi­li­ar na pro­gra­ma­ção cul­tu­ral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.