Ati­tu­de de es­cri­tor

Jornal Cultura - - EDITORIAL -

Se­gun­do o his­to­ri­a­dor an­go­la­no Car­los Ser­ra­no, sur­giu na An­go­la co­lo­ni­al um gru­po de “in­te­lec­tu­ais an­go­la­nos de­no­mi­na­dos de Ge­ra­ção de 50, que veio a ter uma gran­de in luên­cia nas ge­ra­ções pos­te­ri­o­res de es­cri­to­res. Es­ta in luên­cia não se re­su­me uni­ca­men­te a as­pec­tos me­ra­men­te cul­tu­rais, ne­ces­sá­ri­os à cons­tru­ção de uma iden­ti­da­de co­mum, mas tam­bém ou­tros que se re­fe­rem à mo­bi­li­za­ção e for­ma­ção po­lí­ti­ca mi­li­tan­te de no­vas ge­ra­ções nu­ma emer­gen­te lu­ta pe­la au­to­no­mia cul­tu­ral e po­lí­ti­ca, na­que­le da­do mo­men­to his­tó­ri­co.

Na mes­ma sen­da, Jo­sé Lu­an­di­no Vi­ei­ra pu­bli­ca­ria em 1963, um li­vri­nho de con­tos in­ti­tu­la­do Lu­u­an­da, que vi­ria a pro­vo­car uma gran­de po­lé­mi­ca e re­pre­sá­li­as na épo­ca sa­la­za­ris­ta. Se a pri­mei­ra pre­o­cu­pa­ção de Lu­u­an­da é a de ten­tar fe­cun­dar a lín­gua li­te­rá­ria com o pó­len da lín­gua fa­la­da nos mus­se­ques de Lu­an­da, a obra le­van­ta tam­bém a pro­ble­má­ti­ca da con­di­ção so­ci­al dos co­lo­ni­za­dos.

Na dé­ca­da de 80, a ge­ra­ção da Bri­ga­da Jo­vem de Li­te­ra­tu­ra de Lu­an­da lan­ça­ria aqui­lo que cha­mou de Pro­jec­to Co­mum e que, nas pa­la­vras de um dos seus men­to­res, o po­e­ta Car­los Fer­rei­ra, pre­ten­dia a ir­mar o de­se­jo “de cum­prir uma ges­ta que des­se lor e fru­to a so­nhos an­ti­gos”.

Es­tes exem­plos ilus­tram o te­ma em apre­ço. Os gran­des es­cri­to­res po­si­ci­o­nam- se na vi­da com uma ati­tu­de pau­ta­da pe­lo im­pe­ra­ti­vo éti­co de de­fe­sa do Ho­mem e da Vi­da. Com es­se es­pí­ri­to, o es­cri­tor é um hu­ma­nis­ta, re­pre­sen­ta a re­ser­va mo­ral da so­ci­e­da­de.

Com es­sa ati­tu­de ac­tu­a­ram, tan­to na es­cri­ta, co­mo no po­si­ci­o­na­men­to pe­ran­te os fac­tos da vi­da, os es­cri­to­res uni­ver­sais Who­le Soyin­ka, Jo­sé Cra­vei­ri­nha, Ber­tolt Bre­cht, Er­nest He­mingway, Ge­or­ge Orwell, An­toi­ne de Saint-Exú­pery, Vic­tor Hu­go, Gar­bri­el Gar­cia Mar­quez, Pablo Ne­ru­da, Brey­ten Brey­ten­ba­ch, en­tre ou­tros.

Es­ta ati­tu­de tem a ver com o pa­pel que a Li­te­ra­tu­ra se atri­buiu, des­de os tem­pos ime­mo­ri­ais (ve­jam-se as tra­gé­di­as gre­gas) de con­tes­tar o que a so­ci­e­da­de tem de er­ra­do. Aqui le­van­ta-se es­ta ques­tão per­ti­nen­te: po­de o es­cri­tor ab­di­car da mo­ral, não só na sua pro­du­ção, mas igual­men­te na sua pra­xis so­ci­al?

O es­cri­tor bra­si­lei­ro Fer­nan­do Sa­bi­no dá-nos uma res­pos­ta sin­ce­ra, ao a ir­mar: “O ar­tis­ta, mes­mo em­pe­nhan­do ape­nas be­le­za, po­de es­tar con­tes­tan­do a or­dem iní­qua que a so­ci­e­da­de nos im­põe, quan­do não acei­ta as re­gras do jo­go, que são as da hi­po­cri­sia, da fal­si­da­de, da de­for­ma­ção do pen­sa­men­to, do des­res­pei­to aos di­rei­tos hu­ma­nos.”

Eu acre­di­to que ho­je em dia, em que a Li­te­ra­tu­ra já não atrai o lei­tor co­mo nos sé­cu­los pre­ce­den­tes, não bas­ta pu­bli­car li­te­ra­tu­ra pa­ra ser um es­cri­tor in­te­gral. O es­cri­tor tem ne­ces­sa­ri­a­men­te de es­tar en­ga­ja­do na de­fe­sa da dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na. Quem não de­mons­tra sen­si­bi­li­da­de ina­ta pe­ran­te o so­fri­men­to do pró­xi­mo, não po­de ter ne­nhu­ma pre­ten­são a ser de­no­mi­na­do es­cri­tor. A obra que es­cre­ve de­ve an­dar a par do pen­sa­men­to do au­tor. Um es­cri­tor não me­xe na quin­da do po­vo.

Aque­le que ain­da não des­cal­çou pe­lo me­nos dois dos se­te sa­pa­tos su­jos ex­pos­tos na pra­te­lei­ra de Mia Cou­to: “A pas­si­vi­da­de pe­ran­te a in­jus­ti­ça” e “A ideia de quem cri­ti­ca é ini­mi­go”, co­mo po­de que­rer sen­tar-se à me­sa de uma Aca­de­mia de Le­tras?

Co­mo dis­se um dia Marthin Luther King Jr.: "O que me pre­o­cu­pa não é o gri­to dos cor­rup­tos, dos vi­o­len­tos, dos de­so­nes­tos, dos sem ca­rác­ter, dos sem éti­ca. O que me pre­o­cu­pa é o si­lên­cio dos bons."

O es­cri­tor, co­mo já o dis­se, é a re­ser­va mo­ral da so­ci­e­da­de. Co­mo po­de ele de­nun­ci­ar os ma­les des­sa mes­ma so­ci­e­da­de, se pac­tua com eles?

Jo­sé Luís Men­don­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.