O MONS­TRO ES­TÁ EM CE­NA

Con­ver­sar com o insólito, es­se deus des­co­nhe­ci­do

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA

Pa­ra a Com­pa­nhia de Dan­ça Con­tem­po­râ­nea de An­go­la (CDC) co­lo­car “O Mons­tro Es­tá em Ce­na” no ter­ri­tó­rio do au­di­tó­rio Pe­pe­te­la, no Cen­tro Ca­mões, em Lu­an­da, alar­gou-se uma pla­ta­for­ma con­ti­nen­tal ao pal­co. So­bre aque­la lín­gua de so­nhos, a ve­lha ar­te de dan­çar que a CDC re­vi­ve e rein­ven­ta a ca­da tem­po­ra­da, vol­ta a fun­dir es­cul­tu­ra, mú­si­ca e a po­e­sia do Cos­mos, pa­ra uma te­a­tra­li­za­ção do si­lên­cio bi­o­ló­gi­co DA IMA­GEM. In­vo­co as ki­tu­tas, es­ses es­pí­ri­tos mui­to pró­xi­mos das ki­an­das, na sua i(mper)ma­nên­cia me­ta­fí­si­ca e pal­pá­vel. Que me ins­pi­rem a tam­bém es­cul­pir com Ana Cla­ra Gu­er­ra Mar­ques e Nu­no Gui­ma­rães, em can­to es­cri­to, a me­lhor for­ma de con­ver­sar com o insólito, es­se deus des­co­nhe­ci­do de John Stein­beck.

CE­NA UM

O mons­tro es­tá em ce­na. Cas­ca­ta de san­gue a der­ra­mar-se so­bre o nos­so tem­po con­ver­ti­do à im­pres­são nihi­lis­ta da mo­ral: Eu sou o ga­jo. O tal ca­brão do dou­tor ga­jo. A su­mi­da­de da fi­lha da pu­ti­ce.

CE­NA DOIS

So­be no ar mú­si­ca de câ­ma­ra, mú­si­ca sacra, uma coi­sa que vem de lon­ge, de al­gu­ma ca­te­dral se­me­a­da de cor­pos tor­tu­ra­dos por uma in­qui­si­ção in­fi­ni­ta. O mons­tro re­par­te es­mo­las. Ou mu­ni­ções es­pi­ri­tu­ais?

O mons­tro abre os bra­ços e con­sa­gra a om­ni­po­tên­cia do ri­so e do des­pre­zo. De­pois vai- se em­bo­ra. Um anjo dan­ça: luz pre­ta exor­ci­za­da pe­lo aná­te­ma da con­di­ção hu­ma­na: HO­MO HOMINI LUPUS. No tú­nel rec­tan­gu­lar de luz con­ci­li­a­tó­ria, flo­res­ce o diá­lo­go.

CE­NA TRÊS

Vi­vo ou mor­to. Caçadores de ca­be­ças.

CE­NA QUA­TRO

Uma se­de ver­de-água en­re­da o mo­ti­vo de vi­ver. Se es­que­ce em cé­lu­las de luz, jun­to ao mu­ro bran­co (qua­se) in- trans­po­ní­vel. “Si­mão Pe­dro dis­se: “Vou à pes­ca.” “Tam­bém nós”, dis­se­ram to­dos. As­sim ize­ram; mas na­da apa­nha­ram to­da a noi­te.

Ao rom­per do dia, avis­ta­ram um ho­mem de pé na praia, mas não con­se­gui­ram ver quem se­ria. “Ami­gos, apa­nha­ram al­gum pei­xe?”, gri­tou ele.

“Não”, res­pon­de­ram.

En­tão ele dis­se: “Lan­cem a re­de do la­do di­rei­to do bar­co e apa­nha­rão bas­tan­te!” As­sim foi, e de­pois nem se­quer po­di­am pu­xar a re­de de­vi­do ao pe­so do pei­xe, pe­la sua abun­dân­cia. (João 21)

A dor de ser ho­mem emi­te um ges­to de de­si­lu­são na sua re­de de águas ver­de-cin­za. Vas­cu­lha, vas­cu­lha o pa­no das águas ver­de-cin­za e só acha o na­da eter­no.

CE­NA CIN­CO

Um ór­gão de res­so­nân­ci­as cós­mi­cas do­mi­na o pal­co de mãos pre­sas nos bol­sos. Três pas­sa­gei­ros obli­quo­pa­tas com ges­tos (e an­dar) me­ca­ni­za­do pe­lo con­tra­to (an­ti)so­ci­al. As mãos sa­em dos bol­sos e vão ton­tas, cur­va­das ao pe­so de pri­mi­ti­vos quis­son­des pe­re­gri­nos. O ro­bot mo­ral. A azá­fa­ma do san­gue nas vei­as. Es­cul­tu­ras vi­vas. Lin­gua­gem ma­te­ri­al da dan­ça. De­ses­pe­ra­das som­bras con­tor­cen­do-se con­tra o mu­ro bran­co da de­si­lu­são.

CE­NA SEIS

O bai­la­ri­no sen­ta­do lê um ma­pa. Cin­co cri­an­ças den­tro dos olhos de­le de­com­põem o puzz­le do Glo­bo. O bai­la­ri­no sen­ta­do do­bra o ma­pa num ac­to de na­ve­gar, com se­rei­as, a pró­pria so­li­dão. Mas o bar­co de pa­pel é rou­ba­do à luz do dia, pa­ra den­tro de uma ma­la de ca­bi­na, co­mo quem vi­a­ja de avião os so­nhos dos ino­cen­tes. O que res­ta? Tom­bar, de­ses­pe­rar. Con­vul­si­va ka­zu­ku­ta-dan­ça. Úl­ti­mo es­ter­tor. Cor­ri­da con­tra o mu­ro.

CE­NA SE­TE

Som­bras a tac­te­ar o na­da (Sa­gra­da Es­pe­ran­ça) abrin­do as cor­ti­nas de luz sob as quais ex­plo­de a be­le­za dos cor­pos-ca­fé. A li­ber­da­de ma­ni­e­ta­da sai de ce­na.

CE­NA OI­TO

Ves­ti­dos jus­tos. Ro­sa, ver­de e ama- re­lo em pe­ru­cas se­den­tas de vã fan­ta­sia. O Ori­en­te re­mas­te­ri­za­do. Bo­ne­cas de fan­ta­sia mó­veis. Uma voz co­mo de no­ve­la: “uma exis­tên­cia ca­da vez mais vi­o­len­ta; uma hu­ma­ni­da­de ca­da vez me­nos hu­ma­na; tec­no­lo­gia: o mons­tro es­tá em ce­na. 1,2,3,4, 1,4,3, 432, eu sou o ga­jo, o tal ca­brão de dou­tor ga­jo, a su­mi­da­de da ilha­da­pu­ti­ce mul­ti­pli­ca­da por mil mi­lha­res de mi­lhões de bi­liões, a su­mi­da­de da su­pe­ri­o­ri­da­de.”

CE­NA NO­VE

A cor­da bran­ca de ny­lon amar­ra as bo­ne­cas co­mo no pós 4 de Fe­ve­rei­ro de 1961. Ape­sar da mu­lher. Ci­paio pre­to le­van­do me­ni­nas pre­tas.

CE­NA DEZ

Ví­deo consumista. Lu­xo nos os­sos ver­sus ara­me far­pa­do. Aus­chwitz re­vi­vi­do. Ca­vi­ar e cham­pa­nhe ver­sus des­lo­ca­dos de gu­er­ra e cho­ro de cri­an­ças ver­sus na­palm. O cho­ro de Áfri­ca du­ran­te sé­cu­los (Sa­gra­da Es­pe­ran­ça).

CE­NA ON­ZE

A luz res­pi­ra sob mú­si­ca sacra e tres­pas­sa as qua­tro som­bras. Fi­lan­tro­pia so­no­plás­ti­ca. A me­câ­ni­ca do tem­po na sua on­to­lo­gia vis­ce­ral.

CE­NA DO­ZE

O pri­mei­ro ho­mem nas­ce de cal­ça bran­ca bo­ca de si­no. Co­mo uma nu­vem em li­ber­da­de, dan­ça e se es­praia em acro­ba­ci­as de pei­to aber­to. Ago­ra é que Mi­che­lan­ge­lo Bu­o­na­ro­ti de­via exis­tir pa­ra po­der pin­tar no tec­to do mun­do es­sa im­pres­são pu­ra do nos­sa res­sus­ci­ta­ção. Sem o de­do om­ni­po­ten­te de Deus. Lá no al­to da ca­pe­la Sis­ti­na, o céu dei­xa de ru­gir. As nu­vens eram, a inal, o es­pan­to vi­vo dos que­ru­bins.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.