DO POR­TU­GUÊS PROFUNDO AO POR­TU­GUÊS DE AN­GO­LA

Jornal Cultura - - Letras -

Em prin­cí­pi­os de 1956, já no man­da­to do Go­ver­na­dor Co­ro­nel de Sá Vi­a­na Re­be­lo, um ge­nuí­no co­lo­ni­a­lis­ta, des­lo­cou-se ao Sal­va­dor Cor­reia um in­di­ví­duo mui­to bem ves­ti­do que, su­po­nho, ocu­pa­va o al­to pos­to de Se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Edu­ca­ção na co­ló­nia. Ele pro­cla­mou um dis­cur­so de que re­cor­da­rei, a fra­se que aí vai: “Co­mo An­go­la é uma Pro­vín­cia Ul­tra­ma­ri­na não se ad­mi­te que se fa­le aqui de mo­do tão di­fe­ren­te do que na me­tró­po­le”. A ga­ro­ta­da angolana, bem es­con­di­da, não acre­di­tou em tal a ir­ma­ção do en­fa­tu­a­do “be­su­go” e riu, tro­çan­do de­le. Mal ima­gi­na­va eu que ele ven­ce­ria, e pi­or, com aju­da de an­go­la­nos cul­tos e bem in­ten­ci­o­na­dos, no en­tan­to, co­mo os seus men­to­res di­rec­tos ou in­di­rec­tos ibé­ri­cos, ig­no­ra­vam o por­tu­guês profundo. No de­cur­so do pe­río­do do Go­ver­na­dor Aga­pi­to de Car­va­lho (1947-1955), fa­lá­va­mos aqui o por­tu­guês do Bra­sil e me re­cor­do de um dia pre­sen­ci­ar o cor­te­jo da­que­le Go­ver­na­dor pas­sar pe­lo Lar­go da Mai­an­ga e es­cu­tar o lo­cu­tor em al­to-fa­lan­te que a im­por­tan­te per­so­na­li­da­de cir­cu­la­va em “cor­te­jo com­pos­to pe­lo seu al­mo­xe­ri­fe, o seu açou­gue e o ca­mi­nhão da com­pa­nhia in­dí­ge­na”. Tais vo­cá­bu­los no pre­sen­te es­tão de­sa­pa­re­ci­dos.

A pro­pó­si­to dos ga­li­cis­mos des­ne- ces­sá­ri­os, Oli­vei­ra Mar­tins a ir­mou, a es­te pro­pó­si­to, no seu “Por­tu­gal Con­tem­po­râ­neo”, na in­tro­du­ção ao li­vro, saí­do em 1891 na ca­pi­tal do seu país o que se se­gue: “Ora eu de­sa io quem quer que se­ja a pro­var-me o nos­so pro­gres­so in­te­lec­tu­al e mo­ral. Eu ve­jo – não vêem to­dos uma de­ca­dên­cia no ca­rác­ter uma des­na­ci­o­na­li­za­ção na cul­tu­ra? Li­te­ral­men­te, a lín­gua per­de­se. (Nes­te pas­so, ele ci­ta di­ver­sos au­to­res co­mo A. Her­cu­la­no). De­pois, pros­se­gue; “E se ho­je se le­van­ta es­po­ra­di­ca­men­te al­gu­ma ex­cep­ção, o fac­to é que se cin­diu a tra­di­ção in­te­lec­tu­al, que se per­deu o há­bi­to de pen­sar, que ape­nas se es­cre­ve por ar­te ou in­dús­tria, nu­ma lin­gua­gem mas­ca­va­da, o que vem co­zi­nha­do e re­quen­ta­do de Pa­ris”. Op.cit.p.20

Eis exem­plos de ga­li­cis­mos, er­ra­dos ou inú­teis, que ir­ri­ta­ram aque­le que foi, sem dú­vi­da, um dos mai­o­res eru­di­tos lu­sos do co­me­ço da mo­der­ni­da­de do seu país. Aí se se­guem al­guns e de acor­do com o que men­ci­o­nei aci­ma, vi­ra­gem, do fran­cês vi­ra­ge, em vez de vi­ra­da – co­mo es­cre­via Ca­mi­lo e se man­tém no Bra­sil e em cas­te­lha­no, pa­ra­gem, pos­si­vel­men­te uma con­fu­são dos ci­ta­dos ape­deu­tas por­tu­gue­ses en­tre pa­ra­ge, que sig­ni ica o mes­mo que “pa­ra­gens ou pla­gas lon­gín­quas”, co­mo po­de­mos ler em Ca­mões e em Fer­não Men­des Pin­to pa­ra ter­ras dis­tan­tes, e ar­rêt, pa­ra pa­ra­da em por­tu­guês cas­ti­ço e cas­te­lha­no, com­boio ( fal­so) de con­voy, pa­ra trem em bom fran­cês, au­to­car­ro de au­to­car, pa­ra veí­cu­lo de trans­por­te co­lec­ti­vo, que se mo­ve de ci­da­de em ci­da­de, por­que den­tro de Pa­ris ou de Mar­se­lha, há o om­ni­bus, ( o nos­so ve­lho ma­chim­bom­bo), ma­ti­né à tar­de quan­do é fac­to de ma­nhã. Exis­tem mui­tas mais pro­vas des­ta in­con­ve­ni­en­te de­pen­dên­cia do fran­cês, amiú­de , de­sas­tra­da ou su­pér lua.

A pro­pó­si­to, dos dis­la­tes, na pá­gi­na 151 do 1º to­mo do ci­ta­do li­vro des­se au­tor, ele es­cla­re­cia que – “os pri­si­o­nei­ros da­vam os car­ce­rei­ros pro­pi­nas pa­ra co­me­rem me­lhor”. Pro­pi­nas quer di­zer acer­ta­da­men­te su­bor­no, sig­ni ica­do que se con­ser­va no Bra­sil, mas que la­men­ta­vel­men­te em Por­tu­gal ou em An­go­la to­mou um sen­ti­do em ab­so­lu­to er­ra­do. Ou­tro vo­cá­bu­lo fal­so é a ca­mi­so­la, que quer di­zer em Pro­ven­çal (Fran­ça do Sul Ori­en­tal) ca­mi­sa de dor­mir de se­nho­ra, mas em Por­tu­gal e em An­go­la equi­va­le a al­go po­lis­se­mân­ti­co er­ra­do que vai da ca­mi­sa de ma­lha de um des­por­tis­ta a um abri­go pa­ra o frio. Is­so, pa­ra não me re­fe­rir ao “acei­te” par­ti­cí­pio pas­sa­do do ver­bo acei­tar que es­se eru­di­to co­nhe­cia co­mo do­cu­men­to ban­cá­rio, que ele ja­mais ha­ve­ria per­mi­ti­do, por­que no seu es­ti­lo mag­ní ico ti­nha acei­to. Es­se acei­te abriu ca­mi­nho pa­ra o em­pre­gue e pa­ra o de­plo­rá­vel en­car­re­gue.

Por­ven­tu­ra umas tram­po­li­ni­ces “sa­la­za­ren­gas”, en­tre uma le­gião de­las que que­da­ram por des­gra­ça e uma in­cú­ria de quem de di­rei­to!. De no­tar que, quan­do es­tu­dei la­tim ele­men­tar em Frank­furt/Main, cons­ta­tei no meu di­ci­o­ná­rio la­tim/ale­mão, que Pro­pi­na cor­res­pon­dia, de fac­to, a su­bor­no. En im, nem fa­ço co­men­tá­ri­os... “OS POR­TU­GUE­SES NÃO PENSAM” Oli­vei­ra Mar­tins as­se­gu­ra­va, co­mo se cons­ta­tou an­tes, “Os por­tu­gue­ses não pensam” e eu acres­cen­to que, nes­te as­sun­to, os an­go­la­nos tam­bém não.

Igual­men­te o no­tá­vel ro­man­cis­ta Eça de Qu­ei­roz se in­co­mo­dou com os fran­ce­sis­mos ina­de­qua­dos ou de­sa­jei­ta­dos in­tro­du­zi­dos no por­tu­guês. Do­mi­nan­do, co­mo seu ami­go en­saís­ta, o idi­o­ma de Vol­tai­re, ele re­di­giu em me­a­dos do sé­cu­lo XIX, uma no­ve­le­ta e um con­to, obras de ju­ven­tu­de de me­a­dos do sé­cu­lo XIX e pu­bli­ca­das pe­lo seu ilho, em 1926 em Lis­boa e no Por­to. Em am­bos os es­cri­tos, ele cen­su­ra­va a ca­ma­da po­li­ti­ca da sua ter­ra por não in­ves­tir na edu­ca­ção. Na re­a­li­da­de, no seu tem­po, uni­ca­men­te 20% da po­pu­la­ção lu­sa eram al­fa­be­ti­za­dos. E des­tes, di­ga­mos ape­nas cer­ca de 2 a 3%, se­ri­am ver­da­dei­ros in­te- lec­tu­ais, uma por­ção mi­nús­cu­la. Is­to, ao in­vés da ir­mã Es­pa­nha, mui­to mais evo­luí­da, da­do que se re lec­tia no es­pa­nhol, bas­tan­te me­nos de­pen­den­te do fran­cês. ( Co­mo pro­va da ig­no­rân­cia da sua lín­gua de ori­gem, ao con­trá­rio do que mui­tos por­tu­gue­ses, ho­je jul­gam, a chol­dra de Eça sig­ni ica bal­búr­dia, trou­xe- mou­xe, con­tu­do, eles, ig­no­ran­tes crêem que con­sis­te em um cár­ce­re). Nes­te úl­ti­mo tex­to, o es­cri­tor usa o ter­mo trem, p. 246, co­mo na Amé­ri­ca do Sul e em cas­te­lha­no, nun­ca com­boio!

Por sua vez Aqui­li­no Ri­bei­ro, que te­ve que se re­fu­gi­ar em Pa­ris, on­de fez es­tu­dos bri­lhan­tes na Sor­bon­ne, por­que pro­tes­tou com a mai­or ve­e­mên­cia con­tra as re­for­mas idi­o­tas da lín­gua im­pos­tas, a par­tir de 1934, por mi­nis­tros da Edu­ca­ção de Sa­la­zar que nem ti­ve­ram em con­ta as cor­rec­ções de Oli­vei­ra Mar­tins e de Eça, aqui con­si­de­ra­das. Abo­li­ram o ge­rún­dio, per­mi­ti­ram a en­tra­da de um pre­no­me pes­so­al oblí­quo bas­tar­do o si no sen­ti­do do ou­tro que só exis­te em lu­si­ta­nês e em “an­go­lês”, nem se­quer há em ga­le­go (vos­te­de) ou em cas­te­lha­no (us­ted). Con­tu­do, a ilo­so ia e a lin­guís­ti­ca, as­se­gu­ram que o prin­cí­pio da iden­ti­da­de ja­mais po­de coin­ci­dir com o prin­ci­pio da al­te­ri­da­de, ao in­vés do lu­si­ta­nês e do an­go­lês! Por­tan­to, con­si­go não po­de ser si­mul­ta­ne­a­men­te, o pró­prio e o ou­tro!

Pa­ra além des­tes dis­pa­ra­tes, os re­fe­ri­dos mi­nis­tros proi­bi­ram pa­la­vras ára­bes co­mo al­cai­de, xe­ri­fa­do, ma­ga­re­fe, e, ca­so gra­ve, o açou­gue e sua lo­ja ou ven­da, que fo­ram ve­ta­dos pa­ra se ve­rem subs­ti­tuí­dos por ta­lho e por ta­lhis­ta, que qua­se não dis­põem de res­pal­do eti­mo­ló­gi­co só­li­do e fo­ram, ade­mais, bus­car à Fran­ça o “ca­na­li­ser” e aban­do­na­ram o en­ca­nar bem lu­so. Após is­so, ain­da to­man­do o fran­cês co­mo re­fe­rên­cia, re­nun­ci­a­ram ao ge­rún­dio, acre­di­tan­do que o in ini­ti­vo, co­mo “es­tou a fa­zer”, a exem­plo de “je suis en train de fai­re”, tra­du­zi­ria bem uma ac­ção con­tí­nua. Um des­tem­pe­ro! Com ex­cep­ção do al­cai­de, guar­da­do em es­pa­nhol pa­ra in­di­car o Mayor in­glês, mas subs­ti­tuí­do pe­lo per­fei­to, no Bra­sil, on­de to­dos es­ses vo­cá­bu­los por­tu­gue­ses de re­mo­ta pro­ce­dên­cia ára­be se con­ser­va­ram, em con­tras­te com o país de ori­gem. E bem ou­tras pa­la­vras an­ti­gas co­mo go­ver­nan­ça , ou se­ja o con­jun­to dos ac­tos de go­ver­na­ção. Ter­mo a que re­cor­reu, em ple­no sé­cu­lo XVI pe­lo his­to­ri­a­dor goês pa­ra se re­por­tar à “go­ver­nan­ça de Afon­so de Al­bu­quer­que”. Por igual su­co , tam­par e co­brir lu­sos su­mi­ram em

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.