O “PEN­SA­DOR” NA SO­CI­E­DA­DE ANGOLANA

Jornal Cultura - - Primeira Página -

Aes­ta­tu­e­ta cokwe com a de­sig­na­ção de “Pen­sa­dor”, em lín­gua por­tu­gue­sa, ca­rac­te­ri­za-se pe­la gran­de qua­li­da­de, ri­gor e de­di­ca­ção, atri­bu­tos ine­gá­veis na sua exe­cu­ção.

Por es­te fac­to, a mes­ma tem vin­do a ser su­jei­to às mais va­ri­a­das in­ter­pre­ta­ções, quer pe­los ar­tis­tas, quer pe­los ar­te­sãos, quer pe­los aman­tes da ar­te e, em par­ti­cu­lar, pe­la so­ci­e­da­de angolana.

A ní­vel do ór­gão do Go­ver­no an­go­la­no que di­ta e ori­en­ta a po­lí­ti­ca cul­tu­ral do país, o “Pen­sa­dor” foi adop­ta­do co­mo sím­bo­lo da Cul­tu­ra Na­ci­o­nal, mui­to em­bo­ra es­ta de­sig­na­ção se­ja atri­buí­da a obras ar­tís­ti­cas, en­con­tra­das em mui­tas par­tes do mun­do, co­mo ilus­tra­re­mos mais adi­an­te.

Com es­ta de­sig­na­ção, as es­cul­tu­ras an­go­la­nas são re­pre­sen­ta­das, ge­ral­men­te, por um ho­mem sen­ta­do, de per­nas cru­za­das, uma mão no qua­dril, o bra­ço di­rei­to­ou es­quer­do apoi­a­do so­bre o jo­e­lho, com a mão fe­cha­da a ní­vel de quei­xo, ou por um ho­mem sen­ta­do com as per­nas do­bra­das so­bre as quais as du­as mãos jun­tas se­gu­ram a ca­be­ça, a qu­al se man­tém nu­ma po­si­ção in­cli­na­da.

O “Pen­sa­dor” no Mun­do

Em sen­ti­do ge­né­ri­co, a obra com a pri­mei­ra de­sig­na­ção de “Pen­sa­dor” é atri­buí­da à es­cul­tu­ra in­ti­tu­la­da “Pen­seur”, a qu­al e pa­ra uma me­lhor com­pre­en­são da mes­ma, ci­ta­re­mos um pe­que­no ex­cer­to do Dic­ti­on­nai­reLa­rous­se: “Pen­seur, (le) (IlPen­si­e­ro­so)no­me atri­buí­do à prin­ci­pal igu­ra do tom­bo de Lo­ren­zo de Me­di­ci. Ela re­pre­sen­ta o Du­queLo­ren­zo, sen­ta­do e mer­gu­lha­do nu­ma me­di­ta­ção pro­fun­da. Es­se tom­bo es­táem Flo­ren­ça, Me­di­ci, na Igre­ja de SanLo­ren­zo. É aí, on­de se en­con­tram os dois mo­nu­men­tos que, en­tre as obras pri­mas de Mi­guel Ân­ge­lo, apa­re­ce a de Ju­li­en,Du­que de Ne­mours, ilho de Lo­ren­zo “o Mag­ní ico” e o ou­tro mo­nu­men­to é o de Lo­ren­zo, Du­que de Ur­bi­no, pai de Ca­ta­ri­na de Me­di­ci. Am­bos, apre­sen­tam-se sen­ta­dos e Lo­ren­zo na sua po­si­ção em me­di­ta­ção foi de­sig­na­do por “IlPen­si­e­ro­so”.Em 1880,foi exe­cu­ta­da uma es­cul­tu­ra em ges­so, por Au­gus­teRo­din, es­cul­tor fran­cês (1840-1917), com o no­me dePen­seur re­pre­sen­ta­da por um ho­mem nu, sim­bo­li­zan­do a uni­ver­sa­li­da­de do pen­sa­men­to e da mas­cu­li­ni­da­de, co­ne­xan­doo exer­cí­cio da men­te àque­le do cor­po.

Ro­din foi do­mi­na­do por uma con­cep­ção par­ti­cu­lar da for­ma que o fez sub­me­ter to­dos os as­pec­tos da obra a es­cul­pir na pro­cu­ra dos “per is” ex­pres­si­vos, con­ce­ben­do ser o ex­te­ri­or da mes­ma, a ex­tre­mi­da­de de um vo­lu­me. A sua obra pri­ma “lePen­seur” é ca­rac­te­ri­za­da pe­lo gé­nio dos mo­vi­men­tos au­da­ci­o­sos e in­só­li­tos que fo­ram ela­bo­ra­dos num per­ma­nen­te res­pei­to pe­lo equi­lí­brio de mas­sa.

A es­cul­tu­ra ori­gi­nal, fei­ta por vol­ta de 1880, me­din­do 71,5 cm de al­tu­ra, foi ex­pos­ta pe­la pri­mei­ra vez em Co­pe­nha­gue em 1888. O pri­mei­ro cas­ting de bron­ze foi con­cluí­do em 1902, co­lo­ca­do em fren­te ao Pan­teão, an­tes de ser trans­por­ta­do em 1922 pa­ra o ho­tel Bi­ron ( Pa­ris), trans­for­ma­do num mu­seu, o de Ro­din.

A His­tó­ria do “Pen­sa­dor” em An­go­la

Em1932, no âm­bi­to deu­ma mis­são ci­en­tí ica no Sul de An­go­la, vi­san­do a pes­qui­sa de ob­jec­tos da cul­tu­ra ma­te­ri­al,uma equi­pa do Mu­seu de Neu­châ­tel - Suí­ça in­te­gra­da por Théo­dorDe­la­chaux,ob­ser­vou uma igu­ri­nha no ces­to de “adi­vi­nha­ção” [(Ngom­boya­ci­su­ka(de ori­gem Cokwe)], a quem atri­buíu o no­me de “Pen­seur”, con­ce­den­do-lhe um ca­rác­ter mui­to es­pe­cí ico so­bre a sua es­ti­li­za­ção .

Foi nes­tas cir­cuns­tân­ci­as que se­en­con­trou pe­la pri­mei­ra vez uma es­cul­tu­ra an­tro­po­mór ica nes­te ces­to de con­sul­ta, na re­gião­do Ku­ne­ne ,que tra­du­zi­mos por “Pen­sa­dor”. As in­for­ma­ções acer­ca do “Pen­sa­dor”re­ve­lam as di icul­da­des en­con­tra­das pe­los pri­mei­ros es­tu­di­o­sos na iden­ti ica­ção de bens cul­tu­rais. Em 1936, J. Re­di­nha, Di­rec­tor do Mu­seu do Dun­du, re­co- lheu­emSa­com­bo no Cin­gu­fo (Ci­ta­tu) uma es­cul­tu­ra que iden­ti icou por Ka­lam­baKu­ku (es­cul­tu­ra de ve­lho em “me­di­ta­ção” aban­do­na­do pe­la fa­mí­lia) . Ob­ser­vou que os “ad­vi­nha­do­res” usa­vam uma pe­ça de for­ma idên­ti­ca a que dão o no­me de “SáI­chi­mo” (sic).

A de­no­mi­na­ção “Pen­sa­dor” di­men­si­o­na- se e Má­rio Fon­ti­nha, fun­ci­o­ná­rio do Mu­seu da Com­pa­nhia de Di­a­man­tes de An­go­la ( DIAMANG), uti­li­za o mes­mo no­me “Pen­sa­dor” e de­sig­na a mes­ma es­cul­tu­ra de Ku­ku ou Ka­lam­ba, cha­man­do- lhe em ( lín­gua por­tu­gue­sa) “Adão-Pen­sa­dor”(An­te­pas­sa­do- Pen­sa­dor). No seu tra­ba­lho so­bre De­se­nhos na Areia ,iden­ti­fi­ca-a nos de­se­nhos de areia dos cokwe, sob a for­ma de uma fi­gu­ra se­me­lhan­te à do ces­to de “adi­vi­nha­ção” dos cokwe . O “Pen­sa­dor” na so­ci­e­da­de Cokwe, re­flec­te a po­si­ção aga­cha­da­da es­cul­tu­ra- Ku­ku , as mãos pos­tas na ca­be­ça, apre­sen­tan­do a ex­pres­são de um an­cião so­li­tá­rio, nu­ma po­si­ção de pro­fun­da me­di­ta­ção, que é de­sig­na­do por Ku­ku, ( Bi­savô, Tri­savô, Te­travô, Pen­tavô,etc...).

Qu­al é a Ori­gem do “Pen­sa­dor”?

Vá­ri­as ra­zões con­cor­rem pa­ra iden­ti icar o “Pen­sa­dor”, co­mo a sua Mor­fo­lo­gia, o Con­tex­to Só­ci­o­cul­tu­ral, Re­li­gi­o­so e Lin­guís­ti­co. É uma es­ta­tu­e­ta es­cul­pi­da em ma­dei­ra de Muha­la de pa­ti­ne bri­lhan­te, que se apre­sen­ta nu­ma po­si­ção­ri­tu­a­lís­ti­ca. A con igu­ra­ção ma­ni­fes­ta a ex­pres­são de um an­cião so­li­tá­rio em pro­fun­da me­di­ta­ção: a ca­be­ça in­cli­na­da pa­ra a fren­te, re­me­ten­do o pes­co­ço nu­ma po­si­ção alon­ga­da, o tron­co em for­ma ci­lín­dri­ca re­gu­lar, com uma li­nha de con­ca­vi­da­de mar­ca­da nas cos­tas.

O tron­co alon­ga- se até ao ní­vel do qua­dril on­de ele to­ma a for­ma có­ni­ca. No que con­cer­ne à po­si­ção dos mem­bros, os bra­ços e os an­te­bra­ços po­si­ci­o­nam- se em for­ma de um “V” oblí­quo, com as mãos apoi­an­do a ca­be­ça. Os mem­bros su­pe­ri­o­res to­mam uma po­si­ção aga­cha­da e per­nas fe­cha­das em li­gei­ra con­ca­vi­da­de. A es­ta­tu­e­ta é vul­gar­men­te de­sig­na­da por “Pen­sa­dor”. Na so­ci­e­da­de cokwe, o “Pen­sa­dor” Ku­ku en­con­tra­se noN­gom­boya­ci­su­ka, ( ces­to de “adi­vi­nha­ção”), sen­do o ces­to de con­sul­ta aos es­pí­ri­tos an­te­pas­sa­dos­no seu con­tex­to re­li­gi­o­so.

O ter­mo “Pen­sa­dor” le­van­ta um in in­dá­vel nú­me­ro de pro­ble­mas e con­fu­sões na so­ci­e­da­de angolana, e em par­ti­cu­lar, na cokwe. Par­tin­do de uma aná­li­se lin­guís­ti­ca­pa­ra de­sig­nar o Ku­ku, os Tu­cokwe não se re­veêm na de- sig­na­ção de “Pen­sa­dor” da ter­ra deNa­ka­bam­ba, Ndum­baTem­bo eCi­sen­ge . Em re­la­ção ao “Pen­sa­dor” Cokwe, pa­re­ce ser o as­pec­to mais com­ple­xo, na me­di­da em que se ba­seia no es­tu­do lin­guís­ti­co e no con­tex­to só­cio – cul­tu­ral, no qu­al es­tá in­se­ri­do o ob­jec­to. Além do ter­mo Ku­ku, de­ver-se-ão ter em con­ta os ter­mos: Sayi­xi­mo (ad­mi­ra­dor); Sa­mayon­ga (me­di­ta­dor); Sa­xin­ginye­ka (al­guém que pen­sa), sen­do to­dos eles tra­du­zi­dos er­ra­da­men­te pa­ra “Pen­sa­dor”.

Con­tu­do, não exis­te no Ngom­bo um ob­jec­to de­sig­na­do por Sa­manyon­ga.O Ku­ku é de­sig­na­do por pen­sa­dor por uma tra­du­ção li­te­ral e pe­la sua mor­fo­lo­gia no ces­to. É uma tra­du­ção re­cen­te de por­tu­guês pa­ra­cokwe, is­to é, me­di­tar, pen­sar, pe­lo fac­to do Ku­ku­re lec­tir uma ati­tu­de me­di­ta­ti­va.De­la­chaux (1932),por ana­lo­gia com o“Pen­sa­dor” de Ro­din,atri­buiu ao Ku­ku a de­sig­na­ção de “Pen­sa­dor”.

O“Pen­sa­dor” no Mer­ca­do Na­ci­o­nal

A es­cul­tu­ra do “Pen­sa­dor” es­tá pre­sen­te em qua­se to­do o país, inun­da o mer­ca­do ar­te­sa­nal. Des­de a sua clas­si ica­ção a sím­bo­lo da Cul­tu­ra Na­ci­o­nal, ela ad­qui­riu um va­lor ar­tís­ti­co imen­su­rá­vel. Ela é re­pro­du­zi­da na mai­o­ria das o ici­nas e atrai a cli­en­te­la tu­ris­tí­ca. As­sim, o “Pen­sa­dor” dei­xa de ser uma pro­du­ção do gru­po et­no­lin­guís­ti­co cokwe pa­ra ser con­si­de­ra­do uma pro­du­ção ar­te­sa­nal na­ci­o­nal.

Na Ilha de Lu­an­da é fre­quen­te a re­pro­du­ção­de uma quan­ti­da­de enor­me da es­cul­tu­ra “Pen­sa­dor”, po­rar­te­sãos de Ka­bin­da, Zai­re, cu­jo cen­tro de pro­du­ção es­tá lo­ca­li­za­do no Soyo. Cen­tro idên­ti­co en­con­tra-se noWam­bo e na Wí­la. Co­mo pro­du­to ar­te­sa­nal, os ar­te­sãos exe­cu­tam a sua ver­são em tor­no da ori­gem do “Pen­sa­dor”, che­gan­do mes­mo a cri­ar uma his­tó­ria po­pu­lar do “Pen­sa­dor”.

É o ca­so de uma das ver­sões for­ne­ci­das­por al­gun­sar­te­sãos das fei­ras de­ar­te­sa­na­to de Lu­an­da, re­fe­rin­do-se ao“Pen­sa­dor” co­mo um che­fe tra­di­ci­o­nal des­gra­ça­do:

“Nu­ma das al­dei­as da Lun­da-Nor­te, um So­ba (au­to­ri­da­de tra­di­ci­o­nal) ti­nha re­ce­bi­do uma vi­si­ta es­tran­gei­ra. Tra­ta­va-se de um en­ge­nhei­ro vin­do de Por­tu­gal à pro­cu­ra de ri­que­za. Sa­ben­do que a re­gião era ri­ca em di­a­man­tes, o en­ge­nhei­ro con­tac­tou o so­ba na ten­ta­ti­va de o ali­ci­ar com bens ali­men­ta­res de mo­do a apro­pri­ar-se de vas­tos ter­re­nos pa­ra ex­plo­rar di­a­man­tes. O So­ba ce­deu a pro­pri­e­da­de sem o acor­do da sua co­mu­ni­da­de e o en­ge­nhei­ro com a sua equi­pe ex­traí­ram to­da a área

di­a­man­tí­fe­ra. No inal do tra­ba­lho, com a re­ti­ra­da da equi­pe, a re­gião foi afec­ta­da pe­la fo­me e pe­la des­con­so­la­ção do So­ba que já não sa­bia co­mo jus­ti icar o es­ta­do de­plo­rá­vel da co­mu­ni­da­de. A po­pu­la­ção re­vol­tou-se e aban­do­nou o So­ba, que foi iso­la­do e im­pos­si­bi­li­ta­do de re­con­ci­li­ar-se com o seu po­vo, com as mãos na ca­be­ça, ex­pres­san­do a des­gra­ça,uma po­si­ção, que jus­ti ica a es­cul­tu­ra Pen­sa­dor”.(2015)

A po­si­ção aga­cha­da com as mãos na ca­be­ça, não sig­ni ica que al­guém es­te­ja a pen­sar. Na so­ci­e­da­de angolana es­ta po­si­ção cor­res­pon­de a uma ati­tu­de de des­gra­ça, de a li­ção. Em lín­gua Cokwe, o vo­cá­bu­lo des­gra­ça­do sig­ni ica Mwam­ba­la, Yn­da­ma, MukwaKuyn­da­ma. É um mo­ti­vo evi­den­te pa­ra ca­rac­te­ri­zar o ter­mo “Pen­sa­dor”, co­mo in­cor­rec­to e não cor­res­pon­den­do ao ori­gi­nal.

Na mai­or par­te das so­ci­e­da­des an­go­la­nas,Cokwe, Um­bun­du,Kim­bun­du, Nya­ne­ka, Kon­go, Ngan­ge­la, o ter­mo “Pen­sa­dor” não tem sig­ni ica­do al­gum. As po­pu­la­ções não re­co­nhe­cem es­ta ter­mi­no­lo­gia, mas sim a deKu­ku.Ape­sar des­sa di­ver­si­da­de, o Ku­ku tem a mes­mo sig­ni ica­do, o que ca­rac­te­ri­za a uni­da­de cul­tu­ral angolana na di­ver­si­da­de dos seus po­vos. ________________________ BIBLIOGRAFIA

BASTIN, M- L., 1959, “Ngom­bo, No­tes sur­de­sins­tru­ments de di­vi­na­ti­o­nem­ployés­dans­le­dis­tri­que de laLun­da­en An­go­la”, Ter­vu­ren, 5,4, pp. 100- 106.

DE­LA­CHAUX, Th., 1936, “LaDi­vi­na­ti­on­chez- quel­ques­peu­ples d’ An­go­la, (Tshokwe, Mbun­da,Nyem­ba, Ngan­ge­la)”, Bull. Schweiz. Ges. FurAnthr Eth­nol.-1946, Métho­de­setIns­tru­ments de Di­vi­na­ti­o­nen An­go­la, Ac­ta Tró­pi­co III, nº 2.

DICTIONNAIRE LAROUSSE, du XXI Sié­cle, Qu­a­trié­me To­me, Pa­ris, Li­brai­ri­eLa­rous­se, p. 49, 1951.

FON­TI­NHA, M., 1983, De­se­nhos na Areia dos Qui­o­cos do Nor­des­te de Asn­go­la, Lis­boa, Ins­ti­tu­to de In­ves­ti­ga­ção Ci­en­tí ica Tro­pi­cal.

MANZAMBI VUVU Fer­nan­do, 2012, “Ori­gem, Ex­pan­são e Fi­xa­ção das Po­pu­la­ções Ru­und, Cokwe e

Co­mu­ni­da­des Apa­ren­ta­das”, Me­mó­ria Vi­va da Cul­tu­ra da Re­gião Les­te deAn­go­la, Ca­tá­lo­go de Ex­po­si­ção Per­ma­nen­te do Mu­seu Re­gi­o­nal do Dun­du Lu­an­da, Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, pp. 37-50

- 2001,“Une­ap­pro­che­mul­ti­dis­ci­pli­nai­re­pourl’ét ude­de­sob­jets­cul­tu­rels­dans­les­col­lec­ti­ons­duMu­sée de Dun­du. Les­cas­duPen­seur­cokwe, inLePa­tri­moi­ne­a­fri­cain”, Pa­ris, Éds., Mai­so­neu­ve&la­ro­se, p. 107-138., Co-au­tor.

SAUSSURE,F de., 1999, Cur­so de Lin­guís­ti­ca Ge­ral, Lis­boa, Ed. Dom Qui­xo­te, Lda, Éd. 11º.

RE­DI­NHA, J., 1953, “Cam­pa­nha Et­no­grá ica ao Tchi­bo­co (Al­to-Tchi­ca­pa). I, II, (1955), No­tas de Vi­a­gem”, Lis­boa, Pu­bli­ca­ções Cul­tu­rais, 19, Com­pa­nhia de Di­a­man­tes de An­go­la.

RODRIGUES DE AREIA, M.L., 1973, “Fi­gu­ras an­tro­po­mór icas dos ces­tos de adi­vi­nha­ção dos Qui­o­cos”. Se­pa­ra­ta das Con­tri­bui­ções pa­ra es­tu­do da An­tro­po­lo­gia Por­tu­gue­sa

( Coim­bra) 9, 1: 1- 117. Vol. IX- Fas­cí­cu­lo I º . VITART-FARDOULIS, A., 1986, “l’ob­je­tin­ter­ro­gé ou com­ment­fai­re­par­ler une col­lec­ti­o­neth­no­graphi­que, Gradhi­va, Re­vue d’ his­toi­re­et d’ ar­chi­ves de l’ anth­ro­po­lo­gi­e­duDe­par­te­ment d’ Ar­chi­ves de l’ eth­no­lo­gi­e­duMu­sée de l’ Hom­me., Pa­ris, Au­tom­ne 1986.

Ku­ku, “Pen­sa­dor” Es­cul­tu­ra ori­gi­nal, Mu­seu do Dun­du (1936)

MANZAMBI VUVU FER­NAN­DO (PHD) ANTROPÓLOGO/MUSEÓLOGO DOCENTE UNIVERSITÁRIO

Fo­ri, es­cul­tor exe­cu­tan­do o “Pen­sa­dor”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.