EN­TRE RESSENTIMENTOS E ALI­AN­ÇAS VEM AÍ A NO­VA UNAC-SA?

Tu­dou­do in­di­ca que na UNACUNAC o ní­vel­ní­vel do mar es­tá a su­bir ca­da vvez mais. Pro­fis­si­o­nais,Pro­fis­si­o­nai­so­fis­si­o­nais, se­mi-pro­fis­si­o­nai­so­fis­si­o­nais e ama­do­re­sa­ma­do­res al­me­jam mu­dan­ças sig­ni­fi­ca­ti­vas­si­gas na ges­tão dest­des­te im­por­tan­tee órór­gão que os re

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - MA­RIA ALI­NE

E m 12 de Maio de 2006 na sa­la de Reu­niões da li­ga Na­ci­o­nal Afri­ca­na, uma lis­ta de con­sen­so abria ou­tro ci­clo na ges­tão da UNAC com Al­ber­to Te­ta Lan­do à ca­be­ça. Uma era em que os as­so­ci­a­dos des­ta agre­mi­a­ção ar­tís­ti­ca vi­ram sur­gir im­por­tan­tes pro­jec­tos em de­fe­sa da sua dig­ni­da­de so­ci­al.

Po­rém, de um tem­po a es­ta par­te, os ar­tis­tas re­cla­mam, usu­ku ni lu­anya, do de­clí­nio ver­ti­gi­no­so a que o ór­gão es­tá sub­me­ti­do. Sus­pen­so pe­la Con­fe­de­ra- ção In­ter­na­ci­o­nal das So­ci­e­da­des dos Au­to­res e Com­po­si­to­res – CISAC, por in­cum­pri­men­to de pa­ga­men­to de quo­tas, (!), sus­ci­ta ca­da vez mais ques­ti­o­na­men­tos em tor­no da ido­nei­da­de de quem di­ri­giu a ins­ti­tui­ção. Pro is­si­o­nais, se­mi-pro is­si­o­nais e ama­do­res al­me­jam mu­dan­ças sig­ni ica­ti­vas na ges­tão des­te im­por­tan­te ór­gão que os re­pre­sen­ta!

TUANDALA NGO KISANGELA!

“Uni­da­de, dig­ni­da­de e res­pon­sa­bi­li­da­de” foi o le­ma pe­lo qual a ins­ti­tui­ção se re­geu ao lon­go da sua exis­tên­cia.

Num ges­to co­e­ren­te e es­tra­té­gi­co, Dom Ca­e­ta­no, um an­go­la­no de his­tó­ria que, an­si­a­va igual­men­te o ca­dei­rão prin­ci­pal da ins­ti­tui­ção, op­tou por co­o­pe­rar com o co­le­ga Bel­mi­ro Car­los “Ni­to”, apoi­an­do a sua can­di­da­tu­ra. Es­ta no­vís­si­ma co­o­pe­ra­ção po­de­rá ou não dar num re­quin­ta­do cok­tail pós elei­ções, ao som de so­lo do ma­qui em ca­dên­cia har­mo­ni­o­sa sob o co­man­do de um so­lis­ta pra­gue­ja­do!

En­quan­to is­so o her­dei­ro do ko­ta Pe­dro Bon­ze­la Franco ( gran­de im­pul­si­o­na­dor do con­jun­to os ki­e­zos du­ran­te a sua fa­se em­bri­o­ná­ria), Mar­ce­li­no Bon­ze­la Franco, quan­do co­no­ta­do com as pre­ten­sões do lí­der da lis­ta B, re­fu­tou pe­remp­tó­rio: “Não fa­ço e ja­mais fa­rei par­te da lis­ta do Sr. Bel­mi­ro Car­los”. En­tre­tan­to, num pas­sa­do não tão dis­tan­te, es­tes dois gui­tar­ris­tas com­par­ti­ram os mes­mos “acor­des” na ins­ti­tui­ção que ho­je pre­ten­dem a inar!

Tu­do in­di­ca que na UNAC o ní­vel do mar es­tá a su­bir ca­da vez mais. Ma­ne­co Vi­ei­ra Di­as, apa­re­ceu re­cen­te­men­te a pú­bli­co fa­zen­do a ir­ma­ções que, se­gun­do Bel­mi­ro Car­los, são tão so­men­te ca­lú­nia e di­fa­ma­ção e, por estar a man­char a sua imagem, de­ci­diu in­ten­tar uma ac­ção-cri­me con­tra a can­di­da­tu­ra da lis­ta A na pes­soa do seu por­ta voz, o res­pon­sá­vel do bal­let Ki­lan­du­ki­lo, Ma­ne­co Vi­ei­ra Di­as.

Con­tac­ta­do, o ki­lan­du­ki­lo-mor, mos­trou-se des­te­mi­do e en­co­ra­jou o ami­go a fa­zê-lo: “O Sr. Bel­mi­ro Car­los é li­vre de fa­zer o que qui­ser. Em mo­men­to al­gum o di­fa­mei. As a ir­ma­ções que trou­xe a pú­bli­co fo­ram fei­tas em fun­ção dos seus pro­nun­ci­a­men­tos e os do­cu­men­tos fa­lam por si.” Pa­ra de­pois des­trin­çar: “Co­nhe­ço bem o Bel­mi­ro, em 12 anos na­da fez na UNAC. Sou gran­de ad­mi­ra­dor do Ni­to. O Ni­to e o Bel­mi­ro não são a mes­ma pes­soa!", re­ma­tou o an­ti­go res­pon­sá­vel pa­ra a área da dan­ça, Ma­ne­co Vi­ei­ra Di­as. É ca­so pa­ra se di­zer... “bwa­le fe­be­le se ka­lo­lo?"

Con ian­do pi­a­men­te na sua ba­ga­gem de ges­tor, Bel­mi­ro Car­los pug­na por uma par­ti­ci­pa­ção mas­si­va dos ar­tis­tas. Es­ta pre­ten­são lhe es­tá a pro­vo­car “água na bar­ba”, es­tan­do por is­so a “fa­zer das tri­pas co­ra­ção” pa­ra atin­gir o seu ob­jec­ti­vo, ten­do já re­cor­ri­do à ins­tân­cia su­pe­ri­or, o Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra (MINCULT), de­pois de ver in­de­fe­ri­do o pe­di­do fei­to à Co­mis­são Elei­to­ral. Já da lis­ta A, ou­vem-se os acor­des nu­ma ou­tra to­na­li­da­de: Di­o­go Se­bas­tião “Quin­ti­no” rea ir­ma que ape­nas mem­bros com a si­tu­a­ção re­gu­la­ri­za­da de­vem exer­cer o di­rei­to de vo­to! Pa­ra ame­ni­zar o cli­ma António de Oli­vei­ra “De­lon” re­co­men­da se­re­ni­da­de aos con­cor­ren­tes!

Se hou­ver ca­le­ma que se pro­ce­da con­for­me man­da o cos­tu­me... be­bi­das e igua­ri­as ao mar... pa­la ku bom­ba o kyan­da!

VAI TER HUNGU E KISANJI...

Nes­ta cam­pa­nha, e pe­la pri­mei­ra vez na his­tó­ria da ins­ti­tui­ção, é de re­al­çar a in­clu­são de um nú­me­ro con­si­de­rá­vel de jo­vens em am­bas as lis­tas, pois que, se­gun­do se sa­be, foi mui­tas ve­zes re­cu­sa­da to­da a ten­ta­ti­va de per­su­a­são a es­te ní­vel, uma vez que mui­tos jo­vens ar­tis­tas não se iden­ti icam com as bo­as pers­pec­ti­vas que es­ta agre­mi­a­ção su­põe ofe­re­cer-lhss. É de lou­var a ade­são des­tes.

En­tre­tan­to, exa­lan­do o per­fu­me das acá­ci­as e im­pri­min­do o im­pac­to ne­ces­sá­rio na lis­ta A, es­tá a me­ni­na do Lo­bi­to, Yo­la Se­me­do, en­qua­dra­da no tem­po e no con­tex­to. Quem tam­bém ade­riu a es­te ca­sa­men­to e que cer­ta­men­te não se tra­ta de uma aven­tu­ra é o ver­sá­til João Ale­xan­dre. Pe­len­gue­nhas à par­te, e sem­pre em mo­vi­men­to, en­con­tra­mos o gui­tar­ris­ta Quin­ti­no, uma voz que aos pou­cos tor­nou-se au­to­ri­za­da quan­do ques­tões so­bre a arte mu­si­cal vêm à to­na!

O her­dei­ro do ko­ta Rodolfo, men­tor do po­pu­lar gru­po “Ki­tu­xe e seus acom­pa­nhan­tes”, Jor­ge Mu­lum­ba, en­car­re­ga­do de pre­ser­var a raiz dos nos­sos rit­mos an­ces­trais é A tam­bém... quem sa­be, apro­vei­ta o fac­to de par­ti­lhar o mes­mo elei­to­ra­do com o general Kam­bu­en­gu e sai, “sem ki­ji­la, ain­da”, um du­e­to de­pois do plei­to. ...dit­xot­xo­lo... dit­xot­xo­lo, wem­bawé! Aqui tá-se tu­do en­tre família com a in­clu­são da pi­li­ma yan­gue, Be­la Chi­co­la e Ma­ne­co Vi­ei­ra Di­as... “Por uma clas­se uni­da, or­ga­ni­zar pa­ra de­sen­vol­ver”!

Par­ti­lhan­do os mes­mos ide­ais, ou se­ja “tuandala ngo kisangela!”... na lis­ta B, do Bel­mi­ro Car­los... eme kya... a ne­gra ca­li­en­te, Pa­trí­cia Fa­ria! E en­quan­to o im do mun­do não che­ga, o pre­ca­vi­do Ca­ló Pas­co­al co­mun­ga com Dom Ca­e­ta­no, o Ma­teus 7.7, ao la­do de Afri­ka­nu Kan­gom­be, e ain­da o her­dei­ro do ko­ta Be­to Gour­gel, Ki­zua Gour­gel!

Que o nos­so chão dá tu­do é um fac­to... a ver va­mos no que da­rá o plei­to!

Bel­mi­ro Car­los

Pa­trí­cia Fa­ria

Dom Ca­e­ta­no

Be­to Gour­gel

Ma­ne­co Vi­ei­ra Di­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.