A in­fluên­cia da po­lí­ti­ca lin­guís­ti­ca pa­ra um Es­ta­do

Jornal Cultura - - ARTE POÉTICA -

A ADOPÇÃO de es­tra­té­gi­as lin­guís­ti­cas é uma ne­ces­si­da­de que vi­sa por um la­do le­gi­ti­mar a au­to­no­mia so­ci­al e po­lí­ti­ca en­tre os ci­da­dãos, in­ter­na­men­te, por ou­tro la­do per­mi­tir a in­te­gra­ção re­gi­o­nal ou in­ter­na­ci­o­nal. Em qua­se todos os po­vos do mun­do, a co­lo­ni­za­ção é um fac­tor que mar­cou a his­tó­ria da hu­ma­ni­da­de des­de a an­ti­gui­da­de. E ao lon­go do pro­ces­so da sua evo­lu­ção, ca­da co­mu­ni­da­de foi adop­tan­do uma ou mais lín­guas pa­ra fa­ci­li­tar a co­mu­ni­ca­ção en­tre os seus mem­bros.

A op­ção da lín­gua do co­lo­ni­za­dor, pa­ra al­gu­mas opi­niões, per­mi­tiu o rá­pi­do pro­ces­so de uni ica­ção dos po­vos com di­fe­ren­tes mo­dos de vi­ver e fa­lan­do lín­guas di­fe­ren­tes. Es­ta vi­são, por exem­plo pa­ra Mo­rais-Barbosa, Apud Lei­ria (2007, p. 2), tem al­gum cu­nho plau­sí­vel.

«A o ici­a­li­za­ção de to­das as lín­guas fa­la­das num país re­pre­sen­ta­ria o re­gres­so ao tri­ba­lis­mo e, por­tan­to, à pulverização da­que­le, e a o ici­a­li­za­ção de uma só cri­a­ria gra­ves pro­ble­mas po­lí­ti­cos ao fe­rir sus­cep­ti­bi­li­da­des dos gru­pos ét­ni­co-lin­guís­ti­cos des­fa­vo­re­ci­dos».

Tal po­si­ção de­fen­de Da Sil­va (2010, s/p), por­que evi­ta­ria pro­ble­mas já que con­si­de­ra a lín­gua do co­lo­ni­za­dor co­mo lín­gua neu­tra, ao con­trá­rio do que acon­te­ce­ria com a es­co­lha de uma lín­gua afri­ca­na do país co­mo o ici­al, o que tra­ria co­mo con­sequên­ci­as a va­lo­ri­za­ção e as­cen­são de um gru­po ét­ni­co pe­ran­te os de­mais.

Com cer­te­za, com os paí­ses afri­ca­nos, em es­pe­ci­al os de lín­gua por­tu­gue­sa, não foi di­fe­ren­te. No en­tan­to, mui­to an­tes de al­can­ça­rem as in­de­pen­dên­ci­as, as­su­mi­ram o por­tu­guês co­mo lín­gua pa­ra al­fa­be­ti­zar as po­pu­la­ções. Es­ta po­si­ção foi as­su­mi­da no 1º Fes­ti­val Cul­tu­ral Pan-Afri­ca­no em Ar­gel, em 1969, por Amíl­car Ca­bral, Che­fe da de­le­ga­ção do PAIGC (Par­ti­do Afri­ca­no pa­ra a In­de­pen­dên­cia da Gui­né e Ca­bo Ver­de) e por­ta-voz dos ou- tros mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção de An­go­la e Mo­çam­bi­que. Es­tes lí­de­res, con­for­me su­bli­nha Fon­se­ca (2012, s/p), con­si­de­ra­vam que a di­ver­si­da­de lin­guís­ti­ca de seus paí­ses não per­mi­ti­ria cons­ti­tuir «uma na­ção co­e­sa po­lí­ti­ca e cul­tu­ral­men­te e que pu­des­se di­a­lo­gar com o mun­do, den­tro e fo­ra de Áfri­ca, so­bre­tu­do por­que a par­tir da in­de­pen­dên­cia te­ri­am que di­a­lo­gar com di­ver­sas or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais e di­fe­ren­tes Es­ta­dos».

Es­ta po­si­ção as­su­mi­da não foi má, pe­lo con­trá­rio, tal co­mo re­fe­ri­mos aci­ma, as na­ções in­de­pen­den­tes con­se­gui­ram unir os seus po­vos em tor­no de uma mes­ma cau­sa - a edi ica­ção dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.