“uma for­ça mo­to­ra pa­ra o bem”

Jornal Cultura - - BARRA DO KWANZA -

Uni­das la­men­tou a mor­te do ex-se­cre­tá­rio-ge­ral Ko i An­nan, que mor­reu após uma bre­ve do­en­ça, a 18 de Agos­to des­te ano. O re­co­nhe­ci­do di­plo­ma­ta de Ga­na ti­nha 80 anos de ida­de.

O ac­tu­al se­cre­tá­rio-ge­ral da ONU, An­tó­nio Gu­ter­res, lem­brou que ele era “uma for­ça mo­to­ra pa­ra o bem” e “um or­gu­lho­so ilho da Áfri­ca que se tor­nou um de­fen­sor mun­di­al da paz e de to­da a hu­ma­ni­da­de”.

“Co­mo tan­tos ou­tros, eu ti­nha or­gu­lho de cha­mar Ko i An­nan um bom ami­go e men­tor. Fi­quei pro­fun­da­men­te hon­ra­do pe­la sua con ian­ça ao me se­lec­ci­o­nar pa­ra ser­vir, sob sua li­de­ran­ça, co­mo Al­to Co­mis­sá­rio das Na­ções Uni­das pa­ra os Re­fu­gi­a­dos. Ele é al­guém a quem sem­pre pu­de re­cor­rer pa­ra acon­se­lha­men­to e sa­be­do­ria - e sei que não es­ta­va so­zi­nho”, a ir­mou Gu­ter­res em co­mu­ni­ca­do.

“Ele deu a mui­tas pes­so­as, em mui­tos lu­ga­res, um es­pa­ço pa­ra o diá­lo­go, um lu­gar pa­ra a re­so­lu­ção de pro­ble­mas e um ca­mi­nho pa­ra um mun­do me­lhor. Nes­tes tem­pos ár­du­os e tur­bu­len­tos, ele nun­ca pa­rou de tra­ba­lhar pa­ra dar vi­da aos va­lo­res da Car­ta das Na­ções Uni­das. O seu le­ga­do per­ma­ne­ce­rá co­mo uma ins­pi­ra­ção ver­da­dei­ra pa­ra todos”, as­si­na­lou o se­cre­tá­rio-ge­ral.

Pa­ra Gu­ter­res, Ko i An­nan era a ONU: “Ele tri­lhou a car­rei­ra pa­ra li­de­rar a Or­ga­ni­za­ção no no­vo mi­lé­nio com ini­gua­lá­vel dig­ni­da­de e de­ter­mi­na­ção”.

Nas­ci­do em Ka­ma­si, Ga­na, em 8 de Abril de 1938, Ko i An­nan en­trou no sis­te­ma ONU em 1962 co­mo o ici­al ad­mi­nis­tra­ti­vo e or­ça­men­tá­rio na Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de, em Ge­ne­bra, avan­çan­do na car­rei­ra até pos­tos mais al­tos em áre­as co­mo inan­ças, or­ça­men­to e ma­nu­ten­ção da paz. Foi se­cre­tá­rio-ge­ral por dois pe­río­dos con­se­cu­ti­vos de cin­co anos, a par­tir de Janeiro de 1997.

O pre­si­den­te da 72ª Ses­são da As­sem­bleia Ge­ral, Mi­ros­lav Lajčák, re­cor­dou que Ko i An­nan era um dos mais res­pei­ta­dos di­plo­ma­tas do mun­do - “um ex­tra­or­di­ná­rio es­ta­dis­ta e um vi­si­o­ná­rio de­fen­sor do mul­ti­la­te­ra­lis­mo”. “O ven­ce­dor do Pré­mio No­bel da Paz ti­nha pro­fun­da con­vic­ção no diá­lo­go, com­pro­me­ti­do de­fen­sor da paz, do de­sen­vol­vi­men­to e dos di­rei­tos hu­ma­nos”, a ir­mou.

Ex-se­cre­tá­rio-ge­ral da ONU, Ko­fi An­nan

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.