O FUTURO DAS LÍN­GUAS NA­CI­O­NAIS

Um olhar so­bre o dis­cur­so à na­ção de 16 de Ou­tu­bro de 2017 pro­fe­ri­do pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - ESTÊVÃO LUDI

Des­de Agos­ti­nho Ne­to que An­go­la tem afir­ma­do que «o uso ex­clu­si­vo da lín­gua por­tu­gue­sa, co­mo lín­gua ofi­ci­al, vei­cu­lar e uti­li­zá­vel na nos­sa li­te­ra­tu­ra, não re­sol­ve os nos­sos pro­ble­mas. E tan­to no en­si­no pri­má­rio, co­mo pro­va­vel­men­te no mé­dio se­rá pre­ci­so uti­li­zar as nos­sas lín­guas». Jo­sé Edu­ar­do dos Santos re­a­fir­mou-o e João Lou­ren­ço no seu 1º dis­cur­so so­bre o Es­ta­do da Na­ção vol­tou a re­for­çar es­se com­pro­mis­so po­lí­ti­co. Von­ta­de po­lí­ti­ca há. Che­gou a ho­ra e vez dos aca­dé­mi­cos se che­ga­rem à fren­te. Com­pe­te às Ins­ti­tui­ções de En­si­no Su­pe­ri­or e In­ves­ti­ga­ção avan­ça­rem pa­ra a du­ra re­a­li­da­de do ter­re­no e aban­do­na­rem a co­mo­di­da­de dos seus ga­bi­ne­tes. A co­mu­ni­ca­ção é um dos ele­men­tos fun­da­men­tais que per­mi­te o de­sen­vol­vi­men­to e su­ces­so de qual­quer or­ga­ni­za­ção. Nes­te pro­ces­so, a lín­gua cons­ti­tui a es­sên­cia sem a qual não ha­ve­ria har­mo­nia en­tre os mem­bros, pois ela trans­mi­te sen­ti­men­tos, ideias e va­lo­res ine­ren­tes à vi­da co­mu­ni­tá­ria. O seu re­co­nhe­ci­men­to e va­lo­ri­za­ção de­vem cons­ti­tuir uma pre­o­cu­pa­ção da par­te dos mem­bros que a adop­tam.

No pre­sen­te es­tu­do, pre­ten­de­mos ana­li­sar o futuro das lín­guas na­ci­o­nais no nos­so país, ten­do co­mo ba­se os pro­nun­ci­a­men­tos do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ge­ne­ral João Lou­ren­ço, no seu dis­cur­so so­bre o Es­ta­do da Na­ção, pro­fe­ri­do no dia 16 de Ou­tu­bro de 2017. A nos­sa vi­são cen­tra-se na ques­tão so­bre o re­for­ço das lín­guas na­ci­o­nais no en­si­no, uma pre­o­cu­pa­ção que vem sen­do le­van­ta­da há dé­ca­das pe­los dois an­ti­gos Pre­si­den­tes, An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to e Jo­sé Edu­ar­do dos Santos. Não pas­san­do de sim­ples in­ten­ções ao mais al­to ní­vel do Es­ta­do, es­tas lín­guas con­ti­nu­am a os­ten­tar o mes­mo lu­gar re­le­ga­do an­te­ri­or­men­te, an­tes da in­de­pen­dên­cia.

“As lín­guas na­ci­o­nais du­ran­te a épo­ca co­lo­ni­al es­ta­vam con ina­das ao seu âm­bi­to re­gi­o­nal, além de res­trin­gi­das, eram des­qua­li ica­das pa­ra o uso nos mei­os ur­ba­nos de tal for­ma que a po­pu­la­ção ur­ba­na ti­nha ver­go­nha de ex­pres­sar-se na sua pró­pria lín­gua. A ten­dên­cia da ad­mi­nis­tra­ção co­lo­ni­al de in­cul­car o pa­ra­dig­ma da cul­tu­ra eu- ro­peia aos afri­ca­nos le­vou a que ig­no­ras­se a exis­tên­cia das lín­guas na­ci­o­nais, co­me­çan­do pe­la sua ex­clu­são do sis­te­ma de en­si­no e dos mei­os de co­mu­ni­ca­ção o ici­ais do país, re­le­gan­do es­se pa­pel ex­clu­si­va­men­te à mis­são cris­ti­a­ni­za­do­ra.” (Co­e­lho, 2004 Apud Chi­cum­ba, s /d, p. 243).

Des­te mo­do, a po­lí­ti­ca lin­guís­ti­ca aca­ba por cons­ti­tuir um im­pe­ra­ti­vo em qual­quer co­mu­ni­da­de que se pre­ze pe­la afir­ma­ção e con­so­li­da­ção dos seus pa­ra­dig­mas em ter­mos cul­tu­rais. Sem es­te di­na­mis­mo, não é pos­sí­vel cons­truir uma Na­ção co­e­sa e so­be­ra­na, po­li­ti­ca­men­te, mui­to me­nos Po­vos or­ga­ni­za­dos cul­tu­ral­men­te. Es­ta di­fe­ren­ci­a­ção, aqui le­van­ta­da, pren­de- se com o fac­to de ha­ver con­cep­ções di­fe­ren­tes ao fa­lar­mos por um la­do de Na­ção co­mo um só po­vo, num ter­ri­tó­rio uno e por ou­tro la­do dos vá­ri­os Po­vos, ca­da um com uma cul­tu­ra di­fe­ren­te o que dá subs­tân­cia ao con­cei­to de país mul­ti­cul­tu­ral. Es­ta di­co­to­mia, Na­ção com um só po­vo e País mul­ti­cul­tu­ral, é, en­tre­tan­to, uma das ra­zões que nos mo­ti­vou a apro­fun­dar es­te es­tu­do, no sen­ti­do de elu­ci­dar al­guns pon­tos viá­veis re­la­ti­vos ao equi­lí­brio lin­guís­ti­co. Pensa- se que o bi­lin­guis­mo tra­ria tri­ba­lis­mo en­tre os vá­ri­os po­vos que com­põem An­go­la, mas, pe­lo con­trá­rio, pen­sa­mos nós, é um dos ele­men­tos pa­ra po­ten­ci­ar o in­di­ví­duo so­ci­al e cul­tu­ral­men­te e des­se mo­do for­ta­le­cer o sen­ti­men­to de per­ten­ça a um País, is­to é, a um es­pa­ço po­li­ti­ca­men­te co­e­so.

Man­keu Va­len­te Mahu­ma­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.