Ter de es­pe­rar pe­lo fim do dia

Jornal Cultura - - Letras -

A es­pu­ma es­vo­a­ça a tar­de quen­te des­ta ci­da­de ador­me­ci­da no trân­si­to. Sin­to o odor efé­me­ro das qui­me­ras ven­di­das ao avul­so pe­los can­tos per­di­dos do tem­po, da noi­te que se es­pe­ra des­can­sa­da e na­da, é tão ce­do ain­da que de­ses­pe­ro pe­lo som dos abu­tres su­bin­do pe­nhas­cos ver­des on­de tu­do es­tá se­co.

Na­da me re­vol­ta a não ser ter de es­pe­rar pe­lo fim do dia. Pre­ten­dia so­nhar um pou­co mais de­pres­sa que o que me per­mi­te a ida­de, di­zer que a ida­de pa­ra so­nhar ter­mi­nou, o tem­po ur­ge e na­da mais há a fa­zer a não ser sen­tar- me di­an­te de um mar que se es­pre­me con­tra os meus pés des­can­sa­dos na areia que vi­a­ja sob as águas bran­cas.

Be­bo al­go des­can­sa­do, a tar­de pai­ra ain­da na si­lhu­e­ta bre­ve da vi­da e a gen­te ali, ob­ser­van­do dis­tan­tes a so­li­dão dos vi­a­jan­tes da vi­da en­quan­to for ain­da tem­po de re­a­ni­mar os sar­ga­ços des­cal­ços.

As ave­ni­das en­chem-se ca­da vez mais de tan­tos que co­mo eu de­sis­tem, des­can­sam can­sa­dos de tan­to es­pe­rar e na­da os abor­re­ce a não ser es­ta­rem já abor­re­ci­dos pe­lo ven­to que não che­ga, na­da che­ga, na­da, é co­mo que olhar em fren­te e na­da mais exis­tir e o de­ses­pe­ro iner­te no al­ca­trão quen­te que ar­de co­mo vó­mi­tos.

Vol­tan­do à es­pu­ma, es­vo­a­ça ain­da, na­da a con­ven­ce a dis­si­par-se e a li­ber­tar-nos es­pa­ço pa­ra que pos­sa­mos ca­mi­nhar ain­da que de­va­gar, es­que­cer a pres­sa e se­guir on­de quem nos quer es­pe­ra, na­da ali é re­al, na­da pa­re­ce uma fo­to­gra ia ti­ra­da do olim­po en­quan­to o en­ce­na­dor con­ven­ce a pe­ça, na­da se con­ver­te em vi­da e tu­do é hí­bri­do, va­zio de tan­ta re­be­lião a ocu­par-nos o cé­re­bro de ver­ti­gens on­de que alu­ci­na­ções se can­sem, na­da vi­a­ja pa­ra den­tro des­te ri­a­cho de pe­dra a eclo­dir-se so­zi­nho con­tra si mes­mo, a gen­te es­pe­ra im­pa­ci­en­te e na­da can­sa, tu­do é há­bi­to, di­zem, mas pa­ra que ser­vem os exem­plos quan­do o que se ex­trai da­li é o que na ver­da­de se vi­ve?

Não exis­tem po­e­tas de rua, vêm-se ape­nas vér­ti­ces a cir­cu­lar o he­di­on­do, o tré­mu­lo do na­da nas mãos de to­dos, a es­pe­ran­ça es­vaí­da nas ru­as se­cas e o pó das es­tra­das em nos­sas ca­sas e ain­da eu lon­ge nu­ma praia asiá­ti­ca sor­ven­do pen­sa­men­to con­su­mi­dos pe­la es­pe­ra. Não sei se con­se­gui­rei co­mo tan­tos es­pe­rar mais, não sei se aguen­ta­rei a vo­mi­tar tan­tas tar­des sem des­can­so, mas sin­to a bri­sa nas­cer de um can­to qual­quer ilu­mi­nan­do-me a pa­ci­ên­cia, pois, é cla­ro, sin­to a fal­ta dos po­e­tas da rua con­ta­rem-me he­re­si­as de Ca­mões, o gri­to afoi­to on­de Gil Vi­cen­te sor­ria, a pe­ça a ini­ci­ar-se e eu na­da da­li, nem um ra­mo de cas­tos dan­çan­tes so­bre as pal­mei­ras ador­me­ci­das e tão ce­do ain­da, ce­do pa­ra tu­do, sa­bes?, é ce­do pa­ra mor­rer e a gen­te a vi­ver os per­cal­ços de pas­sos ti­tu­be­an­tes so­bre a es­fe­ra ador­me­ci­da da vi­da dos ou­tros so­bre nós mes­mos.

Ter de es­pe­rar pe­lo im do dia ali, on­de fun­gos vo­am co­mo goi­vos, on­de plan­tas cres­cem co­mo ci­pres­tes azuis, co­mo fo­lhas de vi­nho nu­ma ta­ça dan­çan­te do­mi­nan­do-nos sem que se­quer nos aper­ce­ba­mos. O ve­lho da hor­ta em mil qui­nhen­tos e do­ze e a gen­te sen­ta­dos nu­ma pla­teia de es­pe­ran­ças, ven­do des­mo­ro­nar-se o té­dio en­quan­to tu­do nos fa­ça pen­sar com sa­ga­ci­da­de o quan­to va­le se­guir em fren­te, des­cer ca­ta­cum­bas de es­pe­ran­ça ocu­pan­do a ram­pa nu­ma ve­lo­ci­da­de de ar­re­pi­ar, a es­ca­das do meu quin­tal on­de que praia as mi­nhas ân­si­as, ler o um jor­nal des­fo­lhan­do ca­da pá­gi­na co­mo se fos­se a úl­ti­ma!, re­cu­an­do pa­ra per­ce­ber me­lhor a no­tí­cia, o po­e­ma en­vai­de­cen­do-se a si mes­mo nu­ma ri­ma de so­nhos e de tem­po sem tem­po ne­nhum pa­ra o que quer que se­ja.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.