A poé­ti­ca de Ne­to: em bus­ca da iden­ti­da­de cul­tu­ral an­go­la­na

Jornal Cultura - - ECO DE ANGOLA -

O con­tex­to da cri­a­ção poé­ti­ca de Agos­ti­nho Ne­to é de ali­e­na­ção iden­ti­tá­ria, cul­tu­ral, eco­nó­mi­ca e po­lí­ti­ca, ou se­ja, o da co­lo­ni­za­ção, im­pos­ta pe­lo ex­pan­si­o­nis­ta por­tu­guês, daí a ne­ces­si­da­de de um des­per­tar pa­ra rei­vin­di­car os di­rei­tos autóctones e li­ber­tar, num pri­mei­ro pla­no as men­tes ali­e­na­das e es­cra­vi­za­das; e num se­gun­do pla­no lu­tar em bus­ca de uma iden­ti­da­de des­truí­da e ma­ni­e­ta­da pe­los ide­ais da co­lo­ni­za­ção, cul­mi­nan­do as­sim com a li­ber­ta­ção do po­vo an­go­la­no e o al­can­ce da tão so­nha­da e de­se­ja­da in­de­pen­dên­cia.

Ate­má­ti­ca dos seus tex­tos gi­ra em tor­no da­qui­lo que foi o sis­te­ma co­lo­ni­al por­tu­guês vi­gen­te na épo­ca; on­de as atro­ci­da­des de to­da a sor­te fo­ram­rei­te­ra­da­men­te aco­me­ti­das ao po­vo an­go­la­no, na me­di­da em que es­ta­va pri­va­do de um bem uni­ver­sal, a sua li­ber­da­de, tan­to cul­tu­ral, so­ci­al, eco­nó­mi­ca e po­lí­ti­ca. O po­vo es­ta­va re­fém à bar­bá­rie do seu opres­sor, e era pre­ci­so li­ber­tar-se. Po­rém es­sa gi­gan­tes­ca ta­re­fa pas­sa­va, por des­per­tar a men­ta­li­da­de co­lec­ti­va do ma­ras­mo a que es­ta­va mer­gu­lha­do, e a po­e­sia cons­ti­tui­se co­mo uma das ar­mas de com­ba­te.

Nes­sa sen­da,os in­te­lec­tu­ais an­go­la­nos usam-na pa­ra rei­vin­di­car os seus di­rei­tos, mos­tran­do a sua in­sa­tis­fa­ção pe­ran­te a crueldade do co­lo­ni­za­dor:“Im­pa­ci­en­to-me nes­ta mor­nez his­tó­ri­ca/das es­pe­ras e de len­ti­dão/quan­do apres­sa­da­men­te são as­sas­si­na­dos os jus­tos/quan­do as ca­dei­as abar­ro­tam de jo­vens/es­pre­mi­dos até à mor­te con­tra o mu­ro da vi­o­lên­cia”.

A POÉ­TI­CA DE NE­TO

Nu­ma abor­da­gem re­a­lís­ti­ca po­de­mos afir­mar que a poé­ti­ca ne­ti­a­na­re­flec­te a in­sa­tis­fa­ção de to­do um po­vo, que emer­giu do la­ma­çal pa­ra rei­vin­di­car aqui­lo que re­pre­sen­ta­vam os seus di­rei­tos ina­li­e­ná­veis e imu­tá­veis con­sa­gra­dos na car­ta uni­ver­sal dos di­rei­tos hu­ma­nos. Ela re­pre­sen­ta um pos­tu­la­do do pen­sar e do agir do po­vo an­go­la­no, di­an­te dos fac­tos e da ne­ces­si­da­de da bus­ca e da im­plan­ta­ção da afir­ma­ção iden­ti­tá­ria re­pre­sen­ta­ti­va das cul­tu­ras de An­go­la; “À fres­cu­ra da mu­lem­ba/ às nos­sas tra­di­ções/ aos rit­mos e às fo­guei­ras/ ha­ve­mos de vol­tar”.

O re­a­lis­mo que atra­ves­sa a obra de Ne­to é evi­den­te na me­di­da em que re­tra­ta com cla­re­za e de for­ma epi­só­di­ca o so­fri­men­to do po­vo an­go­la­no. Pois ne­la en­con­tra­mos, a ex­plo­ra­ção, a re­pre­en­são e mais mar­ca­da­men­te a ali­e­na­ção quer po­lí­ti­ca, so­ci­al e cul­tu­ral, nu­ma ten­ta­ti­va de ani­qui­la­men­to to­tal das cul­tu­ras an­go­la­nas. Po­rém, ape­sar da sub­mis­são for­ça­da, do in- for­tú­nio, da mi­sé­ria e da bar­bá­rie o po­e­ta trans­mi­te uma men­sa­gem de amor, so­li­da­ri­e­da­de e de es­pe­ran­ça, bus­can­do cons­ci­en­ci­a­li­za­re exor­tar às mas­sas pa­ra a lu­ta que se im­pu­nha: a lu­ta pa­ra a li­ber­ta­ção de An­go­la; pa­ra es­que­cer a nu­dez e a fo­me dos ilhos/ e sin­ta con­ti­go a ver­go­nha/ de não ter pão pa­ra lhes dar/ pa­ra que jun­tos va­mos ca­var a ter­ra/ e fa­zê- la pro­du­zir”.

A es­cri­ta ne­ti­a­naé de tal modo im­por­tan­te que re­pre­sen­ta, fun­da­men­tal­men­te em Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, o po­e­ma épi­co da an­go­la­ni­da­de co­mo a ir­ma La­ran­jei­ra (1995:92), “Sa­gra­da Es­pe­ran­ça cons­ti­tui co­mo que o tex­to épi­co da an­go­la­ni­da­de. Po­de­mos com­pa­rá-lo, no ca­so an­go­la­no, com as de­vi­das dis­tân­ci­as tem­po­rais, es­pa­ci­ais e culturais, ao ca­so por­tu­guês de Os lu­sía­das. Ne­le se en­con­tram te­mas da ali­e­na­ção so­ci­al, cul­tu­ral e po­lí­ti­ca, da ex­plo­ra­ção eco­nó­mi­ca, da re­pres­são po­li­ci­al e po­lí­ti­ca, da mi­sé­ria e do anal­fa­be­tis­mo, da pros­ti­tui­ção e do al­co­o­lis­mo, do tra­ba­lho e da so­li­da­ri­e­da­de, do amor e da es­pe­ran­ça, do exí­lio e da nos­tal­gia, da re­vol­ta, pro­me­teís­mo e re­vo­lu­ção. Sa­gra­da es­pe­ran­ça po­de ser li­do co­mo um fres­co ou uma sa­ga exor­ta­ti­va do po­vo an­go­la­no à con­quis­ta da sua iden­ti­da­de e in­de­pen­dên­cia”.

Com efei­to, ne­ces­sá­rio era, re­cons­truir a iden­ti­da­de an­go­la­na pa­ra a sua a ir­ma­ção to­tal, pois ela abar­ca uma sé­rie de re­cla­ma­ções ine­ren­tes a ca­da po­vo, co­mo a ir­ma Hall ( 2012: 13), “com frequên­cia, a iden­ti­da­de en­vol­ve reivindicações es­sen­ci­a­lis­tas so­bre qu­em per­ten­ce e qu­em não per­ten­ce a um de­ter­mi­na­do gru­po iden­ti- tá­rio, nas quais a iden­ti­da­de é vis­ta co­mo ixa e imu­tá­vel”. Co­mo se po­de ler nos se­guin­tes ver­sos: an­si­e­da­de/ nos ba­tu­ques sau­do­sos/dos ki­o­cos con­tra­ta­dos/ for­man­do lá do acam­pa­men­to/ o fun­do de to­do o ruí­do; no ho­mem/ que con­sul­ta o kim­ban­da/ pa­ra con­ser­var o em­pre­go/ na mu­lher/ que pe­de dro­gas ao fei­ti­cei­ro/ pa­ra con­ser­var o ma­ri­do/ na mãe/ que per­gun­ta ao adi­vi­nho/ se a ilhi- nha se sal­va­rá/ da pneu­mo­nia/ na cu­ba­ta/ de ve­lhas la­tas es­bu­ra­ca­das/.

O re­gi­me co­lo­ni­al por­tu­guês che­gou a aco­me­ter os autóctones a to­do ti­po de crueldade, po­den­do ser co­lo­ca­da na or­dem da per­ver­si­da­de e da ma­lig­ni­da­de. Foi um sis­te­ma que usur­pou tu­do ao an­go­la­no (sua cul­tu­ra, sua iden­ti­da­de e sua au­to­ri­da­de), tor­nan­do-o re­fém ao sis­te­ma e até mes­mo aos seus de­va­nei­os, obri­gan­do-os a ade­rir às su­as von­ta­des, num pro­ces­so que se de­no­mi­nou “as­si­mi­la­ção”, de­tur­pan­do as su­as tra­di­ções e cul­tu­ras.

De acor­do com Ne-Ta­va (vi­de blogmwe­lowe­to), “é um pro­jec­to que foi im­ple­men­ta­do pro­po­si­ta­da­men­te pe­lo sis­te­ma co­lo­ni­al, nes­se ca­so o sis­te­ma co­lo­ni­al por­tu­guês, que quis re­du­zir, se­não ani­qui­lar as cul­tu­ras afri­ca­nas. E es­se pro­jec­to te­ve al­tos ní­veis de êxi­tos, se as­sim pos­so di­zer, êxi­tos com cer­te­za mui­tos mai­o­res e ir­mes, mui­to mais for­tes em re­la­ção com aqui­lo que os ou­tros co­lo­ni­za­do­res con­se­gui­ram fa­zer. A co­lo­ni­za­ção por­tu­gue­sa che­gou mes­mo a des­truir, de ma­nei­ra mui­to mais vi­sí­vel, par­te es­sen­ci­al da­qui­lo que são as cul­tu­ras afri­ca­nas tra­di­ci­o­nais”.

Po­e­sia en­ga­gé e de com­ba­te;de ín­do­le acu­sa­tó­ria, in la­ma­da e vi­o­len­ta nal­guns ver­sos, ela vi­sa­va o bran­co co­lo­ni­a­lis­ta; nun­ca ma­ta­ram pre­tos a gol­pes de ca­va­lo marinho/pa­ra lhes pos­suí­rem as mu­lhe­res/ nun­ca ex­tor­qui­ram pro­pri­e­da­des a pre­tos/ não ten­des, nun­ca ti­ves­tes ilhos com san­gue ne­gro/ ó ra­cis­tas de des­bra­ga­da lu­bri­ci­da­de.Po­rém, tam­bém ape­la­va àcons­ci­en­ci­a­li­za­ção do po­vo ne­gro no sen­ti­do de as­su­mi­rem a iden­ti­da­de e cul­tu­ra an­go­la­nas. Aqui, o po­e­ta as­su­me uma cons­ci­ên­cia po­lí­ti­ca e evi­den­cia um dom pro­fé­ti­co: “sou aque­le por qu­em se es­pe­ra”. O ins­tin­to he­rói­co o ins­ta­va e o co­lo­ca­va na li­nha de com­ba­te.

Nes­ta pers­pec­ti­vaNe-Ta­va ( vi­de blogmwe­lowe­to) a ir­ma, “Es­sa cons­ci­ên­cia po­lí­ti­ca já não po­dia acei­tar a sub­mis­são im­pos­ta por ou­tro po­vo, que in­va­de que pi­sa e pro­cu­ra ani­qui­lar o in­di­ví­duo, co­me­çan­do pe­lo cul­tu­ral, con­ti­nu­an­do pe­lo po­lí­ti­co e aca­ban­do pe­lo eco­nó­mi­co. É nes­se sen­ti­do que Agos­ti­nho Ne­to es­cre­veu “Sa­gra­da Es­pe­ran­ça” (a pa­la­vra já es­tá lá, “es­pe­ran­ça”) e a “Renúncia Im­pos­sí­vel”, tex­to que não po­dia, as­sim co­mo era for­te, de­nun­ci­a­dor ser pu­bli­ca­do na­que­la épo­ca da do­mi­na­ção co­lo­ni­al. Ele mos­trou es­sa con­vic­ção, es­se ide­al, de li­ber­ta­ção de um país, de um po­vo, pa­ra que re­to­mas­se as su­as raí­zes iden­ti­tá­ri­as e con­ti­nu­as­se triun­fan­te no ca­mi­nho pa­ra a li­ber­ta­ção na­ci­o­nal e a in­de­pen­dên­cia. É is­so que foi fei­to em co­la­bo­ra­ção com ou­tras for­ças, ou­tros lu­ta­do­res, ou­tros he­róis, mui­tos dos quais tom­ba­ram e até fo­ram mes­mo es­que­ci­dos”.

As vo­zes mul­ti­pli­ca­vam- se e uni­ram-se em prol de um ob­jec­ti­vo co­mum, a li­ber­ta­ção do ju­go co­lo­ni­al, de­nun­ci­an­do as bar­bá­ri­es do co­lo­ni­za­dor. Ha­via ne­ces­si­da­de de lu­tar pa­ra as vá­ri­as con­quis­tas que se im­pu­nham, e uma de­las é a a ir­ma­ção da iden­ti­da­de cul­tu­ral an­go­la­na. O res­ga­te cul­tu­ral pas­sa­va pe­la re­des­co­ber­ta da his­tó­ria e das cul­tu­ras afri­ca­nas, co­mo apre­go­a­va o mo­vi­men­to da ne­gri­tu­de. E no ca­so an­go­la­no, o mo­vi­men­to dos no­vos in­te­lec­tu­ais de An­go­la pro­pu­nha­va­mos des­co­brir An­go­la, pa­ra fun­da­men­tar as su­as reivindicações com vis­ta a iden­ti­tá­ria dos po­vos de An­go­la, co­mo se po­de ler nos se­guin­tes ver­sos;à be­la pá­tria an­go­la­na/ nos­sa ter­ra, nos­sa mãe/ ha­ve­mos de vol­tar/ Ha­ve­mos de vol­tar/ à An­go­la li­ber­ta­da/ An­go­la in­de­pen­den­te.Uni­da­de ci­men­ta­da pe­lo san­gue/ União plantada so­bre a ter­ra/ Ger­mi­nan­do no meu

Agos­ti­nho Ne­to e sua Mãe

DOMINGAS MON­TE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.