Às ve­zes pas­mo

Jornal Cultura - - LETRAS -

Ve­zes sem con­ta acor­do ce­do, um há­bi­to di­a­bó­li­co pa­ra me en­ten­der com o mun­do, vi­ver um cer­to si­lên­cio pa­ra des­cor­ti­nar o tan­to que ou­ço. Em­be­bo-me de lei­tu­ras in ini­tas, len­do de tu­do o que con­si­de­re bom e te­nho já al­gum ar­ca­boi­ço pa­ra os de inir. Não leio tu­do, por al­guns, pas­so ape­nas um olhar le­ve e lar­go de se­gui­da, coi­sas sem su­mo e que não me obri­gam a re lec­tir e a pu­xar pe­la ca­be­ça, re­la­tos jor­na­lís­ti­cos em ro­man­ces que às ve­zes tan­to ven­dem, mas não é es­se o meu pro­pó­si­to, leio pa­ra apren­der e só o que es­for­ça o nos­so in­te­lec­to nos en­si­na. Li­te­ra­tu­ra de cordel agra­da a mui­tos, que fa­zer? A cul­tu­ra da mai­or par­te de lei­to­res é es­sa, a mal­ta pre­ten­de não es­for­çar-se, quer o pro­du­to con­cluí­do nu­ma sim­ples pas­sa­gem pe­lo tex­to, en­ten­do e não, pa­ra mim e não só, ler é emi­grar pa­ra den­tro da al­ma, é vi­a­jar o des­co­nhe­ci­do, des­co­brir em ca­da fra­se o es­que­ma com­pli­ca­do do pro­du­tor, ir ao dicionário, en­con­trar sig­ni ica­dos, pes­car em ma­res de al­tas de ini­ções. Li­te­ra­tu­ra não é ler jor­nais, mas sim bus­car o in ini­to das ca­be­ças dos cri­a­do­res, o que se­rá al­vo de es­tu­do um dia e as pro­vas o con ir­mam. Es­cre­ver li­vros sig­ni ica sem­pre obra li­te­rá­ria? Cla­ro que não. Tal­vez por is­so ha­ja pou­cos es­cri­to­res e mui­tos a es­cre­ver. Li­te­ra­tu­ra é ar­te e a ar­te ins­ti­ga, faz du­vi­dar, pes­qui­sar, in­te­ri­o­ri­zar, coi­sa de que mui­tos fo­gem. A mal­ta tem pre­gui­ça in­te­lec­tu­al e o anún­cio do jor­nal fa­ci­li­ta-nos a vi­da. Ven­der mui­to não sig­ni ica ser bom, em­bo­ra qu­em de ina is­so é o lei­tor, mas es­se pró­prio, o lei­tor, em gran­de par­te, não é co­nhe­ce­dor nem se­quer bus­ca o sa­ber pro­cu­ran­do co­mo se es­tu­da na es­co­la, ler o que nos di icul­ta pa­ra ob­ter­mos sa­be­do­ria nas ar­ti­ma­nhas da ar­te. Li­te­ra­tu­ra sem es­pec­tros de ar­te são des­cri­ções ape­nas, sem apro­fun­da­men­to do so­nho li­te­rá­rio nas­ci­do há anos por gen­te que es­tu­dou e se de­di­cou ao te­ma. Não se es­tu­da li­te­ra­tu­ra fá­cil, e por­que se­rá? Já se ques­ti­o­na­ram so­bre is­so? Por­que ra­zão se es­tu­da Bec­kett, Joy­ce, Cervantes, Sa­ra­ma­go, Bor­ges, etc., es­cri­to­res di íceis, mui­tos icam por citar, e não se es­tu­da Rol­ling que ba­teu o re­cor­de de ven­das? Pois, a di­fe­ren­ça es­tá en­tre o que é li­te­ra­tu­ra e o gos­to do co­mum, mas es­se, em­bo­ra dê di­nhei­ro aos au­to­res, ica na mes­ma: sa­ci­an­do ape­nas com a des­cri­ção fá­cil de um li­vro sem ar­te. A ar­te não é coi­sa fá­cil, sa­be­mos, e há qu­em os ape­li­de de lou­cos, e por is­so per­gun­to: So­mos to­dos mé­di­cos além de gran­des es­pe­ci­a­lis­tas em fa­zer crí­ti­ca li­te­rá­ria? Por is­so às ve­zes pas­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.