Ci­ne­as­ta do Lubango cria ima­gé­ti­ca de Hui­lawo­od

Afri­kans on Film Fes­ti­val de Lon­dres pas­sa cur­ta me­tra­gem nas­ci­da na Huí­la

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA

Acur­ta-me­tra­gem “Tchi­ke­na” é a pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia ci­ne­ma­to­grá­fi­ca da Fil­mes Sem Fu­tu­ro. É tam­bém ( pro­va­vel­men­te) o 1 º fil­me an­go­la­no to­tal­men­te filmado com um Smart­fo­ne.

Com a du­ra­ção de 8 mi­nu­tos, a cur­ta foi fei­ta com ba­se nas ca­rac­te­rís­ti­cas do “as­sal­to” ( ter­mo ca­lão uti­li­za­do pe­los gru­pos de te­a­tro an­go­la­nos pa­ra ca­rac­te­ri­zar uma ce­na fei­ta de im­pro­vi­so, es­pon­tâ­nea e sem ar­ti­fí­ci­os téc­ni­cos).

O fil­me con­ta a his­tó­ria de Tchi­ke­na, um ra­paz que sai da zo­na ru­ral pa­ra a ci­da­de na ten­ta­ti­va de pro­cu­rar em­pre­go e con­se­quen­te­men­te uma vi­da me­lhor. Uma vez na ci­da­de, Tchi­ke­na che­ga à con­clu­são que pro­cu­rar em­pre­go na ci­da­de não é fá­cil, pois em to­dos os lo­cais que pro­cu­ra em­pre­go di­fi­cul­tam­lhe a vi­da...

ELEN­CO: Hel­der Ce­re­jo, An­tó­nio Ha­le­ca, An­tó­nio Ya­kas­si, Fre­de­ri­co Me­dei­ros, Ga­bri­e­la Fer­rei­ra, Lucas Mas­su­a­la­li, Mar­ta Ca­nhan­ga.

O fil­me, uma pro­du­ção da Fil­mes Sem Fu­tu­ro, en­ti­da­de da Sé­ti­ma Ar­te fun­da­da por Nu­no Bar­re­to, foi pre­sen­te à sé­ti­ma edi­ção do Afri­kans on Film Fes­ti­val de Lon­dres, que de­cor­reu nes­ta ci­da­de eu­ro­peia, a 8 de Se­tem­bro des­te ano.

Mat­chi­tu­ka

Fil­mes Sem Fu­tu­ro tam­bém con­se­guiu le­var ao fes­ti­val in­ter­na­ci­o­nal de cine e ví­deo ex­pe­ri­men­tal “Bi­de­o­dro­mo”, de Bil­bau, Es­pa­nha, ou­tra pro­du­ção ci­ne­ma­to­grá ica, in­ti­tu­la­da Mat­chi­tu­ka, que foi se­lec­ci­o­na­da pa­ra o even­to.

Ao de­pa­rar- se com um ten­ta­dor car­taz a pro­mo­ver a caça a um MAT­CHI­TU­KA ( que no di­a­lec­to Nha­ne­caUm­bi fa­la­do no sul de An­go­la, sig­ni­fi­ca Lo­bi­so­mem) a tro­co de uma ten­ta­do­ra re­com­pen­sa, um ca­ça­dor im­pro­vá­vel ini­cia uma ca­ça­da épi­ca à te­mí­vel fe­ra na imen­si­dão da Tun­da­va­la, uma das 7 Maravilhas de An­go­la.

Na vas­ti­dão da pla­ní­cie e im­po­nên­cia das pe­dras de uma pai­sa­gem agres­te, a in­sa­na e obs­cu­ra pro­cu­ra do ca­ça­dor im­pro­vá­vel per­du­ra e (qua­se) na­da o de­mo­ve da sua sen­da.

MAT­CHI­TU­KA é a 5ª ex­pe­ri­ên­cia ci­ne­ma­to­grá ica da Fil­mes Sem Fu­tu­ro.

ELEN­CO: Hel­der Ce­re­jo, Su­lay­man Mi­guel, Fran­klin Cos­ta.

O Mam­bo

Es­ta ini­ci­a­ti­va sui ge­ne­ris que Nu­no Bar­re­to ape­li­dou de Hui­lawo­od em Ac­ção, pre­ten­de vo­ar al­to e dar um no­vo ros­to ao ci­ne­ma an­go­la­no, mes­mo com par­cos mei­os. E não se coi­biu de vo­ar até à Bi­e­lor­rús­sia, on­de apre­sen­tou no Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de Cur­tas Me­tra­gens de Minsk (Ki­nos­me­na) o il­me O Mam­bo.

Gí­ria usa­da em An­go­la, “mam­bo” po­de ser re­fe­ri­do a um te­ma de con­ver­sa­ção ou a um ob­jec­to (ex: te­mos que fa­zer “um mam­bo” jun­tos; que “mam­bo” é es­se!!) O Mam­bo é um cur­ta-me­tra­gem de ac­ção, co­mé­dia e mis­té­rio fei­to em Hui­lawo­od, Lubango. Os per­so­na­gens dão vi­da a uma odis­seia in­sa­na de tur­no­vers, per­se­gui­ções e revelações en­quan­to cor­rem atrás de uma ma­la ve­lha es­pe­ci­al, úni­ca e má­gi­ca que traz a ga­nân­cia e a in­ve­ja de qu­em a pos­sui e dos que a per­se- guem. O Mam­bo re­pre­sen­ta tu­do o que cria em nós to­dos os sen­ti­men­tos de ga­nân­cia pe­la pos­se de al­go e pe­la von­ta­de de que­rer, não im­por­ta o que acon­te­ça. É a 10ª ex­pe­ri­ên­cia ci­ne­ma­to­grá ica da Fil­mes Sem Fu­tu­ro.

Ac­to­res: Ed­son João, Jo­sé Cahi­la­na, Do­min­gos Don­do, Ga­bri­el Cam­bin­da, Mar­ta Co­li­en­gue, Pe­dro Cam­bin­da, Val­de­mi­ro An­tó­nio, João Ca­chen­do, DHE, Is­ma­el Jo­sé, Luí­sa Adri­a­no, To­más Luís “Kan­gli­ma”, Januário Má­rio e Car­los Do­min­gos, Hélder D'Prin­ci­pes Mar­ce­li­na Chi­pa­lan­ga, Pau­la Simões e Iná­cio Ka­ca­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.