Pe­pe­te­la apre­sen­ta “Sua Excelência, de Cor­po Pre­sen­te”

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA -

“Num enor­me sa­lão dei­ta­do num cai­xão jaz um di­ta­dor afri­ca­no. Es­tá mor­to, mas vê, ou­ve e pen­sa. As­sim es­ti­ra­do, apri­si­o­na­do num cor­po sem vi­da, mas na pos­se das su­as fa­cul­da­des in­te­lec­tu­ais, só lhe res­ta en­tre­ter-se a re­cor­dar as pe­ri­pé­ci­as vi­vi­das com mui­tos dos que lhe vi­e­ram di­zer adeus, en­tre os quais se en­con­tram di­ver­sos fa­mi­li­a­res, a pri­mei­ra-da­ma (e as ou­tras mu­lhe­res e na­mo­ra­das), os nu­me­ro­sos fi­lhos e as al­tas dig­ni­da­des do Es­ta­do. Ao re­lem­brar a sua vi­da, o per­cur­so que o le­vou a pre­si­den­te e os mui­tos anos co­mo che­fe de Es­ta­do, vai-nos re­ve­lan­do os me­an­dros do po­der po­lí­ti­co, o ne­po­tis­mo que o cor­rói e os vá­ri­os abu­sos per­mi­ti­dos a qu­em o de­tém. E, co­mo per­ce­be tu­do o que se pas­sa à sua vol­ta, e é mui­to di­fí­cil a um di­ta­dor dei­xar de o ser, Sua Excelência não só vai te­cen­do con­si­de­ra­ções so­bre os pre­sen­tes e os seus in­te­res­ses po­lí­ti­cos, co­mo ten­ta adi­vi­nhar os seus pen­sa­men­tos e ma­qui­na­ções. Pois, mes­mo mor­to, não dei­xa­rá a sua su­ces­são em mãos alhei­as, e ne­la ten­ta­rá imis­cuir-se atra­vés do seu es­pião-de-umo­lho-só, que lhe é tão fi­el na mor­te co­mo era em vi­da.”

Ar­tur Pes­ta­na “Pe­pe­te­la” lan­çou no dia 18 de Se­tem­bro de 2018, no Ca­mões – Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês em Lu­an­da, o Ro­man­ce “Sua Excelência, de cor­po pre­sen­te”.

Com a mes­tria que lhe é pró­pria, Pe­pe­te­la, no­me mai­or da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na e de lín­gua por­tu­gue­sa, vol­ta a sur­pre­en­der, no es­ti­lo, na for­ma e na subs­tân­cia, com o seu mais re­cen­te ro­man­ce Sua Excelência, de Cor­po Pre­sen­te. Com a lâ­mi­na acu­ti­lan­te e a ia­da da sua apu­ra­da iro­nia, re­cor­ta, de for­ma sar­cás­ti­ca e im­pla­cá­vel, re­a­li­da­des, não ra­ras ve­zes, a rai­ar a ca­ri­ca­tu­ra e o ri­dí­cu­lo. Com a pers­pi­cá­cia de ob­ser­va­dor aten­to e pro­fun­do co­nhe­ce­dor da his­tó­ria e do mun­do que o ro­deia, par­ti­cu­lar­men­te do con­ti­nen­te afri­ca­no, que o viu nas­cer, Pe­pe­te­la re­gres­sa com to­da sua for­ça, ta­len­to e sen­si­bi­li­da­de, pró­pri­os do gran­de criador que é. Pe­pe­te­la re­gres­sa, rea ir­man­do a sua vi­são com­pro­me­ti­da da es­cri­ta e o seu pro­fun­do hu­ma­nis­mo.

O INSÓLITO

A his­tó­ria de­sen­ro­la-se, num tem­po re­cen­te, num lo­cal in­de­ter­mi­na­do de um qual­quer país afri­ca­no. Do pro­ta­go­nis­ta e nar­ra­dor, não se co­nhe­ce o no­me. Ape­nas se sa­be que foi pre­si­den­te de um país afri­ca­no e que te­ve mor­te sú­bi­ta, atin­gi­do por uma “mal­di­ta do­en­ça que apa­nhou a to­dos des­pre­ve­ni­dos”. O insólito co­me­ça no pri­mei­ro pa­rá­gra­fo, com a de­cla­ra­ção do nar­ra­dor: “Es­tou mor­to”.

Uma crí­ti­ca mor­daz ao abu­so de po­der e aos sis­te­mas to­ta­li­tá­ri­os, dis­far­ça­dos de de­mo­cra­cia, es­cri­ta com um sen­ti­do de hu­mor in­te­li­gen­te.

Pe­pe­te­la vol­ta a sur­pre­en­der com um inal im­pre­vis­to, im­pro­vá­vel, des­con­cer­tan­te e me­ta­fó­ri­co, car­re­ga­do de sen­ti­do e de sen­ti­dos , que ica pa­ra des­ven­dar com a lei­tu­ra do ro­man­ce Sua Excelência, de Cor­po Pre­sen­te.

SO­BRE O AU­TOR

Pe­pe­te­la (Ar­tur Car­los Mau­rí­cio Pes­ta­na dos San­tos) nas­ceu em Ben­gue­la, em 1941. Li­cen­ci­ou-se em So­ci­o­lo­gia, em Ar­gel, du­ran­te o exí­lio. Foi guer­ri­lhei­ro do MPLA, po­lí­ti­co e go­ver­nan­te. Foi Pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to, em Lu­an­da. Tem si­do Di­ri­gen­te de As­so­ci­a­ções, com des­ta­que pa­ra a União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos e As­so­ci­a­ção Cul­tu­ral e Re­cre­a­ti­va Chá de Ca­xin­de. Re­ce­beu o Pré­mio Ca­mões 1997, con ir­man­do o lu­gar de des­ta­que que ocu­pa na li­te­ra­tu­ra lu­só­fo­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.