En­sai­os poé­ti­cos de Má­rio Pe­rei­ra

Jornal Cultura - - LETRAS -

A trans­po­si­ção

(I) Pro­cu­ro transpôr uma ideia pa­ra além de um mu­ro Po­rém, tão du­ro é o trei­no que ju­ro; que não pos­so Sair des­te po­ço, sem que me es­mur­re até ao pes­co­ço Pois, de lá sair in­tei­ro só por milagre e mui­to atu­ro Dos que en­le­vam a al­ma in­tei­ra; sem al­gum re­mor­ço Que em­bar­gue o la­bor que ador­men­ta o meu dor­so Es­sa dor que não sen­do de amor abo­lo­ra fru­to ma­du­ro!

(II) Trans­po­nho o in ini­to do meu ho­ri­zon­te a pas­so E ne­le no­to apru­ma­do qu­em há mui­to me es­pe­ra Uma es­va­zi­a­da es­pe­ran­ça que há mui­to se de­ses­pe­ra Na es­tei­ra de uma es­tei­ra on­de vis­se que pos­so Nos li­mi­tes do meu par­co en­ten­der, ter a ma­nei­ra De ur­dir uma cha­la­ça ou coi­sa mui­to mais bre­jei­ra Que a izes­se des­per­tar; que a ti­ras­se des­se po­ço!

(III) Trans­pon­do a por­ta do quar­to on­de me es­ten­do ve­jo Ilu­mi­nan­do o breu cir­cun­dan­te, um raio de luz so­lar Que ame­ni­za a de­pri­men­te pe­num­bra que é de ato­lar Qu­em fra­ca men­te tem! Por is­so eu mes­mo an­te­ve­jo Mi­nha men­te ato­la­da, amo­la­da por du­ra vi­da sem lar Aco­lhi­da em la­gar a céu aber­to on­de o ver­bo amo­lar É con­ju­ga­do com a mes­tria que se a ila em vil cor­te­jo!

(IV) Trans­pon­do o are­al da rua on­de mo­ro me ena­mo­ro Da be­le­za de um can­to que, se li­vre, me en­can­ta­ria Pois can­tan­do em li­ber­da­de, em mais be­le­za can­ta­ria Meu ca­ná­rio em len­dá­rio lu­gar on­de tam­bém la­bo­ro A fu­gaz ru­e­la que o li­ber­te; que o de­ser­te em ale­gria Em vôo ala­do cu­jo em­ba­lo alin­da o céu que es­ta­ria Ale­gran­do qu­em ne­le o vis­se can­tar o que mais ado­ro!

(V) Pro­cu­ro trans­por a bar­rei­ra, de qual­quer ma­nei­ra Mas meu pu­lo não se alon­ga por per­na lon­ga não ter E o mais cer­to, se ca­lhar, é pôr-me já a me­xer Sair do lu­gar on­de me acho e sem fa­zer as­nei­ra Es­ca­pu­lir pa­ra on­de me pos­sa ad­vir um re­me­xer Um re­me­xer de al­ma que aba­le; me fa­ça en­cher O âni­mo aba­la­do por qu­em é sem ei­ra nem bei­ra!

(VI) Pro­cu­ro ven­cer o te­mor de uma do­lo­ro­sa an­gús­tia No pas­so em cor­ri­da li­gei­ro que ain­da vou dan­do Aqui e aco­lá de sa­co­la a ti­ra­co­lo, ja­mais sal­tan­do Em lu­gar es­quen­ta­do, la­ba­re­das, sem usar mes­tria!

(VII) Pro­cu­ro a mu­lem­ba que me viu nas­cer até cres­cer E por não achar o ras­to que ela dei­xa­ra pa­ra mim Mín­guo a al­ma já sem a cha­ma de ou­tro­ra e as­sim Aos olhos de qu­em me quer ver cho­rar in­jo lo­res­cer Ao lon­go da rua que ain­da é mi­nha, um be­lo jar­dim Que me faz crer que to­da es­sa vi­da é mes­mo as­sim Fa­ze­do­ra de an­gús­tia que a qual­quer um faz pa­de­cer!

(VIII) Pro­cu­ro um véu que me es­con­da aos olhos do mun­do Es­te mun­do que in la­ma ao sa­bor da con­tra­di­ção Um mun­do ca­ren­te de paz cau­sa­do pe­la os­ten­ta­ção Que vi­go­ra des­de que o mun­do é mun­do; é sub­mun­do In­ca­paz de emer­gir sem ter de fu­gir à mal­di­ção Ou­sa­da mui mal-ama­da e que aca­ma­da é in­ven­ção De qu­em é vil na pro­cu­ra de um co­ro mui imun­do!

(IX) Pro­cu­ro um acha­do na rua, na rua da mi­nha tris­te rua Que, nua, amua qu­em a vê des­pir a rou­pa su­ja, ras­ga­da Que se re­ve­za a to­do o ins­tan­te sem que se­ja até la­va­da Pa­ra que, malvada, a vi­da pos­sa dar o alen­to que ta­tua Sem a hor­ri­pi­lan­te man­cha que, não em­be­le­zan­do, na­da Na­da mais dá se­não a vil os­ten­ta­ção de qu­em é cam­ba­da De ideia que não tem mais que pen­sar se não se en­fa­tua!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.