Va­ti­cí­nio de Me­na Abran­tes cum­priu-se Sín­dro­ma do vi­na­gre cor­rói ci­ne­ma an­go­la­no

Jornal Cultura - - Artes -

JOSÉ LUÍS MENDONÇA

m 1986, José Me­na Abran­tes, es­cri­tor, dra­ma­tur­go e crí­ti­co de ci­ne­ma, pu­bli­cou um en­saio in­ti­tu­la­do “Ci­ne­ma An­go­la­no: um Pas­sa­do a Me­re­cer Me­lhor Fu­tu­ro”. O tí­tu­lo ori­gi­nal ha­via sus­ci­ta­do a dis­cor­dân­cia do en­tão di­rec­tor do Ins­ti­tu­to An­go­la­no de Ci­ne­ma, Bi­to Pa­che­co, que su­ge­riu a mu­dan­ça, pois Me­na Abran­tes ti­nha-o ali­nha­va­do co­mo “Ci­ne­ma An­go­la­no: um Pas­sa­do Sem Fu­tu­ro”.

De­cor­ri­dos 32 anos so­bre es­se epi­só­dio, cum­pre-se, à le­tra, o va­ti­cí­nio de Me­na Abran­tes. Ho­je, até mes­mo es­se pas­sa­do é uma man­ta de re­ta­lhos das pe­lí­cu­las pro­du­zi­das nos pri­mei­ros ci­clos do ci­ne­ma in­de­pen­den­te, um tem­po de de­vo­ta­da pai­xão à cau­sa da re­vo­lu­ção e ao res­ga­te da Cul­tu­ra na­ci­o­nal, que la­va­ria à te­la il­mes co­mo Ne­li­si­ta, de Ruy Du­ar­te de Car­va­lho. Man­ta de re­ta­lhos pois que tais pe­lí­cu­las so­frem o fe­nó­me­no do sín­dro­ma do vi­na­gre, um pro­ces­so de en­co­lhi­men­to do ce­lu­lói­de e sua de­te­ri­o­ra­ção ir­re­ver­sí­vel, por fa­la de con­ser­va­ção ade­qua­da.

Es­ta de­pri­men­te cons­ta­ta­ção veio a pú­bli­co no pas­sa­do dia 4 de Ou­tu­bro, no pai­nel de de­ba­te so­bre “Ci­ne­ma e a Me­mó­ria Co­lec­ti­va”, di­rec­ci­o­na­do pa­ra a con­ser­va­ção da me­mó­ria ci­ne­ma­to­grá ica an­go­la­na, uma ini­ci­a­ti­va do Ban­co Eco­nó­mi­co em par­ce­ria com a This Is Not A Whi­te Cu­be, que já vai na II Edi­ção do Ci­clo de Ci­ne­ma Mes­su, a ce­le­brar “A Ge­ra­ção da Uto­pia – Os Ci­ne­mas das In­de­pen­dên­ci­as”com a cu­ra­do­ria de Ma­ria do Car­mo Pi­çar­ra. A ses­são in­te­lec­tu­al foi se­gui­da da exi­bi­ção do il­me Ne­li­si­ta.

Na me­sa do de­ba­te sen­ta­ram- se o pró­prio Me­na Abran­tes, Do­min­gos Ma­ga­lhães, di­rec­tor de uma Ci­ne­ma­te­ca no­mi­nal, o re­a­li­za­dor Má­rio Bas­tos ( Fra­di­que), sob mo­de­ra­ção de Jor­ge An­tó­nio, tam­bém ci­ne­as­ta.

Sob o olhar aten­to de um pú­bli­co res­trin­gi­do a al­guns ci­né ilos, jor­na­lis­tas e ou­tros ci­da­dãos se­den­tos de co­nhe­ci­men­to, o di­rec­tor da Ci­ne­ma­te­ca re­ve­lou dois fac­tos que cons­ti­tu­em a ca­ja­da­da le­tal no pes­co­ço íl­mi­co do ci­ne­ma an­go­la­no:

1. O sín­dro­me do vi­na­gre, des­do­bra­do em dois as­pec­tos:

a) ( ísi­co) – a de­te­ri­o­ra­ção quí­mi­ca do acer­vo íl­mi­co de­vi­da à li­mi­ta­da pro­tec­ção das pe­lí­cu­las;

b) (in­du­ção me­ta­fó­ri­ca) – a omis­são ou inac­ção das au­to­ri­da­des cul­tu­rais, pois, co­mo dis­se Ta­ti­a­na Le­vin no seu ar­ti­go “Dos Fil­mes dos Pi­o­nei­ros aos Re­a­li­za­do­res da Po­ei­ra", “não há no ci­ne­ma an­go­la­no con­tem­po­râ­neo um mo­vi­men­to ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­do ca­paz de dar fô­le­go a uma pro­du­ção con­sis­ten­te”.

2. A ex­tin­ção da Ci­ne­ma­te­ca, em 2017, atra­vés de um sim­ples e-mail en­de­re­ça­do ao seu di­rec­tor, Do­min­gos Ma­ga­lhães, que ne­la in­gres­sou em 1978 e à qual de­vo­tou o me­lhor da sua ju­ven­tu­de.

Es­ta cons­ta­ta­ção le­vou o jo­vem re­a­li­za­dor Fra­di­que a a ir­mar que o ci­ne­ma an­go­la­no se en­con­tra ho­je em dia, no pa­ta­mar de “um pre­sen­te sem pas­sa­do nem fu­tu­ro.

Pa­ra além de re­ve­lar os me­an­dros em que se en­con­tra a Sé­ti­ma Ar­te em Angola, o en­con­tro foi mui­to pro­du­ti­vo na me­di­da em que os pa­les­tran­tes tra­ça­ram um pa­no­ra­ma his­tó­ri­co da pro­du­ção íl­mi­ca pós in­de­pen­dên­cia e do ro­cam­bo­les­co il­me so­bre o des­go­ver­no a que o sec­tor icou vo­ta­do. Pa­ra ilus­trar es­te es­ta­do de coi­sas, bas­tou o re­a­li­za­dor Fra­di­que ex­pli­car que, pa­ra a re­a­li­za­ção do il­me-do­cu­men­tá­rio “In­de­pen­dên­cia”, te­ve de re­cor­rer ao ex­te­ri­or, com cus

tos ele­va­dís­si­mos, pa­ra ob­ter có­pi­as de ima­gens e que o ma­te­ri­al so­bre a de­cla­ra­ção da In­de­pen­dên­cia, em pos­se da TPA, es­tá em pés­si­mo es­ta­do de con­ser­va­ção.

A Ci­ne­ma­te­ca não con­se­guia cum­prir o seu pa­pel de pro­te­ger as di­ver­sas gra­va­ções, que in­clu­em os jor­nais da ac­tu­a­li­da­de da pri­mei­ra Re­pú­bli­ca, e so­bras de fil­mes, por­que não ha­via di­nhei­ro pa­ra com­bus­tí­vel do ge­ra­dor e o ar con­di­ci­o­na­do ava­ri­a­va se­ma­nal­men­te. A so­lu­ção aven­ta­da e apro­va­da su­pe­ri­or­men­te de di­gi­ta­li­zar o acer­vo nun­ca foi le­va­da à prá­ti­ca, num país com um erá­rio que da­va pa­ra com­prar a Lua.

O il­me “O Ca­mi­nho de Fer­ro de Ben­gue­la”, re­a­li­za­do por Ar­tur Pe­rei­ra em 1913, é o pri­mei­ro re­gis­to da­ta­do de ci­ne­ma em Angola.

Des­de inais dos anos 1960, os re­gis­tos so­bre a guer­ri­lha an­ti­co­lo­ni­al efec­tu­a­dos pe­lo De­par­ta­men­to de In­for­ma­ção e Pro­pa­gan­da do MPLA e os il­mes Mo­nan­gam­bé (1971) e Sam­bi­zan­ga (1972), de Sa­rah Mal­do­ror, ins­pi­ra­dos em obras de Lu­an­di­no Vi­ei­ra, an­te­ci­pam um ci­ne­ma de in­ter­ven­ção que se vem a con­so­li­dar com a in­de­pen­dên­cia do país.

Do­min­gos Ma­ga­lhães con­si­de­ra que os il­mes an­go­la­nos pro­du­zi­dos pe­lo an­ti­go La­bo­ra­tó­rio Na­ci­o­nal de Ci­ne­ma, en­tre os anos 1975 e 1982, são par­te “do nos­so património au­di­o­vi­su­al e da nos­sa me­mó­ria co­lec­ti­va”.

Ne­li­si­ta, 1982, uma pro­du­ção do Ins­ti­tu­to An­go­la­no do Ci­ne­ma, me­re-

Ca­bo Ver­de, pe­que­no país ir­mão, con­ti­nua a re­a­li­zar fes­ti­vais de ci­ne­ma. Mo­çam­bi­que até pos­sui um Mu­seu do Ci­ne­ma. “Por­que é que Angola foi pa­ra es­te ca­mi­nho?”, fi­cou es­ta per­gun­ta lan­ça­da pe­la me­sa do de­ba­te.

Es­te ca­mi­nho que ago­ra o sec­tor do ci­ne­ma atra­ves­sa é o que cri­ou a ame­ri­ca­ni­za­ção fíl­mi­ca da ju­ven­tu­de an­go­la­na, pois as sa­las de ci­ne­ma de Lu­an­da ape­nas exi­bem o que vem do Oci­den­te, co­mo se em Áfri­ca não exis­tis­se um gi­gan­te da in­dús­tria ci­ne­ma­to­grá ica que é a Ni­gé­ria. ce­do­ra de um pré­mio no Fes­pa­co, fes­ti­val do Bur­qui­na Fa­so, e a crí­ti­ca nos Cahi­ers do Ci­ne­ma, mar­ca­ria o úl­ti­mo fô­le­go do bre­ve mo­men­to do ci­ne­ma an­go­la­no, mer­gu­lha­do de­pois num gran­de ma­ras­mo de im­pos­si­bi­li­da­de.

Em 1985, a úni­ca pro­du­to­ra de ci­ne­ma exis­ten­te era o La­bo­ra­tó­rio Na­ci­o­nal de Ci­ne­ma, e es­se mu­dou de se­de, ten­do si­do seu acer­vo des­truí­do ou per­di­do no pro­ces­so.

Em 2003 é cri­a­do o Ins­ti­tu­to An­go­la­no de Ci­ne­ma, Au­di­o­vi­su­ais e Mul­ti­mé­dia (IACAM) e tra­ça­do um pla­no pa­ra a re­cu­pe­ra­ção, res­tau­ro e con­ser­va­ção do acer­vo íl­mi­co de Angola.

Se­gun­do Me­na Abran­tes, de 2001 a 2005, co­me­ça­ram a sur­gir “si­nais de re­vi­ta­li­za­ção”, pe­las ex­pec­ta­ti­vas cri­a­das com o im da guer­ra e sur­ge um mo­vi­men­to da pe­ri­fe­ria, de­sig­na­do “ci­ne­ma da po­ei­ra”.

Mwi­la, de­se­nho de Ruy Du­ar­te de Car­va­lho

Me­na Abran­tes, Jor­ge An­tó­nio, Do­min­gos Ma­ga­lhães e Fra­di­que

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.