Ngo­ma e Ki­sa­ka

Jornal Cultura - - Barra Do Kwanza -

ti­nu­a­vam can­ta­ro­lan­do. Até que rou­co, co­mo as que o in­sul­ta­vam pro­cu­ran­do por uma re­ac­ção mais eró­ti­ca, se can­sa­va e ao quar­to, no si­lên­cio da ca­ma so­li­tá­ria, se es­con­dia meio sa­tis­fei­to e meio en­ver­go­nha­do, ou­vin­do aque­le co­ro que, com o tem­po, dei­xa­ria de ser cha­co­ta.

- Nan­ge, nan­ge, Xo­xom­bo wom­be­la; Xo­xom­bo nan­ge, nan­ge ka­te kyo wom­be­la!

( de tan­to "se­car", Xo­xom­bo- no­me mas­cu­li­no - te­ve de in­fil­trar- se de sos­laio na "kan­dum­ba" ou ca­ser­na, on­de os ra­pa­zes mais es­pe­vi­ta­dos de sua ida­de cos­tu­mam de­lei­tar-se, à ca­la­da da noi­te, da quen­tu­ra pra­ze­ro­sa de su­as mu­sas).

O ter­rei­ro em que se can­ta é um es­pa­ço mais lar­go, en­tre vá­ri­as ca­so­tas que va­ri­am en­tre o ado­be cru e o paua- pi­que, co­ber­tas, umas, de zin­co já acas­ta­nha­do pe­las in­con­tá­veis chu­vas e ca­lor, ou­tras, com col­mos de ca­pim que fu­me­gam ao nas­cer e pôr do sol ofus­ca­do pe­lo ne­vo­ei­ro. O chão pa­re­ce ci­men­ta­do, de tan­to re­ba­ti­do que es­tá o so­lo más­cu­lo. O fol­clo­re é de sem­pre e já vai na quin­ta ge­ra­ção. Ape­nas os

exe- cu­tan­tes é que se re­ve­lam de dé­ca­da em dé­ca­da, ou mes­mo nos di­as que cor­rem, de quinqué­nio em quinqué­nio. Ma­chos de mos­trar o pu­nho e me­dri­cas de es­con­der a es­pa­da sem­pre hou­ve na vi­da das co­mu­ni­da­des. Can­ções que man­têm a me­lo­dia e ino­vam a le­tra tam­bém. Es­sa é ape­nas mais uma. E o sor­tu­do(?) é An­tó­nio Sil­va, Xo­xom­bo, o pro­fes­sor de fe­liz me­mó­ria. - Wom­be­la, wom­be­la, Xo­xom­bo wom­be­la; Xo­xom­bo nan­ge, nan­ge ka­te okyo Wom­be­la.

- Nan­ge, nan­ge, ka­te okyo wom­be­la; Xo­xom­bo nan­ge, nan­ge ka­te okyo wom­be­la!

A ro­da pro­gres­si­va em que dan­ça­vam ti­nha no cen­tro o to­ca­dor de ngo­ma e, à ca­be­ça, a to­ca­do­ra de ki­sa­ka "cho­ca­lho". De tão exí­mi­os que eram, os ma­es­tros pa­re­ci­am ape­nas trans­mi­tir aos ins­tru­men­tos, ngo­ma e ki­sa­ka, si­nais re­ce­bi­dos do além. Di­zi­a­se que “to­ca­vam com a sa­be­do­ria de seus avo­en­gos já há mui­to nos ‘ ma­lom­be’”. Era rit­mo e ca­dên­cia nun­ca vis­tos an­tes.

De re­pen­te, o cír­cu­lo pe­que­no, no iní­cio, abriu-se. Cin­co me­tros de raio e dez de di­â­me­tro a en­go­lir a al­deia to­da. Man-Kibyo­na, afa­ma­do tra­pa­cei­ro, di­fe­ren­te do co­me­di­do Xo­xom­bo, me­teu-se na dan­ça. An­tes, ti­nha ica­do en­cos­ta­do a uma pa­re­de a apre­ci­ar as dan­çan­tes, a co­mê-las com os olhos. Qu­an­do se me­teu na ro­da, as mu­lhe­res mais avi­sa­das en­di­rei­ta­ram o pu­dor. A ca­da apro­xi­ma­ção do Man-Kibyo­na as da­mas ace­le­ra­vam o pas­so pa­ra dei­xar dis­tân­cia à rec­ta-guar­da ou da­vam pas­so à di­rei­ta. Is­so con­tri­buía tam­bém pa­ra o alar­ga­men­to do cír­cu­lo e a en­tra­da na ro­da de mais ra­pa­zes e ra­pa­ri­gas, to­dos acor­da­dos pe­lo ron­car da ngo­ma, far­fa­lhar ín­ti­mo da ki­sa­ka e vo­zes me­lo­di­o­sas es­pa­lha­das pe­lo ven­to.

Os pas­sos eram ca­den­ci­a­dos, cur­tos e rá­pi­dos, às ve­zes. Dois ou três à fren­te e me­nor nú­me­ro atrás. Não se atro­pe­la­vam. Os pés es­ta­vam po­ei­ren­tos mas não eram pi­sa­de­las. Era a par­ti­ci­pa­ção do so­lo na­que­le con­ví­vio dan­çan­te e re­ple­to de emo­ção. E, em so­li­ló­quio, Xo­xom­bo tu­do ou­via e tu­do con­sen­tia. Os ga­lan­tei­os e os des­va­nei­os. - Wom­be­la, Wom­be­la, Xo­xom­bo wom­be­la; Xo­xom­bo nan­ge, nan­ge ka­te okyo wom­be­la!

Um dia sen­tiu von­ta­de. A co­ra­gem te­rá si­do mais for­te do que ele fo­ra até à da­ta. Ima­gi­nou um qui­mo­ne aper­ta­do, de­se­nhan­do a ma­má­lia. Uns pa­nos ris­ca­dos e lin­dos mal amar­ra­dos à mbun­da que se des­pren­dem do cor­po no ca­mi­nho da dan­ça em que ele era o to­ca­dor úni­co de ngo­ma e ela a to­ca­do­ra e can­to­ra úni­ca de ki­sa­ka. Fez do so­nho ver­da­de. Ao quin­to mês, Ka­mo­ne era já mu­lher fei­ta. Nos fol­gue­dos com ngo­ma já o seu dan­çar era com re­quin­te e dis­cri­ção. E a cha­co­ta en­con­trou ou­tro per­so­na­gem.

Ne­ves-e-Sou­sa-Fes­ta-Afri­ca­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.