Dou­tor Ho­no­ris Cau­sa

Agos­ti­nho Ne­to

Jornal Cultura - - Primeira Página - GASPAR MICOLO

Com a In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, a 11 de No­vem­bro de 1975, a en­tão Uni­ver­si­da­de de Lu­an­da ga­nha­va es­ta­tu­to de uni­ver­si­da­de na­ci­o­nal e pas­sa­va a de­sig­nar-se Uni­ver­si­da­de de Angola, com a pro­mul­ga­ção da por­ta­ria nº 77A/76, de 28 de Se­tem­bro. O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e pri­mei­ro Rei­tor, An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, que­ria "os qua­dros na­ci­o­nais com uma no­va men­ta­li­da­de, ca­pa­zes de fun­ci­o­nar co­mo ar­tí ices de uma no­va so­ci­e­da­de vi­san­do o triun­fo da de­mo­cra­cia po­pu­lar".

Ho­je, a pri­mei­ra ins­ti­tui­ção de en­si­no su­pe­ri­or do país, que pas­sou a de­sig­nar-se Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to, a 24 de Ja­nei­ro de 1985, man­tém o de­sa io de for­mar qua­dros na­ci­o­nais pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da so­ci­e­da­de; e, en­quan­to o faz, re­co­nhe­ce o pa­pel fun­da­men­tal do seu pri­mei­ro rei­tor ao ou­tor­gar no dia 25 de Se­tem­bro de 2018, no Cen­tro de Con­fe­rên­ci­as de Be­las, a tí­tu­lo pós­tu­mo, o tí­tu­lo Dou­tor Ho­no­ris Cau­sa ao seu pa­tro­no e pri­mei­ro rei­tor, Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to. A atri­bui­ção do tí­tu­lo de­ve-se a co­ra­gem e o sen­ti­do na­ci­o­na­lis­ta e pa­trió­ti­co de­mons­tra­do por An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to nu­ma al­tu­ra di ícil pa­ra o país e ao em­pe­nho na for­ma­ção de qua­dros qua­li ica­dos pa­ra aju­da­rem no pro­ces­so de re­cons­tru­ção e de­sen­vol­vi­men­to da na­ção.

Ao di­ri­gir-se à vas­ta au­di­ên­cia, o rei- tor da UAN, Pe­dro Ma­ga­lhães, co­me­çou por jus­ti icar que " as su­as ac­ções fo­ram no sen­ti­do de mos­trar que não há um bem mai­or do que edu­car uma na­ção! O Dr. Agos­ti­nho Ne­to cum­priu es­se pa­pel na me­di­da em que cri­ou as ba­ses pa­ra que ho­je a pá­tria an­go­la­na ti­ves­se ali­cer­ça­do um sis­te­ma de en­si­no ao ní­vel mais ele­va­do – o en­si­no su­pe­ri­or, ten­do si­do por is­so o pri­mei­ro rei­tor da Uni­ver­si­da­de de Angola."

Pe­dro Ma­ga­lhães ex­pli­ca que os ho­mens tor­nam-se no­tá­veis qu­an­do os seus fei­tos vão no sen­ti­do do bem­fa­zer, na pro­tec­ção da vi­da hu­ma­na, na pro­mo­ção dos va­lo­res no­bres, da li­ber­da­de e da jus­ti­ça. "Nin­guém tem dú­vi­das do quan­to o Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to fez pe­la Na­ção an­go­la­na e pe­lo de­sen­vol­vi­men­to do nos­so País, pe­la in­de­pen­dên­cia dos po­vos da Áfri­ca e pe­la pro­mo­ção da jus­ti­ça no mun­do do qual so­mos par­te in­te­gran­te."

O rei­tor da UAN par­ti­lha com a vas­ta au­di­ên­cia um de­poi­men­to de um dos mem­bros da ex-Co­mis­são Di­rec­ti­va da en­tão Uni­ver­si­da­de de Lu­an­da, um co­la­bo­ra­dor di­rec­to do rei­tor Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, pa­ra elu­ci­dar a vi­são que o lí­der trans­mi­tia à sua equi­pa: “Pa­ra além do me­lho­ra­men­to da for­ma­ção téc­ni­ca e ci­en­tí ica dos qua­dros que de­vi­am ser for­ma­dos, pa­ra­le­la­men­te, era ne­ces­sá­rio ti­rar mai­or pro­vei­to dos re­sul­ta­dos das pes­qui­sas ci­en­tí icas cer­ti ica­dos e pu­bli­ca­dos, des­de os pri­mei­ros anos do es­ta­be­le­ci­men­to do en­si­no su­pe­ri­or em Lu­an­da, e o ren­di­men­to dos equi­pa- men­tos ins­ta­la­dos, mau gra­do a fu­ga pre­ci­pi­ta­da de do­cen­tes, dos téc­ni­cos de vá­ri­as es­pe­ci­a­li­da­des e de al­guns dis­cen­te com co­nhe­ci­men­tos e prá­ti­ca de­mons­tra­dos. Nu­ma Angola que se pre­ten­dia mo­der­na, do­ta­da de qua­dros tec­ni­ca­men­te ca­pa­zes, pre­pa­ra­dos ci­en­ti ica­men­te e trei­na­dos pa­ra fa­ze­rem fa­ce as eta­pas que se avi­zi­nha­vam, a Uni­ver­si­da­de de­ve­ria ter a ca­pa­ci­da­de de for­mar pro is­si­o­nais pa­ra ga­ran­tir de for­ma so­be­ra­na que os me­lho­res pu­ses­sem o seu sa­ber não so­men­te na exe­cu­ção das ac­ti­vi­da­des li­ga­das as su­as es­pe­ci­a­li­da­des, mas tam­bém na do­cên­cia e pas­sa­rem as su­as ex­pe­ri­ên­ci­as no de­cur­so das au­las prá­ti­cas."

Por fim, Pe­dro Ma­ga­lhães ex­pli­ca que, co­mo se po­de per­ce­ber, o rei­tor Agos­ti­nho Ne­to ti­nha cla­ra no­ção do pa­pel du­ma uni­ver­si­da­de no de­sen­vol­vi­men­to dum País, da re­la­ção en­tre a prá­ti­ca e a te­o­ria. "É tão in­te­res­san­te que são exac­ta­men­te es­tas as li­nhas de ori­en­ta­ção que te­mos pro­cu­ra­do per­se­guir e cor­ri­gir ao lon­go dos tem­pos", dis­se, pa­ra de­pois de­cla­rar: "eu Pe­dro Ma­ga­lhães, rei­tor da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to, con­fi­ro ao Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, a tí­tu­lo pós­tu­mo, o tí­tu­lo de Dou­tor Ho­no­ris Cau­sa, que lhe foi con­ce­di­do pe­la clas­se aca­dé­mi­ca des­ta uni­ver­si­da­de, de acor­do com o que es­ti­pu­la o es­ta­tu­to or­gâ­ni­co da nos­sa uni­ver­si­da­de." De se­gui­da, a viú­va de Agos­ti­nho Ne­to, Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to, re­ce­beu do rei­tor da UAN, Pe­dro Ma­ga­lhães, o di­plo­ma em pa­pi­ro, as ves­tes e a me­da­lha de Rei­tor.

Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to co­me­çou por lem­brar que na­que­le dia 25 de Se­tem­bro se ce­le­bra­va o Dia do Tra­ba­lha­dor da Saú­de, em ho­me­na­gem ao Dr. Amé­ri­co Bo­a­vi­da mor­to em ple­na lu­ta ar­ma­da de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal, e por es­sa ra­zão, era com bas­tan­te hon­ra que re­ce­bia o tí­tu­lo que a Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to de­ci­diu ren­der ao seu pri­mei­ro rei­tor e pa­tro­no.

"É com pro­fun­da emo­ção que, em meu no­me pes­so­al e da mi­nha fa­mí­lia, agra­de­ço a de­ci­são e o ges­to da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to de ou­tor­gar, pos­tu­ma­men­te, a hon­ra­ria e o grau de Dou­tor Ho­no­ris Cau­sa a An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, meu es­po­so e com­pa­nhei­ro de uma vi­da sem tré­guas."

Pa­ra Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to, o ges­to ga­nha uma no­va di­men­são no mo­men­to em que o país des­per­ta pa­ra a ne­ces­si­da­de de re­tor­nar às sá­bi­as ori­en­ta­ções car­de­ais de Agos­ti­nho Ne­to, no­me­a­da­men­te, pri­mei­ro: “a agri­cul­tu­ra é a ba­se e a in­dús­tria o fac­tor de­ci­si­vo”, se­gun­do: “o mais im­por­tan­te é re­sol­ver os pro­ble­mas do po­vo” e ter­cei­ro: Angola é par­te in­te­gran­te do con­cer­to das na­ções e de­ve ter voz igual e par­ti­ci­par no pro­gres­so da hu­ma­ni­da­de.

De­pois de dis­cor­rer so­bre os de­sa ios da agri­cul­tu­ra ali­men­tar e da in­dús­tria agro-ali­men­tar e elen­car um con­jun­to de sec­to­res pri­o­ri­tá­ri­os pa­ra re­du­ção das im­por­ta­ções, Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to, cha­ma a aten­ção dos con­vi­da­dos e ex­pli­ca que, qu­an­do Agos­ti­nho Ne­to ori­en­tou pa­ra a so­lu­ção dos pro­ble­mas do po­vo, "o seu ob­jec­ti­vo era nor­te­ar a go­ver­na­ção pa­ra o bem do po­vo e não de uma eli­te e era des­ti­nar os re­cur­sos pa­ra a saú­de, a edu­ca­ção, a ha­bi­ta­ção, os trans­por­tes, a água, a elec­tri­ci­da­de, a jus­ti­ça e ou­tros sec­to­res vi­tais e não pa­ra se­rem des­per­di­ça­dos nu­ma ges­tão da­no­sa e rui­no­sa que nos le­vou a uma pro­fun­da re­ces­são."

Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to apro­vei­tou o mo­men­to pa­ra ape­lar aos aca­dé­mi­cos pre­sen­tes a unir es­for­ços pa­ra se con­cluir, fa­se­a­da­men­te, o Cam­pus Uni­ver­si­tá­rio, por for­mas a do­tar a uni­ver­si­da­de de imó­veis e in­fra-es­tru­tu­ras, tais co­mo o ici­nas, la­bo­ra­tó­ri­os, hos­pi­tal uni­ver­si­tá­rio e as re­si­dên­ci­as dos pro­fes­so­res e alu­nos. “A nos­sa uni­ver­si­da­de de­ve acer­tar o pas­so à mo­der­ni­da­de e de­sen­vol­ver o en­si­no, a par da in­ves­ti­ga­ção e das di­ver­sas áre­as de ex­ten­são, pa­ra que a ci­ên­cia e a tec­no­lo­gia em Angola aju­dem o cres­ci­men­to de to­das re­giões do país”, dis­se.

Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to re­ce­beu o tí­tu­lo de Dou­tor Ho­no­ris Cau­sa atri­buí­do, a tí­tu­lo pós­tu­mo, pa­ra An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.