Vi­a­gem a Po­to-Po­to Po­to

O re­gres­so às ori­gens de Ka­pe­la

Jornal Cultura - - Primeira Página - ADRIANO DE MELO

Oque re­pre­sen­tam as nos­sas ori­gens? Qual o pa­pel des­tas na cons­tru­ção dos in­te­gran­tes de uma so­ci­e­da­de? São es­tas as per­gun­tas que o ar­tis­ta plás­ti­co Ka­pe­la Pau­lo pro­põe pa­ra quem for vi­si­tar a sua mais re­cen­te ex­po­si­ção, “Re­gres­so a Po­to-Po­to”.

A mos­tra, que es­tá pa­ten­te ao pú­bli­co des­de Agos­to e con­ti­nua aber­ta até ao pró­xi­mo dia 23, na ga­le­ria ELA (Es­pa­ço Lu­an­da Ar­te), pro­cu­ra cha­mar a aten­ção pa­ra a im­por­tân­cia das ori­gens na cons­tru­ção da iden­ti­da­de cultural, prin­ci­pal­men­te nes­ta no­va era mar­ca­da pe­lo di­gi­tal, em que a glo­ba­li­za­ção tem se tor­na­do num fac­tor de acul­tu­ra­ção dos jo­vens.

Pa­ra Ka­pe­la, “Re­gres­so a Po­to-Po­to” não é sim­ples­men­te o re­tor­no ao lo­cal on­de apren­deu a gos­tar das artes, é tam­bém uma vi­a­gem pe­lo ima­gi­ná­rio cultural de Áfri­ca, que a tor­na um con­ti­nen­te ri­co em iden­ti­da­de e mui­to as­sen­te nas su­as raí­zes, ape­sar de to­da a di­ver­si­da­de.

Nu­ma al­tu­ra em que a rea ir­ma­ção da iden­ti­da­de é uma ques­tão que se tor­na ca­da vez mais pre­o­cu­pan­te, em es­pe­ci­al pa­ra os paí­ses me­nos de­sen­vol­vi­dos, que, ge­ral­men­te, aca­bam por se tor­nar “ví­ti­mas” da glo­ba­li­za­ção e da sua acul­tu­ra­ção, Ka­pe­la usa a pin­tu­ra pa­ra des­ta­car a ri­que­za da cul­tu­ra afri­ca­na.

Os qua­dros, na sua mai­o­ria pin­ta­dos com co­res vi­vas, de for­ma a re­al­çar a ale­gria que exis­te no con­ti­nen­te, mes­mo den­tro da di­ver­si­da­de ét­ni­ca, cultural e lin­guís­ti­ca, tra­zem à me­mó­ria de quem vi­si­ta a ex­po­si­ção con­cei­tos cul­tu­rais, que enal­te­cem a iden­ti­da­de afri­ca­na. As dan­ças, co­mo kim­bon­gui­la, fei­ta pa­ra “cha­mar” a paz, ou mes­mo a im­por­tân­cia de uma mai­or união dos “Mun­dos” Áfri­ca, es­tão en­tre os des­ta­ques de al­gu­mas das pin­tu­ras ex­pos­tas.

Cos­tu­mes co­mo ca­ça, agri­cul­tu­ra, pes­ca e mui­tos ou­tros que são par­te de mui­tas das tri­bos afri­ca­nas tam­bém são co­lo­ca­dos em evi­dên­cia ao lon­go da ex­po­si­ção, as­sim co­mo as his­tó­ri­as em vol­ta da fo­guei­ra e as mas­ca­ras nas su­as di­ver­sas for­mas, por se­rem uma par­te es­sen­ci­al da cul­tu­ra afri­ca­na, que pre­ci­sa con­ti­nu­ar vi­va, pa­ra que os jo­vens não es­que­çam as su­as ori­gens.

Os ape­los a paz, a im­por­tân­cia da cri­a­ção de uma me­lhor so­ci­e­da­de pa­ra os afri­ca­nos, tam­bém es­tão en­tre as pre­o­cu­pa­ções do ar­tis­ta, que de­pois de 50 anos de au­sên­cia de­ci­diu re­gres­sar à Re­pú­bli­ca do Con­go, em par­ti­cu­lar à sua ca­pi­tal, Braz­za­vil­le, e à Es­co­la Po­to- Po­to, on­de te­ve a sua ini­ci­a­ção nas artes. Ho­je com 71 anos, Ka­pe­la foi até a es­co­la on­de fez a sua for­ma­ção, nos anos 60, e re­cor­dou o que apren­deu, as­sim co­mo al­guns ar­tis­tas da sua ge­ra­ção, que já fa­le­ce­ram. É es­ta vi­a­gem a um mun­do, que em­bo­ra se­ja co­nhe­ci­do do ar­tis­ta con­ti­nua a apre­sen­tar no­vi­da­des que Ka­pe­la ex­plo­rou e pro­põe pa­ra apre­ci­a­ção do pú­bli­co no ELA.

Tra­di­ção e his­tó­ria são o cen­tro pe­lo qual nas­ce a re­cri­a­ção de to­da es­sa vi­a­gem, fru­to da sua vi­si­ta a Po­to-Po­to, e que traz to­da uma pers­pec­ti­va úni­ca e ori­gi­nal, com a qual o ar­tis­ta já ha­bi­tu­ou o seu pú­bli­co, ao cons­truir nar­ra­ti­vas ar­tís­ti­cas com ba­se na sua vi­vên­cia e na me­mó­ria.

No inal, ca­da vi­si­tan­te vai sair com a ideia de ter co­nhe­ci­do um pou­co mais so­bre a vi­da no Con­go e da Es­co­la Po­toPo­to, em par­ti­cu­lar, e de Áfri­ca, no ge­ral. Tal co­mo uma vez dis­se o Da­lai La­ma: “Dê a quem vo­cê ama: asas pa­ra vo­ar, raí­zes pa­ra vol­tar e mo­ti­vos pa­ra icar”. Com es­ta ex­po­si­ção Ka­pe­la pres­tou a sua ho­me­na­gem às su­as ori­gens e à es­co­la on­de apren­deu os mei­os téc­ni­cos pa­ra ex­pres­sar a sua ar­te.

O ex­po­si­tor

Ka­pe­la Pau­lo nas­ceu no Uí­ge, em Ma­que­la do Zom­bo, em 1947. Ac­tu­al­men­te vi­ve e tra­ba­lha em Lu­an­da. Co­mo au­to­di­dac­ta co­me­çou a pin­tar em 1960 na Es­co­la Po­to-Po­to, em Braz­za­vil­le, Re­pú­bli­ca do Con­go.

A vi­ver e a tra­ba­lhar em Lu­an­da des­de 1989, pri­mei­ro no edi ício da União Na­ci­o­nal dos Ar­tis­tas Plás­ti­cos (UNAP) e de­pois no Bei­ral, com pas­sa­gens pe­lo Pa­lan­ca e ho­je na Vi­la Ali­ce, Ka­pe­la co­me­çou a ex­por in­ter­na­ci­o­nal­men­te em 1995, ten­do já par­ti­ci­pa­do em ex­po­si­ções co­mo “Áfri­ca Re­mix”, que “vi­a­jou” por Lon­dres, Pa­ris e Tó­quio. Em 2003 ven­ceu o pré­mio CICIBA (Cen­tro In­ter­na­ci­o­nal de Ci­vi­li­za­ções Ban­tu), em Braz­za­vil­le. Qu­a­tro anos de­pois, em 2007, par­ti­ci­pou na mos­tra “Check List Lu­an­da Pop”, du­ran­te a 52ª Bi­e­nal de Ve­ne­za, na Itá­lia.

O seu no­me cons­tou en­tre os con­vi­da­dos da 2ª Tri­e­nal de Lu­an­da, em 2009, e par­ti­ci­pou na ex­po­si­ção co­lec­ti­va “Lu­an­da Smoth and Ra­ve”, na Fran­ça. Em 2013, a sua obra es­te­ve ex­pos­ta na mos­tra “No Fly Zo­ne”, em Por­tu­gal.

A sua pri­mei­ra ex­po­si­ção in­di­vi­du­al, de­no­mi­na­da “Ka­pe­la”, foi re­a­li­za­da em 2015, em Lu­an­da, na ga­le­ria Ta­mar Go­lan. No mes­mo ano apre­sen­tou uma ou­tra mos­tra, tam­bém in­di­vi­du­al, “En­tre Su­plí­ci­os”, na ga­le­ria Hall de Li­ma Pi­men­tel, na ca­pi­tal.

Na ga­le­ria ELA, ka­pe­la co­me­çou a re­a­li­zar ex­po­si­ções em 2016, qu­an­do par­ti­ci­pou na mos­tra co­lec­ti­va “Ve­lhos Pa­péis, No­vas His­tó­ri­as” e no ano se­guin­te qu­an­do apre­sen­tou “Lu­vu­va­mu + Nzo­la | Paz + Amor”.

PAULINO DAMIÃO

O ima­gi­ná­rio e as ex­pe­ri­ên­ci­as do ar­tis­tas ga­nha­ram for­ma e de­ram vi­da a mos­tra

PAULINO DAMIÃO

Ri­tu­ais e cos­tu­mes de al­guns po­vos afri­ca­nos ex­pos­tos em qua­dros

PAULINO DAMIÃO

Um pou­co de tu­do o que vi­veu es­tá a ser apre­sen­ta­do ao pú­bli­co no es­pa­ço ELA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.