Braz­za­vil­le quer "Gran­de Mu­seu do Rei­no do Kon­go"

Jornal Cultura - - Primeira Página - GAS­PAR MICOLO

Aan­tro­po­lo­gia an­go­la­na es­te­ve em des­ta­que nu­ma con­fe­rên­cia re­a­li­za­da em Lu­an­da, ini­ci­a­ti­va das Em­bai­xa­das da Fran­ça e da Ale­ma­nha com o inan­ci­a­men­to do Fun­do Cul­tu­ral Fran­co Ale­mão ( Fonds Cul­tu­rel Fran­co Allemand), e que con­tou com a par­ti­ci­pa­ção es­pe­ci­al do his­to­ri­a­dor Jean de Di­eu Nson­dé, do Con­go-Braz­za­vi­le, es­pe­ci­a­lis­ta em His­tó­ria do Rei­no do Kon­go, ra­di­ca­do em Gu­a­da­lu­pe.

Lo­go no pri­mei­ro dia do even­to, que de­cor­reu nos di­as 16 e 18 de Ou­tu­bro, o an­tro­pó­lo­go Zi­va Do­min­gos, cha­ma­do a abor­dar "A Con­tri­bui­ção do Fu­tu­ro Mu­seu do Rei­no do Kon­go na Pre­ser­va­ção e Va­lo­ri­za­ção do Pa­tri­mó­nio Cul­tu­ral", co­me­ça por lem­brar que o ac­tu­al "Mu­seu dos Reis do Kon­go", fun­da­do em 1978, foi re­no­va­do em 2007 e que se tra­ta no fun­do de um "mu­seu bi­o­grá ico".

O ac­tu­al di­rec­tor na­ci­o­nal dos Mu­seus re­fe­re que é ne­ces­sá­rio que a mes­ma evo­lua pa­ra um Mu­seu do Kon­go que se as­su­ma co­mo re­fe­rên­cia cul­tu­ral e pon­to cen­tral da in­ter­pre­ta­ção da his­tó­ria do an­ti­go Rei­no do Kon­go e da sua ca­pi­tal Mban­za Kon­go (Se­de do po­der po­li­ti­co, eco­nó­mi­co, re­li­gi­o­so, etc. ).

"É uma Ca­sa-Mu­seu, se po­de­mos as­sim di­zer", su­bli­nha. "O Rei­no ti­nha um Rei, mas não go­ver­na­va so­zi­nho. Ti­nha um po­vo". Zi­va Do­min­gos re­al­ça a im­por­tân­cia des­ta evo­lu­ção, re­cor­ren­do a uma de ini­ção do Con­se­lho Internacional de Mu­seus (2005) que diz que "o mu­seu é uma ins­ti­tui­ção ao ser­vi­ço da so­ci­e­da­de, que tem por mis­são, ex­plo­rar e com­pre­en­der o mun­do atra­vés da pes­qui­sa, sal­va­guar­da e co­mu­ni­ca­ção, es­pe­ci ica­men­te atra­vés da in­ter­pre­ta­ção e ex­po­si­ção, dos tes­te­mu­nhos ma­te­ri­ais e ima­te­ri­ais que cons­ti­tu­em o pa­tri­mó­nio da hu­ma­ni­da­de (...)".

Com 115 ob­jec­tos (94 ex­pos­tos e 21 no De­pó­si­to ), e cu­jo acervo so­freu rou­bo e van­da­lis­mo em 1992, o Mu­seu dos Reis do Kon­go de­pa­ra-se ho­je com pro­ble­mas de con­ser­va­ção de al­guns ob­jec­tos que, se­gun­do o an­tro­pó­lo­go, le­van­tam ho­je vá­ri­as ques­tões co­mo "Que po­lí­ti­ca de ges­tão das co­lec­ções de­ve ser con­ce­bi­da e im­ple­men­ta­da ?", "Se­rá que as co­lec­ções ac­tu­ais per­mi­tem ao Mu­seu cum­prir com as su­as ver­da­dei­ras fun­ções mu­se­o­ló­gi­cas?" e "Co­mo os ves­tí­gi­os ar­que­o­ló­gi­cos en­con­tra­dos po­de­ri­am ser in­te­gra­dos na co­lec­ção do Mu­seu?".

Per­gun­tas sem res­pos­tas ca­bais na con­fe­rên­cia. Mas o cer­to mes­mo é que há a ne­ces­si­da­de de re­de inir as mis­sões e o es­ta­tu­to do ac­tu­al Mu­seu dos Reis do Kon­go, evo­luin­do pa­ra o Mu­seu Re­gi­o­nal do An­ti­go Rei­no do Kon- go, re­co­men­da­ção que, aliás, já re­sul­tou da Me­sa Re­don­da Internacional so­bre Mban­za Kon­go, que An­go­la re­a­li­zou em No­vem­bro 2016.

E, en­quan­to An­go­la não avan­ça, o vi­zi­nho Con­go rei­vin­di­ca a cons­tru­ção de um "Gran­de Mu­seu em Braz­za­vil­le" pa­ra re­tra­çar a his­tó­ria do Rei­no do Kon­go, de acor­do com as re­co­men­da­ções do úl­ti­mo Co­ló­quio so­bre o Rei­no do Kon­go, re­a­li­za­do em Ou­tu­bro de 2018, em Braz­za­vil­le.

Zi­va Do­min­gos ex­pli­ca que se tra­ta de uma rei­vin­di­ca­ção que de­ve­rá me­re­cer uma cer­ta di­plo­ma­cia da par­te an­go­la­na, ques­ti­o­nan­do se não te­rá che­ga­do a al­tu­ra de se ava­li­ar vá­ri­as pos­si­bi­li­da­des: mu­seus re­gi­o­nais, lo­cais e in­ter­na­ci­o­nais, ou mes­mo uma re­de de mu­seus so­bre o Rei­no do Kon­go.

En­tre­tan­to, o jor­nal Cul­tu­ra apu­rou que, das re­co­men­da­ções de Braz­za­vil­le, cons­tam ain­da ob­jec­ti­vos co­mo o res­tau­ro dos con­tor­nos ísi­cos da área cul­tu­ral do Kon­go e do rei­no cu­jas fun­da­ções são culturais; re­vi­sar os livros de his­tó­ria in­te­gran­do o lu­gar das mu­lhe­res na so­ci­e­da­de con­go­le­sa; in­tro­du­zir idi­o­mas na­ci­o­nais na edu­ca­ção; es­ta­be­le­cer um dia gas­tro­nó­mi­co pa­ra re­vi­ta­li­zar os pra­tos tra­di­ci­o­nais e as ar­tes cu­li­ná­ri­as das co­mu­ni­da­des culturais do Kon­go, pa­ra per­mi­tir a sua in­te­gra­ção na mo­der­na di­plo­ma­cia gas­tro­nó­mi­ca; inan­ci­ar pes­qui­sas trans­dis­ci­pli­na­res so­bre sím­bo­los grá icos re­la­ci­o­na­dos à ar­te do Kon­go (lis­ta, no­me, des­co­di ica­ção), bem co­mo os modos tra­di­ci­o­nais de co­mu­ni­ca­ção e ar­qui­va­men­to do pen­sa­men­to Kon­go e es­ta­be­le­cer uma ave­ni­da que saia da área de Kinsha­sa atra­vés de Nku­lim­bim­bi (on­de foi cons­truí­da a pri­mei­ra ca­te­dral do Rei­no do Kon­go em 1596), de Ca­bin­da a Pon­te-Ne­gra, pa­ra pro­mo­ver o eco­tu­ris­mo. En­tre­tan­to, o Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra tem pre­vis­to pa­ra 2019 a re­a­li­za­ção da V Me­sa Re­don­da Internacional so­bre Mban­za Kon­go e o Fes­tiKon­go, no âm­bi­to do pro­gra­ma de divulgação e va­lo­ri­za­ção do Pa­tri­mó­nio Mun­di­al.

A AN­TRO­PO­LO­GIA EM AN­GO­LA

O te­ma “A An­tro­po­lo­gia em An­go­la (his­tó­ria da dis­ci­pli­na, es­ta­do ac­tu­al e de­sa ios)” cou­be ao o an­tro­pó­lo­go Man­zam­bi Vu­vu Fer­nan­do, que ex­pli­cou que so­men­te em 2004 fo­ram cri­a­do os De­par­ta­men­tos de His­tó­ria e de An­tro­po­lo­gia na en­tão Fa­cul­da­de de Le­tras e de Ci­ên­ci­as So­ci­ais da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to. É que an­tes dis­so não ha­via um cur­so de an­tro­po­lo­gia no país. E foi exac­ta­men­te du­ran­te o pri­mei­ro Sim­pó­sio so­bre Cul­tu­ra Na­ci­o­nal , em 1984, no Pa­lá­cio dos Con­gres­sos, em Lu­an­da, que o Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra re­co­men­dou a cri­a­ção des­tas dis­ci­pli­nas. O que vi­ria a acon­te­cer em 2004.

Dou­to­ra­do em An­tro­po­lo­gia So­ci­al e Cul­tu­ral e mes­tre em Es­tu­dos Afri­ca­nos pe­lo Cen­tro de Es­tu­dos Afri­ca­nos da Uni­ver­si­da­de do Por­to, Man­zam­bi Vu­vu Fer­nan­do ex­pli­ca a evo­lu­ção da an­tro­po­lo­gia an­go­la­na re­cor­ren­do a eta­pa­das dis­tin­tas co­mo a pe­ne­tra­ção por­tu­gue­sa em Áfri­ca, en­con­tros e de­sen­con­tros e li­te­ra­tu­ra et­no­grá­fi­ca. No meio, es­cla­re­ce que o pri­mei­ro con­tac­to en­tre os dois po­vos não se tra­tou de um "des­co­bri­men­to", mas sim de um en­con­tro e de­pois de um de­sen­con­tro.

Quan­to à li­te­ra­tu­ra et­no­grá ica, sub­sí­di­os in­dis­pen­sá­veis pa­ra o es­tu­do da an­tro­po­lo­gia, Man­zam­bi Vu­vu Fer­nan­do co­me­ça por ci­tar a obra "A re­la­ção do Rei­no do Con­go e das ter­ras cir­cun­vi­zi­nhas", pu­bli­ca­do ori­gi­nal­men­te na Íta­lia, em 1591, da au­to­ria de Fi­lip­po Pi­ga­fet­ta e Du­ar­te Lo­pes. Du­ar­te Lo­pes ti­nha si­do o en­vi­a­do do Rei­no do Con­go ao Va­ti­ca­no a im de es­ta­be­le­cer uma li­ga­ção di­rec­ta sem a in­ter­fe­rên­cia dos por­tu­gue­ses. E o en­vi­a­do le­vou con­si­go um re­tra­to do rei­no que aca­bou por ser res­cri­to por Fi­lip­po Pi­ga­fet­ta.

Além des­sa obra, "Des­cri­ção his­tó­ri­ca dos três rei­nos do Con­go, Ma­tam­ba e An­go­la", de Ca­vaz­zi de Mon­te­cúc­co­lo e a "His­tó­ria Ge­ral das Guer­ras An­go­la­nas", de António de Oliveira de Ca­dor­ne­ga, am­bas do sé­cu­lo XVII, fi­gu­ram igual­men­te obras fun­da­men­tais pa­ra a his­tó­ria e a an­tro­po­lo­gia an­go­la­na.

De­pois des­ses au­to­res, diz Man­zam­bi Vu­vu Fer­nan­do, de­ze­nas de ou­tros se de­di­ca­ram ao es­tu­do da et­no­gra ia, até que em 1912, no âm­bi­to da­qui­lo que cha­ma de "Co­lo­ni­za­ção Ci­en­tí ica de An­go­la " (1912-1915) se cri­ou o Mu­seu Et­no­grá ico de An­go­la e Con­go, que vi­ria a ser o Mu­seu An­tro­po­ló­gi­co de An­go­la, que fun­ci­o­nou nas For­ta­le­za de São Miguel e de­pois no ac­tu­al Mu­seu de His­tó­ria Na­tu­ral. E lem­bra igual­men­te José Re­di­nha (19051983), et­nó­gra­fo e fun­ci­o­ná­rio da ad­mi­nis­tra­ção co­lo­ni­al por­tu­gue­sa em An­go­la, que vi­ria a pu­bli­car vá­ri­as obras e cri­ar o Mu­seu do Dun­do, além de co­la­bo­rar no Mu­seu de An­tro­po­lo­gia. Ape­sar dis­so, o pro­fes­sor au­xi­li­ar na Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as So­ci­ais da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to (UAN) lem­bra que as so­ci­e­da­des tra­di­ci­o­nais não acom­pa­nha­ram o pro­ces­so de evo­lu­ção, ica­ram es­tag­na­das no tem­po,

Mu­seu dos Reis do Con­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.