Emen­da pi­or que o so­ne­to

Jornal Cultura - - Editorial - JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA

O Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­tes (PNCA) é um pré­mio do Es­ta­do an­go­la­no. Da­da es­sa sua na­tu­re­za na­ci­o­nal e es­ta­tal, o PNCA re­pre­sen­ta o re­co­nhe­ci­men­to do Es­ta­do an­go­la­no aos cri­a­do­res de Cul­tu­ra, de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne, en­quan­to ci­da­dãos de­ten­to­res de uma car­ta de ci­da­da­nia que se so­bre­põe aos de­síg­ni­os e lu­tas po­lí­ti­co-par­ti­dá­ri­as.

No en­tan­to, vis­to co­mo a Re­pú­bli­ca de An­go­la te­ve o seu nas­ci­men­to em 11 de No­vem­bro de 1975 mar­ca­do por um for­te sim­bo­lis­mo de ar­ru­ma­ção par­ti­dá­ria, con li­tu­an­te no tem­po e no es­pa­ço, o sec­tor da Cul­tu­ra não icou imu­ne à pres­são ide­o­ló­gi­ca do Po­der po­lí­ti­co-par­ti­dá­rio.

Daí ter­mos as­sis­ti­dos, na­da im­pá­vi­dos nem se­re­nos, à im­po­si­ção ao jú­ri do PNCA de 2009 da não atri­bui­ção do ga­lar­dão na mo­da­li­da­de de Li­te­ra­tu­ra ao in­sig­ne po­e­ta de Na­mo­ro, Vi­ri­a­to da Cruz. Pas­sa­dos 9 amar­gu­ra­dos anos de re­trac­ção de­mo­crá­ti­ca, ho­je o pro­ces­so im­po­si­ti­vo re­pe­te-se, não já na pes­soa do de­fen­sor acér­ri­mo da des­co­ber­ta de An­go­la pe­los na­tu­rais da ter­ra, mas na pes­soa do ilus­tre – e tam­bém acér­ri­mo de­fen­sor da iden­ti­da­de na­ci­o­nal – Al­me­rin­do Ja­ka Jam­ba. Só que, ao con­trá­rio de Vi­ri­a­to da Cruz que aju­dou a fun­dar o par­ti­do até ho­je no po­der em An­go­la, Ja­ka Jam­ba per­ten­ceu, an­tes do seu pas­sa­men­to ísi­co no pre­sen­te ano, às ilei­ras do mai­or par­ti­do da opo­si­ção. O re­co­nhe­ci­men­to de um ci­da­dão em­pe­nha­do na de­fe­sa dos va­lo­res cul­tu­rais na­ci­o­nais e na pro­mo­ção da idi­os­sin­cra­sia dos seus po­vos é sem­pre mo­ti­vo de re­go­zi­jo. Só que no ca­so em aná­li­se, foi atri­buí­do a Ja­ka Jam­ba um tí­tu­lo que não es­tá con­tem­pla­do no re­gu­la­men­to do PNCA: Men­ção Hon­ro­sa. Es­ta a nos­sa pri­mei­ra fon­te de suspeição.

A se­gun­da mar­ca de suspeição da in­ter­ven­ção po­lí­ti­ca num as­sun­to me­ra­men­te cul­tu­ral, é o tom jus­ti ica­ti­vo do “re­co­nhe­ci­men­to” a Ja­ka Jam­ba de­vi­do a “va­lo­res co­mo a re­con­ci­li­a­ção e uni­da­de na­ci­o­nal, a in­clu­são so­ci­al e a re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de de vá­ri­as re­giões e sen­si­bi­li­da­des po­lí­ti­cas, fac­to­res que agre­gam re­fe­rên­ci­as à an­go­la­ni­da­de pa­ra o mai­or Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­tes”.

Se a Men­ção Hon­ro­sa foi atri­buí­da a Ja­ka Jam­ba “pe­los seus fei­tos a ní­vel da for­ma­ção do no­vo ci­da­dão an­go­la­no, agre­gan­do ao co­nhe­ci­men­to o sen­ti­do de al­te­ri­da­de, o res­pei­to e a va­lo­ri­za­ção das an­go­la­nas e an­go­la­nos, en­quan­to ba­se do de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no e sus­ten­tá­vel”, é cla­ro que o jú­ri não con­si­de­rou a ex­ce­lên­cia da cri­a­ti­vi­da­de e da es­pes­su­ra do ri­gor ar­tís­ti­co que ca­rac­te­ri­za a obra des­te lí­di­mo agen­te cul­tu­ral an­go­la­no.

Há, nes­tas es­pe­cu­la­ções de úl­ti­ma ho­ra do jú­ri, con­si­de­ra­ções de al­to pen­dor po­lí­ti­co, em des­fa­vor do ar­tís­ti­co-cul­tu­ral. Em su­ma, o que se quer aqui des­ta­car é que Ja­ka Jam­ba me­re­cia, is­so

sim, um pré­mio igual aos ou­tros, na mo­da­li­da­de de In­ves­ti­ga­ção Ci­en­tí­fi­ca, por exem­plo, e não ape­nas uma Men­ção Hon­ro­sa, vis­to que, tal co­mo cons­ta no re­gu­la­men­to do PNCA, o pré­mio vi­sa in­cen­ti­var a cri­a­ti­vi­da­de nos do­mí­ni­os li­te­rá­rio, ar­tís­ti­co e da in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca no âm­bi­to das ci­ên­ci­as hu­ma­nas e so­ci­ais, pro­mo­ver a qua­li­da­de da pro­du­ção do ci­ne­ma e áu­dio-vi­su­ais, das ar­tes de es­pec­tá­cu­los, no­me­a­da­men­te a en­ce­na­ção de obras te­a­trais, dan­ça, mú­si­ca, bem co­mo a pro­mo­ção dos bens cul­tu­rais e de co­nhe­ci­men­to atra­vés da pu­bli­ca­ção, divulgação e va­lo­ri­za­ção.

O pré­mio cons­ti­tui uma ho­me­na­gem e in­cen­ti­vo ao gé­nio cri­a­dor dos an­go­la­nos, de mo­do a per­pe­tu­ar no seio dos ci­da­dãos idei­as ten­den­tes à com­pre­en­são das múl­ti­plas for­mas da cri­a­ção ar­tís­ti­ca e di­ver­si­da­de das ma­ni­fes­ta­ções lin­guís­ti­cas e cul­tu­rais do po­vo e da na­ção. Com es­te pro­pó­si­to se cri­ou o PNCA.

O ob­jec­ti­vo de unir uma so­ci­e­da­de frag­men­ta­da por de­sa­jus­ta­men­tos es­tru­tu­rais for­ja­dos no pró­prio âm­bi­to e pe­la pró­pria mão in­vi­sí­vel do Es­ta­do, não se co­a­du­na com a atri­bui­ção de um pro­gra­ma po­lí­ti­co à Arte, co­mo no tris­te epi­só­dio da ex­clu­são de Vi­ri­a­to da Cruz em 2009. O apu­ra­men­to des­te ano do PNCA, a cri­ar a Men­ção Hon­ro­sa uni­ca e ex­clu­si­va­men­te pa­ra hon­rar um ci­da­dão da opo­si­ção de­mons­trou que a emen­da saiu pi­or que o so­ne­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.