Men­ção Hon­ro­sa do Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra atri­buí­da a Ja­ka Jam­ba ma­ni­fes­ta pre­o­cu­pa­ção de or­dem po­lí­ti­ca, con­si­de­ra Luís Kand­jim­bo

Jornal Cultura - - Letras -

so ia na Uni­ver­si­da­de de Lis­boa, a sua dis­ser­ta­ção foi de­di­ca­da ao es­tu­do da obra do iló­so­fo e teó­lo­go fran­cês Ni­co­las Ma­le­bran­che. Por is­so, fa­cil­men­te se po­de con­cluir que, com a Men­ção Hon­ro­sa, os mem­bros do jú­ri do Pré­mio, te­ce­ram um gran­de equí­vo­co, na me­di­da em que a de­ci­são ma­ni­fes­ta uma pre­o­cu­pa­ção de or­dem po­lí­ti­ca, lon­ge de qual­quer cri­té­rio ci­en­tí ico, li­te­rá­rio ou aca­dé­mi­co. De­vi­am ser ti­dos em con­ta cri­té­ri­os com pe­so pa­ra de­ter­mi­nar o mé­ri­to ab­so­lu­to de um can­di­da­to a qual­quer pré­mio.

JC – Po­der-lhe-ia ser atri­buí­do ou não um Pré­mio nu­ma das ca­te­go­ri­as, em vez de uma me­ra Men­ção Hon­ro­sa?

LK –

Não se jus­ti ica a atri­bui­ção de qual­quer ti­po de Men­ção Hon­ro­sa, se qui­ser­mos com­pre­en­der o sen­ti­do e os ins do Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­tes. Os mem­bros do jú­ri po­de­ri­am, pe­lo me­nos, ter ti­do em con­ta o seu per­cur­so de iló­so­fo, se fos­se pa­ra pre­mi­ar a car­rei­ra, a tí­tu­lo pós­tu­mo. Se­ria mais in­te­res­san­te. É co­mum en­tre nós atri­buir-se um pré­mio sem o pro­fun­do do­mí­nio e co­nhe­ci­men­to da obra dos can­di­da­tos. Es­sa ima­gem é pés­si­ma. Te­mos que aca­bar com is­so, se que­re­mos ser sé­ri­os.

JC – Con­cor­da ou não que Ja­ka Jam­ba re­ce­beu uma hon­ra abai­xo da sua es­ta­tu­ra in­te­lec­tu­al e cul­tu­ral?

LK

– Ape­sar de ter o no­me as­so­ci­a­do à vi­da po­lí­ti­ca, Ja­ka Jam­ba era emi­nen­te­men­te um in­te­lec­tu­al, até por­que evi­den­ci­a­va um sa­ber en­ci­clo­pé­di­co e com­pe­tên­ci­as ar­gu­men­ta­ti­vas con­sis­ten­tes, re­ve­la­do­res de uma boa for­ma­ção fun­da­da em va­lo­res. Tem o seu lu­gar ca­ti­vo na his­tó­ria in­te­lec­tu­al an­go­la­na. Quan­to a mim, is­to é o mais im­por­tan­te. De res­to, é mem­bro fun­da­dor da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras. O que lhe ga­ran­te a imor­ta­li­da­de, co­mo di­ri­am os ou­tros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.