A ami­za­de são tre­vas di­luí­das

Jornal Cultura - - Eco De Angola -

sen­sa­ção enor­me de fe­li­ci­da­de, sen­tir­mos que par­ti­lha­mos a mes­ma dor e a mes­ma ale­gria, re­pe­tir sem nos aper­ce­ber­mos da mes­ma má­goa, vi­ver­mos os mes­mos mo­men­tos ain­da que lon­ge uns dos ou­tros. Co­mo tron­cos que ali­cer­çam a ár­vo­re que nos faz vi­ver a lon­ge­vi­da­de de uma imen­sa ár­vo­re nes­te quin­tal co­mum, o nos­so, nes­te san­gue que lui e jor­ra pa­ra den­tro nas vei­as que a vi­da nos con­ce­de, re­ga­dos to­dos os di­as pe­la mi­la­gro­sa chu­va que o céu ma­ra­vi­lho­so nos ofe­re­ce, que sai­ba­mos as­sim cum­prir sem obri­ga­ções. O olhar re lec­te a ver­da­de des­sa sen­sa­ção, o es­pe­lho na­tu­ral da nos­sa pe­le en­cos­ta­da co­mo uma di­vin­da­de ofe­re­ci­da, uma re­lí­quia que pou­cos con­se­gui­rão sen­tir ou vi­ven­ci­ar, por is­so vi­va­mos, mas com fe­li­ci­da­de, ver­da­de, na­da se con­se­gue sem que o co­ra­ção as­si­na­le e mar­que ou re­gis­te bem por den­tro das nos­sas cons­ci­ên­ci­as, um ac­to de re le­xão pa­ra que nos sin­ta­mos gran­je­a­dos pe­lo di­vi­no ser que nos apro­va os ac­tos: a vi­da. Sa­bes, sin­to em ca­da so­nho es­se luir noi­te a den­tro, dei­ta­do nas coi­sas bo­as que ima­gi­no e pre­ten­do, um so­nho re­pe­ti­do dia após dia co­mo que de um ali­men­to se tra­tas­se, uma re­fei­ção obri­ga­tó­ria ali­men­tan­do to­dos os mo­men­tos em que sen­ti­mos gra­ti ica­dos em nós mes­mos pe­los ac­tos al­truís­tas des­se sen­ti­men­to na­tu­ral co­mo a ter­ra que nos co­bri­rá um dia: a ver­da­de. Sim, nem sem­pre per­du­ra, nem sem­pre é co­mo ima­gi­na­mos ou pen­sa­mos, tan­tas nos de­si­lu­di­mos e nos sen­ti­mos fe­ri­dos, tan­tas as de­si­lu­sões que nos cas­tram os mo­vi­men­tos, pren­dem­nos tu­do, a vai­da­de se­ca e por ins­tan­tes de­ses­pe­ra­mos, can­sa­mo-nos de ser, exis­tir, pen­sar, fu­gi­mos das fan­ta­si­as decoradas nas ber­mas de es­tra­das lon­gín­quas tal a de­si­lu­são, de­si­lu­são porquê en­tão? Há quem di­ga que só dói quan­do apos­ta­mos, quan­do con ia­mos e acre­di­ta­mos, quan­do já nos sen­ti­mos mem­bros des­sa co­mu­ni­da­de a dois vi­ven­ci­an­do to­dos os di­as e con iden­ci­an­do sem­pre, sim, tu­do se di­lui co­mo tre­vas can­sa­das e o pe­so que sen­ti­mos so­bre a al­ma, o olhar es­tar­re­ci­do e poi­sa­do num além que não exis­te, o olhar fe­cha-se di­an­te de um dia en­so­la­ra­do e be­lo. Que­ria acre­di­tar na sua pre­sen­ça sem­pre, mas nem sem­pre is­so acontece, ela é tão vo­lá­til co­mo o éter das en­fer­ma­ri­as, vai-se.

Cri­an­ça afri­ca­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.