Do­min­gos de Bar­ros Ne­to te­ce fi­a­pos de me­mó­ri­as

Jornal Cultura - - Letras -

omin­gos Fer­nan­des de Bar­ros Ne­to já nos ha­bi­tu­ou a uma es­cri­ta de ex­pres­si­vo cor­te clás­si­co, no es­me­ro da lin­gua­gem e na cla­re­za da ex­po­si­ção das idei­as, co­mo le­mos em Som­bras do Pas­sa­do e Nza­ji, o Úl­ti­mo Con­tra­ta­do.

No pas­sa­do dia 9 de No­vem­bro, Bar­ros Ne­to en­tre­gou ao pú­bli­co lu­an­den­se as su­as Me­mó­ri­as – num Diá­rio Frag­men­ta­do, um re­gis­to de um pe­río­do cru­ci­al da sua vi­da, pin­ta­do a um rit­mo dis­cur­si­vo axio-te­o­ló­gi­co.

As­sim se lê, na pá­gi­na 18: “Sob o pe­so de pro­ble­mas que, tal­vez, nem eu sei bem ex­pli­car, jul­guei opor­tu­no pa­rar no pla­no pró-sa­cer­dó­cio e re lec­tir um pou­co, pa­ra de­pois agir hu­ma­na e nor­mal­men­te.”

To­ma­da es­ta de­ci­são, o jo­vem se­mi­na­ris­ta Do­min­gos Ne­to ini­cia o pe­río­do de dois anos de hi­ber­na­ção sa­cer­do­tal, vi­ven­do na ci­da­de co­mo um vul­gar ci­da­dão, com to­das as di icul­da­des, de­sa ios e ten­ta­ções, em bus­ca da de ini­ti­va cer­te­za da vo­ca­ção.

Num re­gis­to di­a­rís­ti­co, o au­tor re­flec­te so­bre o dia- a- dia da ci­da­de de Lu­an­da e das su­as gen­tes, dos seus me­dos e da sua re­vol­ta, e con­fron­ta­se com os gran­des te­mas da ac­tu­a­li- da­de glo­bal que vai len­do nos jor­nais e ma­ga­zi­nes.

Por is­so, o li­vro que te­mos em mãos é o diá­rio de um ci­da­dão do Cos­mos à pro­cu­ra do sen­ti­do da Hu­ma­ni­da­de e não ape­nas o con li­to ín­ti­mo en­tre a vo­ca­ção pa­ra Deus e o destino “mun­da­no”. Pois que, no vo­lu­me II das Me­mo­ri­as que pa­re­ce te­rão con­ti­nui­da­de até com­ple­tar uma te­tra­lo­gia, o au­tor le­va-nos à Lu­an­da de 1972:

“Ho­je, Lu­an­da apre­sen­ta-se co­mo uma fa­ce de me­ni­na bo­ni­ta, be­la e re­quin­ta­da, mas de uma be­le­za ar­ti ici­al gra­ças às múl­ti­plas mas­sa­gens ar­ti ici­ais, a cos­mé­ti­cos dos mais va­ri­a­dos qua­dran­tes.

Lu­an­da fi­cou be­la, mo­der­na, usa ves­ti­dos, lan­çou fo­ra os pa­nos e qui­mo­nes de ou­tro­ra mas, por bai­xo, sen­te- se o ba­fo de to­da uma hi­po­cri­sia e ci­nis­mos de um a me­ni­na ca­sa­da mas com ví­ci­os as­sus­ta­do­res. Lu­an­da de ho­je é, pa­ra mim, um ver­da­dei­ro enig­ma!”

Co­mo um te­ci­do fei­to de ia­pos dis­per­sos, de me­mo­ri­as re­gis­ta­das em ci­ma dos acon­te­ci­men­tos, es­ta obra a con­ti­nu­ar ves­te bem a nos­sa al­ma se­den­ta de guar­dar um pas­sa­do que apon­ta o ca­mi­nho pa­ra o fu­tu­ro.

Do­min­gos Fer­nan­des de Bar­ros Ne­to - nas­ceu no Ca­zen­go – Kwan­za-Nor­te (An­go­la) em 1945.

Vi­veu a sua in­fân­cia no Don­do (Cam­bam­be), e em Lu­an­da on­de con­cluiu os en­si­nos pri­má­rio e li­ce­al.

For­mou-se em ilo­so ia em Itá­lia e, em An­go­la após a in­de­pen­dên­cia con­cluiu o cur­so de Di­rei­to na Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to.

Foi pro­fes­sor do en­si­no li­ce­al em An­go­la (Lu­an­da, Bai­lun­do, Hu­am­bo Sau­ri­mo e Dun­do).

Tra­ba­lhou na Em­bai­xa­da de Itá­lia em An­go­la co­mo tra­du­tor, as­sis­ten­te co­mer­ci­al e ad­jun­to da área da co­o­pe­ra­ção uni­ver­si­tá­ria ita­lo- an­go­la­na.

Foi igual­men­te Di­re­tor da SADIA - So­ci­e­da­de An­go­la­na dos Di­rei­tos do Au­tor. Pas­sa­do à re­for­ma, de­di­ca-se ac­tu­al­men­te a ac­ti­vi­da­des de ad­vo­ca­cia e, so­bre­tu­do, de sis­te­ma­ti­za­ção li­te­rá­ria.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.