Bar­ros Ne­to

te­ce fi­a­pos de me­mó­ri­as

Jornal Cultura - - Primeira Página -

Fer­nan­do Car­los en­ce­nou em li­vro os acor­des his­tó­ri­co-po­lí­ti­cos de “Rit­mos da Lu­ta – o Sem­ba co­mo fer­ra­men­ta de Li­ber­ta­ção”. Tal co­mo o ro­man­ce his­tó­ri­co, o dra­ma his­tó­ri­co rein­ven­ta o pas­sa­do e res­sus­ci­ta os ac­to­res reais do tem­po mar­ca­do pa­ra du­rar, ac­to­res de uma ce­na imor­tal, tais co­mo Li­ceu Vi­ei­ra Di­as,

Ama­deu Amo­rim, Zé Ma­ria, Eu­cli­des Fon­tes Pe­rei­ra, Ni­no Ndon­go, Má­rio Pin­to de An­dra­de, Lour­des VanDú­nem, Be­li­ta Pal­ma, Ma­ria do Car­mo Me­di­nae mui­tos ou­tros.

Es­ta obra do gé­ne­ro dra­má­ti­co glo­ri ica o Con­jun­to Ngo­la Rit­mos e foi pu­bli­ca­da no Ca­mões-Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês, no pas­sa­do dia 13 de No­vem­bro.

Em de­cla­ra­ções ao jor­nal O PAÍS, o au­tor da obra re­fe­riu que se tra­ta de uma obra que sur­ge pa­ra ho­me­na­ge­ar os na­ci­o­na­lis­tas que es­ti­ve­ram en­vol­vi­dos na lu­ta an­ti-co­lo­ni­al de li­ber­ta­ção, que veio a cul­mi­nar com a in­de­pen­dên­cia a 11 de No­vem­bro de 1975. O historial so­bre as cau­sas que le­va­ram a que se for­mas­se o con­jun­to, a in­tro­du­ção do vi­o­lão na mú­si­ca na­ci­o­nal, com o de­di­lhar do “ma­es­tro” Li­ceu Vi­ei­ra Di­as, no estilo que veio a de­sig­nar-se “Sem­ba” es­tão na ba­se des­ta obra, com 84 pá­gi­nas.

Fer­nan­do Car­los con­tou que sen­tiu­se mo­ti­va­do em re­tra­tar o historial, por se ter “apai­xo­na­do” pe­la cau­sa que es­tes na­ci­o­na­lis­tas abra­ça­ram. “Eles eram as­si­mi­la­dos, ain­da as­sim não se aco­mo­da­ram com a po­si­ção que ti­nham e lu­ta­ram a fa­vor dos in­dí­ge­nas”, apon­tou. “Li­ceu, en­quan­to lí­der do agru­pa­men­to trans­mi­tia es­tra­te­gi­ca­men­te men­sa­gens de li­ber­ta­ção atra­vés da mú­si­ca. Co­mo lhe era per­mi­ti­do can­tar, o rit­mo sur­ge pre­ci­sa­men­te pa- ra não dar a en­ten­der os có­di­gos que pas­sam, e ain­da em lín­gua Kim­bun­du”.

O li­vro co­me­çou a ser es­bo­ça­do em 2015 e só ago­ra icou con­cluí­do. O au­tor dis­se ter en­fren­ta­do al­gu­mas di icul­da­des, so­bre­tu­do no aces­so às fon­tes e ide­li­za­ção das da­tas por ca­da pe­río­do, bem co­mo a li­mi­ta­ção de con­teú­dos a res­pei­to do per­cur­so des­tes ca­ma­ra­das da clan­des­ti­ni­da­de. En­tre­tan­to, foi pos­sí­vel se­rem ul­tra­pas­sa­das à me­di­da que pô­de co­lher de­poi­men­tos do na­ci­o­na­lis­ta Ama­deu Amo­rim, úni­co so­bre­vi­ven­te do con­jun­to Ngo­la Rit­mos, e de Ruy Min­gas, so­bri­nho de Li­ceu Vi­ei­ra Di­as.

Qual­quer nar­ra­ti­va ou dra­ma his­tó­ri­co, mes­mo Mayom­be, de Pe­pe­te­la, é um eco do nos­so tem­po, apor­tam pa­ra a nos­sa era, o ver­da­dei­ro sen­ti­do do hu­ma­nis­mo que os po­de­res po­lí­ti­cos len­ta e pe­no­sa­men­te vão ce­den­do à so­ci­e­da­de.

A abrir o li­vro, na ce­na I, le­mos es­te diá­lo­go en­tre Má­rio Pin­to de An­dra­de e Li­ceu Vi­ei­ra Di­as que le­van­ta o pro­ble­ma mai­or da afri­ca­ni­da­de con­tem­po­râ­nea: a li­ber­ta­ção da al­ma do ho­mem:

“Má­rio – Só se for ago­ra mes­mo e de pé. Te­nho de me apres­sar, vou à Mar­gi­nal de Lu­an­da fo­to­gra­far o sol a es­pre­gui­çar-se, de­pois o mar a as­so­bi­ar o nos­so Sem­ba e os bar­cos que ne­le bai­lam, tra­zen­do e le­van­do vi­das, o cais de sorrisos e cho­ros, os que par­tem de­se­jan­do icar e os que icam de­se­jan­do par­tir.

Fo­to­gra­far tu­do com es­te meu ter­cei­ro olho e guar­dar na mi­nha memória ex­ter­na. O ca­fé agu­ça-me a ins­pi­ra­ção. Vou co­me­çar con­ti­go (ti­ra uma fo­to­gra ia a Li­ceu). Um dia, es­ta fo­to vai pa­rar ao Jor­nal de An­go­la, al­go que te­nho so­nha­do

e vis­lum­bra­do no dia-a-dia de um país li­vre.

Li­ceu (a dar-lhe pal­ma­das su­a­ves nos om­bros) – Es­te teu jei­to nin­guém igua­la, tu­do te sa­be a po­e­ma!

Má­rio – A mi­nha al­ma ado­ra e tu­do fa­ço por ela. Quem so­mos sem a al­ma? Li­ceu – So­mos co­lo­nos. Má­rio (apon­ta no blo­co) – Tem pi­a­da. Um ho­mem sem al­ma é co­lo­no. O Ja­cin­to vai-se ba­bar a rir quan­do ou­vir is­to.”

Mi­to­gra ia do pre­fá­cio

Es­tá de pa­ra­béns a edi­to­ra Asas de Pa­pel, re­cém cons­ti­tuí­da pa­ra com­pe­tir no mer­ca­do edi­to­ri­al an­go­la­no. Só um re­pa­ro: é ur­gen­te ul­tra­pas­sar a mi­to­gra ia do pre­fá­cio. O leitor bus­ca, num li­vro, em pri­mei­ra mão, o dis­cur­so do seu au­tor, não o do au­tor do pre­fá­cio. Em Rit­mos da Lu­ta, o pre­fá­cio de Ki­zua Gour­gel só veio des­to­ar o con­teú­do da pe­ça e dei­tar cá pa­ra fo­ra uma in­con­gruên­cia de to­do o ta­ma­nho ao co­lo­car no mes­mo di­a­pa­são mu­si­cal o Ngo­la Rit­mos e Edu­ar­do Paim e O2. En­tre o Ngo­la Rit­mos e es­tes dois gru­pos da no­va ge­ra­ção não exis­te ne­nhu­ma so­lu­ção de con­ti­nui­da­de.

De igual mo­do di­zer que “já exis­te uma no­va va­ga mu­si­cal de­no­mi­na­da por al­guns de NMA (no­va mú­si­ca an­go­la­na), tam­bém ela ba­se­a­da no res­ga­te e no apri­mo­ra­men­to das li­nhas har­mó­ni­cas e rít­mi­cas nas­ci­das dos Ngo­la Rit­mos. Vá­ri­os no­mes so­nan­tes, ape­sar de jo­vens, têm as­su­mi­do es­ta lin­gua­gem mu­si­cal co­mo a «bos­sa no­va» de An­go­la.” Di­zer is­to é de­mons­trar um des­co­nhe­ci­men­to da al­ma da mú­si­ca an­go­la­na. Pois, se Be­to Gour­gel deu ao ilho o no­me de Ki­zua (kim­bun­du) é pre­ci­sa­men­te pa­ra hon­rar a lu­ta do Ngo­la Rit­mos pe­la iden­ti­da­de cul­tu­ral an­go­la­na. “Bos­sa No­va” é bra­si­lei­ro. Não tem na­da a ver com o Sem­ba. Me­lhor fa­ria o edi­tor em re­mo­ver da obra o pre­fá­cio e em co­lo­car na ca­pa o no­me do seu au­tor. Que con­tri­bui­ção deu, a inal, o pre­fa­ci­a­dor, pa­ra es­ta obra?

Li­ceu Vi­ei­ra Di­as, um dos fun­fa­do­res do gru­po Ngo­la Rit­mos

Má­rio Pin­to de An­dra­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.