Bon­ga

ani­ma Mu­zon­guê da Di­pan­da

Jornal Cultura - - Primeira Página - ANALTINO SAN­TOS

José Ade­li­no Bar­ce­ló de Car­va­lho, “Bon­gaKwen­da, foi a atrac­ção prin­ci­pal do Mu­zon­guê da Di­pan­da, que acon­te­ceu no do­min­go, 11 de No­vem­bro, Dia da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal. Com ca­sa cheia, o Cen­tro Re­cre­a­ti­vo e Cul­tu­ral Ki­lam­ba fe­chou em gran­de a pro­gra­ma­ção de 2018, uma tem­po­ra­da mar­ca­da pe­las ir­re­gu­la­ri­da­des do Tra­di­ci­o­nal Mu­zon­guê, o prin­ci­pal pro­jec­to cul­tu­ral do es­pa­ço.

Um dia de­pois de ter re­ce­bi­do das mãos do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca a Me­da­lha de Bra­vu­ra e de Mé­ri­to Cí­vi­co So­ci­al, o Ze­ca do Mar­çal aque­ceu os pre­sen­tes com o re­per­tó­rio que pre­pa­rou pa­ra es­te am­bi­en­te com sa­bor aos tem­pos do ka­pa­ran­dan­da. De­pois de ter de­gus­ta­do o mu - zon­guê(“cal­dex” ma­ti­nal) e apre­ci­a­do os co­le­gas que o an­te­ce­de­ram foi ao som do ins­tru­men­tal “Bon­gui­nha”, exe­cu­ta­do com Be­ti­nho Fei­jó na gui­tar­ra a se­gu­rar o rit­mo, que co­me­çou a ser mon­ta­do.

Com a di­kan­za a sus­ten­tar o tem­po de pal­co, “Ka­ma­ko­ve”, “Ho­mem do Sa­co” e “Kahom­bo é que pi­ca” le­va­ram o pes­so­al a des­gru­dar das ca­dei­ras. O bai­xo do mo­çam­bi­ca­no Her­na­ni, an­ti­go in­te­gran­te do Tro­pi­calBand, a ba­te­ria do mul­ti- ins­tru­men­tis­ta gui­ne­en­se Gip­son que tam­bém acom­pa­nha­va nos co­ros, o to­que da san­fo­na es­ta­va no acor­deão do por­tu­guês Ci­roBer­tin­ni, to­dos mú­si­cos ex­pe­ri­men­ta­dos e com for­tes li­ga­ções a tra­ba­lhos de an­go­la­nos e que há 11 anos fa­zem par­te do con­jun­to que acom­pa­nha Bon­gaKwen­da, sob a di­rec­ção ar­tís­ti­ca do in­dis­pen­sá­vel Be­ti­nho Fei­jó.

En­tre di­cas e par­la­piés, abor­dan­do as ma­lam­bas e pa­ra dei­xar uma “Lá­gri­ma no can­to do olho” te­ma que icou de fo­ra, ain­da te­ve tem­po pa­ra can­tar o “Kambwá” an­tes de le­var a mí­ti­ca“Mu­lem­baXan­go­la”. Bon­ga, que não icou ape­nas com a di­kan­za, pe­gou na nga­e­ta de bei­ços pa­ra so­prar o “Hi­no do Car­na­val”, re­lem­bran­do far­ras do an­ti­ga­men­te em salões co­mo Ma­ria da Es­kre­ke­nha e ou­tros on­de a po­ei­ra era le­van­ta­da.

“Kis­se­len­gue­nha” e “Ro­ça de Jin­dun­go” a tal Jin­gon­ça fo­ram ou­tros dos tem­pos que mar­ca­ram Bon­ga no pal­co do Ki­lam­ba, fa­zen­do uma ro­da pa­ra não po­der pa­rar num es­pec­tá­cu­lo que va­leu mais pe­lo re­gres­so à ca­sa, pois em ou­tras oca­siões, o ar­tis­ta apre­sen­tou- se em me­lhor for­ma. O fac­to de ter fei­to nas noi­tes an­te­ri­o­res ou­tros con­cer­tos e uma agen­da pre­en­chi­da co­mo a apre­sen­ta­ção do li­vro do li­vro "Bon­ga - mar­cas na ora­li­da­de an­go­la­na" de Fi­lo­me­no Pas­co­al na pas­sa­da quin­ta- fei­ra ( 8) e na cerimónia de Ou­tor­gas de Me­da­lhas no Pa­lá­cio Pre­si­den­ci­al po­de ser apro­vei­ta­da pa­ra o des­con­to.

Fi­ze­ram ain­da par­te do Mu­zon­guè­da Di­pan­da, Ca­la­be­to, Lu­las da Pai­xão, Di­na San­tos, Cris­to e a Ban­da Mo­vi­men­to, Cu­ri­o­so que nas du­as úl­ti­mas pas­sa­gens pe­lo Cen­tro Re­cre­a­ti­vo e Cul­tu­ral Ki­lam­ba, em Abril de 2014 e Se­tem­bro de 2015, Lu­las da Pai­xão, Ca­la­be­to e Di­na San­tos tam­bém cons­ta­vam no car­taz.

Di­na San­tos ain­da tem mui­to pa­ra dar

Di­na San­tos que foi a con­vi­da­da nos es­pec­tá­cu­los da Ca­sa da Mú­si­ca do Ta­la­to­na jus­ti­fi­cou as ra­zões da op­ção por Es­te­vão Cos­ta. A ac­tu­a­ção da au­to­ra de Ma­na Fa­ti­ta dei­xou uma men­sa­gem mui­to for­te, que é im­por­tan­te os pro­mo­to­res cha­ma­rem can­to­ras com his­tó­ria e dei­xa­rem ape­nas de apos­tar nas di­vas da ac­tu­a­li­da­de, au­tên­ti­cas rai­nhas dos cos­mé­ti­cos. Com o la­men­to "Di­vu­aDi­a­mi", "Anel" tam­bém can­ta­da one­leum dos seus mai­o­res su­ces­sos e "Kas­se­que­le", Tia Di­na es­te­ve em gran­de, fa­zen­do re­cor­dar os tem­pos em que era acom­pa­nha­do pe­los Ki­e­zos e Sem­ba Tro­pi­cal Anel. Afas­ta­da dos gran­des pal­cos tem fei­to al­gu­mas, co­mo o con­cer­to de 2016 no Pa­lá­cio de Fer­ro na III Tri­e­nal de Lu­an­da e no Show do Mês de­di­ca­do às vo­zes fe­mi­ni­nas.

Ca­la­be­to, Dom Ca­e­ta­no, Lu­las da Pai­xão, Kris­to e Ban­da Mo­vi­men­to

Ou­tros par­ti­ci­pan­tes da fes­ta da Di­pan­da fo­ram, a Ban­da Mo­vi­men­to que não ape­nas fez o acom­pa­nha­men­to dos ar­tis­tas in­di­vi­du­ais, co­mo apre­sen­tou te­mas do seu re­por­tó­rio, mui­to as­sen­te em te­mas co­nhe­ci­dos da mú­si­ca an­go­la­na em de­tri­men­to dos te­mas do gru­po que cons­tam na sua dis­co­gra­fia.

Ca­la­be­to o ko­taBwé sem­pre ao seu jei­to dei­xou a sua mar­ca, num mo­men­to inu­si­ta­do on­de o ba­te­ris­ta Ro­mão com cãim­bra, foi sub­si­ti­tui­do por Ju­ca. Lu­las da Pai­xão o ani­ver­sa­ri­an­te do dia foi ou­tra voz que fez- se ou­vir. Dom Ca­e­ta­no, o Mes­tre de Ce­rí­mó­nia, tam­bém can­tou e en­can­tou e Kris­to o kan­den­gue do elen­co fe­chou e não de­si­lu­diu com tra­zen­do as ten­dên­ci­as jo­vens fo­ram acei­tes pe­los di­ko­tas.

Bon­ga, a se­me­lhan­ça das gran­des es­tre­las na­ci­o­nais, mais uma vez apre­sen­tou- se lon­ge do gran­de pú­bli­co, pois quer as au­to­ri­da­des que tu­te­lam co­mo os pro­mo­to­res não es­tão pre­o­cu­pa­dos com ac­ti­vi­da­des cul­tu­rais de mas­sa. Nem mes­mo no Dia Na­ci­o­nal o zé po­vi­nho não te­ve a li­ber­da­de de ter aces­so ao di­rei­to de ac­ti­vi­da­des lú­di­cas, co­mo acon­te­cia no pas­sa­do com o Cul­tu­ra em No­vem­bro, ac­ti­vi­da­de on­de de­mo­cra­ti­ca­men­te as ma­ni­fes­ta­ções ar­tis­ti­co­cul­tu­rais che­ga­vam aos po­pu­la­res. No tem­po da ou­tra se­nho­ra pro­mo­to­res co­mo Ri­qui­nho fa­zi­am as fes­tas pa­ra os su­per­vips mas em pa­ra- le­lo ti­nha pa­ra os não vips al­gu­res na ci­da­de de Lu­an­da.

Bon­ga, o ci­da­dão com Me­da­lha de Bra­vu­ra e de Mé­ri­to Cí­vi­co So­ci­al

Qua­tro anos pas­sa­dos da cerimónia ofi­ci­al de con­de­co­ra­ção co­mo Cavaleiro da Or­dem das Ar­tes e das Le­tras, na re­si­dên­cia do Em­bai­xa­dor fran­cês, cu­ri­o­sa­men­te no dia 10 de de­zem­bro de 2014e de­zoi­to anos de­pois do Prê­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­tes em 2010, Bar­celô de Car­va­lho é des­ta fei­ta re­co­nhe­ci­do pe­lo go­ver­no an­go­la­no, com a Me­da­lha de Bra­vu­ra, re­ce­bi­da pe­las mãos do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço.

O ‘ cavaleiro’ fran­cês de Por­to Ki­pi­ri e Mar­çal ago­ra um ci­da­dão an­go­la­no com Bra­vu­ra re­co­nhe­ci­da diz ser es­ta a mai­or dis­tin­ção do seu per­cur­so ar­tis­ti­co.

Do re­co­nhe­ci­men­to do Es­ta­do fran­cês en­con­tra­mos no­mes co­mo de Ce­sa­ri­aE­vo­ra e Teó ilo Chan­tre, am­bos de Ca­bo Ver­de, o es­cri­tor Mia Cou­to, de Mo­çam­bi­que, Ma­nuDi­ban­gu, dos Ca­ma­rões, Gil­ber­to Gil, Chi­co Bu­ar­que, Jor­ge Ama­do (Bra­sil), Amá­lia Rodrigues, José Sa­ra­ma­go (Por­tu­gal), ClintEastwo­od, BobDy­lan (EUA). Do re­co­nhe­ci­men­to na­ci­o­nal ou­tros no­mes que mar­cam as ar­tes e cul­tu­ra cons­tam co­mo: Vi­ri­a­to da Cruz, Li­ceu Vi­ei­ra, Te­ta Lan­do, Jor­ge Ma­ce­do, Al­me­rin­doJa­ka Jam­ba, Vic­tor Tei­xei­ra, Vi­teix e Cre­mil­da Li­ma que de­pois de pro­pos­tos pe­las co­mis­sões pa­ra as Fa­mi­li­as das Con­de­co­ra­ções Ci­vis e Mi­li­ta­res fo­ram acei­tos pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca nas ce­le­bra­ções dos 43 anos da In­de­pen­den­cia Na­ci­o­nal.

José Ade­li­no Bar­ce­ló de Car­va­lho nas­ceu em Lu­an­da a 5 de Se­tem­bro de 1942, Por­to Ki­pi­ri, Bon­gaKwen­da ou se­ja pe­gou e an­dou. O su­ces­so no cam­po ar­tis­ti­co sur­giu de­pois do re­co­nhe­ci­men­to nas pis­tas de atle­tis­mo, com fei­tos nos 200, 400 e 800m em re­pre­sen­ta­ção da se­lec­ção portuguesa. A mú­si­ca sem­pre o acom­pa­nhou no seio fa­mi­li­ar e nos am­bi­en­tes do Mar­çal, on­de fun­dou os Kis­su­eia. An­go­la 72 mar­ca a tro­ca das pis­tas de atle­tis­mo pa­ra ou­tras pis­tas. O LP um gri­to pe­la li­ber­da­de e que foi ba­ni­do pe­lo go­ver­no por­tu­guês foi gra­va­do em me­nos de 24 ho­ras num es­tú­dio em Ro­ter­dão (Ho­lan­da) com ar­tis­tas ca­bo-ver­di­a­nos. De lá pa­ra cá se­gui­ram-se cer­ca de trin­ta obras dis­co­grá icas de ori­gi­nais, vá­ri­as com­pi­la­ções, co­la­bo­ra­ções com ar­tis­tas e te­mas em tri­lhas so­no­ras de il­mes. O seu mais re­cen­te dis­co de es­tú­dio é o Re­ca­dos de Fo­ra um dis­co que ape­sar de ter dois anos de vi­da é pou­co ex­plo­ra­do e co­nhe­ci­do em An­go­la. Nes­te dis­co po­de­mos en­con­tar“Ban­za Remy” em ho­me­na­gem ao ra­di­a­lis­ta fran­cês RemyKol­pa-Ko­poul, um dos mai­o­res di­vul­ga­do­res da sua obra e de ar­tis­tas afri­ca­nos. A ami­ga Ce­sá­ria Evo­ra é lem­bra­da em “Od­jiMa­gua­do” do com­po­si­tor B.le­za um te­ma com a par­ti­ci­pa­ção de Bau no ca­va­qui­nho. “Re­ca­dos de Fo­ra” abre com So­da­de, Meu bem so­da­de” on­de a gui­tar­ra portuguesa com Ri­car­do Par­rei­ra e Ti­a­go Oli­vei­ra tra­zem um Bon­ga no es­pi­ri­to do Fa­co, mas é com o re­frão o que eu co­mi já me che­ga é que es­tá lan­çad“o“Re­ca­do de Fo­ra”. “Es­pa­lha”,“Agua Ras­ca” e “Ma­ri­ko­ta”, “Ou­tros Tem­pos” são ou­tros das 11 can­ções que mar­cam es­te ál­bum que de­ve ser apre­ci­a­do.

Jor­ge Mu­lum­ba e Be­ti­nho Fei­jó

ado cer­ti­fic ado En­treg

Di­na San­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.