A ini­gua­lá­vel po­e­sia de Fre­de­ri­co Nin­gi

Jornal Cultura - - LETRAS -

Fre­de­ri­co Nin­gi é, pa­ra além de um no­me in­con­tor­ná­vel no pa­no­ra­ma das ar­tes vi­su­ais e li­te­rá­ri­as em An­go­la, o mais ori­gi­nal en­tre os seus pa­res e aque­le cu­ja obra, sem dei­xar de cons­ti­tuir um diá­lo­go com as raí­zes, se es­tru­tu­ra so­bre um fei­xe de as­so­ci­a­ções que a tor­na de ime­di­a­to, por im­pac­to di­rec­to, le­gí­vel, atra­en­te e ac­tu­al em qual­quer par­te do mun­do.

Des­de lo­go a ori­gi­na­li­da­de lhe vem de um cons­tan­te cru­zar de dis­ci­pli­nas ar­tís­ti­cas na mes­ma pe­ça, pro­ce­di­men­to inu­su­al en­tre nós, an­qui­lo­sa­dos que fi­cá­mos dé­ca­das e dé­ca­das em po­e­mas ex­clu­si­va­men­te dis­cur­si­vos.

Em mui­tas das pá­gi­nas dos seus li­vros po­de­mos en­con­trar de­se­nho jun­to com tex­to, de tal for­ma en­vol­vi­dos que se tor­nam in­se­pa­rá­veis, na me­di­da em que o de­se­nho não es­tá ali pa­ra ilus­trar o tex­to, nem o tex­to pa­ra des­cre­ver o de­se­nho, mas a pe­ça, a obra, o po­e­ma, a pá­gi­na, são o con­jun­to das du­as coi­sas, um con­jun­to co­mo que fun­di­do nu­ma ima­gem só, ver­bi- vo­co- vi­su­al pa­ra usar uma ex­pres­são ca­ra aos con­cre­tis­tas de São Pau­lo e a al­guns ou­tros ( por exem­plo o por­tu­guês Me­lo e Cas­tro).

Se com­pa­ra­mos, po­rém, es­ses seus tra­ba­lhos aos que ho­je ve­mos em dis­ci­pli­nas hí­bri­das ( sen­do a po­e­sia vi­su­al a mais pró­xi­ma de Nin­gi) no­ta­mos ain­da uma for­te ori­gi­na­li­da­de. Por­que, ge­ral­men­te, os pro­gra­mas con­cre­tis­tas, da po­e­sia vi­su­al e, em par­te, da ar­te­cor­reio, ope­ram so­bre as po­ten­ci­a­li­da­des vi­su­ais das le­tras, ou da man­cha grá­fi­ca; na po­e­sia vi­su­al, por ve­zes, é da ima­gem vi­su­al ( sem qual­quer in­dí­cio ver­bal di­rec­to) que se ex­trai uma su­ges­tão al­fa­bé­ti­ca a ex­plo­rar pe­lo ar­tis­ta, ou es­sa su­ges­tão é di­rec­ta­men­te adap­ta­da a uma for­ma, ou per­fil, da ima­gem vi­su­al que su­ge­re a pro­du­ção ver­bal. No ca­so de Nin­gi is­so não acon­te­ce: as sequên­ci­as ver­bais e as vi­su­a­li­za­ções ocor­rem se­pa­ra­da­men­te, a sua fu­são dá­se ape­nas na ima­gem de con­jun­to.

Lem­bro- me de, qu­an­do éra­mos mais no­vos, ra­bis­car­mos de­se­nhos e pa­la­vras mais ou me­nos co­mo faz Nin­gi nos li­vros até ho­je pu­bli­ca­dos. A prá­ti­ca mais pró­xi­ma des­sa que me ocor­re é a dos hip­pi­es e acre­di­to que vi­es­se de­les, por con­tá­gio da glo­ba­li­za­ção, o nos­so jo­go de le­tras, de­se­nhos e pa­la­vras que, num le­que mais vas­to de pos­sí­veis ori­gens, po­de ir até aos de­se­nhos na areia, a tra­di­ções re­cu­a­das em vá­ri­as par­tes do mun­do, mas na­que­le mo­men­to os hip­pi­es fa­zi­am o mes­mo, mis­tu­ran­do fra­ses lí­ri­cas e de­se­nhos que não ser­vi­am de es­pe­lho às fra­ses, eram ou­tra cons­tru­ção das mes­mas ins­pi­ra­ções, ou se­ja: com ori­gem nas mes­mas ima­gens in­tui­ti­vas de ba­se.

Tam­bém co­mo nes­se tem­po há nos tex­tos de Nin­gi e nos seus de­se­nhos, mui­tas ve­zes, co­mo cor­po in­se­pa­rá­vel, uma par­ti­cu­lar in­ci­dên­cia na men­sa­gem so­ci­al, na de­nún­cia de si­tu­a­ções in­jus­tas, vi­o­len­tas, opres­si­vas ou sim­ples­men­te in­com­pre­en­di­das. É cla­ro que is­so o li­ga, não só aos nos­sos de­se­nhos de ju­ven­tu­de ou ado­les­cên­cia e aos dos hip­pi­es, mas à gran­de tra­di­ção tes­te­mu­nhal e de de­nún­cia da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na, que é qua­se tão an­ti­ga quan­to ela.

Mas is­so tu­do se trans­for­mou. Ho­je a de­nún­cia vi­ve por ve­zes de vi­su­a­li­za­ções mais sub­tis, de in­si­nu­a­ções, alu­sões e a apro­pri­a­ção dos mei­os in­for­má­ti­cos con­tri­buiu for­te­men­te pa­ra uma tal evo­lu­ção.

Mas tu­do is­so fi­ca­rá, por en­quan­to, por di­zer. A obra de Nin­gi me­re­ce um es­for­ço e um es­pa­ço mui­to mais alar­ga­do de re le­xão que pres­su­põe es­pe­rar­mos ain­da por de­sen­vol­vi­men­tos ul­te­ri­o­res, ou­vir­mos e ler­mos ou­tras in­ter­pre­ta­ções apro­fun­dan­do as­pec­tos da obra e ter­mos tem­po, tem­po de ru­mi­nar pa­ra abar­cá- la num es­tu­do de con­jun­to. Quem sa­be, mais tar­de. FRAN­CIS­CO SO­A­RES Pro­fes­sor Uni­ver­si­tá­rio Tex­to pu­bli­ca­do no Jor­nal de An­go­la de 6 de No­vem­bro, 2011.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.