Ma­nu­e­la Ve­nân­cio es­treia-se com te­se so­bre A Eco­no­mia Não-Ofi­ci­al Ur­ba­na em Lu­an­da

Jornal Cultura - - LETRAS -

sa, cau­sa­das pe­la eco­no­mia pa­ra­le­la, que trou­xe­ram con­sequên­ci­as ne­fas­tas pa­ra aque­le país. É es­te o mo­te de Eco­no­mia Não-O ici­al Ur­ba­na em Lu­an­da (1960-1996), um es­tu­do le­va- do a ca­bo pe­la eco­no­mis­ta Ma­nu­e­la Ve­nân­cio pa­ra es­cla­re­cer dú­vi­das de­ma­si­a­do an­ti­gas que in­sis­tem em não ver res­pos­ta. Quem é res­pon­sá¬vel pe­la cri­se em An­go­la? E pe­la cri­a­ção de uma men­ta­li­da­de de des­mo­ra­li­za­ção da vi­da pú­bli­ca? Quem apro­vei­tou o ban­que­te? Quem icou com os res­tos? As res­pos­tas es­tão à dis­tân­cia da lei­tu­ra des­te es­tu­do, com o qual a au­to­ra, an­ti­ga téc­ni­ca su­pe­ri­or nos mi­nis­té­ri­os do Co­mér­cio e da In­dús­tria em An­go­la, pre­ten­de dar um con­tri­bu­to pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to e sus­ten­ta­bi­li­da­de da eco­no­mia an­go­la­na. Nes­te es­tu­do, pro­cu­ra-se com­pre­en­der me­lhor as di­nâ­mi­cas so­ci­ais sub­ja­cen­tes à eco­no­mia sub­ter­râ­nea. Pa­ra que An­go­la se de­sen­vol­va, mui­to te­rá de mu­dar. Es­te é o con­tri­bu­to de Ma­nu­e­la Ve­nân­cio pa­ra es­sa mu­dan­ça. Di­ri­gi­do aos jo­vens es­tu­dan­tes que quei­ram com­pre­en­der e pes­qui­sar os fac­to­res que con­tri­buí­ram pa­ra es­se mo­men­to da his­tó­ria an­go­la­na e, as­sim, exer­cer o seu ele­va­do pa­pel nos es­for­ços de mo­ra­li­za­ção da so­ci­e­da­de.

A AU­TO­RA

Ma­nu­e­la Ve­nân­cio nas­ceu em Lu­an­da em 1962. Li­cen­ci­a­da em Eco­no­mia pe­la Fa­cul­da­de de Eco­no­mia da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to em 1990; mes­tre em De­sen­vol­vi­men­to So­ci­al e Eco­nó­mi­co em Áfri­ca pe­lo ISCTE em 1997; e pós-gra­du­a­da em Ges­tão pe­la Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as Eco­nó­mi­cas e Em­pre­sa­ri­ais da Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca Por­tu­gue­sa em 2013. Fez ain­da vá­ri­os cur­sos avan­ça­dos na área de ges­tão de em­pre­sas na Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca Por­tu­gue­sa, An­go­la Scho­ol of Ma­na­ge­ment, Es­co­la de Di­rec­ção e Ne­gó­ci­os ( Por­tu­gal) e Kel­logg Scho­ol of Ma­na­ge­ment ( EUA). Tra­ba­lhou em An­go­la, co­mo téc­ni­ca su­pe­ri­or no Mi­nis­té­rio do Co­mér­cio e no Mi­nis­té­rio da In­dús­tria, e em Por­tu­gal, co­mo as­ses­so­ra fi­nan­cei­ra em vá­ri­as em­pre­sas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.