Le­ga­do de uma ge­ra­ção Mor­reu Stan Lee, o cri­a­dor de he­róis

Jornal Cultura - - DIÁLOGO INTERCULTURAL -

ban­da de­se­nha­da mun­di­al fi­cou mais po­bre. Mor­reu Stan Lee, o cri­a­dor de her óis. A Amé­ri­ca do Nor­te já cho­rou a sua mor­te, ocor­ri­da no dia 12 de No­vem­bro. Ago­ra res­ta ao mun­do mos­trar a fal­ta que um dos íco­nes da cul­tu­ra pop vai dei­xar, as­sim co­mo já o fi­ze­ram an­tes no­mes co­mo Walt Dis­ney, Her­gé, com “Tin­tim”, ou Al­bert Uder­zo, em “As­te­rix”.

Mas quem vai dei­xar mais sau­da­des é o cri­a­dor de uni­ver­sos: Stan Lee. Dos seus es­cri­tos nas­ce­ram he­róis que mar­ca­ram e ain­da o fa­zem to­da uma ge­ra­ção. É um le­ga­do que com cer­te­za pre­va­le­ce­rá por anos. Mes­mo com o “bo­om” de no­vos es­ti­los co­mo os man­gás ja­po­ne­ses no mer­ca­do da ban­da de­se­nha­da mun­di­al, o “uni­ver­so” de Stan Lee pre­va­le­ceu e vin­cou, em par­te gra­ças as no­vas tec­no­lo­gi­as e a che­ga­da (em gran­de) dos he­róis no ci­ne­ma.

A per­gun­ta que ica é: o que o di­fe­re dos ou­tros ar­gu­men­tis­tas e de­se­nha­do­res da sua épo­ca que tam­bém cri­a­ram he­róis? A res­pos­ta (em es­pe­ci­al aos a ici­o­na­dos pe­la ban­da de­se­nha­da) é hu­ma­nis­mo. Stan Lee deu aos seus lei­to­res he­róis hu­ma­nos, com pro­ble­mas co­muns, co­mo qual­quer um de nós. Qu­an­do per­so­na­gens co­mo “Ho­mem-Ara­nha” sur­giu o público te­ve de se acos­tu­mar a um su­per-he­rói fran­zi­no (sem os ha­bi­tu­ais mús­cu­los) e cheio de pro­ble­mas, que vi­via di­vi­di­do en­tre a es­co­la e a vi­da de he­rói. Era co­mo qual­quer um de nós.

Es­ta hu­ma­ni­za­ção aju­dou a ver as per­so­na­gens da Mar­vel, es­tú­dio em que tra­ba­lhou e aju­dou a tor­nar-se nu­ma mar­ca de re­fe­rên­cia mun­di­al no “uni­ver­so” da ban­da de­se­nha­da, co­mo pes­so­as pró­xi­mas a nós. O público e a crí­ti­ca na al­tu­ra re­a­gi­ram fa­vo­ra­vel­men­te e tor­na­ram es­tes he­róis uma par­te da cul­tu­ra pop que até ho­je pre­va­le­ce.

Es­ta acei­ta­ção, que ago­ra tem uma le­gião de fãs gra­ças a pro­jec­ção que ga­nhou nos ci­ne­mas, tam­bém se tor­nou nu­ma for­ma de pas­sar uma men­sa­gem po­si­ti va aos seus leit ores, cri­an­do a pos­si­bi­li­da­de de en­si­nar va­lo­res aos jo­vens. Atra­vés das su­as per­so­na­gens as su­as men­sa­gens ga­nha­ram vi­da e se tor­na­ram re­fe­rên­ci­as. Uma das fra­ses de Stan Lee que se­tor­nou num adá­gio po­pu­lar é usa­da pe­la per­so­na­gem “Ho­mem-Ara­nha” e ho­je por qua­se to­dos: “Com gran­de po­der vem gran­de res­pon­sa­bi­li­da­de”.

Co­mo leitor es­sa fra­se sem­pre te­ve mui­ta im­por­tân­cia, em­bo­ra não sai­ba se na al­tu­ra pa­ra o seu cri­a­dor te­ve tal im­pac­to, afi­nal, co­mo con­tou uma vez em en­tre­vis­ta, “Eu nun­ca pen­sei que o Ho­mem-Ara­nha fos­se se tor­nar o íco­ne mun­di­al que ele é. Eu só es­pe­ra­va que os li­vros ven­des­sem pa­ra eu man­ter o em­pre­go”. Che­ga até a ser hi­lá­rio. Mas as­sim era o cri­a­dor de he­róis, que de­pois de mui­to a vi­ver por trás das su­as per­so­na­gens, co­me­çou a fa­zer pe­que­nas par­ti­ci­pa­ções nos fil­mes da Mar­vel.

“Eu cos­tu­ma­va icar en­ver­go­nha­do por­que era ape­nas um es­cri­tor de his­tó­ri­as em ban­da de­se­nha­da, en­quan­to ou­tras pes­so­as es­ta­vam a cons­truir pontes ou ir pa­ra car­rei­ras mé­di­cas. E en­tão co­me­cei a per­ce­ber: o en­tre­te­ni­men­to é uma das coi­sas mais im­por­tan­tes na vi­da das pes­so­as. Sem is­so, eles não con­se­guem sair do fun­do do po­ço. Acho que, se vo­cê é ca­paz de en­tre­ter as pes­so­as, vo­cê es­tá a f azer uma coi­sa boa”, dis­se em 2010, nu­ma en­tre­vis­ta ao “The Washing­ton Post”.

Nes­te seu es­ti­lo ca­rac­te­rís­ti­co, Stan Lee deu mui­tas ale­gri­as aos seus lei­to­res. Em­bo­ra as su­as per­so­na­gens fos­sem mui­to hu­ma­nas e chei­as de pro­ble­mas, mes­mo sen­do he­róis, ele mos­trou a to­dos que é pos­sí­vel su­pe­rar as ad­ver­si­da­des da vi­da e, às ve­zes, com uma boa do­se de hu­mor.

“É um tre­men­do de­sa io, por­que mui­tos per­so­na­gens têm si­do cri­a­dos ao lon­go dos anos. To­da vez que vo­cê pen­sa que con­se­gue um óti­mo no­me, des­co­bre que al­guém já fez is­so. So­nhar com his­tó­ri­as não é tão di ícil. Cri­ar um bom tí­tu­lo é a par­te mais di ícil”, con­fes­sou uma vez em 2012 nu­ma en­tre­vis­ta a re­vis­ta “Es­qui­re”.

Ago­ra, com a sua mort e, aos 95 anos de ida­de, a Mar­vel per­de um dos seus qua­dros de des­ta­que e o mun­do per­de um “en­ter­tai­ner da vi­da”. “Meu pai amou to­dos seus fãs. Ele era o me­lhor ho­mem e o mais de­cent e”, co­men­tou a fi­lha do edi­tor, Jo­an Ce­lia Lee, na se­gun­da-fei­ra, dia 12, em Los An­ge­les, Ca­li­fór­nia, acres­cen­tan­do que ele so­fria de pneu­mo­nia e ti­nha pro­ble­mas nos olhos.

CAR­REI­RA

Stan­ley Mar­tin Li­e­ber nas­ceu em 1922, em No­va York, nos Es­ta­dos Uni­dos. Co­me­çou a tr aba­lhar em ban­da de­se­nha­da (BD) com o pseu­dó­ni­mo de Stan Lee em 1939, con­tra­ta­do por John Go­od­man, fun­da­dor da Ti­mely Pu­bli­ca­ti­ons e pri­mo da sua mu­lher, Jo­an.

Ele se tor­nou um dos no­mes mais im­por­tan­tes da BD nor­te-ame­ri­ca­na ao cri­ar su­per-he­róis co­mo Ho­memA­ra­nha, Thor, Hulk, X-Men, Pan­te­ra Ne­gra, Ho­mem de Fer­ro, Dou­tor Es­tra­nho e De­mo­li­dor.

Ar­gu­men­tis­ta e edi­tor da Mar­vel, foi um dos res­pon­sá­veis por trans­for­mar a em­pre­sa na mai­or edi­to­ra de BD do mun­do a par­tir de 1961. Após a mu­dan­ça do no­me da edi­to­ra, pri­mei­ro pa­ra Atlas Co­mics, e de­pois pa­ra Mar­vel Co­mics, Stan Lee re­vo­lu­ci­o­nou o mer­ca­do ao mo­der­ni­zar o gé­ne­ro de he­róis com cri­a­ções pa­ra um público mais ve­lho, co­mo o lan­ça­ment o de “Qu­ar­te­to Fan­tás­ti­co”.

Com dra­mas fa­mi­li­a­res e he­roís­mos que uti­li­za­vam ele­men­tos da ic­ção ci­en­tí ica, as his­tó­ri­as aju­da­ram na fa­ma de per­so­na­gens mais com­ple­xos e re­a­lis­tas da Mar­vel em re­la­ção à sua prin­ci­pal con­cor­ren­te, a DC.

O mes­mo acon­te­ceu com o Ho­memA­ra­nha em 1962, um jo­vem ado­les­cen­te que di­vi­dia su­as aven­tu­ras com pro­ble­mas no co­lé­gio e con­tas a pa­gar, e se tor­nou num dos he­róis mais po­pu­la­res da BD. Em parceria com ar­tis­tas co­mo Jack Kirby e Ste­ve

Dit­ko, Stan Lee ain­da cri­ou ou­tros per­so­na­gens icô­ni­cos, co­mo Hulk, Thor, Ho­mem de Fer­ro e De­mo­li­dor. Em 1963, com a ca­be­ça no mo­vi­men­to por di­rei­tos ci­vis de ne­gros no Es­ta­dos Uni­dos, lan­çou os X-Men, uma equi­pe de mu­tan­tes que er am mar­gi­na­li­za­dos e hos­ti­li­za­dos pe­los hu­ma­nos.

Além dis­so, ele de­sa iou a or­ga­ni­za­ção de cen­su­ra da in­dús­tria de BD nor­te-ame­ri­ca­na, o Co­mics Co­de Autho­rity, in­di­rec­ta­men­te le­van­do-a a ac­tu­a­li­zar su­as po­lí­ti­cas. Em 1994, Stan Lee foi in­tro­du­zi­do no Will Eis­ner Award Hall of Fa­me, um ano de­pois no Jack Kirby Hall of Fa­me e foi dis­tin­gui­do com a Na­ti­o­nal Me­dal of Arts, em 2008.

BD AO CI­NE­MA

DA Em 1981, Stan Lee tr ans­for­mou os seus he­róis em de­se­nhos ani­ma­dos exi­bi­dos por emis­so­ras de TV. Qu­an­do a Mar­vel Co­mics e a Mar­vel Pro­duc­ti­ons f oram ad­qui­ri­das pe­la New World En­ter­tain­ment em 1986, os ho­ri­zon­tes do cri­a­dor fo­ram se ex­pan­di­do ain­da mais. Stan Lee te­ve a opor­tu­ni­da­de de se en­vol­ver mais pro­fun­da­men­te na cri­a­ção e de­sen­vol­vi­men­to de il­mes e se­ri­es de TV.Ele cons­tan­te­men­te fa­zia apa­ri­ções nas pro­du­ções do es­tú­dio.

Nos úl­ti­mos anos, tor­nou-se um íco­ne e a ca­ra pú­bli­ca da Mar­vel Co­mics. Fez apa­ri­ções em con­ven­ções de his­tó­ri­as em BD pe­los EUA, pa­les­tran­do e par­ti­ci­pan­do em dis­cus­sões. Mu­dou­se pa­ra a Ca­li­fór­nia em 1981 pa­ra de­sen­vol­ver as pro­pri­e­da­des de te­le­vi­são e il­mes da Mar­vel.

Du­ran­te a r evo­lu­ção da Int er­net, cri­ou o StanLee.net, que per­ten­cia a uma com­pa­nhia se­pa­ra­da e ad­mi­nis­tra­da por ou­tros que ti­nha co­mo con­cei­to mis­tu­rar ani­ma­ção on­li­ne com ti­ras de BD tra­di­ci­o­nais, mas a com­pa­nhia icou co­nhe­ci­da pe­la sua má ad­mi­nis­tra­ção e ir­res­pon­sa­bi­li­da­de

inan­cei­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.