Os­sos do Ofí­cio, de An­tó­nio Ole

Com a cri­a­ti­vi­da­de de “Os­sos do Ofí­cio”, An­tó­nio Ole pres­ta uma ho­me­na­gem à me­mó­ria dos que já par­ti­ram, por­que “os mor­tos de­sa­pa­re­cem, mas re­nas­cem na nos­sa me­mó­ria.”

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA -

No­mes co­mo os de Ruy Du­ar­te de Car­va­lho, Her­ber­to Hél­der e Jo­sé Rodrigues cons­tam da ho­me­na­gem fei­ta pe­lo ar­tis­ta plás­ti­co An­tó­nio Ole, na sua mais re­cen­te ex­po­si­ção in­di­vi­du­al “Os­sos do O ício”, inau­gu­ra­da dia 27 de No­vem­bro, no Ca­mões, em Lu­an­da, e aber­ta ao público até ao dia 19 de Ja­nei­ro de 2019.

O ar­tis­ta reu­niu um con­jun­to de 50 obras de ex­pres­sões di­ver­si ica­das, de­sig­na­da­men­te de pin­tu­ra, fo­to­gra ia e ins­ta­la­ção, na gran­de mai­o­ria iné­di­tas, em que faz alu­são ao meio sé­cu­lo de car­rei­ra ar­tís­ti­ca que tem vin­do a de­sen­vol­ver. “É ine­vi­tá­vel que, ao che­gar a es­te pa­ta­mar, mais de cin­quen­ta anos a tra­ba­lhar em ar­tes vi­su­ais, me ocor­ra ago­ra re­ver al­gu­mas aven­tu­ras re­cen­tes, ou­tras mais an­ti­gas, em­bo­ra is­so não fa­ça par­te da mi­nha pra­xis ha­bi­tu­al.

De­te­nho-me pou­co a olhar pa­ra trás”, re­ve­la. O ar­tis­ta re­fe­re ain­da que ao lon­go do tem­po tem en­con­tra­do es­sa li­ga­ção ín­ti­ma en­tre a re­a­li­da­de e a ma­triz poé­ti­ca que lhe dá “ali­men­to”, que lhe dá “ci­men­to”. “A ar­te, às ve­zes, tam­bém se faz a par­tir de qua­se na­da, da­qui­lo que se pres­sen­te ape­nas”, apon­ta.

O ar­tis­ta dis­se que, pa­ra apre­sen­tar es­sa ex­po­si­ção, foi ne­ces­sá­rio “um la­bor cri­a­ti­vo que pros­se­gue com o mes­mo es­pí­ri­to ex­pe­ri­men­tal e li­te­rá­rio, pe­la pin­tu­ra, pe­la fo­to­gra ia, pe­la es­cul­tu­ra e pe­la ins­ta­la­ção que ao lon­go de um per­cur­so eclé­ti­co e mul­ti­dis­ci­pli­nar de mais de meio sé­cu­lo de en­can­ta­men­to e per­tur­ba­ção no mun­do da ar­te”.

Qu­es­ti­o­na­do quan­to aos de­mais pro­jec­tos, o ar­tis­ta dis­se que exis­tem vá­ri­as idei­as e ini­ci­a­ti­vas pa­ra pros­se­cu­ção dos mes­mos, mas es­tão con­di­ci­o­na­dos fa­ce ao mo­men­to de re­ces­são eco­nó­mi­ca que o país atra­ves­sa de uma ma­nei­ra ge­ral. As­sim co­mo a pin­tu­ra, pro­jec­tos ao ní­vel da ci­ne­ma­to­gra ia tam­bém icam em “stand by”, pe­las mes­mas ra­zões, pois, co­mo con­si­de­rou, o ci­ne­ma é um pro­du­to ca­ro que re­quer inan­ci­a­men­tos, de ma­nei- ra a que o re­sul­ta­do inal se­ja de qua­li­da­de e apre­ci­a­do pe­lo público. A di­rec­to­ra do es­pa­ço, Te­re­sa Ma­teus, sa­li­en­tou ser uma gran­de hon­ra e pri­vi­lé­gio pa­ra o Ca­mões aco­lher mais uma ex­po­si­ção de An­tó­nio Ole, não só pe­la ex­ce­lên­cia no tra­ba­lho, mas tam­bém, pe­la ele­va­ção e sen­ti­do de so­li­da­ri­e­da­de e hu­ma­ni­da­de que ca­rac­te­ri­za o seu per il pes­so­al.

An­tó­nio Ole nas­ceu em Lu­an­da, em 1951. Es­tu­dou Cul­tu­ra Afro- Ame­ri­ca­na e Ci­ne­ma na UCLA (Uni­ver­sity of Ca­li­fór­nia, Los An­ge­les). É di­plo­ma­do pe­lo Cen­ter for Ad­van­ced Film Stu­di­es no Ame­ri­can Film Ins­ti­tu­te, Los An­ge­les. Foi bol­sei­ro em 1983/84 da Gulf Foun­da­ti­on nos EUA e em 1995/96 do Cen­tro Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra em Lis­boa, ten­do si­do igual­men­te be­ne iciá­rio de uma bol­sa do Prin­ce Claus Fund, the Ha­gue, Bol­sa DAAD, Ber­lim (Ale­ma­nha).

En­tre vá­ri­os tra­ba­lhos apre­sen­ta­dos, An­tó­nio Ole, tem ti­do re­sul­ta­dos po­si­ti­vos que o le­va­ram a par­ti­ci­par em vá­ri­as ex­po­si­ções in­di­vi­du­ais, co­lec­ti­vas bem co­mo tem par­ti­ci­pa­ções em co­lec­ções, as­sim co­mo na sé­ti­ma ar­te o que lhe me­re­ceu pré­mi­os na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais com re­al­ce pa­ra o Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­tes (2004) em Lu­an­da. Es­tu­dou Cul­tu­ra Afro-Ame­ri­ca­na e Ci­ne­ma na Ucla (Uni­ver­sity of Ca­li­fór­nia, Los An­ge­les). É di­plo­ma­do pe­lo Cen­ter for Ad­van­ced Film Stu­di­es, no Ame­ri­can Film Ins­ti­tu­te, Los An­gels.

Os ho­me­na­ge­a­dos

Ruy Du­ar­te de Car­va­lho foi um es­cri­tor, ci­ne­as­ta e an­tro­pó­lo­go an­go­la­no, fa­le­ci­do a 12 de Agos­to de 2010. Já Her­ber­to Hél­der foi um po­e­ta por­tu­guês, nas­ci­do no Fun­chal e que fa­le­ceu a 23 de Mar­ço de 2015. Ao pas­so que Jo­sé Rodrigues no­ta­bi­li­zou-se nas ar­tes plás­ti­cas, ten­do nas­ci­do nos bair­ro dos Co­quei­ros em Lu­an­da, e fa­le­ceu na ci­da­de do Por­to (Por­tu­gal), a 10 de Se­tem­bro de 2016.

An­tó­nio Ole e Te­re­sa Ma­teus, no Ca­mões

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.