1

Jornal Cultura - - Eco De Angola -

. O pa­tri­mó­nio afri­ca­no exi­bi­do ou ar­ma­ze­na­do em co­lec­ções mu­se­o­ló­gi­cas ou pri­va­das es­pa­lha­das pe­lo mun­do de­ve ser de­vol­vi­do aos seus paí­ses de ori­gem. As obras de ar­te e os ob­jec­tos que fa­zem par­te des­ses acer­vos não são dos paí­ses que ac­tu­al­men­te os pos­su­em e exi­bem. Es­se ma­te­ri­al per­ten­ce à he­ran­ça cul­tu­ral dos paí­ses afri­ca­nos (se­gun­do o re­la­tó­rio en­co­men­da­do pe­lo pre­si­den­te fran­cês, Em­ma­nu­el Ma­cron, cer­ca de 90 por cen­to da he­ran­ça cul­tu­ral de Áfri­ca es­tá fo­ra do seu con­ti­nen­te de ori­gem, ao pas­so que os mu­seus afri­ca­nos es­tão pra­ti­ca­men­te va­zi­os) e é de­ver mo­ral das an­ti­gas po­tên­ci­as co­lo­ni­ais res­ti­tuí­rem aqui­lo que foi ob­ti­do com re­cur­so à vi­o­lên­cia ou atra­vés de re­la­ções em que o ven­de­dor es­ta­va nu­ma po­si­ção de des­van­ta­gem re­la­ti­va­men­te ao com­pra­dor. Na­da jus­ti ica que os eu­ro­peus te­nham um aces­so pri­vi­le­gi­a­do a es­sas obras e ob­jec­tos, mui­tos de­les sa­gra­dos pa­ra as cul­tu­ras afri­ca­nas. Pro­ce­der a es­sa de­vo­lu­ção é o mais cor­rec­to, o mais jus­to, o mais de­cen­te e o mais dig­no. Ini­ci­ar es­se pro­ces­so é um pas­so fun­da­men­tal pa­ra re­ver­ter a vi­o­lên­cia im­pe­ri­al em que ain­da as­sen­tam mui­tos mu­seus e ga­le­ri­as de ar­te eu­ro­peus e nor­te- ame­ri­ca­nos (on­de ain­da sub­sis­te, em tan­tos e tan­tos ca­sos, a ima­gem de que a cul­tu­ra oci­den­tal é su­pe­ri­or à afri­ca­na, e on­de se con­ti­nua a re­pro­du­zir o mi­to do afri­ca­no sel­va­gem e pri­mi­ti­vo, de­di­ca­do à ma­gia ne­gra ou à fei­ti­ça­ria), e uma for­ma de di­zer­mos ine­qui­vo­ca­men­te que es­se pas­sa­do im­pe­ri­a­lis­ta per­ten­ce ape­nas ao pas­sa­do e que ne­le de­ve icar en­ter­ra­do pa­ra sem­pre. Não se tra­ta de obli­te­rar, es­que­cer ou rein­ven­tar es­se pas­sa­do, tra­ta-se sim­ples­men­te de re­co­nhe­cer que, ho­je, já não nos re­ve­mos nas prá­ti­cas le­va­das a ca­bo por mui­tos dos nos­sos an­te­pas­sa­dos, e que re­jei­ta­mos a vi­são ra­cis­ta e co­lo­ni­a­lis­ta que per­mi­tiu o sa­que e o rou­bo des­ses ob­jec­tos. É fun­da­men­tal trans­mi­tir es­ta men­sa­gem às no­vas ge­ra­ções, en­si­nar- lhes e ex­pli­car- lhes que a nos­sa vi­da de­ve as­sen­tar em va­lo­res co­mo a to­le­rân­cia, o res­pei­to pe­la dig­ni­da­de e a opi­nião dos ou­tros, a li­ber­da­de de ex­pres­são, o es­pí­ri­to crí­ti­co, etc. Tal co­mo têm di­rei­to aos seus re­cur­sos e às su­as ma­té­ri­as- pri­mas, os paí­ses que fo­ram co­lo­ni­za­dos tam­bém têm di­rei­to à pro­du­ção sim­bó­li­ca e cul­tu­ral dos avós dos seus avós. Não me pre­o­cu­pa em ab­so­lu­to que al­guns mu­seus eu­ro­peus iquem va­zi­os, con­si­de­ro mes­mo que es­ta é uma opor­tu­ni­da­de de ou­ro pa­ra as ins­ti­tui­ções cul­tu­rais eu­ro­pei­as se rein­ven­ta­rem, re­vi­ta­li­za­rem e re­ju­ve­nes­ce­rem. Di­to de ou­tro mo­do, a des­co­lo­ni­za­ção das ins­ti­tui­ções eu­ro­pei­as, e do nos­so co­nhe­ci­men­to so­bre Áfri­ca, por via do re­pa­tri­a­men­to des­sas obras obri­gá­las-á a ques­ti­o­na­rem e a re­pen­sa­rem a sua es­tru­tu­ra. A ar­te e os ar­tis­tas eu­ro­peus, des­de lo­go, be­ne ici­a­rão com is­so, pois ha­ve­rá mais es­pa­ço dis­po­ní­vel pa­ra mos­tra­rem os seus tra­ba­lhos, tal co­mo as pró­pri­as téc­ni­cas mu­se­o­ló­gi­cas e de cu­ra­do­ria, que te­rão de fa­zer um no­vo per­cur­so de au­to­crí­ti­ca e mo­der­ni­za­ção. Mas es­te pro­ces­so de de­vo­lu­ção se­rá ain­da um pri­mei­ro pas­so na ur­gen­te re­con­fi­gu­ra­ção das re­la­ções di­plo­má­ti­cas, eco­nó­mi­cas e ci­en­tí­fi­cas en­tre os paí­ses eu­ro­peus e os paí­ses afri­ca­nos. Is­so pro­mo­ve­rá re­la­ções de co­la­bo­ra­ção cul­tu­ral e ci­en­tí­fi­ca que a to­dos be­ne­fi­ci­a­rá, obri­ga­rá à re­co­lha sis­te­má­ti­ca de in­for­ma­ções so­bre a pro­ve­ni­ên­cia e as tra­jec­tó­ri­as des­ses ob­jec­tos, te­rão de ser fei­tos in­ven­tá­ri­os ri­go­ro­sos, lis­tas das obras e ob­jec­tos rou­ba­dos, etc. Tu­do is­so de­sen­vol­ve­rá a in­ves­ti­ga­ção e a par­ti­lha de co­nhe­ci­men­tos en­tre co­mu­ni­da­des ci­en­tí­fi­cas, por­que vai ter de ha­ver mui­ta dis­cus­são so­bre a quem de­vem ser res­ti­tuí­dos es­ses ob­jec­tos ( se ao Es­ta- do, se aos her­dei­ros dos an­ti­gos pro­pri­e­tá­ri­os, se a co­mu­ni­da­des na­ti­vas que trans­cen­dem as fron­tei­ras na­ci­o­nais, etc.) e quais as mo­da­li­da­des da sua res­ti­tui­ção. O des­ti­no e o fu­tu­ro des­ses ob­jec­tos le­van­ta­rá tam­bém ques­tões re­la­ci­o­na­das com a sua pre­ser­va­ção, ma­nu­ten­ção e con­ser­va­ção. Pa­ra que tal pos­sa ser fei­to, os go­ver­nos eu­ro­peus e afri­ca­nos de­ve­rão cri­ar co­mis­sões de des­co­lo­ni­za­ção li­de­ra­das por es­pe­ci­a­lis­tas, des­de lo­go aca­dé­mi­cos e pro­fis­si­o­nais dos mu­seus das na­ções en­vol­vi­das nes­tes pro­ces­sos, gen­te de re­co­nhe­ci­da ido­nei­da­de ci­en­tí­fi­ca, com au­to­no­mia pa­ra to­mar de­ci­sões, ou se­ja, com in­de­pen­dên­cia dos po­lí­ti­cos. A es­tes úl­ti­mos ca­be­rá, so­bre­tu­do, es­tu­dar al­te­ra­ções às ac­tu­ais leis do pa­tri­mó­nio e cri­ar con­di­ções pa­ra que se­jam efec­tu­a­das au­di­to­ri­as aos mu­seus e às co­lec­ções pri­va­das. Re­su­min­do: se­rá um pro­ces­so de­mo­ra­do, que pos­si­vel­men­te nem fi- ca­rá to­tal­men­te re­sol­vi­do e con­cluí­do du­ran­te a mi­nha ge­ra­ção.

2.

To­dos sa­bem que a es­ma­ga­do­ra mai­o­ria das obras e ob­jec­tos cri­a­dos e pro­du­zi­dos por afri­ca­nos, an­tes ou du­ran­te o pe­río­do co­lo­ni­al, fo­ram apro­pri­a­dos por fun­ci­o­ná­ri­os co­lo­ni­ais, mi­li­ta­res, mis­si­o­ná­ri­os, an­tro­pó­lo­gos, ex­plo­ra­do­res, aven­tu­rei­ros, etc. sem o con­sen­ti­men­to dos seus au­to­res ou pro­pri­e­tá­ri­os. Mui­tas des­sas pe­ças, an­tes de te­rem sur­gi­do nos mu­seus e ga­le­ri­as oci­den­tais, fo­ram co­mer­ci­a­li­za­das nos mer­ca­dos eu­ro­peus e nor­te-ame­ri­ca­nos, e mui­tas pes­so­as en­ri­que­ce­ram e ize­ram car­rei­ras uni­ver­si­tá­ri­as gra­ças à pi­lha­gem des­ses ob­jec­tos. Por­tan­to, mui­tas des­sas obras es­tão man­cha­das de san­gue, fo­ram rou­ba­das à for­ça, atra­vés de ac­ções vi­o­len­tas de con­quis­ta co­lo­ni­al e de ex­pe­di­ções pu­ni­ti­vas. Sem­pre que se con­se­guir pro­var que fo­ram ob­ti­dos ile­gi­ti­ma­men­te, es­ses ob­jec­tos de­vem ser res­ti­tuí­dos, tal co­mo fo­ram e de­vem con­ti­nu­ar a ser res­ti­tuí­das, aos ju­deus e não só, as obras rou­ba­das pe­los ale­mães du­ran­te a II Guer­ra Mun­di­al. Tal co­mo de­ve­ri­am ser res­ti­tuí­das as obras rou­ba­das pe­los exér­ci­tos fran­ce­ses, no sé­cu­lo XIX, du­ran­te as in­va­sões na­po­leó­ni­cas. On­de, já ago­ra, Por­tu­gal tem e de­ve­ria ter uma pa­la­vra a di­zer.

3.

O ar­gu­men­to de que as obras não es­ta­rão se­gu­ras nos paí­ses afri­ca­nos de on­de são ori­gi­ná­ri­as é um dis­la­te, pa­ra não di­zer pi­or. Ain­da há pou­co tem­po foi inau­gu­ra­do em Da­kar, no Se­ne­gal, um dos maiores mu­seus do mun­do – Mu­seu das Ci­vi­li­za­ções Ne­gras – que dis­põe de 14 mil me­tros qua­dra­dos de es­pa­ço e ca­pa­ci­da­de pa­ra exi­bir 18 mil obras e ob­jec­tos de­di­ca­dos às ci­vi­li­za­ções afri­ca­nas (a sua di­men­são já le­vou mui­tos a com­pa­rá-lo ao Na­ti­o­nal Mu­seum of Afri­can Ame­ri­can His­tory, si­tu­a­do em Washing­ton). A ideia tem mais de 50 anos e foi pro­pos­ta pe­lo pri­mei­ro pre­si­den­te do Se­ne­gal, Léo­pold Sé­dar Senghor. E o Con­go es­tá a pre­pa­rar o seu pró­prio mu­seu em Kinsha­sa. Por cer­to, al­guns paí­ses afri­ca­nos te­rão de in­ves­tir em in­fra-es­tru­tu­ras ca­pa­zes de re­ce­ber es­sas obras, cons­truin­do ou re­qua­li ican­do mu­seus, ga­le­ri­as, ar­ma­zéns, es­tu­dan­do e pon­do em prá­ti­ca téc­ni­cas de se­gu­ran­ça e de pre­ser­va­ção des­ses ob­jec­tos, de mo­do a evi­tar a sua de­te­ri­o­ra­ção e de­gra­da­ção. Tam­bém aí a co­la­bo­ra­ção en­tre paí­ses se­rá im­por­tan­te, pois po­de­rão ser es­ta­be­le­ci­dos pro­to­co­los en­tre ins­ti­tui­ções, em­pre­sas e go­ver­nos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.