1

Jornal Cultura - - Eco De Angola -

. É fac­to que as pers­pec­ti­vas pós- co­lo­ni­al e de­co­lo­ni­al en­con­tram re­sis­tên­cia de aca­dé­mi­cos ain­da mui­to ar­rai­ga­dos às pers­pec­ti­vas eu­ro­pei­as de es­cri­ta da his­tó­ria. Se o es­pa­ço do dis­cur­so ci­en­tí ico es­tá em fran­ca dis­pu­ta, os de­ba­tes que ul­tra­pas­sam os mu­ros das uni­ver­si­da­des são ain­da mais en­ges­sa­dos. A nar­ra­ti­va he­ge­mó­ni­ca se­gue pre­do­mi­nan­te­men­te co­lo­ni­al, as so­ci­e­da­des do Sul do mun­do per­ma­ne­cem su­bal­ter­ni­za­das e in­fe­ri­o­ri­za­das nas es­cri­tas o ici­as da his­tó­ria. Por tu­do is­so, acre­di­to que a re­cu­pe­ra­ção do pa­tri­mó­nio de ori­gem afri­ca­na nas co­lec­ções es­pa­lha­das pe­lo mun­do é uma ini­ci­a­ti­va lou­vá­vel. É um de­ba­te ne­ces­sá­rio e ur­gen­te em um mo­men­to em que res­sur­gem no­vas idei­as de in­to­le­rân­cia às di­fe­ren­ças ét­ni­cas e so­ci­o­cul­tu­rais. Tor­nar pú­bli­co o de­ba­te so­bre o te­ma da cons­tru­ção de um “ou­tro” co­lo­ni­za­do e a for­ma co­mo ocor­reu o en­ri­que­ci­men­to do Nor­te do pla­ne­ta me pa­re­ce mais do que nun­ca ful­cral. O pre­si­den­te da Fran­ça, por exem­plo, dis­se ser ina­cei­tá­vel que par­te da he­ran­ça cul­tu­ral da Áfri­ca es­te­ja no seu país, por is­so pla­neia a res­ti­tui­ção des­se le­ga­do pa­ra o con­ti­nen­te afri­ca­no. Es­se é um pon­to de par­ti­da re­le­van­te, mas ica a per­gun­ta: es­se no­vo olhar do pas­sa­do que faz com que os paí­ses co­lo­ni­za­do­res en­fren­tem o seu pas­sa­do de ex­plo­ra­ção co­lo­ni­al le­va­rá a adop­ção de ou­tras for­mas de re­pa­ra­ção? Co­mo as re­la­ções com o pas­sa­do po­dem ilu­mi­nar a cons­tru­ção de um pre­sen­te mais in­clu­si­vo e igua­li­tá­rio uma vez que, co­mo ar­gu­men­tam al­guns, a per­ma­nên­cia de bens cul­tu­rais na­ci­o­nais na Eu­ro­pa re­pre­sen­ta a ma­nu­ten­ção do co­lo­ni­a­lis­mo e da de­si­gual­da­de?

Creio que são ques­tões em aber­to e os ca­mi­nhos a tri­lhar pa­ra pro­por me­di­das efec­ti­vas são os mais di­ver­sos. Ain­da as­sim, pen­so que an­tes de tu­do é pre­ci­so per­gun­tar, tra­zer à to­na as­sun­tos por ve­zes ve­la­dos: co­mo mu­seus eu­ro­peus aca­ba­ram por cons­ti­tuir acer­vos in­tei­ros com ob­jec­tos das mais va­ri­a­das cul­tu­ras ao re­dor do glo­bo? Quais pro­ces­sos per­pas­sam es­sa in­cor­po­ra­ção? Por exem­plo, so­men­te o mu­seu Du Qu­ai Branly, em Pa­ris, abri­ga mais de 70 mil itens da Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na na sua co­lec­ção.

E, nes­te sen­ti­do, é pre­ci­so re­cor­rer a in­ves­ti­ga­ções ci­en­tí icas que tra­cem a his­tó­ria da cons­ti­tui­ção dos acer­vos mu­se­o­ló­gi­cos. Ca­da um des­ses per­cur­sos con­tri­bui­rá pa­ra a trans­pa­rên­cia do pro­ces­so de re­for­mu­la­ção de afri­ca­na no mun­do, que foi pro­ces­so per­pas­sa­do por to­da a sor­te de vi­o­lên­ci­as per­pe­tra­das, por exem­plo, pe­lo trá ico de es­cra­vi­za­dos e o co­lo­ni­a­lis­mo, mas tam­bém pe­lo en­rai­za­men­to de sa­be­res, epis­te­mo­lo­gi­as, for­mas de ver o mun­do, téc­ni­ca, es­té­ti­cas ar­tís­ti­cas que os afri­ca­nos le­va­ram con­si­go (ou que os ob­jec­tos sub­traí­dos re­pre­sen­tam). Es­ses po­de­ro­sos veí­cu­los cri­a­ti­vos tor­na­ram pos­sí­veis a pre­ser­va­ção e cri­a­ção de me­mó­ri­as. Ca­da ob­jec­to afri­ca­no es­pa­lha­do pe­lo mun­do é um le­ga­do dos afri­ca­nos aos seus des­cen­den­tes, uma he­ran­ça po­de­ro­sa de re­sis­tên­cia que ilu­mi­na o pas­sa­do e for­ta­le­ce o pre­sen­te. Pen­so que é pre­ci­so que os afri­ca­nos sai­bam dis­so, co­nhe­çam es­sas he­ran­ças. Nes­te sen­ti­do, a res­ti­tui­ção de obras afri­ca­nas aos paí­ses que ho­je es­ta­be­le­cem co­ne­xões com os an­ti­gos rei­nos e es­ta­dos afri­ca­nos é re­co­nhe­cer que a ci­ên­cia mo­der­na, a cul­tu­ra mun­di­al de-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.