O es­ti­lo é o pró­prio ho­mem

Jornal Cultura - - Letras -

Buf­fon (Ge­or­ge-Louis Le­clerc), que ele em­pre­gou no seu dis­cur­so de re­cep­ção na Aca­de­mia Fran­ce­sa, a 25 de Agos­to de 1753. Foi uma a ir­ma­ção mui­to con­tro­ver­sa no seio da crí­ti­ca li­te­rá­ria da épo­ca, mas pou­pa­rei a pa­ci­ên­cia do meu even­tu­al lei­tor adu­zin­do, pa­ra sim­pli icar, uma pas­sa­gem de um in­te­res­san­te en­saio do re­pu­ta­do in­ves­ti­ga­dor Ar­tur Mo­rão, que nes­te ca­so jul­go apli­cá­vel:

“A be­le­za do es­ti­lo con­cer­ne, pois, ao tra­va­men­to in­ter­no das idei­as e à sua po­tên­cia de ver­da­de em tor­no de um te­ma nu­cle­ar; diz res­pei­to ao mo­vi­men­to e à co­e­rên­cia das ra­zões, à per­ti­nên­cia e en­sam­bla­du­ra (!) ló­gi­cas da ar­gu­men­ta­ção e da des­cri­ção do ob­jec­to, à ar­qui­tec­tu­ra de um pla­no que se vai trans­for­man­do em obra, e não tan­to ao ca­rác­ter li­te­rá­rio.”

Até que pon­to a con­ver­gên­cia des­tes re­qui­si­tos, ale­ga­da­men­te pro­du­to­res de “be­le­za”, le­va ao es­ta­be­le­ci­men­to de um pa­drão nor­ma­ti­vo, tan­to ser­ve ao dis­cur­so aca­dé­mi­co de um pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio co­mo ao dis­cur­so li­te­rá­rio de um es­cri­tor de ro­man­ces ou mes­mo ao dis­cur­so ‘tem­pe­ra­do´ de um cro­nis­ta de jor­nais. Don­de: câ­no­ne, co­mo mo­dus fa­ci­en­di, só mes­mo o de nor­ma ecle­siás­ti­ca…

Quan­to a mo­de­los, há tan­tos quan­to o per­mi­tem a ima­gi­na­ção e a ar­te. Ima­gi­na­ção pa­ra com­por ou re­com­por o re­al, ar­te pa­ra com a pa­la­vra cer­ta co­mu­ni­car a men­sa­gem ou sen­ti­do de­se­ja­dos - co­mo o pin­tor usa o de­se­nho e a cor pa­ra trans­mi­tir a sua pró­pria vi­são no ob­jec­to ex­pos­to. As­sim pro­ce­de­ram os es­cri­to­res Má­rio de An­dra­de e Gui­ma­rães Ro­sa no Bra­sil, Lu­an­di­no Vi­ei­ra e Wa­nhen­ga Xi­tu em Angola, ou Mia Cou­to em Mo­çam­bi­que, co­mo mui­tos ou­tros au­to­res no­tá­veis, em vá­ri­as épo­cas, que não adop­ta­ram o

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.