“Ma­king a li­ving in the dry se­a­son”,

Jornal Cultura - - Artes -

aking a Li­ving in the Dry Se­a­son ( Fa­zer pe­la vi­da no Ca­cim­bo), da an­tro­pó­lo­ga Inês Pon­te, e exi­bi­do no pas­sa­do mês de No­vem­bro no Cen­tro Cul­tu­ral Bra­sil-Angola, é um fil­me de in­ves­ti­ga­ção ba­se­a­do nu­ma lon­ga per­ma­nên­cia da au­to­ra uma al­deia agro­pas­to­ril das ter­ras al­tas na pro­vín­cia do Na­mi­be, em Angola. O fil­me é um re­tra­to ín­ti­mo do dia- a- dia de uma fa­mí­lia que exa­mi­na, atra­vés da prá­ti­ca da cri­a­ção de bo­ne­cas, uma du­pla no­ção de tra­ba­lho, is­to é, o tra­ba­lho na ela­bo­ra­ção e o tra­ba­lho pa­ra ga­nhar a vi­da.

“Foi um alí­vio quan­do Ma­du­ki­la­xi co­me­çou a cri­ar a bo­ne­ca que eu lhe pe­di al­gum tem­po atrás, por­que eu po­de­ria fil­mar to­do o pro­ces­so. Ten­do vi­vi­do nu­ma fa­zen­da nas mon­ta­nhas de Angola por cer­ca de seis me­ses, eu es­pe­rei cer­ca de um mês pa­ra a mi­nha an­fi­triã cri­ar uma bo­ne­ca pa­ra o meu pro­jec­to de pes­qui­sa”, ex­pli­ca a an­tro­pó­lo­ga. Fi­nal­men­te, quan­do ela co­me­çou a cri­ar, ela

foi ex­plí­ci­ta so­bre o mo­ti­vo de seu atra­so: “Ond­ji­la nond­ja­la, no dji­tun­ga ova­na vaI­nes!”. Ten­do apren­di­do Olunya­ne­ka des­de a sua che­ga­da, fi­nal­men­te Pon­te en­ten­deu o co­men­tá­rio: “a fo­me da [ esta­ção se­ca] es­tá che­gan­do e eu es­tou fa­zen­do uma bo­ne­ca pa­ra Inês!” O co­men­tá­rio de Ma­du­ki­la­xi tam­bém abriu o de­sa­fio de fa­zer um fil­me et­no­grá­fi­co so­bre es­ta obra do ar­te­sa­na­to lo­cal.

Ma­king a Li­ving é ba­se­a­do nesse pe­di­do pa­ra a Ma­du­ki­la­xi pa­ra fa­zer uma bo­ne­ca. Por is­so, o fil­me exa­mi­na uma du­pla no­ção de tra­ba­lho, con­sis­tin­do no tra­ba­lho de ela­bo­ra­ção do brin­que­do e no tra­ba­lho de ga­nhar a vi­da. Nes­te ín­ti­mo re­tra­to do dia- a- dia de uma fa­mí­lia, Li­pu­le­ni, a fi­lha pe­que­na de Ma­du­ki­la­xi, tam­bém acom­pa­nha o tra­ba­lho e no fi­nal as três mu­lhe­res ce­le­bram os seus es­for­ços com uma fes­ta.

De ca­riz et­no­grá­fi­co, es­ta nar­ra­ti­va de 35 mi­nu­tos mos­tra a vi­da du­ra nu­ma al­deia lo­ca­li­za­da nu­ma re­gião se­miá­ri­da que tem uma cur­ta esta­ção chu­vo­sa com chu­vas ir­re­gu­la­res e uma lon­ga esta­ção se­ca com es­cas­sez re­gu­lar de su­pri­men­to de ali­men­tos, e in­cor­po­ra o co­nhe­ci­men­to so­bre o mé­to­do de fa­zer bo­ne­cas e so­bre o fil­me co­mo pes­qui­sa.

O il­me ana­li­sa oku­tun­ga (ar­te­sa­na­to) com ovi­lin­ga (tra­ba­lho) de ma­nei­ra re le­xi­va. A il­ma­gem foi e ins­pi­ra­da nas abor­da­gens de Ruy Duarte de Car­va­lho se­gun­do o qual que o cer­ne do il­me et­no­grá ico con­sis­te nu­ma re le­xão so­bre a pro­du­ção dan­do voz cor­pó­rea aos par­ti­ci­pan­tes il­ma­dos, co­mo for­ma de dar voz aos que não têm voz.

Ma­king a Li­ving in the Dry Se­a­son foi pro­du­zi­do em 2016 e re­ce­beu men­ção hon­ro­sa no fes­ti­val “Fra­mes – Por­tu­gue­se Film Fes­ti­val” na Sué­cia.

A au­to­ra

Inês Pon­te nas­ceu em 1979, em Por­tu­gal, e es­tu­dou An­tro­po­lo­gia Vi­su­al no Rei­no Uni­do, com for­ma­ção em Do­cu­men­tá­rio e An­tro­po­lo­gia So­ci­al a par­tir de ca­sa. Des­de 2006, tra­ba­lha co­mo edi­to­ra, ope­ra­do­ra de câ­ma­ra, pro­du­to­ra, pes­qui­sa­do­ra e as­sis­ten­te de re­dac­ção de pro­jec­tos do­cu­men­tais e de pes­qui­sa na Ín­dia, Bra­sil, Por­tu­gal, Angola e Rei­no Uni­do. Ac­tu­al­men­te en­si­na cur­sos teó­ri­cos e prá­ti­cos so­bre ci­ne­ma e vi­su­a­li­da­de, con­ce­be e co­la­bo­ra em pro­jec­tos au­di­o­vi­su­ais e me­dia com ba­se em Por­tu­gal e em Angola.

Ce­na­do fil­me car­taz Ma­king a Li­ving Li­pu­le­ni a me­ni­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.