Mor­reu Fer­nan­do Gon­çal­ves, cri­a­dor de Zé da Fis­ga, o sol­da­do por­tu­guês que não que­ria guer­ra

Jornal Cultura - - Artes -

Guer­ra Co­lo­ni­al tam­bém foi no­ti­ci­a­da hu­mo­ris­ti­ca­men­te. Atra­vés do car­to­on Zé da Fis­ga, pu­bli­ca­do no jor­nal O Mi­au e nas re­vis­tas A Pa­la­vra e No­tí­cia, pu­bli­ca­ções com se­de em Lu­an­da, Fer­nan­do Gon­çal­ves deu a co­nhe­cer o sol­da­do que, ape­sar de es­tar na guer­ra, era con­tra ela.

Fa­le­ceu a 9 de De­zem­bro de 2018 Fer­nan­do Gon­çal­ves (Nan­do) em Por­tu­gal. Nos tem­pos mais re­cen­tes, era mú­si­co e to­ca­va vi­o­li­no pa­ra além de ou­tros ins­tru­men­tos.

Fer­nan­do Gon­çal­ves nas­ceu a 2 de Fe­ve­rei­ro de 1940 na Pó­voa de Var­zim no seio de uma fa­mí­lia nu­me­ro­sa. Foi na Es­co­la Pri­má­ria da Pó­voa de Var­zim que Fer­nan­do Gon­çal­ves mos­trou ter vo­ca­ção pa­ra as ar­tes. Aos 12 anos, en­trou no cur­so de Pin­tu­ra da Es­co­la de Ar­tes De­co­ra­ti­vas So­a­res dos Reis, no Por­to”. Aos 15 anos, ter­mi­na o cur­so de Pin­tu­ra e co­me­ça a tra­ba­lhar no Por­to co­mo de­se­nha­dor pu­bli­ci­tá­rio.

Fez a re­cru­ta em Mafra e con­cluiu o cur­so de sar­gen­tos em Ta­vi­ra. Pas­sou ain­da por La­me­go, on­de com­ple­tou o cur­so de ca­ça­do­res es­pe­ci­ais, e por Lis­boa. Foi na ca­pi­tal, no Ba­ta­lhão de Ca­ça­do­res n.º 5, em Cam­po­li­de, que de­se­nhou um bo­ne­co que mais tar­de foi bap­ti­za­do “Zé da Fis­ga”. A 22 de No­vem­bro de 1962 par­tiu pa­ra Angola.

Ain­da mi­li­tar, Fer­nan­do Gon­çal­ves co­me­çou a pu­bli­car ima­gens do Zé da Fis­ga, as­si­na­das com o pseu­dó­ni­mo Nan­do, no jor­nal hu­mo­rís­ti­co O Mi­au e na re­vis­ta A Pa­la­vra, a pre­to e bran­co. A co­res, o Zé da Fis­ga sur­ge pe­la pri­mei­ra vez na re­vis­ta No­tí­cia em 1965. É Cha­rul­la de Aze­ve­do, en­tão di­rec­tor-ad­jun­to da No­tí­cia, que con­vi­da Fer­nan­do Gon­çal­ves a in­te­grar a equi­pa, co­mo che­fe do de­par­ta­men­to de de­se­nho. com­pra­va tu­do que eu pro­du­zia.

A ca­ri­ca­tu­ra apre­sen­ta o sol­da­do por­tu­guês des­ta­ca­do em Angola, far­da­do com uni­for­me de cam­pa­nha (ca­mu la­do) e com uma is­ga no bol­so di­rei­to. Tra­ta-se de um sol­da­do, re­cru­ta­do à for­ça, sem qual­quer am­bi­ção de se­guir car­rei­ra mi­li­tar, que gos­ta mui­to de cer­ve­ja e ain­da mais de mu­lhe­res de to­das as ra­ças. “O Zé da Fis­ga era um sol­da­do que não que­ria guer­ra. Nes­te car­to­on con­ta­va-se uma guer­ra pa­cí ica, on­de o “ini­mi­go” nun­ca apa­re­cia. A sim­pli­ci­da­de do de­se­nho tor­na­va-o per­cep­tí­vel a le­tra­dos e anal­fa­be­tos.

Os de­se­nhos eram fei­tos “em ci­ma da ho­ra. Iam à cen­su­ra pou­co tem­po an­tes de en­tra­rem na má­qui­na.” Ape­nas uma vez, ga­ran­te o car­to­o­nis­ta, o de­se­nho foi cen­su­ra­do. Na ima­gem em cau­sa, o Zé trans­por­ta nos bra- ços uma mu­lher de ra­ça bran­ca. Re­gres­sam de uma “far­ra”, vi­si­vel­men­te al­co­o­li­za­dos. No de­se­nho há uma pla­ca com a fa­mo­sa fra­se de con­tes­ta­ção à guer­ra dos ame­ri­ca­nos no Vi­et­na­me – “Ma­ke­lo­ve, notwar”. “A re­dac­ção in­for­mou-me que os cen­so­res não ti­nham dei­xa­do pas­sar o de­se­nho. Co­mo já não ha­via tem­po pa­ra fa­zer ou­tro car­to­on e a pá­gi­na ti­nha que ser ocu­pa­da, mo­di iquei a men­sa­gem pa­ra ‘Ma­kewarwith­lo­ve’ e as­sim já pas­sou.”O Zé da Fis­ga con­quis­tou fa­ma em Angola. Fer­nan­do Gon­çal­ves re­gres­sa à Pó­voa de Var­zim em 1975. Na me­tró­po­le, os jor­nais O Pri­mei­ro de Ja­nei­ro e Jor­nal de No­tí­ci­as in­te­res­sa­ram-se pe­lo Zé da Fis­ga mas o au­tor não acei­ta as pro­pos­tas. “Não que­ria que o Zé fos­se ca­rim­ba­do por ten­dên­ci­as po­lí­ti­cas de di­rei­ta (O Pri­mei­ro de Ja­nei­ro) ou de es­quer­da ( Jor­nal de No­tí­ci­as). O Zé da Fis­ga não ti­nha na­da a ver com po­lí­ti­ca. A ní­vel pes­so­al, eu sem­pre fu­gi da po­lí­ti­ca e o Zé tam­bém, ele que era um anar­ca…”

Fer­nan­do gon­çal­ves

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.