“TPA e ou­tras his­tó­ri­as” de Ngu­xi dos San­tos

Jornal Cultura - - História -

ma obra so­bre um em­pre­en­di­men­to do sec­tor da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al, co­mo a Te­le­vi­são Pú­bli­ca de Angola, po­de ser es­tru­tu­ra­da se­gun­do di­ver­sos ân­gu­los ou pris­mas de abor­da­gem: his­tó­ri­co, po­lí­ti­co, so­ci­al, cul­tu­ral, edi­to­ri­al ou tec­no­ló­gi­co, bem co­mo o per il e as per­cep­ções que os uten­tes têm des­te ser­vi­ço pú­bli­co. Ngu­xi dos San­tos, ho­mem que co­nhe­ce os can­tos da ca­sa, es­co­lheu o ân­gu­lo pró­prio do seu tra­ba­lho de jor­na­lis­ta, pro­du­tor re­a­li­za­dor te­le­vi­si­vo: o ân­gu­lo me­diá­ti­co-opi­na­ti­vo, com a sua car­ga de emo­ção in­ti­mis­ta. Por­tan­to, es­ta­mos pe­ran­te um en­qua­dra­men­to his­tó­ri­co- igu­ra­ti­vo num pla­no di­fe­ren­te da­que­le a que o Ngu­xi es­ta­va ha­bi­tu­a­do a tra­tar as coi­sas da nos­sa ter­ra: o pla­no da ob­jec­ti­va. Mas, mes­mo no pla­no do jor­na­lis­mo im­pres­so, há uma trans­fe­rên­cia do há­bi­to de il­mar e fo­to­gra­far, pa­ra es­te li­vro cu­jas ima­gens fa­lam mais que as pa­la­vras, no re­al sen­ti­do do ter­mo.

Uma ou­tra abor­da­gem da TPA, po­de­ria, por exem­plo, op­tar pe­lo ân­gu­lo da ima­gé­ti­ca, do lo­gó­ti­po. Pa­ra ser sin­ce­ro, quan­do olho pa­ra o mais re­cen­te lo­go da TPA, vem-me à men­te a mos­tra de uma tam­pa de gar­ra­fa de be­bi­da. O no­vo lo­gó­ti­po dá a im­pres­são de uma ré­pli­ca da tam­pa das gar­ra­fas da Co­caCo­la. O me­lhor lo­gó­ti­po que a TPA já te­ve foi, na ver­da­de, o sím­bo­lo ico­no­grá ico da vi­são hu­ma­na. Aque­le, sim, ilus­tra­do com di­ver­sas co­res, des­lum­bra­va mais do que o ini­ci­al, que eram só as le­tras da si­gla TPA, nas­ci­da da RPA. To­das es­tas trans­for­ma­ções do sím­bo­lo da TPA da­ri­am ma­té­ria pa­ra um es­tu­do se­quen­ci­al so­bre a his­tó­ria da esta­ção no con­tex­to da his­tó­ria do país, a co­me­çar pe­lo no­me de um mé­dium que nas­ceu an­tes da in­de­pen­dên­cia, ten­do vin­do a ser pen­sa­do e ten­ta­do sem su­ces­so des­de 1962 e cu­ja si­gla ini­ci­al en­trou pa­ra a si­gla da Re­pú­bli­ca Po­pu­lar de Angola (RPA).

E já que es­ta­mos com a mão na mas­sa, va­mos mis­tu­rá-la com um pou­co de cal pa­ra con­so­li­dar me­lhor o mu­ro men­tal, di­zen­do que, nes­te sé­cu­lo XXI, ul­tra­pas­sá­mos a era da Al­deia Glo­bal, tão ca­ra a Marshall McLuhan, e nos in­ter­pe­ne­tra­mos nu­ma pro­mis­cui­da­de ab­so­lu­ta cha­ma­da Apar­ta­men­to Glo­bal. Se, nu­ma al­deia, o ci­da­dão tem um es­pa­ço ve­ge­tal den­so pró­xi­mo pa­ra ir tra­tar de as­sun­tos mais ín­ti­mos, num apar­ta­men­to, es­se mes­mo ci­da­dão es­tá li­te­ral­men­te ex­pos­to.

Nes­ta re­a­li­da­de virtual, a Te­le­vi­são subs­ti­tuiu o al­tar fa­mi­li­ar do tem­po dos ro­ma­nos e da Ida­de Mé­dia. Ho­je, a fa­mí­lia reú­ne-se, à noi­te, em tor­no des­se al­tar pa­ra mais uma no­ve­la.

O mun­do de ho­je es­tá as­sim fas­ci­na­do, hip­no­ti­za­do pe­lo ecrã, gran­de ou do ta­ma­nho do an­droid, que pra­ti­ca­men­te se me­ta­mor­fo­se­ou no no­vo deus e no so is­ti­ca­do di­a­bo da nos­sa era. Es­te fas­cí­nio con­fe­re à TV uma du­pla mis­são sa­gra­da e pro­fa­na.

Mas is­to vem des­de os tem­pos pré- his­tó­ri­cos, pois fo­ram en­con­tra­das nas ca­ver­nas ima­gens de ani­mais com oi­to pa­tas, nas quais o ilus­tra­dor quis im­pri­mir o ac­to em mo­vi­men­to. Es­ta pai­xão pe­la ilus­tra­ção ci­né­ti­ca da re­a­li­da­de foi con­ce­bi­da e exe­cu­ta­da co­mo um ri­tu­al mi­to­ló­gi­co, por­tan­to, uma coi­sa so­bre­na­tu­ral e che­ga aos nos­sos di­as tal co­mo ini­ci­ou. Mas, a hu­ma­ni­da­de não co­me­çou a co­mu­ni­car-se pe- la ima­gem. Foi pe­lo gri­to pré-his­tó­ri­co. E se­rá es­te gri­to que pre­va­le­ce­rá, no im da ci­vi­li­za­ção do pe­tró­leo, em que os jor­nais e os apa­re­lhos de te­le­vi­são se es­fu­ma­rão. Por is­so, é que, em­bo­ra Ngu­xi dos San­tos te­nha for­ma­ta­do a TPA nas pá­gi­nas des­te li­vro, ti­ve de vir eu aqui fa­lar-vos do mes­mo li­vro. Es­te é ou­tra as­pec­to que su­ge­re, já, o ce­ná­rio apo­ca­líp­ti­co que aca­bei de anun­ci­ar: a hu­ma­ni­da­de es­tá a ler ca­da vez me­nos. E os an­go­la­nos, com des­ta­que ne­ga­ti­vo pa­ra a ju­ven­tu­de es­tu­dan­til, mui­to me­nos ain­da.

Por es­sa ra­zão os ad­mi­nis­tra­do­res e ou­tros téc­ni­cos da TPA, da TV Zim­bo e da ZAP de­vem a icar far­tos de ver o Jo­sé Luís Men­don­ça en­trar-lhes pe­la por­ta den­tro dos ga­bi­ne­tes ou dos te­le­fo­nes com a mes­ma pro­pos­ta que tem a ver com o apro­vei­ta­men­to da fun­ção sa­gra­da da TV: a Edu­ca­ção.

Vem mes­mo a ca­lhar es­ta opor­tu­ni­da­de em que ce­le­bra­mos com o Ngu­xi dos San­tos o im­pé­rio da TPA, pa­ra re­for­çar o diá­lo­go com os mé­dia áu­dio-vi­su­ais so­bre a in­tro­du­ção de um pro­gra­ma de 10 a 20 mi­nu­tos so­bre Lín­gua Po­ru­gue­sa. Quem ama a al­ma co­mum de to­dos os an­go­la­nos, so­fre com o es­ta­do caó­ti­co em que a lín­gua vei­cu­lar se en­con­tra no nos­so país. Bas­ta ou­vir na te­le­vi­são um di­rec­tor na­ci­o­nal de um ór­gão do Es­ta­do a di­zer que “ca­da um vi­ve de acor­do ao seu sa­lá­rio”, ou o mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, que de­via pre­ser­var a al­ma da na­ção, co­lo­car um pos­ter na rua com o anún­cio de um se­mi­ná­rio de “12 à 24 de Mar­ço”, (com acen­to gra­ve na pre­po­si­ção “a”), ou ain­da pas­sar por uma via e de­pa­rar­mo-nos com uma ta­bu­le­ta da Ode­bre­cht as­sim: “Cur­va à 100 me­tros”, com acen­to gra­ve no “a”. Eu su­gi­ro ao Go­ver­no que ti­re de ini­ti­va­men­te a cra­se da gra­má­ti­ca. Que se es­cre­va a pre­po­si­ção “a” sem acen­to ne­nhum, por que ape­nas a co­lo­ca­mos on­de nun­ca de­ve ser co­lo­ca­da e re­ti­ra­mos o acen­to on­de, na ver­da­de, a gra­má­ti­ca man­da co­lo­cá-la. Quem se co­nec­ta aos ca­nais in­ter­na­ci­o­nais vai des­co­brir pro­gra­mas e tem­pos de an­te­na de 24 ho­ras es­pe­ci ica­men­te de­vo­ta­dos ao En­si­no do In­glês e das Ma­te­má­ti­cas ou Ci­ên­ci­as bi­o­ló­gi­cas. Os nos­sos es­tu­dan­tes, des­de o en­si­no pri­má­rio, ca­re­cem des­te pa­pel sa­gra­do da nos­sa te­le­vi­são.

To­da es­ta con­ver­sa par­tiu da ini­ci­a­ti­va de Ngu­xi dos San­tos de pu­bli­car TPA e Ou­tras His­tó­ri­as. His­tó­ri­as do po­vo que to­dos os di­as se cru­za no jan­go da TPA. O li­vro en­qua­drou sob es­ta te­má­ti­ca 40 en­tre­vis­tas, 40 vo­zes da TPA, com um his­to­ri­al de tra­ba­lho em prol da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al an­go­la­na.

O úni­co ór­gão de co­mu­ni­ca­ção an­go­la­no que não per­deu o “p”. Um ór­gão que já foi a pre­to e bran­co e ho­je é co­lo­ri­do. O nos­so úni­co meio de en­tre­te­ni­men­to nos tem­pos da guer­ra e da ca­res­tia so­ci­al. Nesse tem­po, quan­do fal­ta­va a luz, so­fría­mos um apa­gão na al­ma. Por is­so é que quan­do a luz vol­ta­va, ba­tía­mos pal­mas. Era por cau­sa de vol­tar­mos a ver as no­ve­las O bem Ama­do e a Ga­bri­e­la, os Tra­pa­lhões, o Ro­que San­tei­ro ou a Rai­nha da Su­ca­ta.

Aqui ica um pa­pi­ro pa­ra as ge­ra­ções vin­dou­ras le­rem a ima­gem des­te seu pas­sa­do a es­vair-se em des­cons­tru­ções da Uto­pia na­ci­o­na­lis­ta, que Ngu­xi dos San­tos in­sis­te em fa­zer vin­gar e vin­car na ino­cen­te ale­gria de ser afri­ca­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.