Angola con­sul­ta ar­te­fac­tos cul­tu­rais em to­do mun­do

Jornal Cultura - - Primeira Página - GASPAR MICOLO

Angola de­ve pre­pa­rar uma es­tra­té­gia pa­ra que a ques­tão de re­tor­no de bens cul­tu­rais se­ja vis­ta de ma­nei­ra sis­te­ma­ti­za­da, já que há ar­te­fac­tos cul­tu­rais an­go­la­nos em vá­ri­as par­tes do mun­do, de­fen­de o di­rec­tor da Di­rec­ção Na­ci­o­nal dos Mu­seus, Zi­va Do­min­gos, em Lu­an­da. "Não po­de­mos apon­tar só um país, pois há ob­jec­tos an­go­la­nos em vá­ri­as par­tes do mun­do. Ao ní­vel do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra pre­ci­sa­mos de uma es­tra­té­gia cla­ra e es­pe­ci­fi­ca so­bre co­mo o país vai tra­tar a ques­tão da res­ti­tui­ção das pe­ças que es­tão nes­tes paí­ses", fri­sa o mu­seó­lo­go, que fa­la­va du­ran­te a as­si­na­tu­ra de um me­mo­ran­do com a Fun­da­ção do Pa­tri­mó­nio Cul­tu­ral Prus­si­a­no.

Em de­cla­ra­ções ao se­ma­ná­rio Ex­pres­so, a mi­nis­tra da Cul­tu­ra, Ca­ro­li­na Cer­quei­ra, ad­mi­tiu mes­mo que o país ten­ci­o­na dar iní­cio a “con­sul­tas mul­ti­la­te­rais com vis­ta a re­gu­la­ri­zar a ques­tão da pro­pri­e­da­de e da pos­se, por um la­do, e, por ou­tro la­do, da ex­plo­ra­ção dos bens cul­tu­rais an­go­la­nos no es­tran­gei­ro”. Só em Por­tu­gal, por exem­plo, há más­ca­ras, ar­te­fac­tos, bo­ne­cas, ob­jec­tos do uso quo­ti­di­a­no que po­de­rão ser re­cla­ma­dos por Angola ao Es­ta­do Por­tu­guês. O Mu­seu Na­ci­o­nal de Ar­que­o­lo­gia e o Mu­seu de His­tó­ria Na­tu­ral e da Ci­ên­cia são de­ten­to­res de al­guns des­tes bens que, de­pois de um le­van­ta­men­to, Angola pre­ten­de ver res­ti­tuí­dos aque­les que saí­ram do país até 1974.

No mês pas­sa­do foi tor­na­do pú­bli­co o re­la­tó­rio so­bre a res­ti­tui­ção de co­lec­ções de ar­te afri­ca­na em Fran­ça, pe­di­do pe­lo Pre­si­den­te Em­ma­nu­el Ma­cron. O re­la­tó­rio so­li­ci­ta­do à his­to­ri­a­do­ra de ar­te fran­ce­sa Bé­né­dic­te Sa­voy e ao eco­no­mis­ta se­ne­ga­lês Felwi­ne Sar, de­fen­de a de­vo­lu­ção de to­dos os ob­jec­tos de­ti­dos pe­los mu- seus na­ci­o­nais fran­ce­ses, dos quais não exis­ta um jus­ti­fi­ca­ti­vo de com­pra con­sen­ti­da.

Ale­ma­nha vai res­ti­tuir ar­te­fac­tos cul­tu­rais

Ale­ma­nha pre­ten­de res­ti­tuir ar­te­fac­tos cul­tu­rais a Angola e a ou­tros paí­ses do mun­do que te­nham si­do ad­qui­ri­dos de for­ma ile­gal, rou­ba­dos ou ad­qui­ri­dos com vi­o­lên­cia, de acor­do com o pre­si­den­te da Fun­da­ção do Pa­tri­mó­nio Cul­tu­ral Prus­si­a­no, Her­mann Par­zin­ger, que fa­la­va du­ran­te a as­si­na­tu­ra de um me­mo­ran­do a Di­rec­ção Na­ci­o­nal dos Mu­seus de Angola, em Lu­an­da.

"É cla­ro que nós va­mos res­ti­tuir ob­jec­tos a Angola, de­pois de ava­li­a­dos se fo­ram ou não ob­ti­dos de for­ma ile­gal e com vi­o­lên­cia", dis­se o ar­queó­lo­go, que di­ri­ge a mai­or fun­da­ção cul­tu­ral ale­mã, com­pos­ta pe­los de­zas­seis mu­seus es­ta­tais de Ber­lim, a Bi­bli­o­te­ca do Es­ta­do, o Ar­qui­vo Se­cre­to do Es­ta­do, o Ins­ti­tu­to Ibe­roA­me­ri­ca­no e o Ins­ti­tu­to Es­ta­tal de Mu­si­co­lo­gia. Já o di­rec­tor da Di­rec­ção Na­ci­o­nal dos Mu­seus de Angola, Zi­va Do­min­gos, pre­fe­re es­cla­re­cer que o me­mo­ran­do ago­ra as­si­na­do não é pa­ra a re­cu­pe­ra­ção dos ob­jec­tos, mas sim um in­ter­câm­bio en­tre as ins­ti­tui­ções dos dois paí­ses, no­me­a­da­men­te, Mu­seu Na­ci­o­nal de An­tro­po­lo­gia de Angola e o Mu­seu Et­no­ló­gi­co de Ber­lim. Con­tu­do, avan­ça que se tra­ta de um pas­so pa­ra tal. "O me­mo­ran­do es­ta­be­le­ce as ba­ses pa­ra o diá­lo­go pa­ra uma fu­tu­ra re­cu­pe­ra­ção das pe­ças", diz o mu­seó­lo­go. "Mas é pre­ci­so um tra­ba­lho pa­ra iden­ti­fi­ca­ção e de­pois daí pas­sar pa­ra os ca­nais di­plo­má­ti­cos e ci­en­tí­fi­cos pa­ra a res­ti­tui­ção". An­tes de Zi­va Do­min­gos, a se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Cul­tu­ra, Ma­ria da Pi­e­da­de de Je­sus Ma­ria de Je­sus, já ti­nha avan­ça­do na sua in­ter­ven­ção que os mu­seus de Ber­lim pos­su­em im­por­tan­tes co­lec­ções et­no­grá­fi­cas pro­ve­ni­en­tes de Angola, prin­ci­pal­men­te das re­giões cul­tu­rais les­te e su­do­es­te, ra­zão pe­la qual hou­ve a ne­ces­si­da­de de se apro­fun­dar os es­tu­dos e o in­ter­câm­bio en­tre os dois po­vos. Mas o res­pon­sá­vel dos Mu­seus de Angola avan­ça da­dos, ain­da que va­ga­men­te: "Em ter­mos es­ta­tís­ti­cos, não de ini­ti­vos, o mu­seu de Ber­lim tem cer­ca de 1.200 ob­jec­tos an­go­la­nos na sua co­lec­ção. Po­de ha­ver ou­tros ob­jec­tos nou­tros mu­seus da Ale­ma­nha, já que não há da­dos con­cre­tos". En­tre­tan­to, o me­mo­ran­do de en­ten­di­men­to as­si­na­do pre­vê a co­o­pe­ra­ção nas áre­as da pes­qui­sa, res­tau­ra­ção e con­ser­va­ção, pro­mo­ção, me­di­a­ção cul­tu­ral e for­ma­ção. "O nos­so ob­jec­ti­vo é tor­nar aces­sí­vel o pa­tri­mó­nio cul­tu­ral da hu­ma­ni­da­de e is­so in­clui tam­bém in­ter­câm­bio dos ob­jec­tos atra­vés de ex­po­si­ções co­muns em Angola e na Ale­ma­nha", diz Her­mann Par­zin­ger, re­fe­rin­do-se ao me­mo­ran­do que tem du­ra­ção de três anos re­no­vá­veis, e cu­jos pri­mei­ros re­sul­ta­dos fo­ram a re­a­li­za­ção de dois workshops em Lu­an­da e em Ber­lim, sen­do que re­sul­ta­dos mais pal­pá­veis só se­rão al­can­ça­dos no fi­nal de 2019.

En­tre­tan­to, a Fun­da­ção do Pa­tri­mó­nio Cul­tu­ral Prus­si­a­no, que Her­mann Par­zin­ger di­ri­ge, é a mes­ma res­pon­sá­vel pe­lo Fó­rum Hum­boldt, o am­bi­ci­o­so pro­jec­to con­ce­bi­do pa­ra reu­nir to­das as co­lec­ções et­no­ló­gi­cas dos mu­seus de Ber­lim, nu­ma al­tu­ra em que a Ale­ma­nha li­da na es­fe­ra po­lí­ti­ca, na pra­ça pú­bli­ca e nos tri­bu­nais com o seu pas­sa­do co­lo­ni­al vi­o­len­tís­si­mo, so­bre­tu­do de­vi­do ao ge­no­cí­dio dos he­re­ro no co­me­ço do sé­cu­lo XX. En­tre 1904 e 1908, as tro­pas ale­mãs ma­ta­ram 100 mil he­re­ro e na­ma. De­pois de, em 2016, e pe­la pri­mei­ra vez, Ber­lim re­fe­rir­se a es­ses cri­mes co­mo ge­no­cí­dio, ain­da es­tá dis­tan­te de acei­tar as con­sequên­ci­as le­gais. Hart­mut Dor­ger­loh, di­rec­tor- ge­ral do po­lé­mi­co Fó­rum Hum­boldt, ti­do já co­mo o mais am­bi­ci­o­so e ex­pan­si­vo pro­jec­to de mu­seu da Eu­ro­pa, ga­ran­tiu re­cen­te­men­te à pu­bli­ca­ção es­pe­ci­a­li­za­da The Art News­pa­per que nos úl­ti­mos anos o seu país tem in­ten­si­fi­ca­do os es­for­ços pa­ra co­nhe­cer me­lhor a pro­ve­ni­ên­cia das obras que es­tão nas co­lec­ções pú­bli­cas, mes­mo ten­do cons­ci­ên­cia de que nem sem­pre vai ser pos­sí­vel apu­rar as cir­cuns­tân­ci­as em que ali che­ga­ram.

“A res­ti­tui­ção po­de ser uma con­sequên­cia des­ta in­ves­ti­ga­ção e, de fac­to, em cer­tos ca­sos, é um im­pe­ra­ti­vo. A ar­te sa­que­a­da tem de ser sem­pre de­vol­vi­da”, diz Dor­ger­loh, ga­ran­tin­do que vai es­tu­dar o re­la­tó­rio en­co­men­da­do por Ma­cron com a sua equi­pa pa­ra que jun­tos pos­sam iden­ti­fi­car as li­ções a ti­rar do ca­so fran­cês. “Es­ta­mos tam­bém mui­to in­te­res­sa­dos em per­ce­ber co­mo é que es­te re­la­tó­rio vai ser re­ce­bi­do pe­las co­mu­ni­da­des nos paí­ses de ori­gem.”

Mi­nis­tra da Cul­tu­ra, Ca­ro­li­na Cer­quei­ra, com os res­pon­sá­veis de ins­ti­tui­ções ale­mãs

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.