Tchis­so­la Mos­qui­to re­a­vi­va o hu­ma­nis­mo atra­vés do li­vro

Jornal Cultura - - Primeira Página -

Achil­le Mbem­be apon­ta a que­da dos prin­cí­pi­os do hu­ma­nis­mo co­mo ca­rac­te­rís­ti­ca prin­ci­pal do sé­cu­lo XXI. Diz o iló­so­fo e his­to­ri­a­dor ca­ma­ro­nês. Que as vir­tu­des tra­di­ci­o­nais co­mo o cui­da­do, a com­pai­xão e a ge­ne­ro­si­da­de es­tão con­de­na­das e se­rão subs­ti­tuí­das por uma úni­ca e no­va vir­tu­de, que é a de "ga­nhar", não im­por­tan­do os mei­os. Sen­do es­te o no­vo pa­ra­dig­ma a dis­se­mi­nar-se um pou­co por to­do o pla­ne­ta, há, no en­tan­to, pes­so­as a lu­tar con­tra a ma­ré de­pre­da­do­ra dos va­lo­res e vir­tu­des que apro­xi­mam os ho­mens. Ide­a­li­za­da des­de 2011 e fun­da­da em 2017, a VPA 20/20 é uma as­so­ci­a­ção ilan­tró­pi­ca on­de a re le­xão so­bre a in­dis­so­lu­bi­li­da­de da in­ter­de­pen­dên­cia en­tre os agen­tes so­ci­ais ge­ra um com­pro­mis­so com a pro­mo­ção do im­pac­to po­si­ti­vo, cons­tru­ti­vo e trans­for­ma­dor que in­di­ví­du­os, or­ga­ni­za­ções e ini­ci­a­ti­vas têm o po­ten­ci­al de exer­cer na nos­sa so­ci­e­da­de.

Ide­a­li­za­da por Tchis­so­la Mos­qui­to, VPA 20/20 bus­ca um du­plo ob­jec­ti­vo de ca­rác­ter so­ci­al e am­bi­en­tal, con­ce­den­do apoio à ges­tão da or­ga­ni­za­ção às ins­ti­tui­ções de so­li­da­ri­e­da­de so­ci­al, in­cluin­do for­ma­ção. Uma das ac­ções po­si­ti­vas, que te­rão gran­de im­pac­to so­ci­al num fu­tu­ro pró­xi­mo, é a dis­tri­bui­ção de li­te­ra­tu­ra a mais de 300 jo­vens in­se­ri­dos em clu­bes de lei­tu­ra, de­no­mi­na­dos “Um Li­vro, um Mun­do”.

Em Lu­an­da, es­tes gru­pos de lei­to­res es­tão lo­ca­li­za­dos nos bair­ros de Mu­len­vos, Ka­pa­lan­ka, Vi­a­na e Lu­an­da Sul. Em Ben­gue­la, fo­ram cons­ti­tuí­dos três gru­pos, dois no Na­mi­be e um no Lu­ban­go. No do­min­go pas­sa­do, dia 16 de De­zem­bro, o jor­nal Cul­tu­ra es­te­ve à con­ver­sa com o gru­po do bair­ro do Gra­fa­nil, em Vi­a­na. No en­con­tro, os jo­vens fa­la­ram das su­as ex­pe­ri­ên­ci­as de lei­tu­ra de Mi­so­so, de Ós­car Ri­bas, A Cha­ga, de Cas­tro So­ro­me­nho, Cem Anos de So­li­dão, de Ga­bri­el Gar­cia Mar­quez, As Fé­ri­as, de Con­des­sa de Sé­gur, His­tó­ria do Mun­do de An­drew Marr, A Bi­cha e a Fi­la, de Ma­nu­el Rui e Mar­co Gui­ma­rães. Li­ga­dos à Igre­ja Ca­tó­li­ca nos bair­ros on­de ha­bi­tam, es­tes jo­vens têm nos es­pa­ços so­ci­ais da Igre­ja cen­tros de aco­lhi­men­to e de tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as da lei­tu­ra. O es­cri­tor Jo­sé Luís Men­don­ça foi con­vi­da­do pa­ra es­ta tro­ca de afec­tos com ba­se no li­vro e na lei­tu­ra. No pri­mei­ro en­con­tro, a 17 de No­vem­bro do ano em cur­so, nos Mu­len­vos, Men­don­ça fa­lou da im­por­tân­cia da lei­tu­ra e do va­lor dos mes­tres mu­dos. O es­cri­tor tam­bém ori­en­tou os jo­vens quan­to aos mé­to­dos de lei­tu­ra e a ex­trac­ção do sa­ber con­ti­do nos li­vros, fun­da­men­tal­men­te a sua ri­que­za se­mân­ti­ca, atra­vés do re­cur­so ao di­ci­o­ná­rio. Na se­gun­da con­ver­sa com os jo­vens, Men­don­ça re­pe­tiu o en­si­na­men­to so­bre a or­ga­ni­za­ção do pen­sa­men­to, com ba­se nas li­ções de Tom Wer­neck e Frank Ull­mann, pa­ra além da ha­bi­tu­al ex­pli­ca­ção so­bre a me­to­do­lo­gia de lei­tu­ra. Uma apre­ci­a­ção ge­ral dos dois gru­pos, per­mi­tiu ao es­cri­tor cons­ta­tar que exis­te um dé ice de co­nhe­ci­men­to da lín­gua por­tu­gue­sa en­tre os es­tu­dan­tes do en­si­no pré-uni­ver­si­tá­rio, por es­sa ra­zão, in­cen­ti­vou-os a apro­vei­ta­rem a ilan­tro­pia da VPA 20/20, pa­ra um me­lhor de­sem­pe­nho so­ci­al e aca­dé­mi­co, atra­vés da aqui­si­ção de com­pe­tên­cia lin­guís­ti­ca. Co­mo for­ma de apoi­ar o pro­jec­to, o es­cri­tor fez a ofer­ta e oi­to obras da sua pro­du­ção em pro­sa, no­me­a­da­men­te O Re­no das Ca­su­a­ri­nas e Lu­an­da Fi­ca Lon­ge.

Se­gun­do Tchis­so­la, “a ex­pres­são 20/20 é tão co­mum nos Es­ta­dos Uni­dos que exis­te até um pro­gra­ma de te­le­vi­são com es­se no­me. O mú­si­co Jus­tin Tim­ber­la­ke, lan­çou um ál­bum cha­ma­do " The 20/20 ex­pe­ri­en­ce ". Por exa­mi­na­rem um nú­me­ro mui­to gran­de de pes­so­as, os of­tal­mo­lo­gis­tas de­ter­mi­na­ram o que uma pes­soa com vi­são con­si­de­ra­da "nor­mal" de­ve­ria ser ca­paz de ver a uma dis­tân­cia de 6 me­tros do qua­dro de tes­te de vi­são. Tam­bém cha­ma­do de Snel­len Chart.

Se vo­cê tem uma vi­são 20/ 20, sua vi­são é nor­mal”, ex­pli­ca a men­to­ra do pro­jec­to. Com a vi­são 20/ 20, Tchis­so­la pre­ten­de che­gar ao pon­to al­to do con­cei­to de in­ter­de­pen­dên­cia.

“Só exis­te um mun­do, por is­so, as mi­nhas ac­ções po­si­ti­vas ou ne­ga­ti­vas vão-se re lec­tir au­to­ma­ti­ca­men­te no meu pró­xi­mo”.

“As bo­as idei­as pre­ci­sam das pes­so­as cer­tas pa­ra que se con­si­gam ma­te­ri­a­li­zar. A ac­ção se­rá di­ri­gi­da por pes­so­as com

pro-

co­mu­ni­da­de com o seu pró­xi­mo e com o sen­ti­do da sua pró­pria exis­tên­cia”, diz Tchis­so­la Mos­qui­to, que le­va a ca­bo es­te pro­jec­to de lei­tu­ra, e re­ce­be apoi­os tam­bém de ar­tis­tas plás­ti­cos que do­a­ram al­gu­mas obras ex­pos­tas no pas­sa­do dia 12 de De­zem­bro, na Ga­le­ria Hall de Li­ma Pi­men­tel, re­pro­du­zi­das em t- shirts cu­ja ven­da per­mi­ti­rá an­ga­ri­ar fun­dos pa­ra os pro­jec­tos co­mu­ni­tá­ri­os. Jo­a­na Taya, Van, Ana Silva, Cris­ti­a­no Man­go­vo e Nás­tio Mos­qui­to são os ar­tis­tas que ce­de­ram a ima­gem das su­as obras a fa­vor des­ta cau­sa e sem cus­tos. A men­to­ra do pro­jec­to ex­pli­ca que o “V” sig­ni ica “Vi­são”. “Te­mos uma vi­são cla­ra so­bre o que é exi­gi­do nós. Acre­di­ta­mos que exis­ti­mos pa­ra ter um im­pac­to po­si­ti­vo na vi­da de to­dos que são ser­vi­dos por nós.“P” sig­ni ica “Pro­pó­si­to“. O io con­du­tor em tu­do que fa­ze­mos é a nos­sa mis­são de trans­for­mar vi­das. O “A” sig­ni ica “Ac­ção”. Quan­do pen­sa­mos em ac­ção, fa­la­mos em in­ter­vir in­ten­ci­o­nal­men­te na pro­mo­ção de ini­ci­a­ti­vas que tor­nam o pre­sen­te a re­a­li­da­de ne­ces­sá­ria pa­ra a con­cre­ti­za­ção do fu­tu­ro de­se­ja­do. A ex­pres­são “20/20” faz re­fe­rên­cia ao que se de­no­mi­na co­mo acui­da­de vi­su­al. Tra­ba­lha­mos pa­ra que o nos­so tra­ba­lho se apro­xi­me tan­to quan­to pos­sí­vel da cla­re­za, pre­ci­são, e ri­gor ne­ces­sá­ri­os pa­ra de fac­to fa­zer­mos a di­fe­ren­ça.

me­ti­das com a

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.