Con­fe­rên­cia de Ber­lim Ecos na ges­tão de Áfri­ca

Jornal Cultura - - Primeira Página - VICTOR CHONGOLOLA*

E stá a fa­zer 134 anos que a Eu­ro­pa or­ga­ni­zou uma mag­na con­fe­rên­cia que icou co­nhe­ci­da na His­tó­ria co­mo Con­fe­rên­cia de Ber­lim, mas tam­bém co­nhe­ci­da co­mo Con­fe­rên­cia do Con­go. A im­pren­sa da al­tu­ra pu­bli­ci­tou as gran­des li­nhas que mo­vi­am os gran­des es­ta­dos eu­ro­peus a jun­ta­rem- se pa­ra ana­li­sa­rem e to­ma­rem me­di­das ten­do em vis­ta uma in­ter­ven­ção con­jun­ta em Áfri­ca. Di­zia- se que o que mo­via as gran­des po­tên­ci­as era:

Li­ber­tar os afri­ca­nos da vi­da sel­va­gem, is­to é, le­var-lhes a fé e a ci­vi­li­za­ção; En­si­ná-los a vi­ver em paz; En­si­nar-lhes os avan­ços tec­no­ló­gi­cos do mun­do mo­der­no de mo­do a vi­ve­rem bem, com con­for­to, tal co­mo os seus ir­mãos eu­ro­peus.

In­tro­du­ção

A Con­fe­rên­cia de Ber­lim, um en­con­tro uni­la­te­ral­que de­ci­diu a sor­te dos au­sen­tes, me­nos­pre­zou li­te­ral­men­te a ca­pa­ci­da­de men­tal dos afri­ca­nos no que diz res­pei­to ao po­der de de­ci­são des­tes so­bre o pró­prio des­ti­no. A par das im­pli­ca­ções de­mo­grá­fi­cas do trá­fi­co de es­cra­vos­são so­be­ja­men­te co­nhe­ci­das al­gu­mas das con­sequên­ci­as po­lí­ti­cas e eco­nó­mi­cas do en­con­tro de Ber­lim, tais co­mo as di­vi­sões ter­ri­to­ri­ais que não ti­ve­ram em con­ta a re­a­li­da­de ét­ni­co- lin­guís­ti­ca dos po­vos afri­ca­nos, o em­po­bre­ci­men­to do con­ti­nen­te a fa­vor do de­sen­vol­vi­men­to e en­ri­que­ci­men­to do Oci­den­te.

O que não se co­nhe­ce ou, pe­lo me­nos, pou­co se fa­la é se o es­pí­ri­to des­sa Con­fe­rên­cia ain­da en­con­tra eco nas prá­ti­cas das ac­tu­ais li­de­ran­ças do con­ti­nen­te ber­ço da hu­ma­ni­da­de.

Par­tin­do do prin­cí­pio das in­te­rin­fluên­ci­as cul­tu­rais, que, no ca­so pre­sen­te, se en­con­tram agra­va­das pe­lo fe­nó­me­no da co­lo­ni­za­ção, es­te­tra­ba­lho tem co­mo ob­jec­ti­vo com­pre­en­der as con­se­quen­ci­ais da Con­fe­rên­cia de Ber­lim na ges­tão dos paí­ses afri­ca­nos nos di­as de ho­je.

Ar­ro­gân­cia ou pa­ter­na­lis­mo?

Fa­lar da Con­fe­rên­cia de Ber­lim im­pli­ca tra­zer ao de ci­ma a pos­tu­ra ar­ro­gan­te e pa­ter­na­lis­ta do Oci­den­te, fon­te da ali­e­na­ção.Em con­for­mi­da­de

Es­te nos­so jor­nal, no nº 137, pu­bli­cou uma en­tre­vis­ta ao pro­fes­sor Jo­sé Ri­var Ma­ce­do a pro­pó­si­to do li­vro O Pen­sa­men­to Afri­ca­no no Sé­cu­lo XX, da Edi­to­ra Ex­pres­são Po­pu­lar, SP, que, em epí­gra­fe, re­no­va uma ver­da­de bem ex­pres­sa pe­la tal Con­fe­rên­cia de Ber­lim, mas que fa­ze­mos por não acre­di­tar que é a se­guin­te: “to­do o co­nhe­ci­men­to pro­du­zi­do pe­lo Oci­den­te so­bre Áfri­ca cor­res­pon­de a for­mas de pre­da­ção em di­ver­sos ní­veis”.

O pre­sen­te tra­ba­lho pre­ten­de que re lic­ta­mos, mais uma vez, e sem nos can­sar­mos, so­bre tão mar­can­te acon­te­ci­men­to pa­ra a so­bre­vi­vên­cia do nos­so con­ti­nen­te tal co­mo o her­dá­mos dos nos­sos an­te­pas­sa­dos.

Pen­so ser tão per­ti­nen­te re­no­var­mos anu­al­men­te a re le­xão so­bre o as­sun­to,com tan­to ou mais fun­da­men­to quan­to o não nos po­de­mos es­que­cer nem do ho­lo­caus­to, nem da san­gria es­cla­va­gis­ta de Áfri­ca.

É ur­gen­te que Áfri­ca se re­en­con­tre e cons­trua seus mo­de­los de go­ver­na­ção ten­do em con­ta a sua re­a­li­da­de e as su­as ba­ses cul­tu­rais, por­que, não nos es­que­ça­mos de que “to­do o co­nhe­ci­men­to pro­du­zi­do pe­lo Oci­den­te so­bre Áfri­ca cor­res­pon­de a for­mas de pre­da­ção em di­ver­sos ní­veis”. com HAROCHE et. al (2015, s/p), «[a] ar­ro­gân­cia é um ter­mo [ ou ati­tu­de] que cres­ceu […] com aqui­lo que de­no­mi­na­mos de nar­ci­sis­mo de so­ci­e­da­des in­di­vi­du­a­lis­tas […] » . Con­tra­ri­a­men­te ao in­di­vi­du­a­lis­mo, uma re­la­ção au­tên­ti­ca exi­ge re­ci­pro­ci­da­de. Qu­an­do um dos in­ter­ve­ni­en­tes se co­lo­ca ou ten­de a as­su­mir o cen­tro da re­la­ção, fa­cil­men­te se tor­na ce­go às po­ten­ci­a­li­da­des do ou­tro, anu­la-o e ica aber­to o ca­mi­nho pa­ra as in­jus­ti­ças.

Por seu tur­no, BOBBIOet al. ( 1998) apre­sen­tam- nos um con­cei­to de pa­ter­na­lis­mo que nos re­me­te a um sis­te­ma po­lí­ti­co au­to­ri­tá­rio, con­si­de­ran­do os go­ver­na­dos co­mo se­res­de me­nor ida­de, não sen­do, por is­so, ca­pa­zes de de­ci­dir por si mes­mos o seu des­ti­no. Po­de-se en­tão de­du­zir que a ar­ro­gân­cia e o pa­ter­na­lis­mo ca­mi­nham la­do a la­do.

O com­por­ta­men­to pa­ter­na­lis­ta é fru­to do sen­ti­men­to de su­pe­ri­o­ri­da­de do Oci­den­te con­si­de­ran­do as de­mais so­ci­e­da­des co­mo in­fan­tis, que­ren­do, por is­so, im­por a to­dos as su­as po­lí­ti­cas e a sua von­ta­de. Aque­la por­ção do pla­ne­ta ar­ro­ga- se o di­rei­to de pro­pri­e­tá­ria do mun­do, po­den­do dis­por de­le sem­pre e co­mo qui­ser. Cer­ta­men­te, foi es­te o sen­ti­men­to que ani­mou a Con­fe­rên­cia de Ber­lim, ou se­re­mos for­ça­dos a re­co­nhe­cer, na ac­tu­a­ção dos eu­ro­peus, um sen­ti­men­to de nu­li­da­de do ho­mem afri­ca­no.

A Con­fe­rên­cia que, se­gun­do os seus men­to­res, te­ve co­mo mo­ti­va- ção um fim al­truís­ta ( NASCIMENTO, 2008; AJAYI, 2010) pa­ra Áfri­ca, não aus­cul­tou se­quer um só fi­lho des­te con­ti­nen­te de mo­do a cer­ti­fi­car- se das di­fi­cul­da­des e das pre­o­cu­pa­ções do mes­mo, o que, à par­ti­da, lhe re­ti­ra tal ca­rác­ter fi­lan­tró­pi­co. As re­ais in­ten­ções e mo­ti­va­ções da ci­mei­ra­es­ta­vam con­subs­tan­ci­a­das na pro­cu­ra de ma­té­ria- pri­ma pa­ra ali­men­tar a sua in­dús­tria e o con­ti­nen­te afri­ca­no es­ta­va ca­ta­lo­ga­do co­mo tal fon­te. A pro­pó­si­to, acres­cen­ta LAMY ( s/ d, p. 13) que « [ q] uan­do da Con­fe­rên­cia de Ber­lim [...] a cor­ri­da pa­ra a Áfri­ca já ha­via co­me­ça­do [...]. O en­con­tro pre­ten­dia freá- la e re­gu­lar os in­te­res­ses pa­ra im­pe­dir o de­sen­ten­di­men­to en­tre as na­ções eu­ro­pei­as » .

Na ver­da­de, se por um la­do se­ria des­ti­tuí­do de sen­ti­do aju­dar al­guém de qu­em não se co­nhe­cem as ne­ces­si­da­des, por ou­tro, a Áfri­ca pou­co ne­ces­si­ta­ria de uma as­sis­tên­cia de gé­ne­ro, pois, a da­do pas­so da his­tó­ria da hu­ma­ni­da­de, o nos­so con­ti­nen­te não ica­va a de­ver na­da aos de­mais. Aliás, a re­fe­rên­cia a Áfri­ca co­mo ber­ço da hu­ma­ni­da­de, de­ve sê-lo em qua­se to­dos os sen­ti­dos e não ape­nas na­que­le que nos in­for­ma do fac­to de o pri­mei­ro ho­mem ter sur­gi­do nes­te es­pa­ço. Con­cor­da­re­mos, en­tão, com NASCIMENTO(2008, p. 62) qu­an­do diz que «além de dar a luz à hu­ma­ni­da­de, Áfri­ca foi tam­bém o pal­co da pri­mei­ra re­vo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca da his­tó­ria: a pas­sa­gem da ca­ça e da co­lhei­ta de fru­tos sil­ves­tres à agri­cul­tu­ra » . O mes­mo au­tor apre­sen­ta a Áfri­ca co­mo o fun­da­men­to da ci­vi­li­za­ção oci­den­tal, des­ta­can­do a sua an­te­ri­o­ri­da­de nos cam­pos de as­tro­no­mia, da ma­te­má­ti­ca, da en­ge­nha­ria, da ar­qui­tec­tu­ra, da fi­lo­so­fia, da re­li­gião e da me­di­ci­na. No que res­pei­ta a es­ta úl­ti­ma, faz- se re­fe­rên­cia não ape­nas ao Egip­to mas tam­bém a Ugan­da, cu­jos fei­tos­fo­ram tes­te­mu­nha­dos no úl­ti­mo quar­to do sé­cu­lo XIX. É igual­men­te re­fu­ta­do o ar­gu­men­to de que a Áfri­ca não te­nha de­sen­vol­vi­do a es­cri­ta, pois, um dos pri­mei­ros sis­te­mas de es­cri­ta, os hi­e­ró­gli­fos, é da cri­a­ti­vi­da­de egíp­cia.

Os fac­tos ora apon­ta­dos põem em evi­dên­cia a qua­li­da­de de Áfri­ca co­mo ber­ço da ci­vi­li­za­ção. Hou­ve, po­rém, um em­pe­nho, por par­te do Oci­den­te no sen­ti­do de des­truir tal evi­dên­cia, pois es­sas re­a­li­za­ções fo­ram pro­ta­go­ni­za­das pe­lo afri­ca­no ne­gro, o “in­fe­ri­or”, que afi­nal ha­bi­ta­va to­da a Áfri­ca. As­sim, aqui tam­bém en­con­trou eco a es­tra­té­gia do bran­que­a­men­to da ra­ça que não coi­biu o eu­ro­peu de eli­mi­nar a po­pu­la­ção ne­gra da Áfri­ca do Nor­te (NASCIMENTO, 2008).

O po­vo afri­ca­no pro­ta­go­ni­zou, ain­da, fei­tos no cam­po do co­mér­cio e da na­ve­ga­ção. Se­gun­do NASCIMENTO (2008) an­tes mes­mo do trá­fi­co de es-

cra­vos le­va­do a ca­bo pe­la Eu­ro­pa, os afri­ca­nos já te­ri­am es­ta­do não só na Eu­ro­pa an­ti­ga, mas tam­bém na Ásia e na Amé­ri­ca pra­ti­can­do o seu co­mér­cio, ten­do ali as­sen­ta­do co­mu­ni­da­des. Es­tas afir­ma­ções en­con­tram res­pal­do nos re­sul­ta­dos ob­ti­dos pe­la pa­le­on­to­lo­gia, nas tra­di­ções orais dos mai­as e nos fac­tos cor­ren­tes em re­la­ção aos quais a pe­nín­su­la ará­bi­ca e a Ín­dia são apon­ta­das co­mo­e­xem­plos. O mes­mo au­tor re­ve­la que pe­los afri­ca­nos os eu­ro­peus ob­ti­ve­ram o co­nhe­ci­men­to so­bre a exis­tên­cia da Amé­ri­ca. Es­te qua­dro, tão

A vi­da ou o lu­cro?

Um dos fac­to­res que con­tri­buí­ram bas­tan­te pa­ra a emi­gra­ção eu­ro­peia pa­ra­os ou­tros con­ti­nen­tes foi a ex­plo­são po­pu­la­ci­o­nal re­gis­ta­da após a pri­mei­ra re­vo­lu­ção in­dus­tri­al, que, se me­lho­rou a vi­da de al­guns, mer­gu­lhou a mai­or par­te da po­pu­la­ção num mar de di­fi­cul­da­des re­me­ten­do pa­ra a po­bre­za mui­tas das po­pu­la­ções que já ti­nham ad­qui­ri­do al­gu­ma au­to­no­mia do pon­to de vis­ta eco­nó­mi­co. Cri­ou- se a cul­tu­ra do lu­cro e ba­na­li­zou- se a vi­da. Co­mo nos diz ROLKE ( 2016, p. 49) « [ c] om uma mas­sa de pes­so­as pro­cu­ran­do em­pre­go, fá­bri­cas sim­ples­men­te dis­pen­sa­vam em­pre­ga­dos que es­ti­ves­sem do­en­tes ou ve­lhos e con­tra­ta­vam gen­te no­va. Es­sa po­lí­ti­ca re­sul­ta­va em enor­me de­sem­pre­go, de­ses­pe­ran­ça e po­bre­za » . Es­ta pas­sa­gem é mais uma pro­va da con­cu­pis­cên­cia oci­den­tal que­en­deu­saa ri­que­za e vi­li­pen­di­aa vi­da hu­ma­na.

Tra­ta- se de uma po­si­ção di­a­me­tral­men­te opos­taà cul­tu­ra afri­ca­na, cu­jas co­mu­ni­da­des, mar­ca­das por uma vi­da so­li­dá­ria, in­di­gi­ta­vam cer­tos­mem­bros a tra­ba­lhar na la­vra de qu­em se vis­se im­pos­si­bi­li­ta­do de o fa­zer, por do­en­ça ou por ou­tro mo­ti­vo, no in­te­res­se úni­co de que elee seus de­pen­den­tes não vi­es­sem pas­sar ne­ces­si­da­de. Quer is­so di­zer que pa­ra o afri­ca­no, a vi­da es­tá no cen­tro de tu­do; a ne­ces­si­da­de de um é a ne­ces­si­da­de de to­dos e o bem da co­mu­ni­da­de é um­re­fle­xo do bem de ca­da um. Por is­so, to­da a ac­tu­a­ção hu­ma­na es­tá vi­ra­da pa­ra a pro­tec­ção da vi­da.

O pri­mi­ti­vis­mo fre­quen­te­men­te atri­buí­do às so­ci­e­da­des afri­ca­nas­le­va de­ter­mi­na­dos au­to­res a des­ta­ca­rem o no­ma­dis­mo co­mo uma das ba­ses so­bre as quais as­sen­ta, em sua opi­nião, a fal­ta de cons­tru­ção de agru­pa­men­tos nu­me­ro­sos e fi­xos em Áfri­ca, omi­tin­do des­sa for­ma, fac­tos ob­jec­ti­vos que con­tra­ri­am tais afir­ma­ções. Na ver­da­de, o que nos pa­re­ce ser o apa­ná­gio do afri­ca­no é a au­ten­ti­ci­da­de da re­la­ção. A cul­tu­ra afri­ca­na pri­ma pe­lo es­trei­ta­men­to dos la­ços en­tre as pes­so­as, em vez da im­po­nên­cia dos bens e das ci­da­des, to­da­via, co­mo ve­re­mos a se­guir, is­so não im­pe­diu os afri­ca­nos de re­a­li­za­rem obras im­pres­si­o­nan­tes.

Au­to­res co­mo NASCIMENTO( 2008) e DIOP ( 2014) apon­tam ani­ma­dor e que mui­to ain­da pro­me­tia veio a ser des­truí­do pe­la me­ga­lo­ma­nia oci­den­tal, que se apro­pri­ou das me­lho­res obras da ar­te afri­ca­na e dos me­lho­res fi­lhos do con­ti­nen­te que fo­ram tra­ba­lhar pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da Eu­ro­pa em de­tri­men­to da sua pá­tria. As­sim sen­do, ca­be­nos per­gun­tar: que pro­pó­si­tos hu­ma­ni­tá­ri­os ani­ma­ram a Con­fe­rên­cia de Ber­lim a fa­vor de uma Áfri­ca, des­truí­da pa­ra­do­xal­men­te pe­la pró­pria Eu­ro­pa? Co­mo se po­de ex­pli­car os con­fli­tos en­tre os eu­ro­peus “fi­lan­tro­pos”? co­mo uma das ca­rac­te­rís­ti­cas dis­tin­ti­vas des­sas so­ci­e­da­des a sua li­ga­ção à ter­ra, o que, aliás, de ma­nei­ra ne­nhu­ma as im­pe­diu de cons­truir gran­des ci­da­des não só no Nor­te do con­ti­nen­te co­nhe­ci­do ho­je co­mo Áfri­ca bran­ca, mas tam­bém no Oes­te on­de se po­dem des­ta­car as ci­da­des de Tom­buc­tu e de Gao no Ma­li, de Wa­la­ta na Mau­ri­tâ­nia. Vem à co­la­ção o es­cla­re­ci­men­to de ILIFFE ( 2013, p. 119): « Cu­an­dol­le­ga­ron­los­pri­me­ro­seu­ro­pe­os­que­da­ro­nim­pre­si­o­na­dos por la ri­que­za y so­fis­ti­ca­ción de Be­nín, el­mayor rei­no de la sel­va de Áfri­ca oc­ci­den­tal » . Aqui es­tá mais uma pro­va evi­den­te do di­na­mis­mo afri­ca­no sem ne­ces­si­da­de de uma ala­van­ca eu­ro­peia.

A li­ga­ção à ter­ra e o prin­cí­pio ani­mis­ta do ho­mem afri­ca­no fa­zem de si um eco­lo­gis­ta por na­tu­re­za pri­man­do pe­lo equi­lí­brio do meio que o en­vol­ve, ao con­trá­rio do ho­mem oci­den­tal, cu­ja se­de pe­la acu­mu­la­ção de bens o tem con­du­zi­do à de­vas­ta­ção da ter­ra, à des­trui­ção do am­bi­en­te e fi­nal­men­teà da pró­pria vi­da. Co­mo é con­sa­bi­do, pa­ra atin­gir tal fim, o ho­mem oci­den­tal não olha a mei­os, ten­do pre­pa­ra­do um apa­ra­to com o en­ga­ja­men­to de mis­si­o­ná­ri­os, os quais não se pou­pa­ram de co­me­ter bar­ba­ri­da­des con­tra os afri­ca­nos, mui­tos dos quais che­ga­ram a per­der a pró­pria vi­da, um ver­da­dei­ro con­tra-sen­so pa­ra qu­em se as­su­me co­mo de­fen­sor des­te va­lor in­subs­ti­tuí­vel.

Às so­ci­e­da­des afri­ca­nas, pin­ta­das pe­lo Oci­den­te co­mo fe­cha­das, DIOP ( 2014) atri­bui ca­rac­te­rís­ti­cas co­mo a xe­no­fi­lia, o cos­mo­po­li­tis­mo e o co­lec­ti­vis­mo so­ci­al, o que, na vi­são do au­tor, con­fe­re ao afri­ca­no um ar se­re­no an­te as di­fi­cul­da­des com que se de­pa­re, pois, con­ta com a so­li­da­ri­e­da­de do pró­xi­mo. Na ver­da­de, o afri­ca­no é mar­ca­do pe­la par­ti­ci­pa­ção na vi­da do ou­tro, quer na ale­gria quer na tris­te­za.Daí, que se nos afi­gu­ra re­fu­tá­vel qua­li­fi­cá- lo de fe­cha­do. Aliás en­quan­to se man­ti­ve­ram sim­ples­men­te as tro­cas co­mer­ci­ais os afri­ca­nos mos­tra­ram a sua na­tu­re­za hos­pi­ta­lei­ra aos eu­ro­peus.

De­ve­mos, en­tre­tan­to, ques­ti­o­nar­nos so­bre a ma­nu­ten­ção ou não, nos di­as que cor­rem, des­te ca­rác­ter so­lí­ci­to do afri­ca­no na di­nâ­mi­ca dos em­ba­tes en­tre cul­tu­ras.

Que le­ga­do pa­ra a Áfri­ca?

Du­ran­te sé­cu­los de co­lo­ni­za­ção, acon­te­ceu, em Áfri­ca, al­go se­me­lhan­te ao que ocor­re­ra na Eu­ro­pa, nos pri­mór­di­os da Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al.Os afri­ca­nos, an­tes li­ga­dosà ter­ra de on­de ti­ra­vam o seu sus­ten­to, vi­ram-se ex­pro­pri­a­dos da mes­ma não res­tan­do,pa­ra mui­tos,ou­tro meio de so­bre­vi­vên­cia se­não o de tra­ba­lhar co­mo di­a­ris­tas ou as­sa­la­ri­a­dos, tor­nan­do-se des­se mo­do, de­pen­den­tes de um pa­trão.A ad­mi­nis­tra­ção co­lo­ni­al es­ta­va apos­ta­da em apa­gar a cul­tu­ra dos po­vos en­con­tra­dos, a co­me­çar pe­la pró­pria lín­gua. Fran­ça e Por­tu­gal adop­ta­ram a po­lí­ti­ca de as­si­mi­la­ção co­mo con­di­ção­pa­ra ga­nhar a ci­da­da­nia.

A as­si­mi­la­ção con­sis­tia em­sa­ber ler e es­cre­ver cor­rec­ta­men­te a lín­gua do co­lo­ni­za­dor; exer­cer al­gu­ma pro­fis­são, uma ar­te ou­um ofí­cio ou ain­da pos­suir bens su­fi­ci­en­tes co­mo meio de sus­ten­to; ter bom com­por­ta­men­to ava­li­za­do pe­la au­to­ri­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va da área de re­si­dên­cia; pro­fes­sar a re­li­gião cris­tã; aban­do­nar os usos e cos­tu­mes afri­ca­nos; as­su­mir a mo­no­ga­mia, e cum­prir o ser­vi­ço mi­li­tar. A po­lí­ti­ca de as­si­mi­la­ção re­pre­sen­ta, as­sim, mais uma ma­ni­fes­ta­ção da ar­ro­gân­cia do eu­ro­peu an­te o en­con­tra­do.

As fa­mí­li­as afri­ca­nas de­ten­to­ras de al­gum po­der fi­nan­cei­ro pu­de­ram man­da­ros fi­lhos pa­ra as me­tró­po­les a fim de lá es­tu­da­rem. Es­tes, em con­tac­to com a re­a­li­da­de que lhes era re­ser­va­da na­que­las ca­pi­tais, to­ma­ram cons­ci­ên­cia da de­si­gual­da­de com que eram tra­ta­dos em re­la­ção aos ci­da­dãos na­ti­vos e co­me­ça­ram com as rei­vin­di­ca­ções de li­ber­da­de pa­ra os paí­ses afri­ca­nos. A mai­or par­te dos es­ta­dos afri­ca­nos ob­ti­ve­ram as su­as in­de­pen­dên­ci­as por meio de ne­go­ci­a­ções. Ou­tros co­mo Angola, Mo­çam­bi­que e Ar­gé­lia só as ob­ti­ve­ram atra­vés de uma lu­ta ar­ma­da.

Al­can­ça­das as in­de­pen­dên­ci­as, os lí­de­res afri­ca­nos man­ti­ve­ram as fron­tei­ras her­da­das da co­lo­ni­za­ção, que des­de­nhou com­ple­ta­men­te a re­a­li­da­de ét­ni­co- lin­guís­ti­ca dos po­vos, o que po­de ter di­vi­di­do fa­mí­li­as, cu­jo con­cei­to afri­ca­noé mui­tís­si­mo di­fe­ren­te do oci­den­tal. As­sim, cer­tos mem­bros da mes­ma fa­mí­lia pas­sa­ram a per­ten­ce­ra paí­ses di­fe­ren­tes com fron­tei­ras co­muns. Es­te as­pec­to re­pre­sen­ta já uma agres­são à cons­ci­ên­cia de gru­po dos di­fe­ren­tes po­vos que fi­cam con­di­ci­o­na­dos às im­po­si­ções de Es­ta­dos pa­ra se mo­vi- men­ta­rem de um ter­ri­tó­rio pa­ra o ou­tro den­tro do mes­mo rei­no, no­ção­que na­da tem a ver com país, pois acar­re­ta uma cons­ci­ên­cia de gru­po, o qual se vê ago­ra di­vi­di­do, por for­ças es­tra­nhas à sua cul­tu­ra.

Ou­tro pro­ble­ma, o cen­tral, sur­ge com o pró­prio pro­ces­so de go­ver­na­ção das na­ções ora in­de­pen­den­tes. As no­vas li­de­ran­ças, cons­ti­tuí­das, na mai­or par­te dos ca­sos, por jo­vens for­ma­dos no Oci­den­te, as­si­mi­la­ram de tal for­ma a cul­tu­ra eu­ro­peia a pon­to de te­rem im­por­ta­do mo­de­los de go­ver­na­ção oci­den­tais, pro­cu­ran­do adap­tá-los a um con­tex­to di­fe­ren­te sob to­dos os pon­tos de vis­ta. Mos­tra­ram- se des­pro­vi­das das ân­co­ras cul­tu­rais lo­cais e fo­ram pró­di­gas em pro­ta­go­ni­zar ati­tu­des que re­pre­sen­ta­vam um re­fle­xo da ad­mi­nis­tra­ção que an­tes com­ba­te­ram.

Os so­bas, au­to­ri­da­des afri­ca­nas por ex­ce­lên­cia, e ou­tros mais ve­lhos, ver­da­dei­ras bi­bli­o­te­cas e co­nhe­ce­do­res das re­ais ne­ces­si­da­des e as­pi­ra­ções do po­vo, es­te po­vo cu­jos pro­ble­mas se pre­ten­de re­sol­ver, não fo­ram ti­dos nem acha­dos. As eli­tes ac­tu­a­ram e têm ac­tu­a­do co­mo re­pre­sen­tan­tes de um po­vo que in­fe­liz­men­te não aus­cul­ta­ram, ig­no­ran­do, por is­so, as ne­ces­si­da­des e as as­pi­ra­ções do mes­mo. Em sín­te­se, não co­nhe­cem o po­vo que di­zem go­ver­nar.Já GIDDENS (2008, p. 5) aler­ta­va: «[a]s me­di­das po­lí­ti­cas que não se ba­sei­am nu­ma cons­ci­ên­cia in­for­ma­da dos mo­dos de vi­da das pes­so­as que afec­tam têm pou­cas hi­pó­te­ses de su­ces­so». Com efei­to, é es­te um dos mai­o­res pro­ble­mas com que se de­ba­tem mui­tos paí­ses afri­ca­nos.

É, pois, im­pos­sí­vel re­sol­ver- se um pro­ble­ma sem que se dei­xe par­ti­ci­par no pro­ces­so de re­so­lu­ção aque­le que é apo­quen­ta­do pe­lo mes­mo. De con­trá­rio, es­tar- se- ia a cair no pa­ter­na­lis­mo que, afi­nal, não dei­xa de ser uma ma­ni­fes­ta­ção de ar­ro­gân­cia. É pre­ci­so lem­brar que nas al­dei­as, on­de ain­da é pos­sí­vel ve­ri­fi­car- se a ma­triz cultural afri­ca­na, qu­an­do se iden­ti­fi­ca um pro­ble­ma, a pro­cu­ra da so­lu­ção do mes­mo en­vol­ve a par­ti­ci­pa­ção de to­dos no jan­go, on­de são di­ri­mi­dos os con­fli­tos, num ver­da­dei­ro exem­plo de de­mo­cra­cia par­ti­ci­pa­ti­va que, pa­ra­do­xal­men­te, es­pe­ra­mos ain­da que ama­nhã nos ve­nha do Oci­den­te. Quan­tas ve­zes re­pro­du­zi­mos Ber­lim?

Re­e­di­ta­mos, in­fe­liz­men­te, o es­pí­ri­to de Ber­lim, sem­pre que num de­ter­mi­na­do es­pa­ço im­plan­ta­mos um es­ta­be­le­ci­men­to que ve­nha afec­tar a vi­da dos mo­ra­do­res os quais não são con­tac­ta­dos an­tes a fim de se en­con­trar uma pla­ta­for­ma de en­ten­di­men­to; sem­pre que, em no­me do Es­ta­do se de­sa­lo­jam co­mu­ni­da­des sem con­di­ções pré­vi­as de re­a­lo­já- las; sem­pre que, ocu­pan­do uma po­si­ção pri­vi­le­gi­a­da no apa­re­lho do Es­ta­do nos apos­sa­mos do que é pú­bli­co pa­ra be­ne­fí­cio pró­prio, mui­tas ve­zes com con­sequên­ci­as gra­ves pa­ra a so­ci­e­da­de, in­cluin­do per­da de vi­das hu­ma­nas.

Ac­tu­a­ções de gé­ne­ro não po­dem dei­xar de ser con­si­de­ra­das co­mo he­ran­ça pe­sa­da do Oci­den­te, que, ten­do re­par­ti­do na Con­fe­rên­cia de Ber­lim, en­tre seus mem­bros, um con­ti­nen­te ha­bi­ta­do por ou­tros po­vos, ig­no­rou ta­xa­ti­va­men­te as con­sequên­ci­as do seu ac­to pa­ra a hu­ma­ni­da­de em ge­ral e pa­ra os afri­ca­nos em par­ti­cu­lar, pri­man­do pe­lo lu­cro e pe­la os­ten­ta­ção a to­do o cus­to.

Cons­ci­ên­cia cultural afri­ca­na

O en­con­tro en­tre cul­tu­ras pro­duz sem­pre os seus efei­tos, po­den­do ser po­si­ti­vos e/ou ne­ga­ti­vos. A co­lo­ni­za­ção eu­ro­peia foi vi­o­len­ta pa­ra a cul­tu­ra afri­ca­na, pro­cu­ran­do não só su­jei­tar es­ta úl­ti­ma à oci­den­tal, mas tam­bém e so­bre­tu­do anu­lá- la. Pa­ra tal, os eu­ro­peus mon­ta­ram to­do o ar­se­nal, em que pre­do­mi­nou o uso da vi­o­lên­cia, mui­tas ve­zes pra­ti­ca­da pe­las au­to­ri­da­des ecle­siás­ti­cas.

Em­bo­ra ti­ves­se ha­vi­do re­sis­tên­cia or­ga­ni­za­da por par­te dos afri­ca­nos, hou­ve tam­bém ma­ni­fes­ta­ções de al­gu­ma do­ci­li­da­de às pro­pos­tas oci­den­tais, por par­te das eli­tes lo­cais, vi­san­do ti­rar par­ti­do da si­tu­a­ção im­pos­ta pe­la no­va or­dem. Es­sa ati­tu­de, em si só, não po­de ser re­pu­ta­da de má. A per­ver­si­da­de sur­ge com o aban­do­no do subs­tra­to cultural, op­tan­do pe­la cul­tu­ra do co­lo­ni­za­dor, vis­ta co­mo a me­lhor.

Es­ta pa­re­ce ter si­do a ar­ma­di­lha em que caí­ram as eli­tes afri­ca­nas, con­tri­buin­do, des­te mo­do pa­ra a ma­te­ri­a­li­za­ção dos in­ten­tos do Oci­den­te em de­tri­men­to da pró­pria ter­ra. A pro­pó­si­to do ex­pos­to, diz ILIFFE ( 2013, p. 235) « [ d] evi­do­en par­te a la­bor mi­si­o­ne­ra­fu­e­sur­gi­en­do­en­las­co­lo­ni­as de la cos­ta una eli­te de afri­ca­nos edu­ca­da al mo­do oci­den­tal » . Os mis­si­o­ná­ri­os ti­ve­ram um pa­pel de­ter­mi­nan­te na ins­ta­la­ção do re­gi­me co­lo­ni­al e no pro­ces­so da acul­tu­ra­ção do afri­ca­no. Ora, con­si­de­ran­do a cul­tu­ra o fun­da­men­to da iden­ti­da­de de um po­vo e, por is­so, um ele­men­to es­sen­ci­al pa­ra a co­e­são, a ati­tu­de an­te­ri­or­men­te apon­ta­da das li­de­ran­ças afri­ca­nas pa­re­ce pôr em cau­sa a sua cons­ci­ên­cia cultural. Na ver­da­de, se­ria mais au­tên­ti­co pro­ce­der a um es­for­ço de adap­ta­ção das­ba­ses cul­tu­rais à no­va re­a­li­da­de, ao in­vés de adop­tar a cul­tu­ra do ou­tro.

In­fe­liz­men­te, mui­tos anos de­pois da con­quis­ta da in­de­pen­dên­cia, a mai­or par­te dos paí­ses afri­ca­nos são go­ver­na­dos por meio de mo­de­los oci­den­tais, sem qual­quer ten­ta­ti­va de con­tex­tu­a­li­za­ção, o que, à par­ti­da con­de­na as res­pec­ti­vas po­lí­ti­cas ao fra­cas­so. Não se dão con­ta as eli­tes afri­ca­nas de que, agin­do des­sa for­ma, con­tri­buí­mos nós pró­pri­os pa­ra a per­pe­tu­a­ção­dos di­ta­mes do Oci­den­te e da nos­sa des­gra­ça?

Só po­de­re­mos en­gen­drar mo­de­los ver­da­dei­ra­men­te afri­ca­nos de go­ver­na­ção qu­an­do cri­ar­mos po­lí­ti­cas pú­bli­cas con­tex­tu­a­li­za­das e o nos­so subs­tra­to cultural nos ser­vir efec­ti­va­men­te co­mo mo­la im­pul­si­o­na­do­ra nes­ta ta­re­fa. A aber­tu­ra das li­de­ran­ças à par­ti­ci­pa­ção do po­vo em qu­es­tões de go­ver­na­ção bem co­mo o es- for­ço pe­la ma­te­ri­a­li­za­ção de con­sen­sos al­can­ça­dos cons­ti­tu­em uma ga­ran­tia pa­ra a sus­ten­ta­bi­li­da­de de um es­ta­do; pro­mo­vem a as­sun­ção de uma ati­tu­de de com­pro­mis­so e de en­vol­vi­men­to na ma­te­ri­a­li­za­ção das po­lí­ti­cas pú­bli­cas tra­ça­das; es­ti­mu­lam a cons­ci­ên­cia do va­lor e da cul­tu­ra de um po­vo e con­tri­bu­em pa­ra a con­quis­ta e pa­ra a ma­nu­ten­ção de uma at­mos­fe­ra de con­fi­an­ça e de paz.

Con­clu­são

A Con­fe­rên­cia de Ber­lim re­pre­sen­ta um ac­to de ar­ro­gân­cia e pa­ter­na­lis­mo que ain­da en­con­tra eco na ac­tu­a­ção de mui­tos afri­ca­nos in­ves­ti­dos em car­gos de li­de­ran­ça, co­lo­can­doa ri­que­za­a­ci­ma da vi­da, de­ci­din­do sem con­sul­tar as par­tes afec­ta­das.

Ao con­trá­rio, na cul­tu­ra afri­ca­na, os bens es­tão em fun­ção da vi­da e não se dei­xa ne­nhum mem­bro da so­ci­e­da­de sem o mí­ni­mo da­que­les que lhe ga­ran­tam a so­bre­vi­vên­cia. Daí que, nas co­mu­ni­da­des ru­rais, ca­da fa­mí­lia tem a sua par­ce­la de ter­ra. Quan­to às de­ci­sões, são to­ma­das co­lec­ti­va­men­te in­ter­vin­do to­das as par­tes in­te­res­sa­das.

O sis­te­ma ca­pi­ta­lis­ta, cu­ja ofi­ci­a­li­za­ção no nos­so con­ti­nen­te é lan­ça­da pe­lo en­con­tro de Ber­lim, aba­lou os va­lo­res afri­ca­nos que as in­de­pen­dên­ci­as po­lí­ti­cas, in­fe­liz­men­te, não ti­ve­ram a ca­pa­ci­da­de de res­ga­tar, pois va­lo­ri­za­ram mais os mé­to­dos oci­den­tais do que olha­ram pa­ra o po­si­ti­vo das cul­tu­ras lo­cais.

Se, na ver­da­de, es­ta­mos in­te­res­sa­dos em re­sol­ver os pro­ble­mas que apo­quen­tam o nos­so po­vo, é ur­gen­te que vol­te­mos, co­mo já di­zia Agos­ti­nho Ne­to, às nos­sas tra­di­ções a fim de res­ga­tar o que de po­si­ti­vo há ne­las que po­de con­tri­buir pa­ra a afir­ma­ção de uma ma­triz afri­ca­na no con­cer­to das na­ções. Se que­re­mos im­pri­mir uma mar­ca de au­ten­ti­ci­da­de­nos nos­sos go­ver­nos, não nos de­ve­mos li­mi­tar a mi­me­ses, mas te­mos de cri­ar os nos­sos pa­ra­dig­mas so­bre as ba­ses que já te­mos e que não de­ve­mos nun­ca des­car­tar.

Apro­vei­te­mos os ele­men­tos po­si­ti­vos­que as ou­tras cul­tu­ras nos ofe­re­cem e não nos vi­re­mos­con­tra as nos­sas ba­ses afri­ca­nas que são es­sen­ci­al­men­te ‘ bi­o­cên­tri­cas’ e pe­lo diá­lo­go. Des­ta for­ma, es­ta­re­mos a dar pas­sos na cons­tru­ção de um pa­ra­dig­ma afri­ca­no de go­ver­na­ção que pro­te­ja re­al­men­te os in­te­res­ses dos nos­sos po­vos.

A con­quis­ta da Áfri­ca e da Ásia, pe­las cha­ma­das po­tên­ci­as im­pe­ri­a­lis­tas no pós-Se­gun­da Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al (1870),

Ra­cis­mo, um ega­do do po­der co­lo­ni­al

Vic­ti­ma de aa­tro­ci­da­de co­lo­ni­al no Con­go em 1890

Con­fe­rên­cia de Ber­lim - Par­ti­lha de Áfri­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.