"Agos­ti­nho Ne­to e a Cultural Na­ci­o­nal"

Co­ló­quio des­ta­ca Lín­guas Na­ci­o­nais

Jornal Cultura - - Primeira Página - GASPAR MICOLO

Oco­ló­quio so­bre o te­ma “O Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to e a Cul­tu­ra Na­ci­o­nal”, em alu­são ao 8 de Ja­nei­ro, Dia da Cul­tu­ra Na­ci­o­nal, que de­cor­reu no Me­mo­ri­al An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to (MAAN), des­ta­cou as lín­guas na­ci­o­nais co­mo te­ma trans­ver­sal aos di­ver­sos te­mas dis­cu­ti­dos na oca­sião.

Con­vi­da­do a abor­dar o te­ma "An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to e as lín­guas Na­ci­o­nais", no se­gun­do pai­nel, o di­rec­tor­ge­ral do Ins­ti­tu­to de Lín­guas Na­ci­o­nais (ILN), Jo­sé Do­min­gos Pe­dro, co­me­çou por lem­brar que é no­tó­rio nos dis­cur­sos do Pri­mei­ro Pre­si­den­te de Angola a pre­o­cu­pa­ção com as lín­guas na­ci­o­nais. Ci­tan­do tre­chos de um dis­cur­so de Agos­ti­nho Ne­to na União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos, em 1979, em que de­fen­dia que o en­si­no das lín­guas no en­si­no bá­si­co e mé­dio, Jo­sé Do­min­gos Pe­dro des­ta­ca a sua pre­o­cu­pa­ção não só em " iden­ti icar os pro­ble­mas da cul­tu­ra na­ci­o­nal" mas tam­bém em "apon­tar so­lu­ções, apre­sen­tar ca­mi­nhos", o que cul­mi­nou, por exem­plo, com a cri­a­ção, em 1978, do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Lín­guas, que de­pois pas­sa a de­sig­nar-se Ins­ti­tu­to de Lín­guas Na­ci­o­nais. "Há a ne­ces­si­da­de de adop­tar uma po­lí­ti­ca lin­guís­ti­ca que te­nha em con­ta a co­e­xis­tên­cia de to­das as lín­guas. Daí o fac­to de o sau­do­so Pre­si­den­te Agos­ti­nho Ne­to ter le­van­ta­do es­te pro­ble­ma", diz Jo­sé Do­min­gos Pe­dro. "Se exis­tem tan­tas lín­guas por que ra­zão é que se te­rá ex­clu­si­vi­da­de de uma só lín­gua".

O tam­bém do­cen­te uni­ver­si­tá­rio lem­brou que as lín­guas na­ci­o­nais ain­da não go­zam de um es­ta­tu­to pró­prio, por is­so pre­ci­sam de uma pro­tec­ção ju­rí­di­ca que lhes per­mi­ta ob­ter mai­or dig­ni­da­de, o que, aliás, po­de­rá de inir, cla­ra­men­te, o que são e que pa­pel de­vem de­sem­pe­nhar na so­ci­e­da­de. En­tre­tan­to, cons­ta que a As­sem­bleia Na­ci­o­nal já apro­vou em Ou­tu­bro de 2011, na ge­ne­ra­li­da­de, a pro­pos­ta de Lei do Es­ta­tu­to das Lín­guas Na­ci­o­nais, que vi­sa re­gu­lar a si­tu­a­ção lin­guís­ti­ca na­ci­o­nal. O do­cu­men­to, ain­da sem apro­va­ção inal, e que de­ve­rá bre­ve­men­te es­tar em dis­cus­são pú­bli­ca, po­de­rá per­mi­tir o au­men­to do nú­me­ro de lín­guas na­ci­o­nais com al­fa­be­to, pois, até ao mo­men­to, das vá­ri­as fa­la­das no país, ape­nas seis dis­põem de al­fa­be­to. À tí­tu­lo de exem­plo, o ar­ti­go 17.º do do­cu­men­to, as­si­na­la que" de­vem ser cri­a­das con­di­ções, em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, pa­ra que a lín­gua ma­ter­na do alu­no se­ja o meio pe­da­gó­gi­co du­ran­te as três pri­mei­ras clas­ses (...)". Há ain­da a pro­pos­ta de uso das lín­guas na­ci­o­nais nos tri­bu­nais, na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca e em vá­ri­os sec­to­res da vi­da pú­bli­ca.

O es­cri­tor Jo­sé Luís Men­don­ça, que abor­dou "An­go­la­ni­da­de e Uni­ver­sa­li­da­de na Poé­ti­ca de Agos­ti­nho Ne­to", no pri­mei­ro pai­nel, elu­ci­dou a per­ti­nên­cia do uso das lín­guas na­ci­o­nais em vá­ri­os po­e­mas do Pri­mei­ro Pre­si­den­te de Angola, de­cla­man­do-os e re­for­çan­do as­sim a re­fe­ri­da pre­o­cu­pa­ção do au­tor de "Sa­gra­da Es­pe­ran­ça". Qu­es­ti­o­na­do so­bre pos­si­bi­li­da­de de en­si­no das lín­guas na­ci­o­nais nas es­co­las, Jo­sé Luís Men­don­ça ex­pli­ca que, en­quan­to do­cen­te da Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as So­ci­ais, no­ta o en­si­no das lín­guas na­ci­o­nais na re­fe­ri­da uni­da­de da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to. "Mas tem pou­ca ade­rên­cia", su­bli­nha. "A mi­nha opi­nião é que as lín­guas na­ci­o­nais de­vem ser apren­di­das na in­fân­cia, es­sen­ci­al­men­te nas co­mu­ni­da­des". O po­e­ta avan­ça que, com as au­tar­qui­as, há aqui uma pos­si­bi­li­da­de pa­ra en­vol- ver os "mais ve­lhos da co­mu­ni­da­de". Jo­sé Luís Men­don­ça de­sa ia ain­da as uni­ver­si­da­des a cri­a­rem li­cen­ci­a­tu­ra em lín­guas na­ci­o­nais, as­sim co­mo há as de lín­guas por­tu­gue­sa, fran­ce­sa e in­gle­sa. "É im­por­tan­te apos­tar no en­si­no des­tas lín­guas num ní­vel su­pe­ri­or, e não so­men­te co­mo ca­dei­ras de al­gum cur­so".

Jo­sé Luís Men­don­ça acres­cen­tou que, en­quan­to sin­to­ma­to­lo­gia do es­ta­do do mun­do, a obra poé­ti­ca de Agos­ti­nho Ne­to cons­ti­tui um vas­to po­e­ma épi­co an­go­la­no e uni­ver­sal, em ver­so li­vre, en­tre­me­a­do de es­tân­ci­as lí­ri­cas e ele­gía­cas.

Já o so­ció­lo­go Cor­né­li­oCa­ley, que abor­dou "Sa­gra­da Es­pe­ran­ça: o con­cei­to", des­ta­cou os vá­ri­os pe­río­dos que mar­ca­ram a in­ter­ven­ção de Agos­ti­nho Ne­to na lu­ta con­tra a po­bre­za, a con­so­li­da­ção da in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nal, a con­so­li­da­ção das idei­as pan- afri­ca­nis­tas, a ne­gri­tu­de, en­tre ou­tras qu­es­tões. Pa­ra Cor­né­li­oCa­ley, "Sa­gra­da Es­pe­ran­ça" são du­as pa­la­vras que, jun­tas, tra­du­zem uma men­sa­gem in­fi­ni­ta­men­te gran­de que nos con­vi­da a atin­gir um ní­vel de fe­li­ci­da­de, fra­ter­ni­da­de, de igual­da­de ou de so­li­da­ri­e­da­de na cri­a­ção da na­ção an­go­la­na. "Os lin­guis­tas de­ve­ri­am en­vol­ver- se na tra­du­ção des­te li­vro pa­ra as prin­ci­pais lín­guas na­ci­o­nais", diz o tam­bém es­cri­tor Cor­né­li­oCa­ley, e que já foi se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Cul­tu­ra. "A mai­o­ria do nos­so po­vo não as­si­mi­la ain­da bem o dis­cur­so vei­cu­la­do na lín­gua por­tu­gue­sa".

En­quan­to is­so, a di­rec­to­ra do Ar­qui­vo Na­ci­o­nal, Ale­xan­dra Apa­rí­cio, a qu­em cou­be a dis­ser­ta­ção do te­ma “An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to e a Ge­ra­ção da Men­sa­gem Na Afir­ma­ção da Iden­ti­da­de An­go­la­na”, fri­sou que Agos­ti­nho Ne­to dei­xou um le­ga­do com uma boa par­te por ex­plo­rar e par­ti­lhar. Re­fe­riu- se tam­bém a uma des­cri­ção da si­tu­a­ção da co­ló­nia de Angola da épo­ca, ex­pli­can­do o apa­re­ci­men­to do Mo­vi­men­to dos Jo­vens In­te­lec­tu­ais des­sa Ge­ra­ção, que atra­vés da sua po­e­sia con­tes­ta­ram e cha­ma­ram a aten­ção pa­ra a si­tu­a­ção ca­la­mi­to­sa e pa­ra o sis­te­ma co­lo­ni­al vi­gen­te. Um Mo­vi­men­to que se es­ten­deu pas­san­do da con­tes­ta­ção in­te­lec­tu­al pa­ra a lu­ta ar­ma­da que con­du­ziu à li­ber­ta­ção de Angola do ju­go co­lo­ni­a­lis­ta e à sua in­de­pen­dên­cia. "Foi uma ge­ra­ção de li­te­ra­tos que aca­bou por se en­vol­ver em po­lí­ti­ca, em vir­tu­de da inér­cia do co­lo­ni­a­lis­mo", diz a his­to­ri­a­do­ra. "Es­ta ge­ra­ção in­flu­en­cia to­da a ge­ra­ção de es­cri­to­res sub­se­quen­tes e cria raí­zes do que mais tar­de se­ria a iden­ti­da­de na­ci­o­nal".

No se­gun­do pai­nel, além de Jo­sé Do­min­gos Pe­dro, to­ma­ram a pa­la­vra Ben­ja­mim Fer­nan­do, com o "Re­nún­cia Im­pos­sí­vel: o con­cei­to"; Edu­ar­do Pé­rez Al­ber­to, com o te­ma "O Pen­sa­men­to Fi­lo­só ico de Agos­ti­nho Ne­to so­bre Angola en­quan­to Es­ta­do: "o mais im­por­tan­te é re­sol­ver os pro­ble­mas do po­vo" e An­tó­nio Fon­se­ca, com o te­ma "A po­lí­ti­ca Cultural no Pen­sa­men­to do Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to".

En­tre­tan­to, a cri­a­ção de um es­pa­ço de de­ba­te pa­ra se re­pen­sar a cul­tu­ra na­ci­o­nal e se tra­ça­rem no­vas áre­as de ac­tu­a­ção, ca­pa­zes de dar sus­ten­ta­bi­li­da­de aos pla­nos e me­tas ali­nha­das no Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to (PND) 2018/2022 e que de inem as po­lí­ti­cas de go­ver­na­ção no do­mí­nio da cul­tu­ra, foi de­fen­di­da pe­la mi­nis­tra da Cul­tu­ra, Ca­ro­li­na Cer­quei­ra, na aber­tu­ra do even­to.

O Dia da Cul­tu­ra Na­ci­o­nal foi ins­ti- tuí­do em 1986, de­vi­do ao dis­cur­so pro­nun­ci­a­do pe­lo pri­mei­ro Pre­si­den­te an­go­la­no, An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, em 1979, na to­ma­da de pos­se dos cor­pos ge­ren­tes da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos (UEA).

Agos­ti­nho Ne­to, um in­te­lec­tu­al or­gâ­ni­co

Par­ti­ci­pan­tes no Co­ló­quio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.