Con­ta­gem De­cres­cen­te: a Vi­da pre­to no bran­co

Jornal Cultura - - Primeira Página - JO­SÉ LUÍS MENDONÇA

I. Ví­deo

De­ve ha­ver uma li­nha do sem­tem­po de on­de cres­ce es­sa mú­si­ca clás­si­ca e se en­raí­za na sa­la de ex­po­si­ções do Cen­tro Cul­tu­ral Ca­mões, nes­tes úl­ti­mos di­as de Fe­ve­rei­ro de 2019, e faz res­pi­rar as ima­gens que Jo­sé Sil­va Pin­to ( Tons­pi) se­quen­ci­ou em ví­deo, no pe­que­no ecrã fe­cha­do sob cor­ti­nas noc­tur­nas: “Ho­je é o pri­mei­ro dia da mi­nha mor­te. Ho­je é o dia em que gos­ta­va que co­me­ças­ses a vi­ver”, lê- se no ecrã, pas­sam acor­des de mú­si­ca sa­cra, “os que não con­se­guem sen­tir es­tas do­res já es­tão mor­tos há mui­to tem­po.”

Es­ta ví­deo-mon­ta­gem do FIM do “pri­mei­ro dia da mi­nha mor­te, um re­la­to das mi­nhas ou­tras mor­tes”, in­duz­nos, a nós, an­go­la­nos, a ca­mi­nhar so­bre as arei­as da nos­sa His­tó­ria mais re­cen­te, a da In­de­pen­dên­cia, e in­ter­ro­gar­mo-nos so­bre es­ses des­po­jos hu­ma­nos da guer­ra: co­mo che­gá­mos a tan­ta de­san­go­la­ni­da­de?

Pes­so­as em ruí­nas, ca­cos e es­ti­lha­ços hu­ma­nos, a vi­da ali pos­ta pre­to no bran­co, tal e qu­al a ar­te nos fa­la o que o po­vo não diz de boca aber­ta. Por is­so, de­via ha­ver uma agen­da cul­tu­ral pa­ra os nos­sos di­ri­gen­tes vi­ve­rem tam­bém os am­bi­en­tes cul­tu­rais que os ar­tis­tas dão à luz, pois Cul­tu­ra não é só Car­na­val. Na ex­po­si­ção Con­ta­gem De­cres­cen­te, é de fac­to Angola que mor­re, mas uma mor­te que anun­cia o seu opos­to di­a­léc­ti­co: PODES CO­ME­ÇAR A VI­VER AGO­RA.

II. Fo­to­gra ias

Vi­va­mos as es­ca­das do Cen­tro Ca­mões. Lo­go à en­tra­da do hall mai­or de ex­po­si­ções, es­tá o pró­prio Tons­pi, pre­to no bran­co co­mo to­das as 47 fo­to­gra­fi­as e os três de­se­nhos, com as mãos so­bre a ca­be­ça, ten­tan­do tra­var a água da vi­da que o la­va das ima­gens doí­das no co­ra­ção.

A Vi­da le­van­ta as vei­as sob a pe­le das ve­lhas mãos la­bo­ri­o­sas, sem tem­po pa­ra o ver­niz, nem pa­ra a ma­ni­cu­re. O seu Iní­cio é uma se­de de vi­ver, uma Pre­ce a uma pa­rá­bo­la des­fei­ta nu­ma cruz.

Mes­mo des­cal­ços, os pés sem­pre con­ser­va­rão al­gu­ma Dig­ni­da­de, se o Amor for uma cons­tan­te, se o Tra­ba­lho ofe­re­cer- nos, em tro­ca, al­gum sor­ri­so na ber­ma de uma es­tra­da in­di­fe­ren­te. So­nho, Luz e Li­ber­da­de – sig­nos da ado­les­cên­cia, um ho­mem de Fa­mí­lia cons­trói uma man­são de pau- a- pi­que e es­can­ca­ra os céus com a mú­si­ca do seu apa­re­lho SHARP so­bre um chão de ter­ra ba­ti­da.

Angola é um país de Ali­men­to. A Gra­ti­dão fren­te a um pra­to de es­mal­te já amol­ga­do com ar­roz trans­for­ma a me­sa em san­tuá­rio e Deus re­ce­be es­se ges­to, mes­mo que al­gum dos dois me­ni­nos ou os que não es­tão à me­sa a jan­tar vi­er um dia a ser mi­nis­tro e nun­ca se lem­brar dos pra­tos de es­mal­te amol­ga­dos sem ar­roz.

Sou Pes­soa nas ex­pres­sões ca­va­das de an­gús­ti­as do ca­sal de mais­ve­lhos, sou Úni­co nu­ma pla­teia à es­pe­ra de mul­ti­dões, sou Com­ple­to nas mu­le­tas que co­me­ram o pas­so ( in) cer­to do pre­sen­te, a Se­re­ni­da­de po­de es­con­der ou­tra al­ma den­tro da al­ma, sou For­ça de um olhar acen­den­do a ener­gia da co­mu­nhão vi­tal, mãos es­ten­di­das nem sem­pre pe-

dem Aju­da, nem só de pão vi­ve o ho­mem, mas de to­da a pa­la­vra que es­que­ce no de­do bran­co de Deus.

Pa­ra a In­fân­cia bas­ta o Am­pa­ro das mães e das ir­mãs mais- ve­lhas, à Ino­cên­cia nun­ca se pe­de con­tas, nem se ofe­re­ce mu­ros.

E eis- nos a Ca­mi­nho. Sou Paz nu­ma Ter­ra agres­te e imen­sa, a Água coa uma Luz fil­tra­da en­tre nu­vens e sen­ti­ne­las de eu­ca­lip­tos, além a In­fi­ni­tu­de do de­ser­to dei­xa em nos­sa boca um sa­bor a eter­ni­da­de des­co­nhe­ci­da, o Céu do pla­nal­to pa­re­ce uma in­va­são de mar­ci­a­nos ( quem dis­se que os ali­ens são ca­ni­bais co­mo nós?)

Por is­so, tam­bém eu “Nas­ci ho­je”, eu Jo­sé Luís Mendonça, de bar­ba ain­da bran­ca a ca­mi­nho da ho­mi­ni­za­ção ( in) com­ple­ta: a fa­la pe­ne­tran­te do olhar.

III. De­se­nhos

A ex­po­si­ção Con­ta­gem De­cres­cen­te fe­cha com três de­se­nhos: a fra­gi­li­da­de do ho­mo sa­pi­ens, lâm­pa­da do mun­do. Co­mo es­cre­veu Ma­teus, o evan­ge­lis­ta: “não se acen­de uma can­deia pa­ra co­lo­cá- la de­bai­xo de um ces­to. Ao con­trá­rio, co­lo­ca- se no ve­la­dor e, as­sim, ilu­mi­na a to­dos os que es­tão na ca­sa.”

Sou Com­ple­to Nas­ci Ho­je

Am­pa­ro 2

Sou Ca­mi­nho Sou Ter­ra ns Sa­pie Ho­mo O Sou Fa­mí­lia Sou Pes­soa Sou Tra­ba­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.