Es­cri­tas & Correntes D’es­cri­tas

Jornal Cultura - - Letras -

di­as, pro­ce­der ao lan­ça­men­to de mais de qua­ren­ta tí­tu­los de li­vros iné­di­tos. Os anún­ci­os e en­tre­ga de pré­mi­os mar­ca­ram a aber­tu­ra e o en­cer­ra­men­to das Correntes, res­pec­ti­va­men­te, no ma­jes­to­so Ca­si­no da Pó­voa e no re­no­va­do Ci­ne-Te­a­tro lo­cal.

A a ir­ma­ção, con ir­ma­ção e a con­sa­gra­ção de elo­quen­tes es­cri­to­res, uten­tes da lín­gua por­tu­gue­sa e não só, re lec­ti­ram-se na su­bli­ma­ção dos cor­re­do­res das Ga­le­ri­as Eu­ra­ci­ni e da sa­la Prin­ci­pal do Ci­ne-Te­a­tro Gar­rett, dia após dia, qua­se que re­ben­tan­do pe­las cos­tu­ras, tal era a ini­ma­gi­ná­vel pre­sen­ça da co­mu­ni­da­de po­vei­ra que lo­go pe­la ma­nhã lá se ia po­si­ci­o­nan­do em ilas de aces­so ao au­di­tó­rio e ou­tros úteis es­pa­ços.

Angola apre­sen­tou-se sem­pre com au­to­res de ele­va­do pres­tí­gio e re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de. Nes­ta edi­ção, ce­le­bran­do tam­bém a pa­la­vra, o des­ta­que an­go­la­no vai pa­ra a nos­sa ilus­tre «ma­na mais ve­lha» Ana Pau­la Ta­va­res que, por ra­zões ob­vi­as, há mui­to não pas­sa­va por ali. A sua pre­sen­ça ago­ra foi tam­bém ve­loz e su­per­só­ni­ca por ra­zões aca­dé­mi­co-la­bo­rais. Des­ta­que tam­bém pa­ra o nos­so «pu­to mais no­vo». O Ond­ja­ki é um dos no­vos an­go­la­nos, res­pei­ta­dos e res­pei­ta­do­res que, mes­mo des­co­nhe­cen­do o fac­to, tem sa­bi­do nos en­si­nar a gos­tar de­le co­mo pes­soa e da sua já con­si­de­rá­vel bi­bli­o­gra ia en­quan­to au­tor. É mes­mo um mo­vi­men­ta­do e su­bli­me po­e­ta «à ma­nei­ra man­go­lê» que tão bem fa­bri­ca ver­sos nas o ici­nas da sua po­li­da pro­sa.

Tam­bém a afri­ca­na pre­sen­ça de Ca­bo Ver­de foi de re­al­ce. Jor­ge Car­los Fon­se­ca, en­quan­to pre­si­den­te em exer­cí­cio da CPLP, pro­ce­deu a con­fe­rên­cia de aber­tu­ra do even­to, na pre­sen­ça do afec­tu­o­so ci­da­dão e pre­si- den­te por­tu­guês Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa. O tam­bém pre­si­den­te de Ca­bo Ver­de, pu­bli­ca­men­te re lec­tiu fa­zen­do pro­fun­das in­cur­sões em tor­no de um te­ma que não ra­ras ve­zes re­fe­ren­ciá­mos pois é fun­da­men­tal pen­sar­mos e dis­cu­tir­mos, em per­ma­nên­cia, ques­tões li­ga­das à mo­bi­li­da­de e cir­cu­la­ção dos ci­da­dãos e prin­ci­pal­men­te dos ar­tis­tas no seio da Co­mu­ni­da­de. Na pe­le de um ver­da­dei­ro e pro­fun­do aman­te das be­las le­tras, o pre­si­den­te ca­bo-ver­di­a­no pu­xou, re­ti­rou e en­sa­cou a sua gra­va­ta de pu­ra se­da, tam­bém, en­tre al­guns, co­nhe­ci­da co­mo sen­do a mais cé­le­bre co­lei­ra so­ci­al. Em grau de pa­ri­da­de, des­com­ple­xa­da­men­te con­ver­san­do e tro­can­do ex­pe­ri­ên­ci­as com ou­tros em igual­da­de de cir­cuns­tân­ci­as, cir­cu­lan­do sem ce­ri­mó­ni­as pe­los cor­re­do­res e sa­las de re­fei­ções, ser­vin­do-se, co­men­do e be­ben­do co­mo os de­mais, pros­se­guiu par­ti­ci­pan­do do fes­ti­val, sen­do um dos qua­ren­ta au­to­res que ali apre­sen­ta­ram os seus mais re­cen­tes tí­tu­los de po­e­sia, con­ve­ni­en­te­men­te aplau­di­dos e ce­le­bra­dos. Vi­mo-lo co­mo um exem­plo de «Ho­mem» aca­dé­mi­co e po­lí­ti­co cul­to. Ho­mens des­tes é que bem me­re­ce o «su­ba­tra­sa­do» con­ti­nen­te ber­ço das «pa­lha­ci­çes».

O pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. O mi­nis­tro da Cul­tu­ra, Abrão Vi­cen­te, tam­bém na con­di­ção de au­tor/es­cri­tor e mais dois ou­tros, o Ar­mé­nio Vi­ei­ra e o Ger­ma­no Almeida, am­bos lau­re­a­dos com o Pré­mio Ca­mões, es­ta­vam ali pres­ti­gi­an­do-se, pres­ti­gi­an­do Ca­bo Ver­de, pres­ti­gi­an­do a Áfri­ca e pres­ti­gi­an­do o pró­prio fes­ti­val, com a sua pre­sen­ça. Acre­di­ta­mos que da­li não saí­ram, nem mais gor­dos, nem mais ma­gros. Saí­ram sim, mui­to mais cul­tos, ex­pe­ri­en­tes e mo­ti­va­dos, tal co­mo to­dos os ou­tros par­ti­ci-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.