O con­cei­to de an­go­la­ni­da­de e os opo­nen­tes em ti­ro­cí­nio ar­gu­men­ta­ti­vo

Jornal Cultura - - Letras -

go­la­ni­da­de, no de­ba­te mo­der­no em An­go­la, ocor­re em 1901, quan­do se dá à es­tam­pa a obra co­lec­ti­va «Voz de An­go­la Cla­man­do no De­ser­to » em que pon­ti­fi­cam tri­bu­nos angolanos, en­tre os qu­ais o có­ne­go na­ti­vis­ta António José do Nas­ci­men­to. Tra­ta- se de uma ac­ção ar­gu­men­ta­ti­va ins­cri­ta na tra­di­ção en­saís­ti­ca que re­mon­ta à se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo XIX.

NE­CES­SI­DA­DE DE CUL­TU­RA AR­GU­MEN­TA­TI­VA

A ac­ti­vi­da­de ar­gu­men­ta­ti­va é uma das mais no­bres prá­ti­cas dis­cur­si­vas, es­pe­ci­al­men­te pe­las exi­gên­ci­as do có­di­go de con­du­ta a que se deve vin­cu­lar quem a exer­ci­ta, ten­do em con­ta a ne­ces­si­da­de de con­ven­cer os opo­nen­tes. Por es­sa ra­zão, a ma­ni­fes­ta­ção de von­ta­de em par­ti­ci­par no de­ba­te re­quer, em pri­mei­ro lu­gar, o per­fei­to do­mí­nio de um con­jun­to de ele­men­tos que cons­ti­tu­em o cam­po te­má­ti­co da ques­tão. Um des­ses ele­men­tos é o pro­ble­ma que sus­ci­ta a con­tro­vér­sia. Apli­ca- se aqui a re­gra da re­le­vân­cia. Além dis­so, quan­do se ava­lia a for­ça dos ar­gu­men­tos de­bi­ta­dos pe­lo ar­ti­cu­lis­ta, ve­ri­fi­ca- se que não pos­sui uma po­si­ção que con­fi­gu­re uma dis­so­nân­cia já de­mons­tra­da, sub­me­ti­da a es­cru­tí­nio e a tes­tes de con­sis­tên­cia. Apli­ca- se aqui a re­gra do bom uso das pro­vas in­ter­nas pa­ra a efi­cá­cia da re­fu­ta­ção. As­sim, o con­tra­dis­cur­so não re­sul­ta ver­da­dei­ra­men­te de um de­sa­cor­do, na me­di­da em que o ar­ti­cu­lis­ta não re­ve­la pos­suir o co­nhe­ci­men­to do as­sun­to em ques­tão, is­to é, o con­cei­to de an­go­la­ni­da­de e o pro­ble­ma fi­lo­só­fi­co em que se ana­li­sa. Apli­ca- se aqui a re­gra da igual­da­de di­a­léc­ti­ca pe­ran­te o opo­nen­te ima­gi­ná­rio.

Em con­clu­são, po­de di­zer- se que o ar­ti­cu­lis­ta pra­ti­ca a pe­ti­ção de prin­cí­pio. Não apre­sen­ta pro­vas pa­ra sus­ten­tar a sua in­con­sis­te ar­gu­men­ta­ção, pois não te­ve o cui­da­do de ler a obra do au­tor cu­ja au­to­ri­da­de pre­ten­de pôr em cau­sa. Por ou­tro la­do, o ar­ti­cu­lis­ta per­de de vis­ta o res­pei­to de­vi­do ao au­di­tó­rio, pois ig­no­ra o vo­lu­me glo­bal de in­for­ma­ção prée­xis­ten­te so­bre a pro­ble­má­ti­ca. É ur­gen­te ter o per­fei­to co­nhe­ci­men­to das tra­di­ções en­saís­ti­cas e ar­gu­men­ta­ti­vas angolanas, no­me­a­da­men­te, a que as­sen­ta na ora­li­da­de e pra­ti­ca­da pe­los ngand­jis e a es­cri­ta em lín­gua por­tu­gue­sa com ele­va­do apu­ro ar­gu­men­ta­ti­vo. A pri­mei­ra re­mon­ta aos tem­pos ime­mo­ri­ais, sus­ten­ta o ethos das co­mu­ni­da­des ét­ni­cas angolanas. A se­gun­da re­mon­ta à se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo XIX.

Ora, um bom ar­gu­men­ta­dor não es­ti­lha­ça o seu dis­cur­so com er­ros ele­men­ta­res, tais co­mo a fu­ga ao ónus da pro­va. Por es­sa ra­zão, as li­nhas que se se­guem re­me­tem o ar­ti­cu­lis­ta pa­ra a te­ma­ti­za­ção da ques­tão a que me ve­nho de­di­can­do des­de a dé­ca­da de 80 do sé­cu­lo XX.

O CON­CEI­TO DE AN­GO­LA­NI­DA­DE

O con­cei­to é uma pro­po­si­ção que ser­ve pa­ra de inir os ob­jec­tos do co­nhe­ci­men­to e su­as as pro­pri­e­da­des. Os ob­jec­tos que cons­ti­tu­em o uni­ver­so de re­fe­rên­cia ca­rac­te­ri­zam a in­ten­si­o­na­li­da­de do con­cei­to e as res­pec­ti­vas pro­pri­e­da­des con­for­mam a sua ex­ten­si­o­na­li­da­de. Is­to quer di­zer que es­ses ob­jec­tos são pré-exis­ten­tes re­la­ti­va­me­te ao mo­men­to da for­ma­ção do con­cei­to. A his­tó­ria do na­ti­vis­mo an­go­la­no nas su­as ex­pres­sões jor­na­lís­ti­cas e li­te­rá­ri­as per­mi­te con­cluir is­so mes­mo. Por es­sa ra­zão, não bas­ta pa­ra­fra­se­ar o tex­to ana­li­sa­do ape­nas. Há que co­nhe­cer a his­tó­ria do con­cei­to. Na ver­da­de, o con­cei­to em aná­li­se apre­sen­ta uma gran­de ro­bus­tez epis­té­mi­ca, po­den­do ser en­ten­di­do co­mo uma ar­qui­to­pia cu­jo sig­ni­fi­ca­do apon­ta pa­ra uma se­mió­ti­ca da po­si­ci­o­na­li­da­de e do lu­gar de que ema­nam os ob­jec­tos da re­fle­xão. Nes­te ca­so, tra­ta- se dos lu­ga­res le­gi­ti­ma­do­res da pro­du­ção dos co­nhe­ci­men­tos, a par­tir dos qu­ais se fa­la e se lê so­bre a re­a­li­da­de an­go­la­na. Por es­sa ra­zão, deve ser- lhe atri­buí­da uma fun­ção heu­rís­ti­ca.

A HIS­TÓ­RIA DO DE­BA­TE EM MEADOS DO SÉ­CU­LO XX.

O es­for­ço de con­cep­tu­a­li­za­ção in­ten­si­fi­ca- se a par­tir na dé­ca­da de 60 do sé­cu­lo XX, quan­do as ac­ti­vi­da­des de in­te­lec­tu­ais angolanos que vi­nham sen­do re­a­li­za­das no âm­bi­to

José da Sil­va Maia Fer­rei­ra En­saio do au­tor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.