Quan­do o “des” anu­la as im­pos­si­bi­li­da­des: Oc­ta­vi­a­no Cor­reia e A avó que nas­ceu du­as ve­zes – es­tó­ri­as do de­sim­pos­sí­vel

Jornal Cultura - - Barra Do Kwanza -

tó­ri­as do im­pos­sí­vel”, o leitor iria exi­gir uma pro­va pa­ra a su­po­si­ção de que exis­te pos­si­bi­li­da­de de o im­pos­sí­vel acon­te­cer; se as his­tó­ri­as são do de­sim­pos­sí­vel, a du­pla ne­ga­ção re­quer ape­nas que a su­po­si­ção de que a pos­si­bi­li­da­de é pos­sí­vel não se­ja con­tra­di­tó­ria. Qu­ais as pos­si­bi­li­da­des de uma avó vi­ver du­as ve­zes? A su­po­si­ção de que a im­pos­si­bi­li­da­de se po­de re­sol­ver em pos­si­bi­li­da­de.

O mes­mo na vi­da, que se po­de ex­pe­ri­men­tar co­mo des­vi­ven­te, tí­tu­lo de um dos con­tos des­te úl­ti­mo li­vro de Oc­ta­vi­a­no Cor­reia, es­cri­to em 2012 e a publicar bre­ve­men­te em An­go­la, ou co­mo, se­guin­do as de­sim­pos­si­bi­li­da­des, co­mo des­mor­to.

A ver­da­de é que o es­cri­tor, atra­vés de um cui­da­do de lin­gua­gem que a li­ber­ta nas su­as in­crí­veis e múl­ti­plas pos­si­bi­li­da­des, nu­ma es­pé­cie de big bang lin­guís­ti­co de for­ma­ção de no­vos cos­mos, re­tra­ta a vi­da do ho­mem tal qual co­mo des-é pa­ra che­gar ao que é. Co­mo se pre ixos e su ixos, com­po­si­ções inu­si­ta­das e de­ri­va­ções ori­gi­nais fos­sem o có­di­go que nos per­mi­te ver o que não se vê, des­lo­gi­can­do a ló­gi­ca atra­vés da in­tui­ção pa­ra che­gar aos co­ra­ções dos ho­mens. Co­ra­ção, ín­ti­mo e ra­zão tan­tas ve­zes es­con­di­dos nas apa­rên­ci­as que só os olhos do es­cri­tor, da cri­an­ça, do po­e­ta con­se­guem en­tre­ver nas de­sen­tre­li­nhas das his­tó­ri­as, dos ros­tos e dos pen­sa­men­tos.

Vi­ver du­as ve­zes é, nes­te li­vro de con­tos, o olhar se­gun­do, o olhar que vai pa­ra lá das rou­pas da Do­na Reb­be­ca, pro­ta­go­nis­ta de um dos con­tos, res­pei­tá­vel e vis­to­sa se­nho­ra de ses­sen­ta anos, pa­ra lá do seu cor­po in­ven­ta­do pa­ra ter me­nos vin­te anos, do no­me de con­so­an­te du­pla pen­sa­do pa­ra ser aris­to­crá­ti­co-chi­que. A de­sim­pos­si­bi­li­da­de le­va o me­ni­no Ber­nar­do a fa­zer ver à tia Hen­ri­que­ta os pés de ga­li­nha, os si­nais inequí­vo­cos da ida­de ga­lo­pan­te. E de­ci­fra-se a ba­to­ta nas car­tas de um dos amigos de bis­ca de há dez anos, nu­ma de­za­mi­za­de em que o dez da dé­ca­da era a inal o “des” da ne­ga­ção.

As per­so­na­gens de Oc­ta­vi­a­no Cor­reia são tão vi­vas que per­ten­cem à al­deia, ci­da­de, fa­mí­lia de ca­da um dos leitores. Com ou­tros no­mes e ou­tras fa­ces. No con­to “O Tal­vez­men­te”, o es­cri­tor ofe­re­ce- nos o lou­co o ici­al da ci­da­de, por­que ci­da­de sem lou­co é dei­xa­da à in­sa­ni­da­de, co­mo es­cre­ve. E eu vi­a­jei no tem­po, pa­ra lá lon­ge, quan­do, pe­que­ni­na, pas­sa­va à por­ta da Eu­fé­mia, a to­li­nha o ici­al da al­deia da mi­nha avó. Pas­sa­va sem­pre com me­do, por­que ela apa­re­cia de den­tro da ca­sa es­cu­ra, co­mo se saís­se de uma ca­ver­na, e ati­ra­va pe­dras e gri­ta­va e fa­la­va com um den­te a sair-lhe da bo­ca. Quan­do a Eu­fé­mia mor­reu, ica­ram os ou­tros, co­mo no con­to de Oc­ta­vi­a­no Cor­reia, sem ter a quem cha­mar lou­ca e co­me­ça­ram a vir ao de ci­ma as lou­cu­ras dos sãos. Por­que ti­nha par­ti­do a de­sin­sa­na.

Es­pe­re­mos que o li­vro de An­go­la che­gue cá mui­to de­pres­sa, pa­ra en­cher com o seu ca­ri­nho pe­los ho­mens e as su­as de­sim­pos­si­bi­li­da­des os nos­sos di­as mais des­di­as, pa­ra que in­ven­te­mos tal­vez­men­te e ali­men­te­mos de so­nhos o nos­so “ima­gi­nar de­sex­pli­ca­do e in­di­zí­vel”, co­mo es­cre­ve o au­tor num dos seus con­tos.

Lui­sa Ma­ri­nho Antunes Pa­o­li­nel­li é Prof ª. de Li­te­ra­tu­ra Com­pa­ra­da da Uni­ver­si­da­de da Ma­dei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.