An­go­la além-mar

Jornal Cultura - - Navegações -

Me ve­jo, me an­te­ve­jo to­lo A pal­ma da mão no co­ra­ção Sen­tin­do fa­le­cer es­sa cal­ma D’amor do qual sou da­dor! (II) Ema­lo a dor ao som do amor Aqui­e­tan­do o meu de­sa­mor E por tão dó­cil, o meu can­to De mim es­vai o de­sen­can­to Que ou­sa­ra rir do meu cla­mor Evo­lan­do ven­tos sem pri­mor De aven­tar ira em vil tre­mor! (III) As­so­mo os ar­ru­mos da ra­zão E tão vil, o ca­os me or­de­na Que me en­ce­ne em ve­ra li­da Ca­paz de er­guer meu so­frer Com­ba­li­do, fa­li­do, a mor­rer Es­vain­do a al­ma Além, fa­li­da Em cu­ja au­ra ain­da en­ce­na Mi­ras dar­de­jan­do o co­ra­ção! (IV) Ame­lo o mar ao som d’amor Qu­an­ta amar­gu­ra sem sa­bor Que de alí­vio a al­ma se vai In­do além-mar son­dar quem Le­va­do pra não mais vol­tar Can­ta sam­ba sem re­vol­tar Es­ca­van­do a cus­to vin­tém Que che­ga e lo­go se es­vai Ape­sar do mais du­ro la­bor! Eis por­que além há de­sa­mor! (V) Ou­ço o can­to con­ga so­nar Mui além do meu do­ce mar E o som que li­ber­ta aler­ta Qu­an­ta dor in­da pre­en­che O va­zio pre­nhe que amo­la O ba­ter do tam­bor d’An­go­la! E se o pran­to ain­da en­che A al­ma em noi­te des­per­ta É pa­ra ain­da ver re­cla­mar A dor do pei­to a en­tor­nar!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.